orçamento loja virtual em Marumbi

Encontre orçamento loja virtual em Marumbi na Web4business - Desenvolvimento de Sistemas e Sites Personalizados.

Loja

Casa térrea.
Pavimento térreo de, uma casa.
Casa para venda de mercadorias.
Oficina.
Habitação assobradada, ao rés do chão.
Casa de associação maçónica.


Loja

Designação do ânus da cavalgadura.


Virtual

Que existe como faculdade, mas sem exercício ou efeito actual.
Possível; susceptível de se realizar.
Potencial.
Diz-se do foco de um espelho, determinado pelo encontro dos prolongamentos geométricos dos raios luminosos.


Marumbi

Esta página cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo (desde janeiro de 2012). Ajude a inserir referências. Conteúdo não verificável poderá ser removido.?Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Conjunto Marumbi
Conjunto Marumbi, visto de Porto de Cima.

Conjunto Marumbi Coordenadas25° 27' 7" S 48° 55' 7" O Altitude1 539 m (5 049 pés) Proeminência1 054 m
LocalizaçãoMorretes, Piraquara e Quatro Barras, no Paraná, no Brasil

Primeira ascensão21 de agosto de 1879 por Joaquim Olimpio Carmeliano de Miranda


















O Conjunto Marumbi ou Serra Marumbi é uma cadeia de montanhas de difícil acesso no estado do Paraná, no Brasil. O nome do seu cume mais alto (Olimpo) recebeu o nome da primeira pessoa conhecida que o atingiu, Joaquim Olimpio Carmeliano de Miranda. É formado pelas montanhas: Olimpo (1 539 metros), Boa Vista (1 491 metros); Gigante (1 487 metros); Ponta do Tigre (1 400 metros); Esfinge (1 378 metros); Torre dos Sinos (1 280 metros); Abrolhos (1 200 metros); Facãozinho (1 100 metros) e pelo Morro Rochedinho (625 metros). A maioria destes picos é separada por diques de diabásio com orientação azimutal. É o caso da separação entre a Torre dos Sinos e o Abrolhos, chamada Desfiladeiro da Catedral, e entre a Ponta do Tigre e a Esfinge, chamada Desfiladeiro das Lágrimas.
Com aspectos significativos da floresta Atlântica Brasileira, o Olimpo foi considerado por muito tempo o ponto culminante do estado do Paraná, e conquistado pela primeira vez em 1879 por Joaquim Olímpio de Miranda.
A beleza natural do local faz, do Marumbi, um dos principais atrativos turísticos do Paraná, e também estimula a prática de esportes de aventura como o montanhismo técnico e caminhadas.Índice1 Etimologia
2 Ascensões
3 Parque estadual
4 Ver também
5 Galeria de imagens
6 Referências
7 Bibliografia
8 Ligações externasEtimologia[editar | editar código-fonte]
O tupinólogo Eduardo Navarro defende duas etimologias possíveis para o topônimo "Marumbi":viria do termo da língua geral maromby, que significa "rio dos peixes grandes" (maromba, "peixe grande" + 'y, "rio");
viria do termo da língua portuguesa "marumbi", que significa "lagoa cheia de taboas".[1]
Ascensões[editar | editar código-fonte]
Vista da curva do Cadeado, quadro de Alfredo Andersen, c. 1920, com o Conjunto Marumbi ao fundo.
Em 21 de agosto de 1879, em plena efervescência da construção da ferrovia, Joaquim Olimpio Carmeliano de Miranda, acompanhado de Bento Manoel de Leão, Antônio Silva e Antônio Messias, atingiu o ponto mais alto do "Marumby", inaugurando, assim, o montanhismo no Brasil. Na segunda ascensão, um ano após, Joaquim retornava ao cume acompanhado por quatorze pessoas. Entre elas, estava Antonio Ribeiro de Macedo, que escreveu minucioso relato sobre o feito e disse que: em honra ao nome de seu primeiro explorador e por analogia ao monte que a mitologia grega dá como morada dos deuses, damos a este morro o nome de Olimpo.
O percurso inicial seguia pelo Vale do rio São João até o Morro Boa Vista e daí para o Olimpo. Com o advento da ferrovia, partiam já do Rochedinho para o Facãozinho, Boa Vista e Olimpo. Somente em 1942 foi aberta a trilha Frontal, utilizada até hoje. Seus realizadores foram Rudolf Stamm, Irineu Pedro Bonatto e Manfredo Kirchner.
As duas principais trilhas, Noroeste e Frontal, foram abertas entre 1938 e 1942; na década de 1940, foram instaladas as correntes, substituídas em 1998/99 por degraus de ferro. O atual código de cores e demarcação de trilhas com fitas coloridas foi utilizado em 1979, tendo sido mantido e melhorado até os dias de hoje.Parque estadual[editar | editar código-fonte]
Parque Estadual Pico do Marumbi
Categoria II da IUCN (Parque Nacional)

País Brasil Localidades mais próximasMorretes, Piraquara, Quatro Barras
Dados
Área&0000000000008745.4547008 745,4547 hectares (87 5 km2)[2][3]
Criação24 de setembro de 1990 (28 anos)[2] GestãoInstituto Ambiental do Paraná[4]
Coordenadas25° 27' 13" S 48° 55' 11" O


Patrimônio Mundial da UNESCO Nome oficial: Reservas de Mata Atlântica do Sudeste Tipo:Natural Critérios:vii, ix, x
Data de registro:1999 (10ª sessão) Referência:893 País:Brasil Região:Américas



































O Parque Estadual Pico do Marumbi é uma unidade de conservação brasileira de proteção integral à natureza localizada nos municípios paranaenses de Morretes, Piraquara e Quatro Barras.[5]
O parque estadual Pico do Marumbi foi criado através do decreto estadual n.º 7.300, de 24 de setembro de 1990, com uma área de 2 342,41 hectares.[2] O território protegido pelo parque foi ampliado posteriormente em 6 403,0399 hectares, através do decreto estadual n.º 1.531, de 2 de outubro de 2007, fazendo com que o mesmo tenha, atualmente, uma área de 8 745,4547 hectares.[3][5] Sua administração está a cargo do Instituto Ambiental do Paraná (IAP).[4]
O Parque ainda possui um Centro de Visitantes com Museu, Polícia Florestal, acampamento e a sede do COSMO (Corpo de Socorro em Montanha), além do Reservatório do Carvalho, ponto histórico da região.[6] O acesso ao parque é possível somente através da Estrada de Ferro Curitiba-Paranaguá e por trilhas através da serra do mar.
O tombamento da Serra do Mar no estado do Paraná, em 1978, e que culminou com a criação do Parque Estadual Pico Marumbi, foi baseado em trabalhos do geólogo paranaense João José Bigarella que mostraram que o assoreamento da Baía de Paranaguá e dos canais de navegação do Porto de Paranaguá era consequência do desmatamento da serra.[7]Ver também[editar | editar código-fonte]
Caminho do Itupava
Serra do Mar
Reservas de Mata Atlântica do Sudeste
Reserva da biosfera da Mata Atlântica
Galeria de imagens[editar | editar código-fonte]
Conjunto Marumbi, visto do acampamento base
Montagem panorâmica do conjunto Marumbi, vista do morro do Anhangava
Marumbi
Referências? NAVARRO, E. A. Dicionário de tupi antigo: a língua indígena clássica do Brasil. São Paulo. Global. 2013. p. 586.? a b c «DECRETO Nº 7300 - 24/09/90». Casa Civil do Governo do Estado do Paraná. 24 de setembro de 1990. Consultado em 30 de janeiro de 2012 [ligação inativa]? a b «DECRETO Nº 1531 - 02/10/2007». Casa Civil do Governo do Estado do Paraná. 2 de outubro de 2007. Consultado em 30 de janeiro de 2012 [ligação inativa]? a b «PARQUE ESTADUAL DO PICO MARUMBI». Cadastro Nacional de Unidades de Conservação. 30 de janeiro de 2012. Consultado em 30 de janeiro de 2012 ? a b «Lista Geral das Unidades de Conservação Estaduais» (PDF). Departamento de Unidades de Conservação do Instituto Ambiental do Paraná. 14 de janeiro de 2011. Consultado em 30 de janeiro de 2012 [ligação inativa]? Reservatório do carvalho é um local exuberante Paraná-Online? «Fundação João José Bigarella». 2010. Consultado em 4 de novembro de 2010 [ligação inativa]
Bibliografia[editar | editar código-fonte]
HARTMANN, J. L. Marumbi: Guia de Escalada e Introdução à História do Montanhismo Paranaense.
ALVES, N. L. P. As Montanhas do Marumbi. Curitiba. 2008. ISBN 978-85-907951-0-0.
Ligações externas[editar | editar código-fonte]
O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Conjunto MarumbiMarumbi
COSMO
vdeÁreas protegidas no ParanáFederaisÁreas de proteção ambiental:Guaraqueçaba ? Ilhas e Várzeas do Rio Paraná

Estações ecológicas:Guaraqueçaba

Florestas nacionais:Açungui ? Irati ? Piraí do Sul

Parques nacionais:Ilha Grande ? Marinho das Ilhas dos Currais ? Saint-Hilaire/Lange ? Iguaçu ? Superagui ? Campos Gerais

Refúgios de vida silvestre:Campos de Palmas

Reservas biológicas:Araucárias ? Bom Jesus ? Perobas
EstaduaisÁreas de proteção ambiental:Escarpa Devoniana ? Iraí ? Passaúna ? Pequeno ? Rio Verde ? Serra da Esperança ? de Guaratuba ? do Piraquara ? GuaraqueçabaÁreas de relevante interesse ecológico:Cabeça do Cachorro ? Serra do Tigre ? São Domingos ? Buriti

Estações ecológicas:Ilha do Mel ? Cauiá ? Guaraguçu ? Fernades Pinheiro ? Rio dos Touros

Florestas estaduais:Córrego da Biquinha ? Metropolitana Palmito ? Passa Dois ? Santana

Monumentos naturais:Lancinhas

Parques estaduais:Boguaçu ? Bosque das Araucárias ? Campinhos ? Caxambu ? Cerrado ? Graciosa ? Guartelá ? Ilha do Mel ? João Paulo II ? Lago Azul ? Lauráceas ? Mata de Godoy ? Mata São Francisco ? Mina Velha ? Palmas ? Pau-oco ? Penhasco Verde ? Pico do Marumbi ? Pico Paraná ? Professor José Wacchowicz ? Rio Guarani ? Roberto Ribas Lange ? Serra da Baitaca ? Vale do Códo ? Vila Rica do Espírito Santo ? Vila Velha

Reservas biológicas:São Camilo
MunicipaisUCs:Refúgio do Bugio
ParticularesAlegrete ? Corredor do Iguaçu I ? das Araucárias ? Fazenda Barra Mansa ? Fazenda Barra Mansa ? Fazenda Figueira ? Fazenda Monte Alegre ? Fazenda Primavera ? Perna do Pirata ? Salto Morato ? Reserva Ecológica Sebuí ? Sítio do Bananal ? Sítio Monte Ararat ? Tayná ? Urú ? Vale do Corisco
Cadastro Nacional de Unidades de Conservação
Portal da ecologia Portal do Paraná