desenvolvimento asp em Roque Gonzales

Encontre desenvolvimento asp em Roque Gonzales na Web4business - Desenvolvimento de Sistemas e Sites Personalizados.

Desenvolvimento

Acto ou efeito de desenvolver.
Crescimento.
Ampliação.
Minuciosidade.


Roque Gonzales

Nota: Para o santo, veja Roque González de Santa Cruz.
Esta página cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo (desde julho de 2015). Ajude a inserir referências. Conteúdo não verificável poderá ser removido.?Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Município de Roque GonzalesBandeiraBrasãoHino
Fundação12 de julho de 1965 (54 anos)
Gentílicoroque-gonzalense
LemaTerra e sangue das Missões
Prefeito(a)João Scheeren Haas (PP)(2017 – 2020)
Localização
Localização de Roque Gonzales no Rio Grande do SulRoque Gonzales Localização de Roque Gonzales no Brasil
28° 07' 51" S 55° 01' 33" O28° 07' 51" S 55° 01' 33" O
Unidade federativaRio Grande do Sul
MesorregiãoNoroeste Rio-grandense IBGE/2008 [1]
MicrorregiãoCerro Largo IBGE/2008 [1]
Municípios limítrofesPorto Xavier, São Paulo das Missões, São Pedro do Butiá, Rolador, São Luiz Gonzaga, Dezesseis de Novembro, Pirapó e Itacaruaré Argentina
Distância até a capital547 km
Características geográficas
Área346,622 km² [2]
População7 206 hab. Censo IBGE/2010[3]
Densidade20,79 hab./km²
Altitude151 m
ClimaSubtropical úmido
Fuso horárioUTC?3
Indicadores
IDH-M0,749 alto PNUD/2000 [4]
PIBR$ 87 288,584 mil IBGE/2008[5]
PIB per capitaR$ 11 735,49 IBGE/2008[5]Roque Gonzales é um município do noroeste do estado brasileiro do Rio Grande do Sul.Índice1 Colonização e dialetos
2 Entidades sociais do município
3 Breve história
4 Religiosidade
5 Geografia
6 Aspetos culturais
7 Ver também
8 Referências
9 Ligações externasColonização e dialetos[editar | editar código-fonte]
Roque Gonzales foi colonizada inicialmente, em boa parte, por teuto-brasileiros (Deutschbrasilianisch) oriundo das antigas colônias alemãs (conhecidas como Altkolonien, em alemão) do leste do estado. Essa colonização teve seus princípios na primeira parte dos anos 1900 quando da instalação de uma usina hidrelétrica junto ao Salto Pirapó, Rio Ijuí.
Ainda hoje são falados os dialetos pomerano (Pommersch) e o Riograndenser Hunsrückisch ou Hunsrückisch platt. Estas são duas variantes dialetais do idioma alemão historicamente bem reconhecidas no sul do país. Esses dialetos regionais brasileiros têm as suas origens na região do Hunsrück, localizada no sudoeste da Alemanha, e na Pomerânia (Pommern), localizada no nordeste da Alemanha e no noroeste da Polônia, junto ao Mar Báltico.
Muito embora o bilingualismo esteja passando por um sério declínio no município de Roque Gonzales e em seus arredores, desde as últimas décadas, ainda assim, existem pessoas que sabem falar nos antigos dialetos regionais que tanto caracterizaram historicamente a região.
Outras etnias/idiomas de imigrantes como o polonês e o talian (um regionalismo italiano unicamente sul-brasileiro freqüentemente equiparado ao dialeto vêneto da Itália por causa de suas origens nele) também se fizeram presentes ao longo de sua história e desenvolvimento, mesmo que em menor escala.
Logicamente, os elementos luso e nativo sul-brasileiro também sempre estiveram presentes na história do município, sendo que o cultivo às tradições gaúchas é legendário em Roque Gonzales.Entidades sociais do município[editar | editar código-fonte]
Veja abaixo algumas das mais importantes entidades sociais do município:Centro de Tradições Gaúchas (CTG) Sentinela das Cascatas
Clube XV de Novembro
Esporte Clube Olaria
Roque Futebol Clube
Breve história[editar | editar código-fonte]
Antes da chegada dos imigrantes europeus, o povo mbyá-guarani habitava a região. A existência de artefatos, pedras-bolas e também lascas de pedra trabalhadas para sua incorporação em armas ou em ferramentas para a preparação de peles e outros produtos animais e vegetais na esfera doméstica são provas concretas da existência deste povo na região.
Outros grupos ou nações indígenas podem ter habitado a região no passado e provavelmente o fizeram. O povo mbyá-guaraní em seu sistema de crenças acreditava num e conceito da terra sem male. A vida nômade e/ou semi-nômade propiciava ou ajudava a construir estes valores. A natureza e os seus ciclos e a harmonia com todas as coisas de todos os reinos, do animal, do vegetal, inanimado, etc... tudo fazia parte da ampla estrutura espiritual indígena.
Mais tarde chegariam os padres jesuítas da Companhia de Jesus.Religiosidade[editar | editar código-fonte]
O município de Roque Gonzales é ainda muito jovem. Inicialmente as igrejas Católica e Luterana foram as tradições dominantes na área. Mas nos últimos anos houve um aumento considerável de evangélicos pentecostais no município, destacando-se a igreja Assembleia de Deus. Existem ainda outros grupos religiosos minoritários.Geografia[editar | editar código-fonte]
Roque Gonzales é um município que conta com as águas do rio Uruguai e do rio Ijuí. Roque Gonzales tem fronteira fluvial com a Argentina através do rio Uruguai e, conseqüentemente, mantém constante contato com pessoas da Argentina que por ali passam a caminho de outras partes do Brasil.
O Salto Pirapó é uma das belezas naturais da região, localizado não muito distante da cidade. A Usina Elétrica Pirapó faz parte da história do lugar, sendo que foi construída nos primórdios da colonização da região. Hoje o local também dispõe de duas áreas para acampamento, sendo que uma delas permite aos visitantes banhos de rio. O local é ideal para explorar a fauna e a flora às margens do rio Ijuí.Aspetos culturais[editar | editar código-fonte]
As emissoras de rádio argentinas, sobretudo com seus programas musicais de tango, chamamé, etc fazem parte da vida na região missioneira de Roque Gonzales.
Roque Gonzales também é a terra natal e de residência do escritor Nelson Hoffmann, autor de Eu Vivo de Ternuras, traduzido ao italiano como Io vivo di tenerezze. Nelson Hoffmann também é autor de várias outras obras literárias mais. O dístico Roque Gonzales, Terra e Sangue das Missões, adotado oficialmente pelo município de Roque Gonzales, também é de sua autoria.
Ao discutir Roque Gonzales, merece destaque o Premio Missões de literatura (antologias coletivas) organizado por João Weber Griebeler, editor do jornal local, o Jornal Igaçaba.Ver também[editar | editar código-fonte]
Roque González de Santa Cruz
Referências? a b «Divisão Territorial do Brasil». Divisão Territorial do Brasil e Limites Territoriais. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). 1 de julho de 2008. Consultado em 11 de outubro de 2008 ? IBGE (10 out. 2002). «Área territorial oficial». Resolução da Presidência do IBGE de n° 5 (R.PR-5/02). Consultado em 5 dez. 2010 ? «Censo Populacional 2010». Censo Populacional 2010. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). 29 de novembro de 2010. Consultado em 11 de dezembro de 2010 ? «Ranking decrescente do IDH-M dos municípios do Brasil». Atlas do Desenvolvimento Humano. Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD). 2000. Consultado em 11 de outubro de 2008 ? a b «Produto Interno Bruto dos Municípios 2004-2008». Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Consultado em 11 dez. 2010
Ligações externas[editar | editar código-fonte]
Prefeitura Municipal
Roque Gonzales (URI/IPHAN)
Órgão Regional de Turismo - Rota Missões
Talian - Idioma Reginal Sulbrasileiro Falado em Roque Gonzales
vde Fronteiras do BrasilComissões demarcadoras de fronteira1 PCDL ? 2 PCDLPaíses limítrofesArgentina ? Bolívia ? Colômbia ? Guiana Francesa (França) ? Guiana ? Paraguai ? Peru ? Suriname ? Uruguai ? VenezuelaMacrorregiões fronteiriçasCentro-Oeste ? Norte ? SulEstados fronteiriçosAcre ? Amapá ? Amazonas ? Mato Grosso ? Mato Grosso do Sul ? Pará ? Paraná ? Rio Grande do Sul ? Rondônia ? Roraima ? Santa CatarinaMunicípios fronteiriçosSocioeconômicoÁrea ? Área urbana ? População ? Densidade demográfica ? PIB ? PIB per capita ? renda per capita ? IDH ? GiniBifronteiriços ou tríplices fronteirasAtalaia do Norte ? Assis Brasil ? Barra do Quaraí ? Corumbá ? Foz do Iguaçu ? Laranjal do Jari ? Oriximiná ? São Gabriel da Cachoeira ? Uiramutã ? Uruguaiana

Fronteira simplesAceguá ? Acrelândia ? Alecrim ? Almeirim ? Alta Floresta d'Oeste ? Alto Alegre ? Alto Alegre dos Parecis ? Amajari ? Antônio João ? Aral Moreira ? Bagé ? Bandeirante ? Barcelos ? Barracão ? Bela Vista ? Belmonte ? Benjamin Constant ? Bom Jesus do Sul ? Bonfim ? Brasileia ? Cabixi ? Cáceres ? Capanema ? Capixaba ? Caracaraí ? Caracol ? Caroebe ? Chuí ? Comodoro ? Coronel Sapucaia ? Costa Marques ? Crissiumal ? Cruzeiro do Sul ? Derrubadas ? Dionísio Cerqueira ? Dom Pedrito ? Doutor Maurício Cardoso ? Entre Rios do Oeste ? Epitaciolândia ? Esperança do Sul ? Feijó ? Garruchos ? Guaíra ? Guajará ? Guajará-Mirim ? Guaraciaba ? Herval ? Iracema ? Itaipulândia ? Itapiranga ? Itaqui ? Jaguarão ? Japorã ? Japurá ? Jordão ? Mâncio Lima ? Manoel Urbano ? Marechal Cândido Rondon ? Marechal Thaumaturgo ? Mercedes ? Mundo Novo ? Normandia ? Novo Machado ? Nova Mamoré ? Óbidos ? Oiapoque ? Pacaraima ? Paraíso ? Paranhos ? Pato Bragado ? Pedras Altas ? Pérola d'Oeste ? Pimenteiras do Oeste ? Pirapó ? Plácido de Castro ? Planalto ? Poconé ? Ponta Porã ? Porto Esperidião ? Porto Lucena ? Porto Mauá ? Porto Murtinho ? Porto Velho ? Porto Vera Cruz ? Porto Walter ? Porto Xavier ? Pranchita ? Princesa ? Quaraí ? Rodrigues Alves ? Roque Gonzales ? Santa Helena (PR) ? Santa Helena (SC) ? Santa Isabel do Rio Negro ? Santa Rosa do Purus ? Santa Vitória do Palmar ? Santa Terezinha de Itaipu ? Santana do Livramento ? Santo Antônio do Içá ? Santo Antônio do Sudoeste ? São Borja ? São Francisco do Guaporé ? São José do Cedro ? São Miguel do Iguaçu ? São Nicolau ? Sena Madureira ? Serranópolis do Iguaçu ? Sete Quedas ? Tabatinga ? Tiradentes do Sul ? Tunápolis ? Vila Bela da Santíssima Trindade
Brasil
Este artigo sobre municípios do estado do Rio Grande do Sul é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.