desenvolvimento asp em Rio Vermelho

Encontre desenvolvimento asp em Rio Vermelho na Web4business - Desenvolvimento de Sistemas e Sites Personalizados.

Desenvolvimento

Acto ou efeito de desenvolver.
Crescimento.
Ampliação.
Minuciosidade.


Rio Vermelho

Esta página cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo (desde abril de 2012). Ajude a inserir referências. Conteúdo não verificável poderá ser removido.?Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico) Rio Vermelho

Bairro do Brasil

Vista da praia do Rio Vermelho.
Mapa de Salvador detalhado no entorno do Rio Vermelho.

Unidade federativaBahia Região administrativaPrefeitura-Bairro VI, Barra/Pituba MunicípioSalvador



















Fonte: Não disponível O bairro à noite, ao fundo o acarajé de Dinha.
O Rio Vermelho é um bairro localizado na orla marítima da cidade de Salvador, na Bahia, no Brasil.[1] Pelo plano diretor de 2007, o bairro estava situado na região administrativa denominada Região Rio Vermelho, RA VII,[2] até quando em 2016 passou a vigorar outro plano, que situou o bairro na Prefeitura-Bairro VI, Barra/Pituba.[3]Índice1 Localização e descrição
2 História
3 Cultura e religiosidade
4 Demografia
5 Referências
6 Ver também
7 Ligações externasLocalização e descrição[editar | editar código-fonte]
Localizado entre os bairros de Ondina e Amaralina, tendo ao norte o Engenho Velho da Federação, Santa Cruz e o Nordeste de Amaralina.
Neste bairro estão situados luxuosos hotéis e pousadas, sendo intensa sua vida noturna.
Conhecido pelo clima boêmio, pelos acarajés de Cira, de Regina e de Dinha, e pela colônia de pescadores, seus moradores comemoram anualmente, no dia 2 de fevereiro, a Festa de Iemanjá, rainha do mar.
Em razão de suas estreitas vias, mesmo as principais (ruas Oswaldo Cruz e Odilon Santos) possuem tráfego de veículos difícil.
Confluindo para o Largo de Santana ? onde a capela dedicada a esta santa situa-se bem ao meio do caminho, a Rua da Paciência (que recebe o intenso tráfego da Avenida Oceânica), a Avenida Cardeal da Silva e Rua João Gomes ? o trânsito sofre ali um afunilamento que em certos horários fica praticamente estagnado. Nas imediações do Largo há outro templo dedicado a Santana.
O Rio Vermelho, que dá nome ao bairro mas também é conhecido como Rio Lucaia, margeia a Avenida Juracy Magalhães Júnior. Próximo a sua foz, existe uma estação de condicionamento prévio de esgotos domésticos, onde resíduos sólidos e partículas em suspensão são separadas do efluente final, que é lançado a 2,7 quilômetros da costa pelo emissário submarino do Rio Vermelho, evitando a contaminação da praia.
Apesar do grande crescimento vertical verificado noutras áreas da capital, o Rio Vermelho ainda conserva-se um bairro essencialmente de casas. As estreitas vias mais antigas receberam nomes que homenageiam importantes cidades baianas, como Caetité, Itabuna, Ilhéus, etc.
Na rua Alagoinhas está a casa que foi a residência do falecido escritor Jorge Amado e de sua esposa Zélia Gattai, e onde estão guardadas as cinzas do imortal.
Outro importante logradouro do bairro é o Largo da Mariquita, onde está situado o Mercado do Rio Vermelho (também conhecido como Mercado do Peixe), antiga e tradicional feira livre.História[editar | editar código-fonte]
O Rio Vermelho tem sua história iniciada no século XVI, com o naufrágio de Caramuru ao seu território. Aqui viviam os tupinambás e Caramuru foi o elo de comunicação entre os nativos e os europeus. Quando o primeiro governador-geral chegou a Salvador, as terras a uma légua para o norte e duas léguas para o sertão do Rio Camarajipe foram doadas a Antônio de Ataíde. E assim nasceu o Rio Vermelho. Inicialmente a região tinha poucos habitantes, com uma paisagem de currais, armação de pesca e jesuítas.
Com a invasão holandesa de 1624, muito moradores vieram para o Rio Vermelho, pela distância do local invadido. Aproveitando o clima tenso e a desorganização dos brancos, alguns escravos fugiram para as matas frondosas, formando em 1629 um quilombo no Rio Vermelho. Este quilombo foi esmagado três anos depois pelos capitães-do-mato Francisco Dias de Ávila e João Barbosa Almeida. Os pescadores, que tem presença marcante até hoje, dominavam o lugar no século XVII. Nas palavras do visitante francês Tollenare:é um povoado de pescadores, de umas 100 cabanas, na foz de um pequeno rio que se lança no mar a uma légua a leste do Cabo de Santo Antônio. Os arredores são encantadores e um forte muito arruinado contribui para o pitoresco da paisagem
Com o passar dos anos, em meados do século XIX, o Rio Vermelho tinha três núcleos de povoamento definidos: Paciência, Mariquita e Santana. No último havia a igreja velha da matriz, e atraía pessoas de todos os cantos da cidade devido aos festejos religiosos.
Uma pesquisa feita pelo jornal Correio em 2016 indicou que o bairro tem o quinto melhor preço de aluguel de imóvel em Salvador.[4]Cultura e religiosidade[editar | editar código-fonte]
Festa de Iemanjá no Rio Vermelho, em 2008.
O bairro é referido em algumas canções, tais como:
E agora estamos aqui
Do outro lado do espelho
Com o coração na mão
Pensando em jamelão no Rio Vermelho
— Onde o Rio é mais baiano, de Caetano VelosoHavia rosas no mar
Havia ondas na areia
Vá brincar no Rio Vermelho
A festa de Iemanjá
— Janaína, de Otto[5]
O bairro concentrou as festas de devoção a Santana e, com a mística da religiosidade afrodescendente, também reuniu o culto a Iemanjá, divindade protetora dos pescadores, ambas com festejos anuais bastante populares na Capital.
A festa de Iemanjá fará o bairro ser retratado no enredo da escola de samba carioca Renascer de Jacarepaguá no carnaval de 2019.Demografia[editar | editar código-fonte]
O bairro do Rio Vermelho foi listado como um dos menos violentos de Salvador, segundo dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) e da Secretaria de Segurança Pública (SSP) divulgados no mapa da violência de bairro em bairro pelo jornal Correio em 2012.[6] O bairro ficou entre os mais tranquilos em consequência da taxa de homicídios para cada 100 mil habitantes por ano (com referência da ONU) ter sido "1-30", o segundo menor nível.[6]Referências? G1 Bahia (17 de abril de 2012). «Artistas baianos realizam mostra coletiva no bairro do Rio Vermelho». G1 ? «PDDU 2007». www.cms.ba.gov.br. Consultado em 13 de agosto de 2016 ? «Prefeitura implanta Conselhos Comunitários nos bairros de Salvador». G1 Bahia. 5 de agosto de 2013. Consultado em 24 de agosto de 2015 ? Eduardo Bittencourt (15 de dezembro de 2016). «Pesquisa indica os bairros mais baratos para alugar um imóvel; veja lista». Correio (jornal). Consultado em 27 de abril de 2019 ? Hornhardt, Nathalie (2 de fevereiro de 2012). «Rosas ao mar». cmais+. Consultado em 1 de abril de 2015 ? a b Juan Torres e Rafael Rodrigues (22 de maio de 2012). «Mapa deixa clara a concentração de homicídios em bairros pobres». Correio (jornal). Consultado em 28 de abril de 2019
Ver também[editar | editar código-fonte]
Arraial do rio Vermelho, núcleo original de povoamento do bairro
Forte de São Gonçalo do rio Vermelho
Praia do Rio Vermelho, praia famosa pelo culto a Iemanjá
Reduto do rio Vermelho, fortim que originalmente ali se situava
Rio Vermelho, rio que passa pelo bairro e lhe dá nome
Mercado do Rio Vermelho
Ligações externas[editar | editar código-fonte]
Seixas, Thaís (27 de março de 2015). «Salvador em bairros: boemia e tradição do Rio Vermelho». Salvador. A TARDE
Rodrigues, Danutta (29 de julho de 2017). «Ruínas de maternidade no Rio Vermelho recontam parte da história e de figuras ilustres do bairro mais boêmio de Salvador». G1
Academia dos Imortais do Rio Vermelho
Associação dos Moradores da rua Barro Vermelho
Associação dos Moradores e Amigos do Rio Vermelho (AMARV) no Facebook
vdeSubdivisões de SalvadorBairrospor região administrativaCentro/BrotasAcupe
Barbalho
Barris
Boa Vta. de Brotas
Brotas
Candeal
Centro
C. Histórico
Comércio
Cosme de Farias
Eng. V. de Brotas
Garcia
Luiz Anselmo
Macaúbas
Matatu
S. Agostinho
S. Antônio
Saúde
Nazaré
Tororó
V. LauraSubúrbio/IlhasAlt. Terezinha
Coutos
Faz. Coutos
I. Bom Jesus dos Passos
I. Maré
I. Frades
Itacaranha
N. Constituinte
Paripe
Periperi
Plataforma
Praia Grande
Rio Sena
S. João do Cabrito
S. Tomé

CajazeirasÁguas Claras
Boca da Mata
Cajazeiras II
Cajazeiras IV
Cajazeiras V
Cajazeiras VI
Cajazeiras VII
Cajazeiras VIII
Cajazeiras X
Cajazeiras XI
Castelo Branco
D. Avelar
Vila Canária
Fazenda Grande I
Fazenda Grande II
Fazenda Grande III
Fazenda Grande IV
Jaguaripe I

Itapuã/IpitangaAeroporto
Alt. Coqueirinho
Areia Branca
Bairro da Paz
Boca do Rio
Cassange
Imbuí
Itapuã
Itinga
Jd. das Margaridas
Mussurunga
N. Esperança
Patamares
Piatã
Pituaçu
S. Cristóvão
Stella Maris

Cidade BaixaBoa Viagem
Bonfim
Calçada
Cam. de Areia
Lobato
Mangueira
Mares
Massaranduba
Mte. Serrat
Ribeira
Roma
S. Luzia
Uruguai
V. Ruy Barbosa/Jd. Cruzeiro

Barra/PitubaAlt. Pombas
Amaralina
Barra
Calabar
Cam. das Árvores
Canela
Chap. do Rio Vermelho
Costa Azul
Eng. V. da Federação
Federação
Graça
Itaigara
Jd. Armação
NE de Amaralina
Ondina
Pituba
Rio Vermelho
S. Cruz
STIEP
Vale das Pedrinhas
Vitória

Liberdade/São CaetanoAlt. do Cabrito
Ba. de Quintas
Boa Vta. de S. Caetano
Bom Juá
Caixa D'Água
Camp. de Pirajá
Capelinha
Cidade Nova
Curuzu
Faz. Gr. do Retiro
IAPI
Lapinha
Liberdade
M.al Rondon
Pau Miúdo
Pero Vaz
Retiro
S. Mônica
S. Caetano

Cabula/Tancredo NevesArenoso
Arra. do Retiro
Barreiras
Beiru/Tancredo Neves
Cabula
Cabula VI
Calabetão
C. Adm. Bahia
Doron
Engomadeira
Grja. Rur. Pres. Vargas
Jd. S. Inácio
Mata Escura
Narandiba
N. Sussuarana
N. Horizonte
Pernambués
Resgate
Saboeiro
S. Gonçalo
Saramandaia
Sussuarana

Pau da LimaCanabrava
Jd. Cajazeiras
Jd. N. Esperança
N. Brasília
N. Marotinho
Pau da Lima
Pto. Seco Pirajá
S. Marcos
S. Rafael
Sete de Abril
Trobogy
Vale dos Lagos
V. CanáriaValériaMoradas da Lagoa
Palestina
Pirajá
Valéria
Outras áreas
Cajazeiras
Centro Antigo
Cidade Alta
Cidade Baixa
Miolo
Península de Itapagipe
Subúrbio Ferroviário
Orla
Relacionados
Acidentes geográficos
Avenidas
Helipontos
Museus
Praças
Praias
Rios
ViadutosvdeSistema de Áreas de Valor Cultural e Ambiental de Salvador (SAVAM)Áreas de proteçãoambiental
APA Joanes?Ipitanga
APA Bacia do Cobre?São Bartolomeu
APA Baía de Todos-os-Santos
APA Lagoas e Dunas de Abaeté
Áreas de proteçãode recursos naturais
Dunas de Armação
Vales do Cascão e Cachoeirinha
Pituaçu
Vales da Mata Escura e do Rio da Prata
Mata dos Oitis
São Marcos
Manguezal do Rio Passa Vaca
Jaguaribe
Bacias do Cobre e Paraguari
Aratu
Lagoa dos Pássaros
Dunas da Bolandeira
Áreas de proteçãocultural e paisagística
Centro Histórico de Salvador
Terreiro do Gantois
Casa Branca do Engenho Velho, Terreiro São Jerônimo, Terreiro do Bogum
Terreiro de São Gonçalo do Retiro
Ilê Asipá
Nossa Senhora do Resgate
Morro do Gavaza
Ladeira da Barra / Santo Antônio da Barra
Morro Clemente Mariani
Encosta da Vitória
Encosta do Canela
Encosta de Ondina / São Lázaro
Rio Vermelho
Monte Serrat
Colina e Baixa do Bonfim
Terreiro Bate Folha
Penha / Ribeira
Parque Histórico de Pirajá
Terreiro Mokambo
Nossa Senhora da Escada
São Tomé de Paripe
Nossa Senhora das Neves
Nossa Senhora de Guadalupe
Loreto
Bom Jesus dos Passos
Jardim de Alah
Praia dos Artistas
Piatã
Parques urbanos
Parque Zoobotânico de Ondina
Parque Joventino Silva
Parque Metropolitano de Pituaçu
Parque Socioambiental de Canabrava
Parque da Lagoa da Paixão
Espaços abertosurbanizados
Parque Dique do Tororó
Parque Solar Boa Vista
Jardim dos Namorados
Parque Costa Azul
Parque Atlântico
Lagoa dos Frades
Áreas fora do SAVAM
Dique do Cabrito
Horto da Sagrada Família
Parque das Dunas
Parque Metropolitano de Pirajá
Parque Metropolitano do Abaeté
Parque São Bartolomeu Portal da Bahia