desenvolvimento em Diamantina

Encontre desenvolvimento em Diamantina na Web4business - Desenvolvimento de Sistemas e Sites Personalizados.

Desenvolvimento

Acto ou efeito de desenvolver.
Crescimento.
Ampliação.
Minuciosidade.


Diamantina


Município de Diamantina
"Cidade Colonial dos Diamantes""Capital do Jequitinhonha[1]"
Montagem de fotos da cidade de Diamantina; Do alto, em vista horário: Vista do Centro Histórico de Diamantina; Vista da cidade a partir do Cruzeiro; Catedral Metropolitana de Diamantina; Vista áerea do Residencial Jardim Imperial; Rua Macau do Meio e Antiga Estação Ferroviária de Diamantina.BandeiraBrasãoHino
Fundação1713 (306 anos)
Emancipação6 de março de 1831 (188 anos)
Gentílicodiamantinense[2]
Padroeiro(a)Santo Antônio[3]
CEP39100-000 a 39119-999[4]
Prefeito(a)Juscelino Brasiliano Roque (MDB)(2017 – 2020)
Localização
Localização de Diamantina em Minas GeraisDiamantina Localização de Diamantina no Brasil
18° 14' 56" S 43° 36' 00" O18° 14' 56" S 43° 36' 00" O
Unidade federativaMinas Gerais
MesorregiãoJequitinhonha IBGE/2008[5]
MicrorregiãoDiamantina IBGE/2008[5]
Municípios limítrofesBocaiúva, Carbonita, Senador Modestino Gonçalves, Couto de Magalhães de Minas, Serro, Datas, Gouveia, Monjolos, Augusto de Lima, Buenópolis, e Olhos-d'Água[2]
Distância até a capital292[6] km
Características geográficas
Área3 869,830 km² [7]
População47 617 hab. estimativa IBGE/2018[8]
Densidade12,3 hab./km²
Altitude1280 m
ClimaTropical de Altitude (Cwb)
Fuso horárioUTC?3
Indicadores
IDH-M0,716 alto PNUD/2010[9]
PIBR$ 276 234,844 mil IBGE/2008[10]
PIB per capitaR$ 5,977 56 IBGE/2010[10]
Página oficial
Prefeiturawww.diamantina.mg.gov.br
Câmaracamaradiamantina.cam.mg.gov.brDiamantina é um município brasileiro do estado de Minas Gerais localizado na Mesorregião do Jequitinhonha. Sua população, conforme estimativas do IBGE de 2018, era de 47 617 habitantes.[8]Índice1 História
2 Geografia2.1 Clima
2.2 Relevo
2.3 Hidrografia
2.4 Parque e biodiversidade2.4.1 Vegetação
2.4.2 Parque Estadual do Biribiri2.4.2.1 Cachoeira da Sentinela
2.4.2.2 Cachoeira dos Cristais
3 Demografia3.1 Religião
3.2 Desenvolvimento Humano - IDH
4 Subdivisões
5 Economia5.1 Turismo5.1.1 Pontos turísticos
6 Infraestrutura6.1 Transportes6.1.1 Aeroporto Juscelino Kubitschek
6.2 Educação6.2.1 UFVJM
6.2.2 UEMG - Diamantina
6.3 Saúde6.3.1 Santa Casa de Caridade de Diamantina
6.3.2 Hospital Nossa Senhora da Saúde - HNSS
7 Cidades-irmãs
8 Diamantinenses ilustres
9 Ver também
10 Referências
11 Ligações externasHistória[editar | editar código-fonte]
Antes da chegada dos colonizadores portugueses, no século XVI (os primeiros relatos dão conta de expedições que subiram o Rio Jequitinhonha e São Francisco), Diamantina, como toda a região do atual estado de Minas Gerais, era ocupada por povos indígenas do tronco linguístico macro-jê[11].
Diamantina foi fundada como Arraial do Tejuco em 1713, com a construção de uma capela que homenageava o padroeiro Santo Antônio. A localidade teve forte crescimento quando da descoberta dos Diamantes em 1729. Em fins do século XVIII era a terceira maior povoação da Capitania Geral da Minas, atrás da capital Vila Rica, hoje Ouro Preto, e com população semelhante à da próspera São João del-Rei. No século XVIII cresceu devido à grande produção local de diamantes, que eram explorados pela coroa portuguesa. Foi conhecida inicialmente como Arraial do Tejuco (ou Tijuco) (do tupi tyîuka, "água podre"[12]), Tejuco e Ybyty'ro'y (palavra tupi que significa "montanha fria", pela junção de ybytyra ("montanha") e ro'y ("frio")[13]. Durante o século XVIII, a cidade ficou famosa por ter abrigado Chica da Silva, escrava alforriada que era esposa do homem mais rico do Brasil Colonial, João Fernandes de Oliveira[13].
Diamantina representou a maior lavra de diamantes do mundo ocidental no Século XVIII, e durante nove anos, a Coroa Portuguesa não tomou conhecimento da descoberta de diamantes na região, o que foi feito pelo governador da Capitania, em 1729, o então D. Lourenço de Almeida.
A resposta de Portugal foi impor todo controle sobre as regiões diamantíferas das Minas Gerais. Em 1734, foi criada a Intendência de Diamantes, cujo regime era totalmente controlador e autoritário.
O monopólio da Coroa Portuguesa sobre as jazidas diamantíferas durou até 1845.[14]
Diamantina emancipou-se do município do Serro somente em 1831,[15] passando a se chamar Diamantina por causa do grande volume de diamantes encontrados na região. A demora se devia à necessidade de maior controle local pelas autoridades coloniais visto que já em meados do século XVIII a população era maior que a da Vila do Príncipe do Serro Frio, cabeça da comarca. A vida em Diamantina no final do século XIX foi retratada por Alice Brant no seu livro Minha Vida de Menina, que se tornou um marco da literatura brasileira após ter sido redescoberto por Elizabeth Bishop.
Em 1938, Diamantina comemorou seus cem anos de elevação à categoria de cidade, recebendo do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional o título de "patrimônio histórico nacional". E, no ano de 1999, foi elevada à categoria de "patrimônio da humanidade" pela Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura.[16]Geografia[editar | editar código-fonte]
O município localiza-se na Mesorregião do Jequitinhonha, estando a sede a 285 km de distância por rodovia da capital Belo Horizonte. A cidade está situada a uma altitude média de 1.280 m, emoldurada pela Serra dos Cristais, na região do Alto Jequitinhonha. O município é banhado pelo rio Jequitinhonha e vários de seus afluentes, como o Ribeirão das Pedras e o Ribeirão do Inferno. A porção sudoeste do município é banhada por subafluentes do rio São Francisco, como o Rio Pardo Pequeno.[17] Diamantina é o município mais populoso do Vale do Jequitinhonha.Clima[editar | editar código-fonte]
Segundo dados do Instituto Nacional de Meteorologia (INMET), referentes ao período de 1961 a 1962, 1972 a 1984, 1987 a 1988 e a partir de 1990, a menor temperatura registrada em Diamantina foi de 2,8 °C em 31 de julho de 1972,[18] e a maior atingiu 35,8 °C em 8 de outubro de 1987.[19] O maior acumulado de precipitação em 24 horas foi de 186,2 milímetros (mm) em 27 de março de 1995. Outros grandes acumulados iguais ou superiores a 100 mm foram 167,9 mm em 18 de janeiro de 1991, 134,8 mm em 4 de abril de 1987, 133,6 mm em 21 de janeiro de 1993, 132 mm em 28 de janeiro de 2013, 129,6 mm em 13 de janeiro de 1978, 122,6 mm em 28 de outubro de 1973, 121 mm em 30 de outubro de 2009, 112,6 mm em 24 de outubro de 2003, 107,7 mm em 27 de janeiro de 1977, 103,2 mm em 12 de fevereiro de 2004, 101,1 mm em 21 de janeiro de 2000 e 100,6 mm em 20 de março de 1994.[20] Janeiro de 1991, com 683,7 mm, foi o mês de maior precipitação.[21]
Dados climatológicos para Diamantina
MêsJanFevMarAbrMaiJunJulAgoSetOutNovDezAno
Temperatura máxima recorde (°C)32,731,63130,228,829,829,230,533,135,833,631,8 35,8
Temperatura máxima média (°C)25,82625,624,62321,921,422,924,525,524,524,9 24,2
Temperatura média compensada (°C)20,620,620,319,317,416,115,716,818,419,719,620 18,7
Temperatura mínima média (°C)16,816,716,615,613,611,911,311,813,615,315,916,5 14,6
Temperatura mínima recorde (°C)1111,111,89,45,64,62,86,26,789,69,9 2,8
Precipitação (mm)236,7142,718576,622,96,34,713,233,1118,5232,7302,9 1 375,3
Dias com precipitação (? 1 mm)13111273112491518 96
Umidade relativa compensada (%)78,576,179,578,777,174,871,668,267,969,479,181,6 75,2
Horas de sol183,7176,5182,9190,5208,4190,9226,3239,2195181,6147,5149,8 2 272,3
Fonte: Instituto Nacional de Meteorologia (INMET) (normal climatológica de 1981-2010;[22] recordes de temperatura:01/01/1961 a 25/10/1962, 16/02/1972 a 02/12/1981, 01/01/1987 a 31/12/1988 e 01/01/1990-presente)[18][19] Relevo[editar | editar código-fonte]
Localizada no alto da Serra do Espinhaço, a mais antiga formação rochosa do Brasil, Diamantina está cercada por belas formações rochosas.
Apresenta Planalto irregular, com poucas áreas planas, o que favorece o surgimento de belas cachoeiras e o auto teor de minério.
A topografia de Diamantina é predominantemente montanhosa, conforme se caracteriza a seguir.
Índice Topográfico[23]
%
Plano20%
Ondulado20%
Montanhoso60%Hidrografia[editar | editar código-fonte]
Em razão do terreno irregular, os cursos d´águas formam pequenas e grandes quedas d´águas e piscinas naturais de grande interesse turístico,entre as quais se destacam o Rio Jequitinhonha, o Ribeirão das Pedras e o Ribeirão do Inferno.
Os mais bonitos e cristalinos rios, ficam no Parque Estadual do Biribirí, na qual se destatacam, grandes cachoeiras, como:Parque e biodiversidade[editar | editar código-fonte]
Cachoeira da Sentinela, no Parque Estadual do Biribirí.
Vegetação[editar | editar código-fonte]
A Vegetação nativa é a caatinga arbórea ou herbácea. Também existe alguns vestígios de Cerrado na região, representada por árvores de baixo porte e tortuosas. Considerando que na região em algumas áreas há uma grande fixação de água.[24]Parque Estadual do Biribiri[editar | editar código-fonte]
Parque Estadual do Biribiri.
Cachoeira da Sentinela[editar | editar código-fonte]
Possui as águas mais cristalinas do Parque, formando poços ideais para banho, ao desaguar seu córrego forma pequenas cascatas.[25]Cachoeira dos Cristais[editar | editar código-fonte]
Formada por três quedas, tem uma história curiosa: no século XIX, sua forma foi modificada. O curso do rio que dá origem á cachoeira, foi desviado por garimpeiros, afim de facilitarem seus trabalhos de extração.[25]Demografia[editar | editar código-fonte]
Os dados do Censo de 2010 [26] puderam constatar que Diamantina detinha então uma população total de 45.884, sendo que a população urbana era de 40.062 (87,31% do total) e a rural de 5.822. Homens somavam 22.251 (48,49% do total) e mulheres eram ao todo 23.633 (51,51%). A Densidade demográfica era de 10,8 hab./km² enquanto a mortalidade infantil (por mil) foi de 32,8. A Expectativa de vida girava em torno de 68,7 anos de idade, Taxa de fecundidade (filhos por mulher) era de 2,6 e a Taxa de Alfabetização atingiu 83,4%, estes fatores contribuíram para um Índice de Desenvolvimento Humano (IDH-M): 0,748 (IDH-M Renda: 0,752, IDH-M Longevidade: 0,765, IDH-M Educação: 0,812)
(Fonte: PNUD/2000)Religião[editar | editar código-fonte]Distribuíção Religiosa de Diamantina[27]
ReligiãoAdeptos
Igreja Católica37.831
Igreja Evangélica ou Protestante5.729
Denominações Espíritas684Desenvolvimento Humano - IDH[editar | editar código-fonte]
Sobrado Histótico que desabou, na Rua Padre Bartolomeu Sipólis
Apesar de estar encrustada no Vale do Jequitinhonha, Diamantina é hoje a 3ª cidade com maior custo de vida para se morar em Minas Gerais, tal custo de vida é puxado pelo turismo.[28].
Índice de Desenvolvimento Humano[29]
20002010
IDH-M Renda0,6350,693
IDH-M Longevidade0,7470,839
IDH-M Educação0,4600,632Subdivisões[editar | editar código-fonte]
Ver também: Lista de distritos de Diamantina
Economia[editar | editar código-fonte]
O perfil da economia da cidade mudou muito rápido devido à forte expansão da Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri no fim da primeira década de 2000, que acabou por se tornar o motor da economia do município, possuindo 26 cursos de graduação, 23 cursos de pós graduação e cerca de 1200 servidores [30] e 12000 alunos. A sociedade diamantinense, até certo ponto tradicional, ainda encontra dificuldades em se adaptar à nova dinâmica imposta pela chegada de uma população jovem e com diminutas ?raízes? com as tradições locais.[31]
Entretanto, a economia de Diamantina ainda está muito ligada ao turismo, a maior parte do intenso fluxo turístico focado na arquitetura e importância histórica, o município possui um rico e variado ecossistema em seu entorno, com cachoeiras, trilhas seculares e uma enorme área de mata nativa, que teve a felicidade de ser protegida com a criação de Parques Estaduais.[32]
A cidade é um dos destinos da Estrada Real, um dos roteiros culturais e turísticos mais ricos do Brasil, e faz parte do circuito turístico dos Diamantes.[33]Turismo[editar | editar código-fonte]
Panorama de Diamantina.Apesar do grande número de turistas, a infraestrutura para receber visitantes é considerada inferior à de Ouro Preto, a primeira cidade no estado a ser reconhecida pela Unesco, e na capital de Minas, Belo Horizonte. Um grande gargalo é o trânsito, contando com uma frota local crescente e chegada de muitos carros nos fins de semana.[16] Diamantina é também conhecida por suas serestas e vesperata, que é um evento em que os músicos se apresentam à noite, ao ar livre, das janelas e sacadas de velhos casarões, enquanto o público assiste das ruas. Um dos grandes impulsos turísticos de Diamantina é o famoso Parque Estadual do Biribiri, com suas águas cristalinas e cachoeiras, entre elas se destaca a Cachoeira das Fadas e a Cachoeira do Telésforo localizadas no distrito de Conselheiro Mata. Um grande marco histórico e turístico da cidade é o Centro Histórico de Diamantina, que guarda grandes lembranças do tempo colonial, em destaques por seus grandes e belos casarões e igrejas coloniais que retratam um pouco do Século XVIII. A cidade ainda se localiza no Vale da Serra do Espinhaço, propício para turismo de Diamantina.Centro Histórico de Diamantina *Património Mundial da UNESCO
País Brasil
Critériosii, iv
Referência890 en fr es
Região**Brasil
Coordenadas18º14'S 43º36'WHistórico de inscrição
Inscrição1997 (21.ª sessão)
* Nome como inscrito na lista do Património Mundial.** Região, segundo a classificação pela UNESCO.Pontos turísticos[editar | editar código-fonte]
Diamantina tem vários pontos turísticos:Parque Estadual do Biribiri
Parque Nacional das Sempre-Vivas
Museu do Diamante
Instituto Casa da Glória
Cachoeira do Telésforo
Cachoeira das Fadas
Gruta do Salitre
Casa da Chica da Silva
Catedral Metropolitana de Diamantina
Igreja de Nossa Senhora do Carmo
Casa de Juscelino Kubitschek
Igreja de São Francisco de Assis
Cachoeira dos Cristais
Praça JK
Cachoeira da Sentinela
Teatro Santa Izabel
Antiga Casa da Intendência
Basílica do Sagrado Coração de Jesus
Serra dos Cristais
Igreja de Nossa Senhora do Amparo
Infraestrutura[editar | editar código-fonte]
Transportes[editar | editar código-fonte]
Aeroporto Juscelino Kubitschek[editar | editar código-fonte]
Sendo um dos aeroportos mais altos do Brasil, sendo superado apenas pelo Aeroporto de Monte Verde em Camanducaia (MG), e pelo Aeroporto de São Joaquim em São Joaquim (SC). Anteriormente a única campanhia aérea que operava no Aeroporto era a TRIP Linhas Aéreas, que mais tarde veio á ser comprada pela Azul Linhas Aéreas e pouco tempo depois parou de operar.
O acesso ao Aeroporto se dá pela rodovia BR-367, estando apenas 4 km de Diamantina.[34]
Atualmente o projeto Voe Minas, oferece voos diretos entre Diamantina e Belo Horizonte.Educação[editar | editar código-fonte]Índice de Educação[35]
Índice20002010
IDH-M Educação0,8120,632UFVJM[editar | editar código-fonte]
Logo da Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri-UFVJM.
Em Setembro de 1953, visando desenvolver a região, Juscelino Kubitschek funda a Faculdade de Odontologia de Diamantina, desenhada por Oscar Niemeyer, na época uma promessa da Arquitetura, a Faculdade de Odontologia daria origem o que hoje é a UFVJM.
No dia 17 de Dezembro de 1960, foi transformada em Faculdade Federal de Odontologia (Fafeod), e no dia 4 de Outubro de 2002, tornou-se Faculdades Federais Integradas de Diamantina (Fafeid).[36]
Atualmente a Universidade conta com cerca de mais de 80 cursos e mais de 10.00 estudantes dos cursos de graduação presenciais e á distância.UEMG - Diamantina[editar | editar código-fonte]
A unidade é uma das que compõe a Universidade Estadual de Minas Gerais (UEMG), abrigando o ensino, a pesquisa e a expansão na área do Direito.[37]Saúde[editar | editar código-fonte]
Santa Casa de Caridade de Diamantina[editar | editar código-fonte]
Santa Casa de Diamantina.
A Santa Casa de Caridade de Diamantina foi fundada em 23 de Maio de 1790, pelo Ermitão José Manoel Jesus Fortes, e é uma instituíção de caráter filantrópico e sem fins lucrativos.Localizada no centro da cidade, cumpre seu papel assistencial e se consolida como referência macrorregional de média e alta complexidade.[38]Hospital Nossa Senhora da Saúde - HNSS[editar | editar código-fonte]
A Irmandade de Nossa Senhora da Saúde foi criada em 9 de Abril de 1901, a pedido de D. Querunbina Augusta Moreira, esposa do Capitão Antônio Moreira da Costa, o Barão de Paraúna. Ao falecer, ela, sem filhos pede seu marido, que parte de sua fortuna ''fosse empregada principalmente em socorrer a pobreza enferma e desamparada''.[39]
Atualmente funciona como hospital, totalmente equipado com médicos e com atendimento público.Cidades-irmãs[editar | editar código-fonte]
Estátua de Juscelino Kubitschek, natural de Diamantina e construtor de Brasília
T?ebo?[40]
Sangano[41]
Brasília[42]
Diamantinenses ilustres[editar | editar código-fonte]
MC Lan
Paulo Brant
Vladimir Brichta
Ver também[editar | editar código-fonte]
Hospício de Diamantina
Órgão de Diamantina
Bispos e arcebispos de Diamantina
Distritos de Diamantina
Prefeitos de Diamantina
Vereadores de Diamantina
Arquidiocese de Diamantina
Referências? Lista_de_apelidos_dos_municípios_do_Brasil? a b «IBGE Cidades@». O Brasil Município por Municipio. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Consultado em 19 de agosto de 2009. Arquivado do original em 30 de abril de 2012 ? Serviço Nacional de Aprendizagem Comercial (SENAC). «Lista por santos padroeiros» (PDF). Descubra Minas. p. 4. Consultado em 14 de setembro de 2017. Cópia arquivada (PDF) em 14 de setembro de 2017 ? Empresa Brasileira de Correios e Telégrafos. «Busca Faixa CEP». Consultado em 1 de fevereiro de 2019 ? a b «Divisão Territorial do Brasil». Divisão Territorial do Brasil e Limites Territoriais. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). 1 de julho de 2008. Consultado em 11 de outubro de 2008 ?
«distancias-bhmunicipios». Distâncias BH/Municípios. Departamento de Estradas de Rodagem de Minas Gerais (DER/MG). Consultado em 19 de agosto de 2009. Arquivado do original em 21 de agosto de 2009 ? IBGE (10 out. 2002). «Área territorial oficial». Resolução da Presidência do IBGE de n° 5 (R.PR-5/02). Consultado em 5 de dezembro de 2010 ? a b «Estimativa populacional 2018 IBGE». Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). 29 de agosto de 2018. Consultado em 1 de novembro de 2018 ? «Ranking decrescente do IDH-M dos municípios do Brasil». Atlas do Desenvolvimento Humano. Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD). 2000. Consultado em 11 de outubro de 2008 ? a b «Produto Interno Bruto dos Municípios 2004-2008». Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Consultado em 13 de abril de 2011. Arquivado do original em 30 de abril de 2012 ? http://www.cedefes.org.br/index.php?p=colunistas_detalhe&id_pro=7? http://www.fflch.usp.br/dlcv/tupi/vocabulario.htm? a b NAVARRO, E. A. Método Moderno de Tupi Antigo. Terceira edição. São Paulo: Global, 2005. p.145? «GEOGRAFIA EM FOCO». marlivieira.blogspot.com. Consultado em 29 de novembro de 2018 ? «Diamantina». Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Consultado em 25 de junho de 2013 ? a b /diamantina-comemora-17-anos-do-titulo-de-patrimonio-da-humanidade-em-m.shtml Diamantina comemora 17 anos do título de Patrimônio da Humanidade em meio a desafios? «Carta do Brasil SE-23-Z-A-III Diamantina» (JPG). Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Consultado em 2 de outubro de 2012 ? a b «BDMEP - série histórica - dados diários - temperatura mínima (°C) - Diamantina». Instituto Nacional de Meteorologia. Consultado em 7 de julho de 2018 ? a b «BDMEP - série histórica - dados diários - temperatura máxima (°C) - Diamantina». Instituto Nacional de Meteorologia. Consultado em 7 de julho de 2018 ? «BDMEP - série histórica - dados diários - precipitação (mm) - Diamantina». Instituto Nacional de Meteorologia. Consultado em 7 de julho de 2018 ? «BDMEP - série histórica - dados mensais - precipitação total (mm) - Diamantina». Instituto Nacional de Meteorologia. Consultado em 7 de julho de 2018 ? «NORMAIS CLIMATOLÓGICAS DO BRASIL». Instituto Nacional de Meteorologia. Consultado em 7 de julho de 2018 ? http://www.bolt.com.br, Bolt Brasil -. «SENAC Minas Gerais - DescubraMinas». www.descubraminas.com.br. Consultado em 1 de dezembro de 2018 ? http://www.bolt.com.br, Bolt Brasil -. «SENAC Minas Gerais - DescubraMinas». www.descubraminas.com.br. Consultado em 29 de novembro de 2018 ? a b http://www.bolt.com.br, Bolt Brasil -. «SENAC Minas Gerais - DescubraMinas». www.descubraminas.com.br. Consultado em 1 de dezembro de 2018 ? «Cópia arquivada». Consultado em 11 de abril de 2011. Arquivado do original em 21 de abril de 2011 ? «https://cidades.ibge.gov.br/brasil». cidades.ibge.gov.br. Consultado em 29 de novembro de 2018 Ligação externa em |titulo= (ajuda)? «Cidades mais caras para se morar em Minas Gerais» ? «IDHM Municípios 2000». PNUD Brasil. Consultado em 30 de novembro de 2018 ? http://antigo.ufvjm.edu.br/noticias.html?lang=ovxcminhjegvf&start=1300? http://diamantina.cedeplar.ufmg.br/2012/arquivos/O%20Munic%C3%ADpio%20de%20Diamantina%20e%20os%20Impactos.pdf? [1]? «Listagem dos Circuitos Turísticos» (PDF). Secretaria de Estado de Turismo de Minas Gerais. p. 10. Consultado em 24 de fevereiro de 2013. Arquivado do original (PDF) em 12 de maio de 2013 ? Design, Quantum. «Aeroporto de Diamantina pronto para o Voe Minas Gerais». Prefeitura Municipal de Diamantina ? «IDHM Municípios 2010». PNUD Brasil. Consultado em 30 de novembro de 2018 ? Administrador. «História». www.ufvjm.edu.br. Consultado em 30 de novembro de 2018 ? «UEMG - Universidade do Estado de Minas Gerais». www.uemg.br. Consultado em 30 de novembro de 2018 ? «Santa Casa de Caridade de Diamantina». www.santacasadediamantina.com.br. Consultado em 30 de novembro de 2018 ? «História ? Hospital Nossa Senhora da Saúde». www.hnss.org.br. Consultado em 30 de novembro de 2018 ? «Cidades irmãs, T?ebo? e Diamantina». Embaixada da República Tcheca em Brasília. 9 de setembro de 2013. Consultado em 28 de dezembro de 2013 ? Blog, Postado por Gazeta Tijucana. «Gazeta Tijucana Blog». Consultado em 29 de novembro de 2018 ? «Geminação de cidades Brasileiras | eIntercambios». archive.fo. 20 de julho de 2012
Ligações externas[editar | editar código-fonte]
O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre DiamantinaPágina da prefeitura
Página da câmara
Museu do Diamante
Dados do IBGE de Diamantina
vdePatrimônio Mundial no Brasil NaturalÁreas protegidas do cerrado: Parques nacionais da Chapada dos Veadeiros e das Emas • Áreas protegidas do Pantanal: Parque Nacional do Pantanal Matogrossense e RPPN próximas • Ilhas atlânticas brasileiras: reservas de Fernando de Noronha e Atol das Rocas • Parque Nacional do Iguaçu • Complexo de Conservação da Amazônia Central • Reservas de Mata Atlântica da Costa do Descobrimento • Reservas de Mata Atlântica do SudesteCulturalCentro Histórico de Diamantina • Centro Histórico de Goiás • Centro Histórico de Olinda • Centro Histórico de Salvador • Centro Histórico de São Luís • Cidade Histórica de Ouro Preto • Missões Jesuíticas Guarani: ruínas de São Miguel das Missões (transfonteiriço com a Argentina) • Paisagem cultural da cidade do Rio de Janeiro • Parque Nacional Serra da Capivara • Plano Piloto de Brasília • Praça São Francisco • Santuário do Bom Jesus de Matosinhos • Conjunto Arquitetônico da Pampulha • Sítio Arqueológico Cais do ValongoMistoParaty e Ilha Grande ? Cultura e Biodiversidade
vde Hierarquia urbana do Brasil
Demografia do Brasil
Municípios do Brasil
vdeMetrópolesMetrópoles globais
São Paulo
Metrópoles nacionais
Brasília
Rio de Janeiro
Metrópoles regionais
Belém
Belo Horizonte
Curitiba
Fortaleza
Goiânia
Manaus
Porto Alegre
Recife
Salvador
vdeCapitais regionaisCapitais regionais A
Aracaju
Campinas
Campo Grande
Cuiabá
Florianópolis
João Pessoa
Maceió
Natal
São Luís
Teresina
Vitória
Capitais regionais B
Blumenau
Campina Grande
Cascavel
Caxias do Sul
Chapecó
Feira de Santana
Ilhéus/Itabuna
Joinville
Juiz de Fora
Londrina
Maringá
Ribeirão Preto
São José do Rio Preto
Uberlândia
Montes Claros
Palmas
Passo Fundo
Porto Velho
Santa Maria
Vitória da Conquista
Capitais regionais C
Araçatuba
Araguaína
Arapiraca
Araraquara
Barreiras
Bauru
Boa Vista
Cachoeiro de Itapemirim
Campos dos Goytacazes
Caruaru
Criciúma
Divinópolis
Dourados
Governador Valadares
Ijuí
Imperatriz
Ipatinga/Coronel Fabriciano/Timóteo
Juazeiro do Norte/Crato/Barbalha
Macapá
Marabá
Marília
Mossoró
Novo Hamburgo/São Leopoldo
Pelotas/Rio Grande
Petrolina/Juazeiro
Piracicaba
Ponta Grossa
Pouso Alegre
Presidente Prudente
Rio Branco
Santarém
Santos
São José dos Campos
Sobral
Sorocaba
Teófilo Otoni
Uberaba
Varginha
Volta Redonda/Barra Mansa
vdeCentros sub-regionaisCentros sub-regionais A
Alfenas
Anápolis
Apucarana
Bacabal
Bagé
Barbacena
Barra do Garças
Barretos
Bento Gonçalves
Botucatu
Cabo Frio
Caçador
Cáceres
Caicó
Cajazeiras
Campo Mourão
Castanhal
Catanduva
Caxias
Colatina
Crateús
Erechim
Floriano
Foz do Iguaçu
Franca
Francisco Beltrão
Garanhuns
Guanambi
Guarabira
Guarapuava
Iguatu
Irecê
Itajaí
Itaperuna
Itumbiara
Jacobina
Jaú
Jequié
Ji-Paraná
Joaçaba
Lages
Lajeado
Lavras
Limeira
Macaé
Manhuaçu
Muriaé
Nova Friburgo
Ourinhos
Paranaguá
Paranavaí
Parnaíba
Passos
Pato Branco
Patos
Patos de Minas
Pau dos Ferros
Paulo Afonso
Picos
Pinheiro
Poços de Caldas
Ponte Nova
Quixadá
Redenção
Rio Claro
Rio do Sul
Rio Verde
Rondonópolis
Santa Cruz do Sul
Santa Inês
Santa Rosa
Santo Ângelo
Santo Antônio de Jesus
São Carlos
São João da Boa Vista
São Mateus
Serra Talhada
Sinop
Sousa
Teixeira de Freitas
Toledo
Tubarão
Ubá
Umuarama
Uruguaiana
Centros sub-regionais B
Abaetetuba
Assu
Afogados da Ingazeira
Alagoinhas
Altamira
Andradina
Angra dos Reis
Araranguá
Araras
Araripina
Arcoverde
Ariquemes
Assis
Avaré
Balneário Camboriú
Balsas
Bom Jesus da Lapa
Bragança
Bragança Paulista
Breves
Brumado
Brusque
Cacoal
Cametá
Campo Maior
Capanema
Caratinga
Carazinho
Cataguases
Chapadinha
Cianorte
Concórdia
Conselheiro Lafaiete
Cruz Alta
Cruz das Almas
Cruzeiro do Sul
Currais Novos
Eunápolis
Frederico Westphalen
Guaratinguetá
Gurupi
Itabaiana
Itaberaba
Itaituba
Itajubá
Itapetininga
Itapeva
Itapipoca
Itaporanga
Ituiutaba
Ivaiporã
Janaúba
Linhares
Mafra
Palmares
Paragominas
Parintins
Pedreiras
Presidente Dutra
Registro
Resende
Ribeira do Pombal
Santana do Ipanema
Santo Antônio da Platina
São João del-Rei
São Lourenço
São Miguel do Oeste
São Raimundo Nonato
Senhor do Bonfim
Tefé
Teresópolis
Tucuruí
União da Vitória
Valença
Viçosa
Videira
Vilhena
Vitória de Santo Antão
Xanxerê
vdeCentros de zonaCentros de zona A
Acaraú
Açailândia
Adamantina
Além Paraíba
Almeirim
Almenara
Alta Floresta
Amparo
Aquidauana
Aracati
Aracruz
Araçuaí
Arapongas
Araxá
Assis Chateubriand
Barra do Corda
Barreiros
Bebedouro
Belo Jardim
Birigui
Bom Jesus
Caçapava do Sul
Cachoeira do Sul
Caetité
Caldas Novas
Camacan
Camaquã
Campo Belo
Campos Novos
Canindé
Canoinhas
Capelinha
Carangola
Carpina
Catalão
Catolé do Rocha
Caxambu
Ceres
Cerro Largo
Codó
Colinas do Tocantins
Conceição do Araguaia
Conceição do Coité
Cornélio Procópio
Corumbá
Corrente
Cruzeiro
Curitibanos
Cururupu
Curvelo
Diamantina
Diamantino
Dianópolis
Dois Vizinhos
Dracena
Encantado
Esperantina
Estância
Estrela
Fernandópolis
Formiga
Frutal
Governador Nunes Freire
Goiana
Goiás
Guanhães
Guaporé
Guaraí
Guaxupé
Ibaiti
Ibirubá
Icó
Imbituba
Ipiaú
Iporá
Irati
Itabaiana
Itabira
Itacoatiara
Itamaraju
Itapetinga
Ituverava
Jacarezinho
Jales
Jandaia do Sul
Januária
Jaru
Jataí
João Câmara
João Monlevade
Juína
Jundiaí
Lagarto
Lagoa Vermelha
Laranjeiras do Sul
Limoeiro
Limoeiro do Norte
Lins
Loanda
Macau
Macaúbas
Mamanguape
Marau
Maravilha
Marechal Cândido Rondon
Medianeira
Mineiros
Mirassol d'Oeste
Mogi Guaçu
Monteiro
Montenegro
Morrinhos
Mundo Novo
Naviraí
Nossa Senhora da Glória
Nova Andradina
Nova Prata
Nova Venécia
Oeiras
Olímpia
Osório
Ouricuri
Palmas
Palmeira das Missões
Palmeira dos Índios
Pará de Minas
Paraíso do Tocantins
Parauapebas
Patrocínio
Penápolis
Penedo
Pesqueira
Pinhalzinho
Pirapora
Pires do Rio
Piripiri
Pombal
Ponta Porã
Porangatu
Porto Nacional
Porto Seguro
Primavera do Leste
Propriá
Quirinópolis
Rolim de Moura
Russas
Salgueiro
Salinas
Santa Fé do Sul
Santa Inês
Santa Maria da Vitória
Santo Antônio de Pádua
Santiago
São Bento do Sul
São Borja
São Félix do Araguaia
São Gabriel
São Jerônimo
São José do Rio Pardo
São Luís de Montes Belos
São Luiz Gonzaga
São Miguel dos Campos
Sarandi
Seabra
Serrinha
Soledade
Sorriso
Surubim
Tabatinga
Taquara
Tatuí
Telêmaco Borba
Tijucas
Timbaúba
Timbó
Tocantinópolis
Torres
Três Corações
Três de Maio
Três Lagoas
Três Passos
Três Rios
Tupã
Unaí
União dos Palmares
Uruaçu
Vacaria
Venâncio Aires
Votuporanga
Xique-Xique
Centros de zona B
Abaeté
Abelardo Luz
Abre Campo
Afonso Cláudio
Água Boa
Água Branca
Águas Formosas
Aimorés
Alegrete
Alexandria
Alto Araguaia
Alto Longá
Alto Parnaíba
Amambai
Amarante
Amargosa
Andirá
Andradas
Anicuns
Anísio de Abreu
Aparecida
Apiaí
Apodi
Araguaçu
Araguari
Araguatins
Araioses
Araputanga
Arara
Araruama
Araruna
Arcos
Arinos
Arroio do Meio
Arvorezinha
Auriflama
Avelino Lopes
Baependi
Bambuí
Bariri
Barra
Barra Bonita
Barra de São Francisco
Barra do Bugres
Barras
Barracão
Bataguassu
Batalha
Bela Vista
Belém do São Francisco
Bicas
Boa Esperança
Boa Vista do Buricá
Bom Jardim de Minas
Bom Jesus do Itabapoana
Boquira
Braço do Norte
Brasileia
Brejo Santo
Buritis
Caculé
Camapuã
Cambuí
Camocim
Campina da Lagoa
Campo Novo do Parecis
Campos Altos
Campos Belos
Canguaretama
Canindé de São Francisco
Canto do Buriti
Capanema
Capão da Canoa
Capim Grosso
Capinzal
Capitão Poço
Capivari
Caracol
Carauari
Carmo do Paranaíba
Carutapera
Casca
Cassilândia
Castelo
Castelo do Piauí
Cerejeiras
Chapadão do Sul
Chopinzinho
Cícero Dantas
Coelho Neto
Colíder
Colinas
Coluna
Comodoro
Confresa
Congonhas
Constantina
Coronel Vivida
Coxim
Cristal do Sul
Crixás
Cruz
Cruzília
Curimatá
Delmiro Gouveia
Desterro
Dores do Indaiá
Entre Rios de Minas
Esperantinópolis
Espírito Santo do Pinhal
Espumoso
Euclides da Cunha
Eirunepé
Extrema
Fátima
Faxinal
Floresta
Fortaleza dos Nogueiras
Fronteiras
Gandu
Garça
Garibaldi
General Salgado
Getúlio Vargas
Gilbués
Goianésia
Goiatuba
Goioerê
Grajaú
Guaíra
Guajará-Mirim
Guaraciaba do Norte
Guararapes
Horizontina
Ibicaraí
Ibirama
Ibotirama
Ilha Solteira
Indaial
Inhumas
Ipanema
Ipu
Iracema
Itaberaí
Itacarambi
Itamonte
Itaocara
Itapaci
Itapajé
Itapiranga
Itápolis
Itapuranga
Itaqui
Itararé
Itaúna
Ituporanga
Iturama
Jaciara
Jacutinga
Jaguaquara
Jaguariaíva
Jaguaribe
Jaicós
Jardim
Joaíma
João Pinheiro
Juara
Jussara
Lábrea
Lago da Pedra
Lagoa da Prata
Lambari
Leme
Leopoldina
Livramento de Nossa Senhora
Lorena
Lucas do Rio Verde
Lucélia
Luzilândia
Machado
Malacacheta
Manga
Mantena
Maracaçumé
Matão
Matinhos
Miranda
Miracema do Tocantins
Mirinzal
Mococa
Monte Alegre
Monte Alto
Monte Aprazível
Monte Carmelo
Mostardas
Muçum
Nanuque
Natividade
Nazaré
Neópolis
Niquelândia
Nonoai
Nossa Senhora das Dores
Nova Londrina
Nova Mutum
Nova Petrópolis
Oliveira
Orlândia
Osvaldo Cruz
Olho d'Água das Flores
Ouro Fino
Ouro Preto do Oeste
Palmeira
Palmeira d'Oeste
Palmeirópolis
Pão de Açúcar
Paracatu
Paraguaçu Paulista
Paraisópolis
Paramirim
Paranacity
Paranaíba
Parelhas
Passa-e-Fica
Patu
Paulistana
Peçanha
Pedra Azul
Pedro II
Pedro Afonso
Peixoto de Azevedo
Piancó
Pinheiro Machado
Pio XII
Piraju
Piracuruca
Pitanga
Pitangui
Piumhi
Poções
Ponte Serrada
Pontes e Lacerda
Porteirinha
Porto Calvo
Porto União
Posse
Presidente Epitácio
Presidente Getúlio
Presidente Juscelino
Presidente Venceslau
Princesa Isabel
Prudentópolis
Quatis
Quedas do Iguaçu
Rancharia
Resplendor
Riachão do Jacuípe
Rio Bonito
Rio Negro
Rio Pomba
Rio Real
Rodeio Bonito
Roncador
Rubiataba
Salto do Jacuí
Salvador do Sul
Sananduva
Sanclerlândia
Santa Bárbara
Santa Cruz
Santa Cruz da Baixa Verde
Santa Cruz do Rio Pardo
Santa Filomena
Santa Helena
Santa Luzia
Santa Luzia do Paruá
Santa Maria do Suaçuí
Santa Vitória do Palmar
Santana
Santana do Livramento
Santo Antônio
Santo Antônio da Patrulha
Santo Augusto
Santos Dumont
São Bento (Maranhão)
São Bento (Paraíba)
São Benedito
São Domingos
São Francisco
São Gabriel da Palha
São Gotardo
São João Batista
São João do Ivaí
São João do Piauí
São João dos Patos
São João Nepomuceno
São Joaquim da Barra
São José do Cedro
São José do Egito
São João do Rio do Peixe
São João Evangelista
São José do Cedro
São Lourenço do Oeste
São Mateus do Sul
São Miguel
São Miguel do Araguaia
São Miguel do Tapuio
São Paulo do Potengi
São Sebastião
São Sebastião do Caí
São Valentim
São Vicente Férrer
Sapé
Seara
Sena Madureira
Senador Pompeu
Serafina Corrêa
Serra Dourada
Serro
Simões
Simplício Mendes
Sinimbu
Siqueira Campos
Sobradinho
Sombrio
Sumé
Tabira
Taguatinga
Taió
Taiobeiras
Tangará
Tapejara
Tapes
Taquaritinga
Tarauacá
Tauá
Tenente Portela
Terra Nova do Norte
Teutônia
Tietê
Tramandaí
Três Pontas
Tucumã
Tucunduva
Turmalina
Tutóia
Uiraúna
Umarizal
União
Uruçuí
Valença
Valença do Piauí
Valente
Várzea da Palma
Vazante
Venda Nova do Imigrante
Veranópolis
Viana
Vigia
Vila Rica
Virginópolis
Visconde do Rio Branco
Vitorino Freire
Xaxim
Xinguara
Wenceslau Braz
Zé Doca
Referências: Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Regiões de Influência das Cidades 2007 (10 de outubro de 2008), [2] Configuração da Rede Urbana do Brasil (junho de 2001)
vde Cidades históricas do Brasil segundo o IPHANRegião Centro-Oeste
Acorizal
Barão de Melgaço
Brasília
Cáceres
Cavalcante
Corumbá de Goiás
Corumbá
Crixás
Cuiabá
Diamantino
Goiás
Jaraguá
Luziânia
Miranda
Niquelândia (Tupiraçaba)
Pilar de Goiás
Pirenópolis
Poconé
Santa Cruz de Goiás
Vila Bela da Santíssima Trindade
Região Nordeste
Acaraú
Alcântara
Andaraí
Aquiraz
Aracati
Aratuípe
Areia
Bom Jesus da Lapa
Brejo da Madre de Deus
Cabo de Santo Agostinho
Cachoeira
Cairu (Morro de São Paulo)
Camamu
Campo Maior
Canavieiras
Caravelas
Caruaru
Feira de Santana
Flores
Fortaleza
Garanhuns
Goiana
Icó
Igarassu
Ilha de Itamaracá
Ilhéus
Ipojuca
Itaparica
Jaboatão dos Guararapes
Jacobina
Jaguaripe
João Pessoa
Juazeiro
Laranjeiras
Lençóis
Maragogipe
Marechal Deodoro
Monte Santo
Moreno
Natal
Nazaré
Nazaré da Mata
Oeiras
Olinda
Parnaíba
Penedo
Pesqueira
Petrolina
Piracuruca
Piranhas
Porto Calvo
Porto de Pedras
Porto Seguro (Arraial d'Ajuda)
Recife
Rio de Contas
Rio Formoso
Russas
Salvador
Santa Cruz Cabrália
Santa Luzia do Norte
Santa Rita
Santo Amaro
Santo Antônio de Jesus
São Cristóvão
São Félix
São Francisco do Conde
São Lourenço da Mata
São Luís
Sirinhaém
Sobral
Tamandaré
Tracunhaém
Triunfo
Valença
Vera Cruz
Vicência
Viçosa do Ceará
Vitória de Santo Antão
Região Norte
Almas
Pontal
Arraias
Barcelos
Belém
Boa Vista
Borba
Bragança
Cametá
Chapada da Natividade
Conceição do Tocantins
Costa Marques
Dianópolis
Itacoatiara
Macapá
Manaus
Monte do Carmo
Natividade
Paranã
Porto Nacional
Rio Branco
Santarém
Tefé
Região Sudeste
Angra dos Reis
Areias
Bananal
Barão de Cocais
Belo Vale
Cabo Frio
Caeté
Campos dos Goytacazes
Cananeia
Cantagalo
Catas Altas
Conceição da Barra
Congonhas
Coronel Xavier Chaves
Cunha
Diamantina
Embu das Artes
Guaratinguetá
Iguape
Ilhabela
Itabirito
Itanhaém
Itu
Jacareí
Jundiaí
Mariana
Mogi das Cruzes
Ouro Preto
Paraty
Petrópolis
Pindamonhangaba
Piranga
Pitangui
Prados
Resende
Resende Costa
Rio de Janeiro
Sabará
Sacramento
Santa Bárbara
Santa Luzia
Santana de Parnaíba
Santos
São Gonçalo do Rio Preto
São João del-Rei
São João Marcos
São José do Barreiro
São Luiz do Paraitinga
São Mateus
São Paulo
São Pedro da Aldeia
São Sebastião
São Vicente
Serro (Milho Verde)
Sorocaba
Taubaté
Teresópolis
Tiradentes
Ubatuba
Valença
Vila Velha
Vitória
Região Sul
Antonina
Castro
Curitiba
Florianópolis
Guaraqueçaba
Laguna
Lapa
Morretes
Paranaguá
Pelotas
Rio Grande
São Borja
São Francisco do Sul
São Miguel das Missões
Temas afins
Programa de Aceleração do Crescimento das Cidades Históricas
Lista do patrimônio histórico no Brasil Portal de Minas Gerais
Este artigo sobre patrimônio histórico no Brasil é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.