desenvolvimento de sistemas web em Parintins


Encontre desenvolvimento de sistemas web em Parintins na Web4business - Desenvolvimento de Sistemas e Sites Personalizados.

Desenvolvimento

Acto ou efeito de desenvolver.
Crescimento.
Ampliação.
Minuciosidade.


Município de Parintins
"Ilha Tubinambarana" "Ilha da Alegria" "Ilha da Magia""Ilha Paraíso" "Ilha Vermelha""Ilha Azul""Ilha Encantada""Capital Mundial do Folclore" "Terra do Boi-Bumbá""Capital Nacional do Boi Bumbá"
BandeiraBrasãoHino
Aniversário15 de outubro
Fundação1796 (223Â anos)
Emancipação15 de outubro de 1852 (166Â anos)
Gentílicoparintinense
LemaIn hoc signo vinces"Por este sinal conquistarás"
Padroeiro(a)Nossa Senhora do Carmo
Prefeito(a)Frank Luiz da Cunha Garcia (PSDB)(2017 – 2020)
Localização
Localização de Parintins no AmazonasParintins Localização de Parintins no Brasil
02° 37' 40" S 56° 44' 09" O02° 37' 40" S 56° 44' 09" O
Unidade federativaAmazonas
MesorregiãoCentro Amazonense IBGE/2008[1]
MicrorregiãoParintins IBGE/2008[1]
Municípios limítrofesOeste: Urucurituba; Norte: Nhamundá; Leste: Terra Santa e Juruti (PA);Sul: Barreirinha
Distância até a capital372Â km[2]
Características geográficas
Área5Â 952,333 km² (AM: 50º;BR: 250º)[3]
Área urbana15,336 km² (BR: 539º) ? est. Embrapa[4]
População113 168 hab. (AM: 2º) ? estimativa populacional - IBGE/2018[5]
Densidade19,01 hab./km²
Altitude27 m
Climaequatorial Am
Fuso horárioUTC-4
Indicadores
IDH-M0,658 (AM: 2º) ? médio PNUD/2010[6]
PIBR$ 1Â 010Â 854 mil IBGE/2013[7]
PIB per capitaR$ 9Â 254,78 IBGE/2013[7]
Página oficial
Prefeituraparintins.am.gov.br
Câmaracamaraparintins.am.gov.brParintins é um município brasileiro no interior do estado do Amazonas. É a segunda cidade mais populosa do estado, com 113Â 168 habitantes, conforme estimativas do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) em 2018.
Localiza-se no extremo leste do estado, distante 372 quilômetros em linha reta da capital Manaus.[8] Sua área é de 5 952Â km², representando 0,3789% do estado do Amazonas, 0,1545% da região Norte brasileira e 0,0701% do território brasileiro[9] Desse total 12,4235Â km² estão em perímetro urbano.[10]
As primeiras viagens exploratórias da Coroa Portuguesa em Parintins foram registradas por volta de 1660. Assim como as demais localidades da Amazônia, a região era habitada por diversas etnias indígenas, entre eles os Tupinambaranas, que deram origem ao nome da ilha em que se encontra o município, a ilha Tupinambarana. O primeiro nome recebido por Parintins, foi São Miguel dos Tupinambaranas, em 1669. O nome "Parintins" só foi adotado em 1880, quando a sede passou a categoria de cidade, em homenagem aos povos indígenas parintintins, um dos inúmeros que habitavam a região.
O município é conhecido principalmente por sediar o Festival Folclórico de Parintins, uma das maiores manifestações culturais preservadas da América Latina. Localiza-se à margem direita do rio Amazonas. A vegetação, típica da região amazônica, é formada por florestas de várzea e de terra firme, tendo, ao seu redor, um relevo composto por lagos, ilhotes e uma pequena serra. A principal forma de transporte entre Parintins e os demais municípios é o fluvial, além do aéreo.Índice1 História
2 Geografia2.1 Relevo
2.2 Clima
2.3 Hidrografia
2.4 Vegetação
3 Demografia3.1 Etnias
4 Subdivisões
5 Política
6 Economia6.1 Setor primário
6.2 Setor secundário
6.3 Setor terciário
6.4 Saúde
6.5 Saneamento básico
6.6 Transportes
6.7 Educação
7 Esporte7.1 Clubes de Futebol
7.2 Estádio
8 Cultura e sociedade8.1 Culinária
8.2 Música
8.3 Religião
8.4 Festas populares
8.5 Artesanato
9 Comunicações9.1 Telefonia
9.2 Correios
9.3 Televisão
9.4 Estações de rádio
9.5 Jornais
10 Referências
11 Ligações externasHistória[editar | editar código-fonte]
Ver artigo principal: História de Parintins
O município de Parintins, como quase todos os demais municípios brasileiros, foi, primitivamente, habitado por indígenas. Sua "descoberta" ocorreu por volta de 1660, quando, subindo o rio Amazonas, os padres Manuel Pires e Manuel Souza realizaram a primeira entrada no Rio Negro, sendo os primeiros padres que se ocuparam dos Tupinambaranas.
A fundação da localidade só foi realizada em 29 de setembro de 1669, pelo Padre Felipe Betendorf, com o nome de São Miguel dos Tupinambaranas, sendo depois dirigida pelos Padres António da Fonseca, Bartolomeu Rodrigues e Manuel dos Reis, que mudou o nome para São Francisco Xavier dos Tupinambaranas em 1723.
Por volta 1730, quando era habitada por 495 índios, a aldeia começa a entrar em decadência em virtude de epidemias de varíola e sarampo, com os habitantes mudando para outras localidades. Decadência que se agravará com a expulsão dos jesuítas.
Por volta de 1796 desembarca na ilha José Pedro Cordovil, que veio com seus escravos e agregados para se dedicar à pesca do pirarucu e à agricultura, chamando-a Tupinambarana. A rainha D. Maria I deu-lhe a ilha de presente. Ali instalado, fundou uma fazenda de cacau, dedicando-se à cultura desse produto em grande escala. Ao sair dali, algum tempo depois, ofertou a ilha à rainha. Tupinambarana foi aceita e elevada à missão religiosa, em 1803, pelo capitão?mor do Pará, o Conde dos Arcos, que incumbiu sua direção ao frei José Álvares das Chagas, recebendo a denominação de Vila Nova da Rainha.
A eficiente atuação de frei José provocou um surto de progresso e desenvolvimento na localidade, culminando com a criação da comarca do Alto Amazonas. Em 25 de junho de 1833, pelo decreto nº 28, passa à freguesia, com o nome de Freguesia Tupinambarana. Era ainda Tupinambarana simples freguesia quando iniciou a revolução dos Cabanos no Pará, e se alastrou por toda a província. O seu vigário, padre Torquato Antônio de Souza, teve atuação destacada durante a sedição, servindo de delegado dos legalistas no Baixo Amazonas. Tupinambarana, talvez porque estivesse bem defendida, foi poupada aos ataques dos Cabanos.
Em 24 de outubro de 1848, pela lei provincial do Pará nº 146, elevou a freguesia à categoria de vila e Município, com a denominação de Vila Bela da Imperatriz, e constituiu o município até então ligado a Maués, todavia nao foi instalado por falta de preenchimento de formalidades estabelecidas em Lei. Em 15 de outubro de 1852, pela lei nº 02 da Província do Amazonas, foi confirmada a criação do município. Em 14 de março de 1853, deu-se a instalação do município de Vila Bela da Imperatriz. Em 24 de agosto de 1858 foi criada pela lei provincial a comarca, com nome de Parintins, compreendendo os termos judiciários de Vila Bela da Imperatriz e Vila Nova da Conceição. Em 30 de outubro de 1880, pela lei provincial nº 499, a sede do município recebeu foros de cidade e passou a denominar-se Parintins. Em 1881 foi desmembrado do município de Parintins o território que constituiu o município de Vila Nova de Barreirinha.
A divisão administrativa de 1911, figurou o município com quatro distritos: Parintins, Paraná de Ramos, Jamundá e Xibuí. Em 1933, aparece no quadro da divisão administrativa com um distrito apenas ? o de Parintins. Em 1 de dezembro de 1938, pelo decreto-lei estadual nº 176, é criado o distrito da Ilha das Cotias, passando assim o município a constituir-se de dois distritos: Parintins e Ilha das Cotias.
Em 24 de agosto de 1952, pela lei estadual nº 226, a comarca de Parintins perdeu os termos judiciários de Barreirinha e Urucará, que foram transformados em comarcas. Em 19 de dezembro de 1956, pela lei estadual nº 96, foi desmembrado do município de Parintins o distrito da Ilha das Cotias, que passou a constituir o município de Nhamundá. A partir de 10 de dezembro de 1981, pela emenda constitucional nº 12, é criado o distrito de Mocambo.Geografia[editar | editar código-fonte]
A Ilha Tupinambarana onde se situa Parintins.
O município de Parintins está localizado no estado do Amazonas, na Mesorregião do Centro Amazonense, que reúne 31 municípios amazonenses distribuídos em seis microrregiões, sendo que a microrregião à qual o município pertence é a microrregião homônima, a mais ocidental do Amazonas e que reúne sete municípios: Parintins, Itapiranga, Barreirinha, Boa Vista do Ramos, Maués, Nhamundá, São Sebastião do Uatumã e Urucará.[1] Parintins está distante 369Â km a leste da capital do estado.[11]
A área territorial total do município de Parintins é de 5.952,333Â km², o que corresponde a 0,3789% da área do Amazonas, 0,1545% da Região Norte e 0,0701% do Brasil. Parintins é o quinquagésimo maior município do estado do Amazonas em extensão territorial, sendo ainda o ducentésimo quinquagésimo maior do país.[12]
Seus municípios limítrofes são Nhamundá ao norte; Barreirinha ao sul, Urucurituba ao leste e os municípios de Terra Santa e Juruti, no estado do Pará.[13] O limite territorial entre Parintins e Nhamundá se inicia na margem esquerda do rio Amazonas, subindo este rio até a Barreira do Paurá. A Serra de Parintins é usada para delimitar o fim dos limites territoriais deste município com Nhamundá. Para delimitar os limites territoriais entre Parintins e Barreirinha, usa-se o divisor de águas dos rios Andirá-Uaicupará, juntamente com a linha geodésica que limita os estados do Amazonas e Pará. Já os limites territoriais com Urucurituba é iniciado no lago Arapapá, no paraná de Urucurituba. Com o estado do Pará, o limite tem início na boca do igarapé do Valério, na margem direita do rio Amazonas.[13]
O município possui dois distritos: Vila Amazônia e Mocambo.Relevo[editar | editar código-fonte]
Possuindo uma área de 7 069 quilômetros quadrados, o município localiza-se sobre formações quaternárias e terraços holocênicos no setor ocidental do estado. A ilha Tupinambarana, parte componente do município, de aproximadamente 200Â km de extensão, somente na faixa da várzea, a ilha na verdade é uma arquipélago, uma vez que na época das cheias, fica entrecortada de lagos, furos, restingas, paranás e igapós, e a sede municipal localiza-se em uma dessas ilhas do arquipélago a uma altitude de 50m em relação ao nível do mar. O município tem sua cota máxima em seu relevo no lado leste, na chamada serra Valéria (serra de Parintins) com aproximadamente 157 metros e, no lado oeste, as terras altas do Paurá.
Ocorre a predominância dos solos latossolo amarelo álico e podzólico vermelho amarelo álico, na terra firme. Nas áreas de várzea, o domínio é dos solos de aluvião, do tipo gley pouco húmico distrófico, apresentando fertilidade natural média e elevada.Clima[editar | editar código-fonte]
Maiores acumulados de precipitação em 24 horasregistrados em Parintins por meses (INMET)[14]
MêsAcumuladoDataMêsAcumuladoData
Janeiro137Â mm01/01/2008Julho92,6Â mm15/07/2012
Fevereiro161,2Â mm24/02/2009Agosto66,8Â mm11/08/1970
Março160,1Â mm09/03/1998Setembro81,8Â mm25/09/1999
Abril150,7Â mm05/04/2002Outubro72Â mm01/10/2009
Maio122,1Â mm17/05/2000Novembro173Â mm29/11/1972
Junho84,5Â mm02/06/1974Dezembro90,4Â mm22/12/2015
Período: 1967-1990 e 1993-2016O clima de Parintins é tropical, monçônico, isotérmico (tipo Am i, segundo Köppen).[15] A temperatura média compensada anual gira em torno dos 28Â °C, com baixas amplitudes térmicas ao longo do ano, sendo 32Â °C a média das máximas e 24Â °C das mínimas. O índice pluviométrico anual é de 2Â 475 milímetros (mm), sendo os meses de janeiro a maio os de maior precipitação e setembro o de menor. A insolação anual é de aproximadamente 2Â 150 horas, com um registro maior no mês de agosto.[16]
Segundo dados do Instituto Nacional de Meteorologia (INMET), referentes ao período de 1967 a 1990 e de 1993 a 2016, a menor temperatura registrada em Parintins foi de 19Â °C em 19 de julho de 1975 (o outro único registro de temperatura mínima inferior a 20Â °C ocorreu em 8 de julho de 1989, de 19,4Â °C),[17] e a maior atingiu 39Â °C em 7 de janeiro de 1998.[18] O maiores acumulado de precipitação em 24 horas foi de 173Â mm em 29 de novembro de 1972. Outros grandes acumulados superiores aos 150 mm foram 161,2Â mm em 24 de fevereiro de 2009, 160,1Â mm em 9 de março de 1998 e 150,7Â mm em 5 de abril de 2002.[14]
Dados climatológicos para Parintins
MêsJanFevMarAbrMaiJunJulAgoSetOutNovDezAno
Temperatura máxima recorde (°C)3935,835,935,236,236,537,336,437,638,637,837,4 39
Temperatura máxima média (°C)31,33131,131,231,331,932,233,434,334,433,632,5 32,4
Temperatura média compensada (°C)2726,826,92727,127,327,228,328,929,128,627,9 27,7
Temperatura mínima média (°C)24,123,92424,224,324,224,124,725,125,124,924,6 24,4
Temperatura mínima recorde (°C)20,920,92121,42120,61920,421,52120,920,7 19
Precipitação (mm)292,7335,6363,6346281,1186,4149,973,863,176,7116,3189,7 2Â 474,9
Dias com precipitação (? 1 mm)17181918201714866711 161
Umidade relativa compensada (%)84,685,385,986,385,983,981,677,574,173,176,479,5 81,2
Horas de sol137,3111,3121,9126,5154,8198,2231,4261,1238,5220179,2164,4 2Â 144,6
Fonte: Instituto Nacional de Meteorologia (INMET) (normal climatológica de 1981-2010;[16] recordes de temperatura de 1967 a 1990 e 1993 a 2016).[17][18] Hidrografia[editar | editar código-fonte]
Parintins faz parte do maior sistema fluvial do mundo, a Bacia Amazônica. O Rio Amazonas é o maior rio em volume de água do mundo com um deflúvio médio anual estimado em 250,00 m³/s. No trecho compreendido entre a foz do Rio Nhamundá e Parintins a sua largura é de aproximadamente 50Â km. O grande rio representa a via de escoamento e abastecimento, a grande estrada hídrica que liga Parintins a capital do Estado do Amazonas e ao Oceano Atlântico.
Os rios mais importantes são: o Paraná do Ramos, o Paraná do Espírito Santo, o Paraná do Limão, Rio Uiacurapá, O Rio Mamurú, o Lago do Macuricanã, o Lago do Aninga, o Lago do Parananema, o Lago do Macurani e a Lagoa da Francesa, estes quatro últimos de vital importância quanto a sua preservação, uma vez que banham a sede municipal e estão mais suscetíveis a degradação e poluição.
Vegetação[editar | editar código-fonte]
A vegetação do município é característica, não divergindo de existente em toda a Amazônia, isto é, Floresta Perenifólia Hileiana Amazônica que corresponde a floresta de terra firme; Floresta Perenifólia Paludosa Ribeirinha Periodicamente Inundada (mata de várzea); Floresta Perenifólia Paludosa Ribeirinha Permanentemente Inaudada (mata de Igapó) e na sede municipal uma pequena mancha de Cerrado conhecida como Campo Grande.Demografia[editar | editar código-fonte]
Em 2018, a população do município foi registrada pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) em 113Â 168Â habitantes, sendo o 2º mais populoso do estado, superado apenas pela capital, Manaus.[19] Segundo o censo de 2010, 52Â 304 habitantes eram homens e 49Â 729 habitantes mulheres. Ainda segundo o mesmo censo, 69Â 890 habitantes viviam na zona urbana (68,50%) e 32Â 143 na zona rural (31,50%). Da população total em 2010, 38Â 327Â habitantes (37,56%) tinham menos de 15 anos de idade, 58Â 711Â habitantes (57,54%) tinham de 15 a 64 anos e 4Â 995 habitantes (4,90%) possuíam mais de 65 anos, sendo que a esperança de vida ao nascer era de 73,0 anos e a taxa de fecundidade total por mulher era de 3,3.[20]
Em 2010, a população parintinense era composta por 13Â 216 brancos (12,95%), 2Â 364 negros (2,32%), 356 amarelos (0,35%), 85Â 063 pardos (83,37%) e 1Â 034 indígenas (1,01%).[21] Considerando-se a região de nascimento, 86Â 011 eram nascidos no município (84,30%) e 16Â 022 eram naturais de outro município (15,70%). Entre estes, 95Â 290Â habitantes eram naturais do estado do Amazonas (93,39%) e 6Â 743 eram nascidos em outro estado da federação (6,61%).[22] Entre os 6Â 743 naturais de outras unidades da federação, o Pará era o estado com maior presença, com 5Â 205 pessoas (5,10%), seguido pelo Ceará, com 454 pessoas (0,45%). Há ainda, um número de imigrantes de outros países, que somam 59 habitantes (0,06%).[23]Etnias[editar | editar código-fonte]
Parintins é uma cidade marcada pelos traços culturais, políticos e econômicos herdados dos portugueses, espanhóis, italianos e também dos japoneses, tendo em vista que a cidade possuiu uma relevante colônia destes imigrantes. Não se pode esquecer a importância dos ameríndios no quesito contribuição étnica. Foram os ameríndios que iniciaram a ocupação humana na Amazônia e seus descendentes caboclos desenvolveram-se em contato íntimo com o meio ambiente, adaptando-se às peculiaridades regionais e oportunidades oferecidas pela floresta.
Na sua formação histórica, a demografia da cidade é o resultado da miscigenação das três etnias básicas que compõem a população brasileira: o índio, o europeu e o negro, formando assim, os mestiços da região (caboclos) Mais tarde, com a chegada dos imigrantes, especialmente japoneses, formou-se um caldo de cultura singular, que caracteriza a população da cidade, seus valores e modo de vida.
Pardos (caboclos, mulatos e cafuzos) (67,0%), brancos (30,2%), pretos (0,9%), indígenas (0,5%), amarelos (principalmente descendentes de japoneses) (0,7%), sem declaração (0,7%)
População residente por etnia (Censo 2000)[24]Pardos - 67,0%
Branco - 30,2%
Pretos - 0,9%
Amarelos - 0,7%
Indígenas - 0,5%
Não declarado - 0,7%Subdivisões[editar | editar código-fonte]
Ver artigo principal: Lista de bairros de Parintins
A cidade é dividida por uma linha imaginária que vai da Catedral de Nossa Senhora do Carmo ao Centro de Convenções Amazonino Mendes (Bumbódromo), criando duas zonas: uma Azul (Boi Caprichoso) e outra Vermelha (Boi Garantido).
O visitante da ilha nota essa divisão de cor, olhando para as pinturas das casas, placas turísticas indicativas, faixas de pedestres e até os orelhões da cidade. Do lado Azul ficam: Centro, Palmares, Francesa, Santa Clara, Santa Rita, Macurany e Castanheira.
Do lado vermelho localizam-se os seguintes bairros: São José, Djard Vieira, Itaúna, Lady Laura, Distrito Industrial, Paulo Corrêa, São Benedito, João Novo e Emílio Moreira.
Tem ainda Itaúna I e II, Paulo Corrêa, e o mais novos bairros da cidade, o bairro da União,, Jacareacanga, Tonzinho Saunier, Teixeirão, Val-Paraíso, Pascal Allágio, Vila Cristina, Aningas Residenzas e Santoca.
Na zona rural do perímetro urbano do município, localizam-se diversas vilas e bairros. Entre os bairros, destacam-se: Macurany, Aninga e Parananema.Distrito
Parintins possui os seguintes distritos: Vila Amazônia, Mocambo, Caburi, Zé-Açu e Maranhão.Regiões
Parintins está dividida em cinco regionais (regiões) para fins administrativos e de segurança. São eles:Zona sudoeste, zona oeste, zona sul, zona leste e zona norte.
Política[editar | editar código-fonte]
A administração pública de Parintins é exercida pelo poder executivo e pelo poder legislativo.[25] O atual prefeito do município é o ex-deputado estadual Frank Luiz da Cunha Garcia, conhecido como Bi Garcia, do Partido da Social Democracia Brasileira (PSDB). Garcia exerce o cargo de prefeito do município pela terceira vez, tendo exercido outras vezes nos períodos compreendidos entre 1 de janeiro de 2005 a 1 de janeiro de 2009 e 1 de janeiro de 2009 a 1 de janeiro de 2013. Foi eleito para o atual mandato em 2 de outubro de 2016 com 30.970 votos, correspondentes a 63,30% dos votos válidos, o que lhe tornou o prefeito eleito com a votação mais expressiva da história do município, e tomou posse do cargo em 1 de janeiro de 2017, para exercer mandato com término em 1 de janeiro de 2021. O poder executivo é representado pelo prefeito e seu gabinete de secretários, seguindo o modelo proposto pela Constituição Federal do Brasil.
O poder legislativo é representado pela câmara municipal, composta por 11 vereadores eleitos para cargos de quatro anos, seis aquém do limite máximo de vereadores permitido pela Constituição Federal para municípios do porte de Parintins (mais de 80 mil até 120 mil habitantes) . A câmara é responsável por elaborar e votar leis fundamentais à administração e ao executivo, especialmente o orçamento municipal (conhecido como Lei de Diretrizes Orçamentárias). A câmara municipal está composta da seguinte forma: duas cadeiras do Partido da Social Democracia Brasileira (PSDB); duas cadeiras do Partido Trabalhista Brasileiro (PTB); uma cadeira do Partido Republicano da Ordem Social (PROS); uma cadeira do Partido Social Democrático (PSD); uma cadeira do Partido Trabalhista Nacional (PTN); uma cadeira do Partido Social Liberal (PSL); uma cadeira do Partido Republicano Brasileiro (PRB); uma cadeira do Partido da República (PR) e uma cadeira do Partido Ecológico Nacional (PEN).
De acordo com o TRE-AM (Tribunal Regional Eleitoral), o município possuía em 2016 cerca de 64.046 eleitores, o que corresponde ao segundo maior colégio eleitoral do estado do Amazonas, ficando apenas atrás do colégio eleitoral da capital, Manaus.Economia[editar | editar código-fonte]
Setor primário[editar | editar código-fonte]
Agricultura
Juntamente com a pecuária, completa a formação econômica do setor primário. É representada pelas culturas temporárias: abacaxi, juta, arroz, batata-doce, cana-de-açúcar, feijão, fumo, mandioca, macaxeira, maracujá, maracujá do mato, melancia, soja (orgânica) melão e milho. Culturas permanentes: abacate, banana, cacau café, caju, coco, laranja, limão, guaraná e tangerina.
No entanto, a maioria dos produtos primários são oriundos da cidade de Santarém do estado do Pará.Pecuária
É atividade de maior peso no setor primário. Compreende principalmente a criação de bovinos, vindo a seguir a criação de suínos. A produção de carne e leite destina-se ao consumo local e à exportação para outros municípios. A economia é praticamente fundamentada neste setor. Parintins já possuiu o título de o maior rebanho bovino e bubalino do Estado, tendo aproximadamente 150 mil bovinos e 50 mil bubalinos.Pesca, avicultura e extrativismo vegetal
Desponta como um dos principais entrepostos de pesca no Amazonas para o consumo local. A avicultura está voltada para o criatório em moldes domésticos, sendo representada principalmente pela criação de galinhas, seguida de perus, patos, marrecos e gansos. O extrativismo vegetal é pouco representativo na formação do setor primário, mas destaca-se a exploração de borracha, cumaru, gomas não elásticas, madeira, óleo de copaíba e puxuri.Setor secundário[editar | editar código-fonte]
Indústrias
O setor secundário é composto basicamente por micro e pequenas empresas geralmente voltadas para o aproveitamento de produtos naturais tais como:Indústria madeireira - Beneficiamento de madeiras para a exportação e confecção de móveis e esquadrias.
Indústria alimentícia - fabricação de doces e compotas regionais, sorvetes embutidos, laticínios, produção de soja e cana de açúcar.
Indústria oleira - Fabricação de tijolos, telhas e artesanatos de cerâmica.
Indústria química - Produção de óleos e essências vegetais como pau-rosa (extinto na cidade atualmente), cumaru, óleo de copaíba e andiroba.
Indústria do vestuário - Confecção de roupas em geral.
Indústria gráfica - Produção de impressos em geral.
Indústria naval - Construção de embarcações diversas e reparos em máquinas marítimas.
Setor terciário[editar | editar código-fonte]
Parintins conta hoje com mais de 1500 estabelecimentos comerciais, varejistas e atacadistas dos mais diversificados produtos. Na prestação de Serviços destacam-se cabeleireiros, oficinas mecânicas, eletrônicas, hotéis, pousadas, bares, restaurantes, clínicas médicas, clínicas odontológicas, contabilistas, entre outros. Neste setor encontram-se grande parte da população devido da escassez de emprego na cidade. A mão de obra formal é constituída praticamente pelos funcionários públicos (Federal, Estadual e Municipal) e empregados no comércio local.Saúde[editar | editar código-fonte]
O município possuía, em 2009, 19 estabelecimentos de saúde, sendo 17 deles públicos municipais ou estaduais e 2 privados, entre hospitais, pronto-socorros, postos de saúde e serviços odontológicos. Neles havia 111 leitos para internação.[26] Em 2014, 98,86% das crianças menores de 1 ano de idade estavam com a carteira de vacinação em dia. O índice de mortalidade infantil entre crianças menores de 5 anos, em 2016, foi de 24,33 indicando um aumento em comparação a 1998, quando o índice foi de 15,86 óbitos a cada mil nascidos vivos. Entre crianças menores de 1 ano de idade, a taxa de mortalidade aumentou de 11,33 (1998) para 21,22 a cada mil nascidos vivos, totalizando, em números absolutos, 792 óbitos nesta faixa etária entre 1998 e 2016. No mesmo ano, 29,30% das crianças que nasceram no município eram de mães adolescentes. Conforme dados do Sistema Único de Saúde (SUS), órgão do Ministério da Saúde, a taxa de mortalidade devido a acidentes de transportes terrestres registrou 13,31 óbitos em 2016, revelando um aumento comparando-se com o resultado de anos anteriores, quando se registrou 1,40 óbitos neste indicador. Ainda conforme o SUS, baseado em pesquisa promovida pelo Sistema de Informações Hospitalares do DATASUS, houveram 7 internações hospitalares relacionadas ao uso abusivo de bebidas alcoólicas e outras drogas, entre 2008 e 2017.[27]
A taxa de mortalidade infantil média na cidade é de 19,54 para 1.000 nascidos vivos. Em 2016, 73,17% das mortes de crianças com menos de um ano de idade foram em bebês com menos de sete dias de vida. Óbitos ocorridos em crianças entre 7 e 27 dias de vida foram 4,88% dos registros. Outros 21,95% dos óbitos foram em crianças entre 28 dias e um ano de vida. No referido período, houveram 25 registros de mortalidade materna, que é quando a gestante entra em óbito por complicações decorrentes da gravidez. O Ministério da Saúde estima que 84,39% das mortes que ocorreram em 2016, entre menores de um ano de idade, poderiam ter sido evitadas, especialmente pela adequada atenção à saúde da gestante, bem como pela adequada atenção à saúde do recém-nascido. Cerca de 98,6% das crianças menores de 2 anos de idade foram pesadas pelo Programa Saúde da Família em 2014, sendo que 0,3% delas estavam desnutridas.[27][28][29]
Parintins possuía, até 2009, estabelecimentos de saúde especializados em clínica médica, obstetrícia, pediatria, traumeto-ortopedia e outras especialidades médicas, e nenhum estabelecimento de saúde com especialização em psiquiatria, cirurgia bucomaxilofacial ou neurocirurgia. Dos estabelecimentos de saúde, 3 deles era com internação.[26] Até 2016, havia 282 registros de casos de HIV/AIDS, tendo uma taxa de incidência, em 2016, era de 7,98 casos a cada 100 mil habitantes, e a mortalidade, em 2016, 5,32 óbitos a cada 100 mil habitantes.[27] Entre 2001 e 2012 houveram 675 casos de doenças transmitidas por mosquitos e insetos, sendo as principais delas a dengue e a leishmaniose.[30]Saneamento básico[editar | editar código-fonte]
Habitação
Parintins tem como característica as residências com grandes quintais. Na parte central da cidade há uma predominância de residências em alvenaria, e nos bairros, predominam as casas de madeira. Nos últimos anos o êxodo rural vem ocasionando ocupações, notadamente na área sudoeste da cidade.
Na zona rural, as habitações, em geral, são pequenas, feitas com madeira e cobertas com palha ou brasilite, sendo também encontradas algumas casas totalmente de palha.Sistema de esgoto
Para a coleta de esgotos sanitários (águas negras) são utilizados sumidouros, fossas sépticas e privadas higiênicas, fruto de um trabalho realizado pela unidade de saneamento da prefeitura que promove a doação de materiais para a população de baixa renda. Existem 1.720m de rede de captação de águas pluviais na área do centro da cidade.
Nas comunidades rurais, a maioria das famílias usa sanitários, conhecidos como fossa negra, construídos fora da casa principal e constituídos por um buraco no chão, casinha de madeira e piso de madeira, podendo ser coberta ou não.
De acordo com os Censos Demográficos do IBGE, de 1991 e 2000, a fossa rudimentar é o tipo e instalação sanitária mais utilizada, seguida da fossa séptica, que vem ganhando importância como destino de dejetos humanos entre os moradores de Parintins.Abastecimento de água e energia elétrica
O abastecimento de água de Parintins é realizado pelo Serviço Autônomo de Águas e Esgotos - SAAE. A captação é efetuada em mananciais subterrâneos através de poços artesianos com média de 80 metros de profundidade.
Estão em funcionamento poços na área urbana com capacidade de produção maior que o volume captado. Na área rural estão instalados poços nos distritos de Mocambo, Caburi e Vila Amazônia.
O tratamento dado à água é a cloração por contato, e a distribuição segundo SAAE atinge 95% dos domicílios na sede municipal ou cerca de 62% de todos os moradores de Parintins, segundo o Censo Demográfico do IBGE. Fora do perímetro urbano, a água consumida nas comunidades é captada diretamente do rio.
O abastecimento de energia elétrica em Parintins é realizado pela Amazonas Energia, através de uma usina termoelétrica.Transportes[editar | editar código-fonte]
Por conta da sede do município estar situada em uma região com um considerável número de lagos e ilhas, o que torna difícil a construção de estradas e/ou rodovias, o acesso ao município atualmente se dá apenas pelo transporte fluvial e pelo transporte aéreo.Transporte fluvial
O transporte fluvial na cidade é muito comum. A cidade conta com um grande e movimentado porto, que é considerado o segundo maior do estado e o maior do interior em movimentação de passageiros e que atende a quase toda a região Norte. O Porto de Parintins localiza-se na costa do Rio Amazonas, na zona central da cidade de Parintins e atende os estados do Amazonas, Pará, Rondônia e áreas do Norte do Mato Grosso. As embarcações que fazem linha atualmente para o município em direção à capital do estado ou vice-versa são: Navio Parintins I, Navio Coronel Tavares, Navio Novo Aliança, Navio Oliveira V, Navio Tavares e Navio Leão de Judá II. Ambas fazem duas viagens por semana, sendo uma no trecho Parintins - Manaus e outra no trecho Manaus - Parintins. Também servem ao município embarcações que tem como destino final de suas viagens ou municípios do estado do Pará, ou que são oriundas de municípios paraenses e tem como destino final a capital do Amazonas, que fazem escala no município para embarcar ou desembarcar cargas e passageiros.
Nos últimos anos, tem crescido no município o mercado das lanchas rápidas que tem como destino a capital do estado ou a municípios vizinhos, tanto do estado do Amazonas quanto do estado do Pará. É um serviço requisitado geralmente por quem quer evitar as demoradas viagens de barco pela região ou por quem quer desfrutar de um serviço de bordo semelhante ao do transporte aéreo, pagando mais barato. As lanchas que fazem linha do município para Manaus, são: Ajato Aliança, Saphira, Estrela de Nazaré, Paris, Expresso Fernanda, Agatha Fernanda e A Noiva II, além de outras que fazem escala no município e que tem como destino final municípios do Estado do Pará ou são oriundas do estado vizinho tendo como destino final a capital do Amazonas. A viagem de lancha, de Parintins a Manaus dura cerca de 8 a 10 horas, subindo o Rio Amazonas (contra em média 22 a 24 horas de barco), e de Manaus a Parintins dura cerca de 6 a 8 horas, descendo o Rio Amazonas (contra em média 16 a 18 horas de barco).Transporte aéreo
Ver artigo principal: Aeroporto Regional de Parintins
O Aeroporto Municipal está situado na zona urbana do município, a sudoeste da cidade, estando inserido na área de expansão do perímetro urbano. É de propriedade da Prefeitura Municipal, sendo por ela administrado. Atualmente, três empresas utilizam a área do Aeroporto Municipal; duas empresas de aviação agrícola e uma de instrução de voo. Durante todo o ano, uma empresa aérea realiza voos para Parintins, a MAP Linhas Aéreas. Durante o Festival Folclórico de Parintins, ocorrido geralmente nos meses de junho e julho, outra empresa aérea estende a abrangência à cidade, a Gol Transportes Aéreos, além de receber no mesmo período, aeronaves fretadas e particulares. O aeroporto já recebeu um voo emergencial de um Boeing 727-200 cargueiro da empresa TAF, vindo de Salvador para Manaus, sendo que após cinco tentativas de pouso na capital devido ao tempo, não conseguindo e tendo suas asas e flaps danificados quando o piloto tentou arremeter na quinta tentativa chocou-se com árvores danificando a aeronave obrigando-o a vir para Parintins, que seria o aeroporto mais próximo e com estrutura para pouso, já que o combustível não daria para chegar até Santarém(PA) onde seria a aterrissagem, e posteriormente outro avião do mesmo modelo e um Búfalo da FAB pousaram para fazer os reparos e devidos procedimentos, mostrando a adequação que aeroporto tem para pouso de grandes aeronaves. Recentemente iniciou-se os trabalhos de reforma do aeroporto pelo PAC- 2, para aeroportos regionais, e com isso o aeroporto irá ganhar estacionamento novo, passando das atuais 65 vagas para 180, nova torre de controle em alvenaria, ampliação do pátio de aeronaves de grande porte, das atuais 03(três), para 07 (sete), pista de taxiamento, instalação de esteira de bagagem entre outras adequações no terminal. Ainda está em processo de homologação por parte da Anac e Infraero, a operação de voos da TAM para escala nos trechos Manaus - Belém e Manaus - Brasília.Educação[editar | editar código-fonte]
Em 2012, Parintins contava com 3Â 955 matrículas no ensino primário, 22Â 019 matrículas no ensino fundamental e 7Â 769 matrículas no ensino médio.[31] Dentre as matrículas no ensino fundamental, 12Â 689 eram em escolas públicas municipais e 9Â 330 em escolas públicas estaduais. Das matrículas no ensino médio, 7Â 103 eram em escolas públicas estaduais e 666 em escolas públicas federais.[31] No mesmo ano, havia 123 unidades de ensino de nível primário, 155 unidades de ensino de nível fundamental e 13 unidades de ensino de nível médio. Dentre as unidades de ensino de nível fundamental, 20 destas eram públicas estaduais e 135 públicas municipais. Das unidades de ensino de nível médio, 12 eram de caráter público estadual e 1 de caráter pública federal.[31] Foram registrados 181 docentes no ensino primário, 869 docentes no ensino fundamental e 316 docentes no ensino médio.[31] Segundo dados do censo de 2010, o índice de analfabetismo nesse ano entre pessoas acima de 15 anos era 9,5%; de 15 a 24 anos, de 1,2%; de 25 a 59 anos, de 8,0%; e acima de 60 anos, de 27,1%.
A cidade é um dos importantes centros de educação de nível médio e superior do estado do Amazonas, possui um dos minicampos do Instituto Federal do Amazonas (IFAM), que oferece cursos em diferentes níveis: ensino médio e ensino técnico.Universidade públicas
Universidade do Estado do Amazonas (UEA): é uma instituição pública estadual de ensino superior, que oferece mais de vinte cursos, foi criada pela lei estadual n.º 2.637 de 12 de janeiro de 2001, que proporcionou às fundações educacionais de ensino superior instituídas pelo estado. Em Parintins, o Centro de Estudos Superiores (UEA) possui os cursos de: Pedagogia, História, Geografia, Física, Matemática, Letras (Português), Química, Ciências Biológicas, Tecnologia em Turismo, Direito, Saúde Coletiva, Ciências Econômicas e Tecnologia em Gestão Pública.
Instituto Federal do Amazonas (IFAM): O Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Amazonas foi criado mediante integração do Centro Federal de Educação Tecnológica do Amazonas e das Escolas Agro Técnicas Federais de Manaus e de São Gabriel da Cachoeira.
Universidade Federal do Amazonas (UFAM): Começou como campus avançado em parceria com a UNERJ, até sua implantação em 1998 com o curso de administração e biologia, sua instalação oficial como Campus no município foi em 2007, possuindo os seguintes cursos: Serviço Social, Comunicação Social-Jornalismo, Administração Organizacional, Pedagogia, Zootecnia, Educação Física e Artes Plásticas, entre outros cursos que estão em processo de implantação, como o curso de Medicina.
No setor de educação e capacitação profissional, o município, além de dispor de uma ampla rede de escolas (estaduais, municipais e privadas), conta com um campus da Universidade do Estado do Amazonas e algumas faculdades privadas, com diversos cursos superiores ofertados. Dispõe ainda de unidades do SENAI, SENAC e SESI e, em função disso, os índices de alfabetização e capacitação profissional do municípios estão entre os mais altos de todo o Estado do Amazonas.Esporte[editar | editar código-fonte]
Parintins teve como grande destaque no futebol o torneio intermunicipal de Seleções da Copa dos Rios, da qual foi um dos campeões, também revelou grandes jogadores pro futebol profissional no estado, dentre eles o jogador Clóvis que foi o maior goleiro do Rio Negro, Delmo que chegou ao estrelato defendendo a camisa do São Raimundo e Michel "Parintins" que sagrou-se como artilheiro do Campeonato Brasileiro de Futebol de 2009 - Série D. Atualmente é o município do interior do Amazonas que mais tem jogadores atuando no futebol profissional do estado.Clubes de Futebol[editar | editar código-fonte]
Parintins tem um forte campeonato distrital disputado desde 1948, e tem seus principais clubes fundados também nessa época. Seus maiores campeões são:Atlético Sul América Clube ? 23 vezes campeão
Amazonas Esporte Clube ? 16 vezes campeão
Esporte Clube Parintins
Nacional Esporte Clube
São Cristóvão Esporte Clube
Juventude Atlética Católica JAC
Estrela do Norte Esporte Clube
Por vezes se criou a ideia de disputar o Campeonato Amazonense de Futebol, a última vez foi em 2009 quando um torcedor símbolo do Sul América levantou a ideia, que veio abaixo com o argumento de que se um clube do interior disputasse esse teria que ser atendido pela torcida da maioria, ou seja, teria que se criar um clube totalmente novo e que não fosse ligado a qualquer agremiação.Estádio[editar | editar código-fonte]
O estádio principal de Parintins é o Estádio Tupy Cantanhede que foi inaugurado em 1957 e é de propriedade dos clubes e atende até 4 mil pessoas. Um novo estádio foi projetado para cidade e vai ser reconstruído para atender públicos de até 10 mil pessoas e possivelmente ser um dos Centros de Treinamento de Manaus em 2014.
O estádio Tupy Catanhede já recebeu grandes públicos e partidas de clubes como Botafogo/RJ e Flamengo/RJ(venceu o selecionado local por 1-0); Na década de 60 o famoso Mané Garrincha jogou o clássico da cidade, disputado entre Sul América e Amazonas, jogando um tempo por cada clube.Cultura e sociedade[editar | editar código-fonte]
Culinária[editar | editar código-fonte]
Parintins abriga estabelecimentos que oferecem pratos típicos da culinária local. As receitas mais conhecidas utilizam peixes de água doce e carne de búfalo. Entre as mais populares estão o tambaqui moqueado, caldeirada de tucunaré com pirão, maniçoba, pirarucu assado, bolinhos de piracuí, peixe no tucupi, pato no tucupi, caldeirada de bodó, bodó assado e no vinho, e tacacá.
A gastronomia da ilha está baseada no peixe. Os mais apreciados são o curimatã, jaraqui, pirarucu, matrinchã, pescada, tambaqui, tucunaré, pacu, sardinha, bodó e tamuatá, que são servidos em moquecas, postas, bolinhos, assados, fritos e em caldeirada.Música[editar | editar código-fonte]
Na música, os destaques de Parintins são: a Toada, (ritmo característico da região) além do forró e outros ritmos nacionais.A toada é um estilo musical proveniente da cidade, que conta com danças folclóricas com temática indígena, cabocla e ribeirinha e é executada principalmente na época do Festival Folclórico no mês de junho e nos ensaios dos bois Garantido e Caprichoso, porém, é executado o ano inteiro, tendo grupos que só tocam esse estilo musical, inclusive já foram gravados Louvores à Deus nesse estilo musical.
O forró é um estilo musical que foi trazido pelos nordestinos que vieram na época da borracha e depois dela. O forró recebeu uma nova roupagem com danças acrobáticas só encontradas no Amazonas. Existem várias bandas locais que são especializadas no estilo. Há também uma mistura do tradicional forró com músicas caribenhas.
Religião[editar | editar código-fonte]
Tal qual a variedade cultural verificável em Parintins, são diversas as manifestações religiosas presentes na cidade. De acordo com o censo de 2010, a população de Parintins em sua maioria declarava-se católica.
População residente por religião (Censo 2010)[32]Católicos - 83 487 (81,1%)
Evangélicos - 16 167 (15,7%)
Espíritas - 54 (0,1%)
Outras religiões - 3 237 (3,1%)
Festas populares[editar | editar código-fonte]
O Festival Folclórico de Parintins é o mais popular do município e uma das maiores manifestações culturais do Brasil.
Festa de Soltura de Quelônios (janeiro)
Encenação da Paixão de Cristo (abril)
Temporada de Festas e Ensaios dos Bois Bumbás ? Caprichoso e Garantido (abril a junho)
Festival Folclórico e Festival de Quadrilhas ? Comunidade do Zé Açu ? 12 a 30 de junho
Festival Folclórico de Parintins (acontece no último final de semana do mês de junho)
Festa de Nossa Senhora do Carmo ? Padroeira do Município (6 a 16 de julho)
Festival de Pesca do Peixe Liso ? Comunidade do Paraná do Espírito Santo (agosto)
Festival de Verão do Uaicupará (setembro)
Festival de Verão do Cabury (setembro)
Festival Folclórico (junho)
Campanha "Jesus, Água da Vida" (junho)
Festival de Música Sacra ? Femusa (setembro)
Festival do Beijú ? Agrovila do Mocambo (setembro)
Aniversário de Fundação do Município de Parintins (15 de outubro) com o Festival de Toadas (13, 14 e 15 de outubro)
Festival de Pastorinhas (23 de dezembro)
Carnailha (carnaval) - fevereiro
Festa do Jaraqui - Vila Amazônia
Artesanato[editar | editar código-fonte]
A cidade possui inúmeras feiras de artesanato caboclo e ameríndio nos meses de junho a outubro. As peças de artesanato são feitas, em sua maioria, por matérias-primas encontradas em vilas e comunidades próximas da cidade, como Vila Amazônia e Mocambo.
Os materiais usados são madeira, raízes de árvores, cipós, palhas, sementes, fibras naturais e penas artificiais. Grande parte desse artesanato é vendido e encontrado nas comunidades locais, nas feiras da cidade e no Bumbódromo.
Matérias de exportação da cidade, como a juta, que foi trazida pelos japoneses, é usado para a fabricação de utensílios e acessórios usados por dançarinos durante o Festival Folclórico de Parintins. Além da juta, também é usado materiais feitos em palha, cuia, espigas e muitos outros materiais. O artesanato indígena é fabricado com penas e grande variedade de sementes que formam colares, brincos, cocares e outros tipos de adereços. As sementes usadas são de açaí, cupuaçu, castanha e pupunha, todas frutas típicas da região. Miniaturas dos bois-bumbás Garantido e Caprichoso esculpidas em isopor e gesso são encontradas em várias lojas da cidade.Comunicações[editar | editar código-fonte]
Telefonia[editar | editar código-fonte]
Parintins é servido pelo sistema de telefonia fixa através da operadora Oi (antiga TELEMAR). Na área rural e nos distritos do Mocambo, Caburi e Comunidade do Bom Socorro, Zé Açu e Vila Amazônia, existem centrais telefônicas. Em dezenas de comunidades rurais existe o sistema público com 1 terminal telefônico.
No sistema móvel (celular), Parintins é servido pelas operadoras: TIM, Oi, Vivo e Claro.Correios[editar | editar código-fonte]
A Empresa Brasileira de Correios e Telégrafos (ECT) mantém duas agências sendo uma na sede do município e outra no distrito de São Sebastião do Caburi (Agrovila) com uma caixa coletora cada uma respectivamente, prestando serviços postais como SEDEX, PAC, mala direta, malote, serviços postais internacionais, vale postal eletrônico e serviços de utilidade pública além de trabalhar como correspondente bancário do Banco do Brasil. Com atendimento ao público de segunda à sexta feira das 8h às 16h.[33]Televisão[editar | editar código-fonte]
Na área de televisão, a cidade contém as seguintes emissoras: TV A Crítica Parintins (Record 12/12.1 digital), TV Em Tempo Parintins (SBT 22), TV Parintins (Globo 07/7.1 digital), Amazon Sat 02, BAND Amazonas (BAND 43/43.1 digital), TV Novo Tempo 45 e TV Alvorada (Rede Vida 04, Canção Nova 09/41.1 digital e Rede Nazaré 17 de Belém do Pará). Além destas, existe também a Central de Emissões, Gravações e Repetidoras Ajuricaba (CEGRASA), empresa existente desde 1972 e que é responsável pela manutenção de várias estações de retransmissão de TV em todo o estado, estações estas que repetem o sinal da TV Em Tempo desde 2012. As demais emissoras existentes na cidade são retransmissoras dos canais de TV da capital, Manaus.Estações de rádio[editar | editar código-fonte]
Parintins possui quatro emissoras de rádio, a Rádio Clube Em Tempo que opera em Amplitude Modulada (AM), a Rádio Alvorada, que opera em AM e OM (ondas médias) e FM (frequência modulada), Rádio Tiradentes (Rádio Globo), que opera em FM e a Rádio Novo Tempo que opera também em FM, e ainda tem uma quinta FM a ser implantada brevemente aguardando apenas a liberação.Jornais[editar | editar código-fonte]
Existem em circulação seis periódicos: Jornal Gazeta Parintins, Jornal Novo Horizonte, Jornal Repórter Parintins, Jornal da Ilha, O Regional, A Folha do Povo, Jornal do Comércio e Em Tempo Parintins, além de diariamente chegarem jornais de Manaus.Referências? a b c «Divisão Territorial do Brasil». Divisão Territorial do Brasil e Limites Territoriais. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). 1 de julho de 2008. Consultado em 11 de outubro de 2008Â ? «Distância entre Parintins e Manaus». Distância entre cidades.com. Consultado em 10 de julho de 2019Â ? IBGE (10 de outubro de 2002). «Área territorial oficial». Resolução da Presidência do IBGE de n° 5 (R.PR-5/02). Consultado em 5 de dezembro de 2010Â ? «Áreas Urbanas no Brasil em 2015». Embrapa Monitoramento por Satélite. 4 de junho de 2015. Consultado em 30 de dezembro de 2018Â ? «Estimativa populacional 2018» (PDF). Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Consultado em 29 de agosto de 2018Â ? «Ranking decrescente do IDH-M dos municípios do Brasil» (PDF). Atlas do Desenvolvimento Humano. Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD). 2010. Consultado em 3 de agosto de 2013Â ? a b «Produto Interno Bruto dos Municípios 2010-2013». Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Consultado em 19 de dezembro de 2015Â ? «Distância entre Manaus e Parintins». www.distanciasentrecidades.com. Consultado em 10 de julho de 2019Â ? Confederação Nacional dos Municípios (CMN). «Dados gerais do município de Parintins - AM». Consultado em 2 de agosto de 2010Â ? «Estado do Amazonas». Embrapa Monitoramento por Satélite. Consultado em 2 de agosto de 2010Â ? «Dados Gerais: Distâncias de Parintins (AM) - Publicado por CityBrazil UOL (Acessado em 16 de janeiro de 2013)». Consultado em 16 de janeiro de 2013. Arquivado do original em 3 de março de 2016Â ? «Dados Gerais». Confederação Nacional de Municípios. Consultado em 16 de janeiro de 2013. Cópia arquivada em 30 de dezembro de 2011Â ? a b «Dados Gerais: Limites de Parintins (AM) - Publicado por CityBrazil UOL (Acessado em 16 de janeiro de 2013)». Consultado em 16 de janeiro de 2013. Arquivado do original em 4 de março de 2016Â ? a b «BDMEP - série histórica - dados diários - precipitação (mm) - Parintins». Instituto Nacional de Meteorologia. Consultado em 8 de agosto de 2014Â ? World Map of the Köppen-Geiger climate classification (Abril de 2006). «World Map of the Köppen-Geiger climate classification» (em inglês). Institute for Veterinary Public Health. Consultado em 28 de janeiro de 2014. Cópia arquivada em 27 de fevereiro de 2011Â ? a b «NORMAIS CLIMATOLÓGICAS DO BRASIL». Instituto Nacional de Meteorologia. Consultado em 6 de maio de 2018Â ? a b «BDMEP - série histórica - dados diários - temperatura mínima (ºC) - Parintins». Instituto Nacional de Meteorologia. Consultado em 8 de agosto de 2014Â ? a b «BDMEP - série histórica - dados diários - temperatura máxima (ºC) - Parintins». Instituto Nacional de Meteorologia. Consultado em 8 de agosto de 2014Â ? «IBGE Cidades: Parintins». cidades.ibge.gov.br. Consultado em 25 de setembro de 2018Â ? Atlas do Desenvolvimento Humano (2013). «Perfil - Parintins, AM». Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD). Consultado em 14 de setembro de 2014Â [ligação inativa]? Sistema IBGE de Recuperação Automática (SIDRA) (2010). «População de Parintins por raça e cor». Consultado em 14 de setembro de 2014. Cópia arquivada em 24 de março de 2014Â ? Sistema IBGE de Recuperação Automática (SIDRA) (2010). «Tabela 1505 - População residente, por naturalidade em relação ao município e à unidade da federação - Resultados Gerais da Amostra». Consultado em 14 de setembro de 2014. Cópia arquivada em 24 de março de 2014Â ? Sistema IBGE de Recuperação Automática (SIDRA) (2010). «Tabela 631 - População residente, por sexo e lugar de nascimento». Consultado em 14 de setembro de 2014. Cópia arquivada em 24 de março de 2014Â ? «Etnias no Brasil». IBGEÂ ? Flávio Henrique M. Lima (8 de fevereiro de 2006). «O Poder Público Municipal à frente da obrigação constitucional de criação do sistema de controle interno». JusVi. Consultado em 9 de maio de 2014. Cópia arquivada em 7 de maio de 2012Â ? a b Cidades@ - Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). «Serviços de saúde - 2009». Consultado em 20 de dezembro de 2018Â ? a b c Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) (2014). «ODS 03: Saúde e bem-estar». Relatórios Dinâmicos. Consultado em 20 de dezembro de 2018Â ? Portal ODM (2015). «1 - acabar com a fome e a miséria». Consultado em 20 de dezembro de 2018Â ? @Cidades. «Saúde». Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Consultado em 20 de dezembro de 2018Â ? Portal ODM (2012). «6 - combater a Aids, a malária e outras doenças». Consultado em 20 de dezembro de 2018Â ? a b c d «Ensino - Matrículas, Docentes e Rede Escolar - 2012: Parintins, Amazonas». Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). 2012. Consultado em 19 de agosto de 2013Â ? «Religião no Brasil». IBGEÂ ? Entrevista na Agência da sede do município em 09 de junho de 2017.
Ligações externas[editar | editar código-fonte]
O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre ParintinsO Wikivoyage possui o guia Parintins
Página da prefeitura
Informações de Parintins
Parintins no WikiMapia
vde Hierarquia urbana do Brasil
Demografia do Brasil
Municípios do Brasil
vdeMetrópolesMetrópoles globais
São Paulo
Metrópoles nacionais
Brasília
Rio de Janeiro
Metrópoles regionais
Belém
Belo Horizonte
Curitiba
Fortaleza
Goiânia
Manaus
Porto Alegre
Recife
Salvador
vdeCapitais regionaisCapitais regionais A
Aracaju
Campinas
Campo Grande
Cuiabá
Florianópolis
João Pessoa
Maceió
Natal
São Luís
Teresina
Vitória
Capitais regionais B
Blumenau
Campina Grande
Cascavel
Caxias do Sul
Chapecó
Feira de Santana
Ilhéus/Itabuna
Joinville
Juiz de Fora
Londrina
Maringá
Ribeirão Preto
São José do Rio Preto
Uberlândia
Montes Claros
Palmas
Passo Fundo
Porto Velho
Santa Maria
Vitória da Conquista
Capitais regionais C
Araçatuba
Araguaína
Arapiraca
Araraquara
Barreiras
Bauru
Boa Vista
Cachoeiro de Itapemirim
Campos dos Goytacazes
Caruaru
Criciúma
Divinópolis
Dourados
Governador Valadares
Ijuí
Imperatriz
Ipatinga/Coronel Fabriciano/Timóteo
Juazeiro do Norte/Crato/Barbalha
Macapá
Marabá
Marília
Mossoró
Novo Hamburgo/São Leopoldo
Pelotas/Rio Grande
Petrolina/Juazeiro
Piracicaba
Ponta Grossa
Pouso Alegre
Presidente Prudente
Rio Branco
Santarém
Santos
São José dos Campos
Sobral
Sorocaba
Teófilo Otoni
Uberaba
Varginha
Volta Redonda/Barra Mansa
vdeCentros sub-regionaisCentros sub-regionais A
Alfenas
Anápolis
Apucarana
Bacabal
Bagé
Barbacena
Barra do Garças
Barretos
Bento Gonçalves
Botucatu
Cabo Frio
Caçador
Cáceres
Caicó
Cajazeiras
Campo Mourão
Castanhal
Catanduva
Caxias
Colatina
Crateús
Erechim
Floriano
Foz do Iguaçu
Franca
Francisco Beltrão
Garanhuns
Guanambi
Guarabira
Guarapuava
Iguatu
Irecê
Itajaí
Itaperuna
Itumbiara
Jacobina
Jaú
Jequié
Ji-Paraná
Joaçaba
Lages
Lajeado
Lavras
Limeira
Macaé
Manhuaçu
Muriaé
Nova Friburgo
Ourinhos
Paranaguá
Paranavaí
Parnaíba
Passos
Pato Branco
Patos
Patos de Minas
Pau dos Ferros
Paulo Afonso
Picos
Pinheiro
Poços de Caldas
Ponte Nova
Quixadá
Redenção
Rio Claro
Rio do Sul
Rio Verde
Rondonópolis
Santa Cruz do Sul
Santa Inês
Santa Rosa
Santo Ângelo
Santo Antônio de Jesus
São Carlos
São João da Boa Vista
São Mateus
Serra Talhada
Sinop
Sousa
Teixeira de Freitas
Toledo
Tubarão
Ubá
Umuarama
Uruguaiana
Centros sub-regionais B
Abaetetuba
Assu
Afogados da Ingazeira
Alagoinhas
Altamira
Andradina
Angra dos Reis
Araranguá
Araras
Araripina
Arcoverde
Ariquemes
Assis
Avaré
Balneário Camboriú
Balsas
Bom Jesus da Lapa
Bragança
Bragança Paulista
Breves
Brumado
Brusque
Cacoal
Cametá
Campo Maior
Capanema
Caratinga
Carazinho
Cataguases
Chapadinha
Cianorte
Concórdia
Conselheiro Lafaiete
Cruz Alta
Cruz das Almas
Cruzeiro do Sul
Currais Novos
Eunápolis
Frederico Westphalen
Guaratinguetá
Gurupi
Itabaiana
Itaberaba
Itaituba
Itajubá
Itapetininga
Itapeva
Itapipoca
Itaporanga
Ituiutaba
Ivaiporã
Janaúba
Linhares
Mafra
Palmares
Paragominas
Parintins
Pedreiras
Presidente Dutra
Registro
Resende
Ribeira do Pombal
Santana do Ipanema
Santo Antônio da Platina
São João del-Rei
São Lourenço
São Miguel do Oeste
São Raimundo Nonato
Senhor do Bonfim
Tefé
Teresópolis
Tucuruí
União da Vitória
Valença
Viçosa
Videira
Vilhena
Vitória de Santo Antão
Xanxerê
vdeCentros de zonaCentros de zona A
Acaraú
Açailândia
Adamantina
Além Paraíba
Almeirim
Almenara
Alta Floresta
Amparo
Aquidauana
Aracati
Aracruz
Araçuaí
Arapongas
Araxá
Assis Chateubriand
Barra do Corda
Barreiros
Bebedouro
Belo Jardim
Birigui
Bom Jesus
Caçapava do Sul
Cachoeira do Sul
Caetité
Caldas Novas
Camacan
Camaquã
Campo Belo
Campos Novos
Canindé
Canoinhas
Capelinha
Carangola
Carpina
Catalão
Catolé do Rocha
Caxambu
Ceres
Cerro Largo
Codó
Colinas do Tocantins
Conceição do Araguaia
Conceição do Coité
Cornélio Procópio
Corumbá
Corrente
Cruzeiro
Curitibanos
Cururupu
Curvelo
Diamantina
Diamantino
Dianópolis
Dois Vizinhos
Dracena
Encantado
Esperantina
Estância
Estrela
Fernandópolis
Formiga
Frutal
Governador Nunes Freire
Goiana
Goiás
Guanhães
Guaporé
Guaraí
Guaxupé
Ibaiti
Ibirubá
Icó
Imbituba
Ipiaú
Iporá
Irati
Itabaiana
Itabira
Itacoatiara
Itamaraju
Itapetinga
Ituverava
Jacarezinho
Jales
Jandaia do Sul
Januária
Jaru
Jataí
João Câmara
João Monlevade
Juína
Jundiaí
Lagarto
Lagoa Vermelha
Laranjeiras do Sul
Limoeiro
Limoeiro do Norte
Lins
Loanda
Macau
Macaúbas
Mamanguape
Marau
Maravilha
Marechal Cândido Rondon
Medianeira
Mineiros
Mirassol d'Oeste
Mogi Guaçu
Monteiro
Montenegro
Morrinhos
Mundo Novo
Naviraí
Nossa Senhora da Glória
Nova Andradina
Nova Prata
Nova Venécia
Oeiras
Olímpia
Osório
Ouricuri
Palmas
Palmeira das Missões
Palmeira dos Índios
Pará de Minas
Paraíso do Tocantins
Parauapebas
Patrocínio
Penápolis
Penedo
Pesqueira
Pinhalzinho
Pirapora
Pires do Rio
Piripiri
Pombal
Ponta Porã
Porangatu
Porto Nacional
Porto Seguro
Primavera do Leste
Propriá
Quirinópolis
Rolim de Moura
Russas
Salgueiro
Salinas
Santa Fé do Sul
Santa Inês
Santa Maria da Vitória
Santo Antônio de Pádua
Santiago
São Bento do Sul
São Borja
São Félix do Araguaia
São Gabriel
São Jerônimo
São José do Rio Pardo
São Luís de Montes Belos
São Luiz Gonzaga
São Miguel dos Campos
Sarandi
Seabra
Serrinha
Soledade
Sorriso
Surubim
Tabatinga
Taquara
Tatuí
Telêmaco Borba
Tijucas
Timbaúba
Timbó
Tocantinópolis
Torres
Três Corações
Três de Maio
Três Lagoas
Três Passos
Três Rios
Tupã
Unaí
União dos Palmares
Uruaçu
Vacaria
Venâncio Aires
Votuporanga
Xique-Xique
Centros de zona B
Abaeté
Abelardo Luz
Abre Campo
Afonso Cláudio
Água Boa
Água Branca
Águas Formosas
Aimorés
Alegrete
Alexandria
Alto Araguaia
Alto Longá
Alto Parnaíba
Amambai
Amarante
Amargosa
Andirá
Andradas
Anicuns
Anísio de Abreu
Aparecida
Apiaí
Apodi
Araguaçu
Araguari
Araguatins
Araioses
Araputanga
Arara
Araruama
Araruna
Arcos
Arinos
Arroio do Meio
Arvorezinha
Auriflama
Avelino Lopes
Baependi
Bambuí
Bariri
Barra
Barra Bonita
Barra de São Francisco
Barra do Bugres
Barras
Barracão
Bataguassu
Batalha
Bela Vista
Belém do São Francisco
Bicas
Boa Esperança
Boa Vista do Buricá
Bom Jardim de Minas
Bom Jesus do Itabapoana
Boquira
Braço do Norte
Brasileia
Brejo Santo
Buritis
Caculé
Camapuã
Cambuí
Camocim
Campina da Lagoa
Campo Novo do Parecis
Campos Altos
Campos Belos
Canguaretama
Canindé de São Francisco
Canto do Buriti
Capanema
Capão da Canoa
Capim Grosso
Capinzal
Capitão Poço
Capivari
Caracol
Carauari
Carmo do Paranaíba
Carutapera
Casca
Cassilândia
Castelo
Castelo do Piauí
Cerejeiras
Chapadão do Sul
Chopinzinho
Cícero Dantas
Coelho Neto
Colíder
Colinas
Coluna
Comodoro
Confresa
Congonhas
Constantina
Coronel Vivida
Coxim
Cristal do Sul
Crixás
Cruz
Cruzília
Curimatá
Delmiro Gouveia
Desterro
Dores do Indaiá
Entre Rios de Minas
Esperantinópolis
Espírito Santo do Pinhal
Espumoso
Euclides da Cunha
Eirunepé
Extrema
Fátima
Faxinal
Floresta
Fortaleza dos Nogueiras
Fronteiras
Gandu
Garça
Garibaldi
General Salgado
Getúlio Vargas
Gilbués
Goianésia
Goiatuba
Goioerê
Grajaú
Guaíra
Guajará-Mirim
Guaraciaba do Norte
Guararapes
Horizontina
Ibicaraí
Ibirama
Ibotirama
Ilha Solteira
Indaial
Inhumas
Ipanema
Ipu
Iracema
Itaberaí
Itacarambi
Itamonte
Itaocara
Itapaci
Itapajé
Itapiranga
Itápolis
Itapuranga
Itaqui
Itararé
Itaúna
Ituporanga
Iturama
Jaciara
Jacutinga
Jaguaquara
Jaguariaíva
Jaguaribe
Jaicós
Jardim
Joaíma
João Pinheiro
Juara
Jussara
Lábrea
Lago da Pedra
Lagoa da Prata
Lambari
Leme
Leopoldina
Livramento de Nossa Senhora
Lorena
Lucas do Rio Verde
Lucélia
Luzilândia
Machado
Malacacheta
Manga
Mantena
Maracaçumé
Matão
Matinhos
Miranda
Miracema do Tocantins
Mirinzal
Mococa
Monte Alegre
Monte Alto
Monte Aprazível
Monte Carmelo
Mostardas
Muçum
Nanuque
Natividade
Nazaré
Neópolis
Niquelândia
Nonoai
Nossa Senhora das Dores
Nova Londrina
Nova Mutum
Nova Petrópolis
Oliveira
Orlândia
Osvaldo Cruz
Olho d'Água das Flores
Ouro Fino
Ouro Preto do Oeste
Palmeira
Palmeira d'Oeste
Palmeirópolis
Pão de Açúcar
Paracatu
Paraguaçu Paulista
Paraisópolis
Paramirim
Paranacity
Paranaíba
Parelhas
Passa-e-Fica
Patu
Paulistana
Peçanha
Pedra Azul
Pedro II
Pedro Afonso
Peixoto de Azevedo
Piancó
Pinheiro Machado
Pio XII
Piraju
Piracuruca
Pitanga
Pitangui
Piumhi
Poções
Ponte Serrada
Pontes e Lacerda
Porteirinha
Porto Calvo
Porto União
Posse
Presidente Epitácio
Presidente Getúlio
Presidente Juscelino
Presidente Venceslau
Princesa Isabel
Prudentópolis
Quatis
Quedas do Iguaçu
Rancharia
Resplendor
Riachão do Jacuípe
Rio Bonito
Rio Negro
Rio Pomba
Rio Real
Rodeio Bonito
Roncador
Rubiataba
Salto do Jacuí
Salvador do Sul
Sananduva
Sanclerlândia
Santa Bárbara
Santa Cruz
Santa Cruz da Baixa Verde
Santa Cruz do Rio Pardo
Santa Filomena
Santa Helena
Santa Luzia
Santa Luzia do Paruá
Santa Maria do Suaçuí
Santa Vitória do Palmar
Santana
Santana do Livramento
Santo Antônio
Santo Antônio da Patrulha
Santo Augusto
Santos Dumont
São Bento (Maranhão)
São Bento (Paraíba)
São Benedito
São Domingos
São Francisco
São Gabriel da Palha
São Gotardo
São João Batista
São João do Ivaí
São João do Piauí
São João dos Patos
São João Nepomuceno
São Joaquim da Barra
São José do Cedro
São José do Egito
São João do Rio do Peixe
São João Evangelista
São José do Cedro
São Lourenço do Oeste
São Mateus do Sul
São Miguel
São Miguel do Araguaia
São Miguel do Tapuio
São Paulo do Potengi
São Sebastião
São Sebastião do Caí
São Valentim
São Vicente Férrer
Sapé
Seara
Sena Madureira
Senador Pompeu
Serafina Corrêa
Serra Dourada
Serro
Simões
Simplício Mendes
Sinimbu
Siqueira Campos
Sobradinho
Sombrio
Sumé
Tabira
Taguatinga
Taió
Taiobeiras
Tangará
Tapejara
Tapes
Taquaritinga
Tarauacá
Tauá
Tenente Portela
Terra Nova do Norte
Teutônia
Tietê
Tramandaí
Três Pontas
Tucumã
Tucunduva
Turmalina
Tutóia
Uiraúna
Umarizal
União
Uruçuí
Valença
Valença do Piauí
Valente
Várzea da Palma
Vazante
Venda Nova do Imigrante
Veranópolis
Viana
Vigia
Vila Rica
Virginópolis
Visconde do Rio Branco
Vitorino Freire
Xaxim
Xinguara
Wenceslau Braz
Zé Doca
Referências: Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Regiões de Influência das Cidades 2007 (10 de outubro de 2008), [1] Configuração da Rede Urbana do Brasil (junho de 2001)
vde Amazonas Portal ? Geografia, Política, Cultura, EsportesCapitalManausDivisão regional vigente (desde 2017)Regiões geográficas intermediárias e imediatasDivisão regional extinta (vigente até 2017)Mesorregiões e microrregiõesRegiões Metropolitanas e RIDEsManausMais de 1.000.000 habitantesManausMais de 100.000 habitantesParintinsMais de 50.000 habitantesItacoatiara ? Manacapuru ? Coari ? Tefé ? Tabatinga ? Maués ? Manicoré ? HumaitáNorte, Brasil
Portal do Amazonas Portal do Brasil

POSTAGENS RELACIONADOS


DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS WEB EM PARIPIRANGA


desenvolvimento de sistemas web em Paripiranga

Encontre desenvolvimento de sistemas web em Paripiranga na Web4business - Desenvolvimento de Sistemas e Sites Personalizados.

LER ARTIGO

DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS WEB EM PARIPUEIRA


desenvolvimento de sistemas web em Paripueira

Encontre desenvolvimento de sistemas web em Paripueira na Web4business - Desenvolvimento de Sistemas e Sites Personalizados.

LER ARTIGO

DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS WEB EM PARIQUERA-AÇU


desenvolvimento de sistemas web em Pariquera-Açu

Encontre desenvolvimento de sistemas web em Pariquera-Açu na Web4business - Desenvolvimento de Sistemas e Sites Personalizados.

LER ARTIGO

DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS WEB EM PARISI


desenvolvimento de sistemas web em Parisi

Encontre desenvolvimento de sistemas web em Parisi na Web4business - Desenvolvimento de Sistemas e Sites Personalizados.

LER ARTIGO