desenvolvimento asp em Porto Velho

Encontre desenvolvimento asp em Porto Velho na Web4business - Desenvolvimento de Sistemas e Sites Personalizados.

Desenvolvimento

Acto ou efeito de desenvolver.
Crescimento.
Ampliação.
Minuciosidade.


Porto Velho

Nota: Este artigo é sobre a capital de Rondônia. Para outros significados, veja Porto Velho (desambiguação).Município de Porto Velho
"PVH""Capital da Madeira-Mamoré""Portal da Amazônia""Cidade das Três Marias""Rondon""Grande Porto Velho""Pérola do Madeira"
Acima, à esquerda, antiga sede do Governo do Estado de Rondônia; à direita, uma vista parcial da cidade; ao centro, à esquerda, a Casa da Cultura de Porto Velho; à direita, um pôr do sol no Rio Madeira; abaixo, uma panorâmica da cidade.BandeiraBrasãoHino
Fundação2 de outubro de 1914 (104 anos)
Emancipação21 de setembro de 1943 (75 anos)
Gentílicoporto-velhense
Padroeiro(a)Nossa Senhora Auxiliadora
CEP76800-000 a 76849-999[1]
Prefeito(a)Hildon Chaves (PSDB)(2017 – 2020)
Localização
Localização de Porto Velho em RondôniaPorto Velho Localização de Porto Velho no Brasil
08° 45' 43" S 63° 54' 14" O08° 45' 43" S 63° 54' 14" O
Unidade federativaRondônia
Região intermediária
Porto Velho IBGE/2017[2]Região imediata
Porto Velho IBGE/2017[2]Região metropolitanaPorto Velho
Municípios limítrofesLábrea, Canutama, Humaitá (estes no Amazonas) a norte; Machadinho d'Oeste, Cujubim, Itapuã do Oeste, Candeias do Jamari a leste; Acrelândia (no Acre) a oeste; Alto Paraíso, Buritis, Nova Mamoré e departamento do Pando-Bolívia a sul.
Distância até a capital2 589 km[3]
Características geográficas
Área34 090,962 km² (BR: 26º)[4]
Área urbana41.7 km² (BR: 73º RO: 1º) ? est. Embrapa[5]
DistritosAbunã, Calama, Demarcação, Extrema, Fortaleza do Abunã, Jaci-Paraná, Mutum-Paraná, Nazaré, Nova Califórnia, Porto Velho (sede), São Carlos e Vista Alegre do Abunã[6]
População519 531 hab. (BR: 42º; RO: 1º) ? estatísticas IBGE/2018[7]
Densidade15,24 hab./km²
Altitude85 m
Climatropical monçônico, isotérmico Am
Fuso horárioUTC?4
Indicadores
IDH-M0,736 (RO: 1º) ? alto PNUD/2010[8]
Gini0,470 est. IBGE/2003[9]
PIBR$ 13 946 783,56 mil IBGE/2015[10]
PIB per capitaR$ 27 741,10 IBGE/2015[10]
Página oficial
Prefeiturawww.portovelho.ro.gov.br
Câmarawww.portovelho.ro.leg.brPorto Velho é um município brasileiro e a capital do estado de Rondônia. Com uma população de 519 531 habitantes, conforme estimativas do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE/2018), é o município mais populoso de Rondônia e o quarto mais populoso da Região Norte, atrás apenas de Manaus, Belém e Ananindeua. Entre todos os municípios brasileiros é o 41° mais populoso, figurando no mesmo ano como a 21ª capital estadual do país com mais habitantes. É a capital brasileira com maior área territorial, com mais de 34 mil km² (mais extenso que a Bélgica e Israel), sendo também o mais populoso município fronteiriço do Brasil. Porto Velho é, ainda, a única capital estadual brasileira que faz fronteira com outro país, sendo este a Bolívia.
Situado na margem à leste do Rio Madeira, na Região Norte do Brasil, Porto Velho foi fundado pela empresa americana Madeira Mamoré Railway Company em 4 de julho de 1907, durante a construção da Estrada de Ferro Madeira-Mamoré, comandada pelo magnata norte-americano Percival Farquhar. Em 2 de outubro de 1914 foi legalmente criado como um município do Amazonas, transformando-se em capital do estado de Rondônia em 1943, quando criou-se o Território Federal do Guaporé.[11] Em termos econômicos, a cidade detém o quarto maior PIB da Região Norte, depois de Manaus, Belém e Parauapebas, além de ter sido a capital estadual que mais cresce economicamente no país, com crescimento do PIB em 30,2% em 2009.[12] Em 2010, o PIB de Porto Velho foi estimado em R$ 7,5 bilhões, segundo o IBGE, respondendo por cerca de 1 terço do PIB de Rondônia naquele ano.[13]Índice1 História1.1 Origem
1.2 Ciclos Econômicos
1.3 Emancipações
2 Geografia2.1 Relevo
2.2 Hidrografia
2.3 Clima
3 Política3.1 Câmara de vereadores
3.2 Relações exteriores e intermunicipais3.2.1 Cidades-irmãs
4 Subdivisões4.1 Reservas indígenas
5 Economia5.1 Turismo
5.2 Centros de Compras e Lazer
6 Infraestrutura6.1 Educação
6.2 Segurança pública
6.3 Transportes6.3.1 Aeroporto
6.3.2 Rodovias
6.3.3 Porto
6.3.4 Ferrovia
7 Cultura e sociedade7.1 Bibliotecas
7.2 Comunicação
7.3 Lazer
7.4 Esportes
8 Ver também
9 Referências
10 Ligações externasHistória[editar | editar código-fonte]
Ver artigo principal: História de Porto Velho
Origem[editar | editar código-fonte]
Porto Velho foi criada por desbravadores por volta de 1907, durante a construção da E.F. Madeira- Mamoré. Fica nas barrancas da margem direita do rio Madeira, o maior afluente da margem direita do rio Amazonas. Desde meados do séc. XIX, nos primeiros movimentos para construir uma ferrovia que possibilitasse superar o trecho encachoeirado do rio Madeira (cerca de 380km) e dar vazão à borracha produzida na Bolívia e na região de Guajará Mirim, a localidade escolhida para construção do porto onde o caucho seria transbordado para os navios seguindo então para a Europa e os EUA, foi Santo Antônio do Madeira, província de Mato Grosso. As dificuldades de construção e operação de um porto fluvial, em frente aos rochedos da cachoeira de Santo Antônio, fizeram com que construtores e armadores utilizassem o pequeno porto amazônico localizado 7km abaixo, em local muito mais favorável. Em 15/01/1873, o Imperador Pedro II assinou o Decreto-lei n.º 5.024, autorizando navios mercantes de todas as nações subirem o Rio Madeira. Em Porto Velho em 1910. Museu Paulista.decorrência, foram construídas modernas facilidades de atracação em Santo Antônio, que passou a ser denominado Porto Novo. O porto velho dos militares continuou a ser usado por sua maior segurança, apesar das dificuldades operacionais e da distância até S. Antônio, ponto inicial da EFMM. Percival Farquar, proprietário da empresa que afinal conseguiu concluir a ferrovia em 1912, desde 1907 usava o velho porto para descarregar materiais para a obra e, quando decidiu que o ponto inicial da ferrovia seria aquele (já na província do Amazonas), tornou-se o verdadeiro fundador da cidade que, quando foi afinal oficializada pela Assembléia do Amazonas, recebeu o nome Porto Velho.
Estação inicial da Ferrovia Madeira-Mamoré, anos 1910. Arquivo Nacional.
Após a conclusão da obra da EFMM em 1912 e a retirada dos operários, a população local era de cerca de 1.000 almas. Então, o maior de todos os bairros era onde moravam os barbadianos - Barbadoes Town - construído em área de concessão da ferrovia. As moradias abrigavam principalmente trabalhadores negros oriundos das Ilhas Britânicas do Caribe, genericamente denominados barbadianos. Ali residiam pois vieram com suas famílias, e nas residências construídas pela ferrovia para os trabalhadores só podiam morar solteiros. Era privilégio dos dirigentes morar com as famílias. Com o tempo passou a abrigar moradores das mais de duas dezenas de nacionalidades de trabalhadores que para cá acorreram. Essas frágeis e quase insalubres aglomerações, associadas às construções da Madeira-Mamoré foram a origem da cidade de Porto Velho, criada em 02 de outubro de 1914. Muitos operários, migrantes e imigrantes moravam em bairros de casas de madeira e palha, construídas fora da área de concessão da ferrovia. Assim, Porto Velho nasceu das instalações portuárias, ferroviárias e residenciais da Madeira-Mamoré Railway. A área não industrial das obras tinha uma concepção urbana bem estruturada, onde moravam os funcionários mais qualificados da empresa, onde estavam os armazéns de produtos diversos, etc. De modo que, nos primórdios haviam como duas cidades: a área de concessão da ferrovia e a área pública. Duas pequenas povoações, com aspectos muito distintos. Eram separadas por uma linha fronteiriça denominada Avenida Divisória, a atual Avenida Presidente Dutra. Na área da railway predominavam os idiomas inglês e espanhol, usados inclusive nas ordens de serviço, avisos e correspondência da Companhia. Apenas nos atos oficiais, e pelos brasileiros era usada a língua portuguesa. Cada uma dessas povoações tinham comércio, segurança e, quase, leis próprias. Com vantagens para os ferroviários, face a realidade econômica das duas comunidades. Até mesmo uma espécie de força de segurança operava na área de concessão da empresa, independente da força policial do estado do Amazonas.[14]Ciclos Econômicos[editar | editar código-fonte]
Desde sua origem, Porto Velho tem sido fortemente influenciada por diferentes ciclos econômicos que deixaram profundas marcas na sua paisagem. O primeiro desses ciclos teve início nos meados do século XIX, na busca de se construir uma ferrovia que, superando o trecho encachoeirado do rio Madeira (cerca de 380 km), possibilitasse o escoamento da borracha produzida na região do vale dos rios Mamoré, Guaporé e Beni. A vila de Santo Antônio do Madeira, na então província de Mato Grosso, foi a localidade escolhida para construção de um porto onde a borracha passaria a ser transferida para navios que seguiriam para a Europa e os EUA. Contudo, as dificuldades de construção e operação do porto próximo à cachoeira de Santo Antônio levaram à utilização de um pequeno porto (Porto Velho), localizado 7 km rio abaixo, já na província do Amazonas, mas que se constituía em local muito mais favorável para as tecnologias da época. Após a conclusão da Estrada de Ferro Madeira-Mamoré em 1912, muitos trabalhadores permaneceram na cidade, que possuía, então, uma população aproximada de 1.000 habitantes, na sua maioria morando em habitações vinculadas à construção da ferrovia. Todavia, muitos operários e imigrantes moravam em bairros de casas de madeira e palha, construídas fora da área de concessão da ferrovia. Essas duas áreas distintas eram separadas por uma linha fronteiriça denominada Avenida Divisória, que hoje vem a ser a Avenida Presidente Dutra. Em 1914, o Estado do Amazonas criou o Município de Porto Velho, e no mesmo ano o instalou. Cinco anos mais tarde Porto Velho foi elevada à categoria de Cidade, sendo a estrada de ferro fator determinante neste processo. Deve-se reconhecer, também, a relevante importância, para o desenvolvimento de Porto Velho, do rio Madeira que, até a construção da BR-364 e da BR-319, era a única alternativa de ligação com o Centro Sul e com as metrópoles regionais de Manaus e Belém, ao Norte. Palácio Getúlio Vargas, antiga sede do Governo de Rondônia. Hoje, Museu Palácio da Memória Rondoniense.
Enquanto a borracha apresentava importância comercial, houve nessa cidade e região, fases de grande crescimento e progresso, principalmente no período da 2ª Grande Guerra Mundial, quando a Alemanha e seus aliados impediram a saída da borracha produzida na Malásia para abastecer os países que a combatiam. Com o término da guerra, a Malásia voltou a atender ao mercado internacional e gradativamente a exploração da borracha da Amazônia passou a ser pouco vantajosa. Nessas circunstâncias muitos seringais foram desativados e os que permaneceram em exploração sofreram grandes reduções na produção, resultando na estagnação da economia regional. Em 1943, o Governo Federal criou o Território Federal do Guaporé, com terras dos Estados do Mato Grosso e Amazonas. Em seguida, a cidade de Porto Velho foi designada a Capital do Território. É importante registrar que o município de Porto Velho estava situado no Estado do Amazonas. Com a criação do Território, contudo, a cidade passou à condição de sua Capital. Para isso o Município absorveu grandes porções de terras oriundas dos Estados formadores, algumas com posse e dominialidade de particulares. Essa situação deu origem a uma série de irregularidades com relação à ocupação de áreas do Estado/União e áreas particulares, e que permanecem até hoje em situação irregular, não só quanto à posse como, também, quanto à conformidade com a legislação urbanística. Em 1956 o até então Território Federal do Guaporé passou a ser denominado Território Federal de Rondônia, em homenagem ao Marechal Cândido Rondon.
No final dos anos 50, com a descoberta da cassiterita (minério de estanho), começa um novo ciclo de desenvolvimento regional, denominado ciclo do minério, que teve seu ápice com a exploração de ouro no rio Madeira na década de 80. Por fim, o último desses ciclos refere-se ao desenvolvimento de atividades agro-pastoris que com o avanço da fronteira agrícola, iniciado na década de 70, contribuiu para a transformação econômica do então Território Federal de Rondônia.
O Território foi finalmente transformado em Estado no final de 1981, tendo a sua instalação ocorrido em 1982, confirmando-se Porto Velho como sua Capital. Atualmente a cidade encontra-se na iminência de vivenciar novo ciclo de desenvolvimento econômico e populacional que está diretamente associado à construção de duas grandes usinas hidrelétricas no rio Madeira. Uma delas, a de Santo Antônio, será localizada exatamente nas proximidades da Vila de Santo Antônio, mencionada anteriormente, onde se cogitou a localização do primeiro porto fluvial e que posteriormente foi transferido para uns poucos quilômetros rio abaixo e que deu origem à atual Capital do Estado de Rondônia.
Do passado histórico restou um conjunto de grandes edifícios e armazéns relacionados com as atividades da construção e operação da ferrovia que estão sendo objeto de um projeto de revitalização, assim como vilas residenciais e outras edificações que marcam até hoje a paisagem da capital de Rondônia.[15]Emancipações[editar | editar código-fonte]
Tornou-se município em 1914, quando ainda pertencia ao Estado do Amazonas. Em 1943, passou à condição de capital e, juntamente com o município de Guajará-Mirim, passou a constituir o Território Federal do Guaporé, que em 1956 passou a ser denominado Rondônia, vindo a ser elevado à categoria de estado (subdivisão) em 4 de janeiro de 1982.
[11]Geografia[editar | editar código-fonte]
A capital rondoniense se localiza na parte oeste da Região Norte do Brasil, na área abrangida pela Amazônia Ocidental no Planalto Sul-Amazônico, uma das parcelas do Planalto Central brasileiro.
De acordo com a divisão regional vigente desde 2017, instituída pelo IBGE,[16] o município pertence às Regiões Geográficas Intermediária e Imediata de Porto Velho.[2] Até então, com a vigência das divisões em microrregiões e mesorregiões, fazia parte da microrregião de Porto Velho, que por sua vez estava incluída na mesorregião de Madeira-Guaporé.[17]Relevo[editar | editar código-fonte]
O relevo do município é pouco acidentado, não apresentando grandes elevações ou depressões, com variações de altitudes que vão de 70 metros a pouco mais de 600 metros. A região situa-se no vale do rio Madeira, entre a planície amazônica e o planalto central brasileiro.Hidrografia[editar | editar código-fonte]
Rio Madeira e parte da cidade.
Porto Velho está localizada na Bacia do Rio Amazonas. O Rio Madeira é o principal rio que banha o município, vindo do sul da Bolívia.
Os principais rios são:Rio Madeira (principal braço direito do Rio Amazonas): banha Porto Velho, possui grande quantidade de ouro em seu leito e até pouco tempo, na época da vazante, abrigava 30 000 garimpeiros. Seu curso é dividido em dois níveis: Alto Madeira, trecho das cachoeiras e corredeiras, e o Baixo Madeira. Dois lagos se destacam pela sua importância biológica: Lago do Cuniã, com 104 000 hectares, na reserva biológica de Cuniã, e Lago Belmont, no rio Madeira. O rio tem pesca abundante, destacando-se os seguintes peixes: piraíba, jaú, dourado, caparari, surubim, pirara, piramutaba, tambaqui, tucunaré, jatuarana, pacu, pirapitinga, curimatá, a piranha preta e o terrível candiru.[18]
Rio Abunã (afluente da margem direita do rio Madeira): faz a delimitação da fronteira entre Brasil e Bolívia, banha o distrito de Fortaleza do Abunã e nasce no Acre.
Rio Mutum-Paraná.
Rio Jacy-Paraná.
Rio Candeias do Jamari.
Rio Ji-Paraná ("Rio Machado").
Clima[editar | editar código-fonte]
Porto Velho possui um tropical superúmido, de transição entre clima semiúmido da Região Centro-Oeste e o equatorial predominante na Região Norte. O índice pluviométrico anual é superior a 2 000 milímetros, concentrados entre os meses de verão. A estação seca dura três meses e ocorre no trimestre junho-julho-agosto.[19] As precipitações ocorrem sob a forma de chuva e, em raras ocasiões de granizo,[20] podendo vir acompanhadas de raios e trovoadas[21] e ainda ser de forte intensidade.[22] Com quase 2 000 horas de sol por ano, a umidade do ar é relativamente elevada.[19]Maiores acumulados de precipitação em 24 horasregistrados em Porto Velho (INMET) por meses[23]
MêsAcumuladoDataMêsAcumuladoData
Janeiro130 mm07/01/1977Julho65,6 mm27/07/1964
Fevereiro132,5 mm13/02/1966Agosto56,2 mm27/08/1968
Março102,6 mm06/03/1970Setembro94,8 mm24/09/1962
Abril120 mm22/04/1974Outubro157,6 mm15/10/1979
Maio107 mm06/05/1977Novembro132,6 mm24/11/1980
Junho47 mm11/06/1977Dezembro127,5 mm06/12/1961
Período: 01/01/1961 a 31/12/1983, 01/01/1987 a 31/12/1987,01/01/1995 a 30/04/1995 e 01/01/1998 a 20/02/2008Entre maio e setembro, massas de ar polar que chegam ao sul da Amazônia atingem Porto Velho e derrubam as temperaturas, muitas vezes para abaixo dos 18 °C, causando o fenômeno da friagem.[24][25] Contudo, dentro dessa mesma época, nos meses de agosto e setembro, também são registradas as maiores temperaturas do ano, chegando próximo ou ultrapassando a marca dos 35 °C, e a umidade do ar também pode ficar abaixo dos 30% ou até mesmo dos 20%,[26] bem abaixo dos 60% considerados ideais pela Organização Mundial da Saúde (OMS).
Segundo dados do Instituto Nacional de Meteorologia (INMET), referentes ao período entre janeiro de 1961 a dezembro de 1983, janeiro a dezembro de 1987, janeiro a abril de 1995 e de janeiro de 1998 a fevereiro de 2008, a menor temperatura registrada em Porto Velho foi de 7,4 °C em 19 em julho de 1975,[27] e a maior atingiu 40,9 °C em 16 de agosto de 1969.[28] O maior acumulado de precipitação em 24 horas foi de 157,6 mm em 15 de outubro de 1979. [23] Dezembro de 2001, com 665,3 mm, foi o mês de maior precipitação.[29]
Dados climatológicos para Porto Velho
MêsJanFevMarAbrMaiJunJulAgoSetOutNovDezAno
Temperatura máxima recorde (°C)37,238,64037,136,838,837,940,9404039,738 40,9
Temperatura máxima média (°C)31,631,531,631,831,331,732,834,33433,732,631,7 32,3
Temperatura média compensada (°C)25,925,825,925,92525,224,826,326,526,626,325,8 26,5
Temperatura mínima média (°C)22,822,722,722,421,419,919,319,721,222,322,722,6 21,6
Temperatura mínima recorde (°C)14,415,41212,81211,87,41012,11716,311 7,4
Precipitação (mm)320,9316273,9251126,649,624,236,4119,9192,7225,2319,1 2 255,4
Dias com precipitação (? 1 mm)191920171143411131619 156
Umidade relativa compensada (%)84,485,885,885,584,581,27672,775,78083,684,8 81,7
Horas de sol107,198,3124140,1183,7226,7259,7234186,8166,7137,1124,2 1 988,4
Fonte: Instituto Nacional de Meteorologia (INMET) (médias de temperatura e umidade: normal climatológica de 1981-2010;[19] precipitação, dias com precipitação e horas de sol:normal 1961-1990;[19] recordes de temperatura: 01/01/1961 a 31/12/1983, 01/01/1987 a 31/12/1987, 01/01/1995 a 30/04/1995 e 01/01/1998 a 20/02/2008)[27][28] Política[editar | editar código-fonte]
O atual prefeito de Porto Velho é Hildon de Lima Chaves (2017/2020), do PSDB, e o atual vice-prefeito é Edgar do Boi, do PSDC.
Por ser uma capital de estado relativamente nova (1981), a cidade possui muitos funcionários públicos, tanto federais quanto estaduais. Como há pouca qualificação, grande parte da mão-de-obra especializada vem de outros estados.Câmara de vereadores[editar | editar código-fonte]
A Câmara Municipal de Porto Velho fica no bairro Meu Pedacinho de Chão, distante do Centro da cidade. O atual presidente é o vereador Maurício Carvalho, do PSDB.Relações exteriores e intermunicipais[editar | editar código-fonte]
Cidades-irmãs[editar | editar código-fonte]
A política das cidades-irmãs procura incentivar o intercâmbio entre cidades que têm algo em comum com Porto Velho. A troca de informações e o aumento do comércio entre elas são meios de tornar as cidades-irmãs mais próximas. Porto Velho possui duas cidades-irmãs, que são: Candeias, Brasil (2011)[30]
Jinan, China, (2011)[31]
Subdivisões[editar | editar código-fonte]
Ver artigos principais: Lista de bairros de Porto Velho e Lista de distritos de Porto Velho
Reservas indígenas[editar | editar código-fonte]
Reserva Karitiana
Reserva Kaxaraxi
Reserva Karipuna
O município de Porto Velho conta com três reservas indígenas.[18]
A Reserva Karitiana, com 89.098 hectares, fica a 95 quilômetros da capital. É habitada por cerca de 100 índios, que se dedicam à agricultura de subsistência (arroz, milho, farinha, etc.). Lá já foram construídas casas em alvenaria, depósitos, uma enfermaria e uma pista de pouso.[carece de fontes?]
A Reserva Kaxaraxi, com mais de 85 mil hectares, fica na divisa com o estado do Amazonas. Seus mais de 100 índios vivem do extrativismo da castanha e da banana.[carece de fontes?]
A terceira reserva indígena é a dos Karipunas, com 2.200 hectares, situada no Distrito de Jaci-Paraná.[carece de fontes?]Economia[editar | editar código-fonte]
Reflexo do crescimento populacional
O PIB de Porto Velho em 2015 era de R$ 14.409.726.019,6 e o PIB Per capita R$ 27.741,10.[32]Composição econômica de Porto Velho
Serviços
83,8
Agropecuária
5,3 %
Indústria
10,9 %
Atividades econômicas em Porto Velho - (2012)[33]
Porto Velho recebeu 5 mil novas empresas em apenas um ano, além de 30 mil novos empregos.
Segundo a Federação das Indústrias do Estado de Rondônia (FIERO), o Estado possui hoje a maior taxa de ocupação da população economicamente ativa da região Norte (94,6%) e a segunda menor taxa de desemprego do Brasil. A renda média do trabalhador porto-velhense em 2015 era de 3,5 salários mínimos, acima da média nacional.[34]Turismo[editar | editar código-fonte]
As Três Caixas D'Água, um dos mais importantes pontos turísticos de Porto Velho.
Locomotiva da lendária Estrada de Ferro Madeira-Mamoré.
É a 8ª cidade da Região Norte, 5º destino de empresários vindos da Bolívia a negócios e eventos.As atrações históricas são a Estrada de Ferro Madeira-Mamoré, cenário da série de televisão Mad Maria,[35] produzida pela Rede Globo; a Catedral do Sagrado Coração de Jesus; o Cemitério da Candelária; a sede da Arquidiocese; o terminal ferroviário; a locomotiva Coronel Church (a primeira máquina vinda para a Amazônia, em 1872), as Caixas D'Água (símbolos da cidade, edificadas pelos ingleses); e a igreja de Santo Antônio do rio Madeira.[36] Parque da cidade
As Três Caixas D'Água: vindas em módulos metálicos dos Estados Unidos.
Estrada de Ferro Madeira-Mamoré: apesar de ter sido um centro ferroviário, a cidade não conta mais com o passeio de trem, que foi desativado por falta de conservação da linha.
Parque Natural Municipal de Porto Velho
Parque da Cidade[37]
Espaço Alternativo
Passeio de Barco no Rio Madeira
Palácio Getúlio Vargas
Mercado Cultural
Mercado do km 1
Museu Geológico
Museu Internacional do Presépio
Museu Ferroviário
Museu Dom João Batista Costa
Memorial Governador Jorge Teixeira
Teatro Estadual Palácio das Artes
Casa de Cultura Ivan Marrocos
Teatro do SESC
Centros de Compras e Lazer[editar | editar código-fonte]
Porto Velho Shopping: Construído e administrado pela Ancar Ivanhoe, empreendedora de shoppings centers há 40 anos no Brasil, o Porto Velho Shopping inaugurou em 2008 e chegou a Rondônia como o primeiro mall do Estado e transformou o hábito da população local, com a inauguração de lojas até então inéditas, como: McDonald?s, Cine Araújo, Centauro, Renner, C&A, Kopenhagen, Lojas Americanas e outras.
O shopping que passou recentemente por uma expansão de 14 mil m² de ABL recebeu a nova âncora Riachuelo, além das já existentes. Hoje conta com 44 mil m² de ABL e recebe 700 mil consumidores por mês. Atualmente são 197 operações, sendo 5 âncoras, 13 megalojas, um Parque de Diversões com 551m² (dentre jogos eletrônicos e lazer para crianças), Cinema, Universidade, 109 lojas satélites, 32 quiosques, 4 instituições financeiras e 2 Praças de Alimentação com 29 operações e 2 restaurantes.
O Porto Velho Shopping estuda viabilizar duas torres comerciais e se tornar o primeiro shopping com conceito multiúso de Rondônia. Localizado na Av. Rio Madeira, esquina com Av. Calama.[38]Infraestrutura[editar | editar código-fonte]
Vista Panorâmica de Porto Velho a partir do bairro Pedrinhas, em maio de 2010.
Indicadores
Serviços
Acesso à água33,96% (2011)[39]
Rede de esgoto03,71% (2011)[39]
Educação[editar | editar código-fonte]
A sede da UNIR fica no prédio do antigo Porto Velho Hotel. Seu campus está situado na BR-364, sentido Rio Branco (Acre).
Porto Velho tem a UNIR - Universidade Federal de Rondônia e o IFRO - Instituto Federal de Rondônia como instituições públicas de ensino técnico/superior e as seguintes instituições particulares: Centro Universitário São Lucas, FARO, FATEC, FIMCA, FIP, UNOPAR, UNINTER, Universidade Católica de Rondônia, UNIRON, ULBRA e IMAM - Instituto Metodista da Amazônia. Os cursos ministrados virtualmente contam com alguns pontos de presença de faculdades e universidades de outras cidades do país. Os três cursos de Medicina, de Direito, de Engenharia e outros bem cotados têm atraído muitos estudantes do interior e de estados vizinhos, tornando esta capital uma cidade universitária. A taxa de escolarização de pessoas entre 6 e 14 anos de idade, em 2010, era de 94,5%, abaixo da média nacional.[40]Segurança pública[editar | editar código-fonte]
Forças Armadas
A cidade conta com os quartéis do 5° BEC, 17° Brigada de Infantaria de Selva, 31° Circunscrição do Serviço Militar, 17° Base Logística, 3° Cia do 54° BIS, Base Aérea de Porto Velho, Hospital de Guarnição e a Delegacia Fluvial de Porto Velho. Também conta com o Sistema de Proteção da Amazônia (SIPAM).
De acordo com a revista Época, Porto Velho é a 3° capital mais violenta do país. No ranking nacional, ocupa a 19° posição em relação aos municípios brasileiros mais violentos.[41]Transportes[editar | editar código-fonte]
Terminal de passageiros do Aeroporto Internacional Governador Jorge Teixeira.
Existem três meios de transportes para se chegar a Porto Velho: Rodoviário, Aéreo e Fluvial através da Hidrovia do Madeira. Para seguir ao Estado do Amazonas é pela BR-319 sobre uma ponte de Porto Velho no Rio Madeira. A cidade conta com um aeroporto internacional. Os meios de transporte mais utilizados para Manaus é o Aéreo e o Fluvial. Em 2012, Porto Velho possuía uma frota de 207 318 veículos.[42]Aeroporto[editar | editar código-fonte]
O Aeroporto Internacional Governador Jorge Teixeira é o mais importante do estado e recebe voos diários de Brasília, Belo Horizonte, Cuiabá, Manaus e Rio Branco, dos municípios do interior do estado de Rondônia como Ji-Paraná e Vilhena e do interior do Amazonas como Humaitá, Lábrea e Manicoré. Também conta com voo para Porto Alegre, com escalas em Campinas, Rio de Janeiro, Cuiabá, Campo Grande e Curitiba; para São Paulo, com escala em Brasília e Cuiabá; e para Fortaleza, com escala em Manaus e Belém,além de outros destinos com menor fluxo de passageiros.[carece de fontes?]
O aeroporto tem capacidade de receber 920 mil passageiros por ano e opera com as principais companhias aéreas nacionais e regionais, tais como LATAM, Gol e Azul.[carece de fontes?] Trecho duplicado da BR-364, próximo a Porto Velho.
Táxis enfileirados em uma tarde movimentada na Rodoviária de Porto Velho.
Rodovias[editar | editar código-fonte]
A Rodoviária fica na Avenida Governador Jorge Teixeira (hoje considerada uma rodovia, a BR-319, sob administração dos órgãos públicos federais).
Porto Velho é cortada por duas rodovias federais, a citada BR-319 e a principal delas, a BR-364, única rodovia federal a cortar o Estado no sentido norte-sul, passando pelas principais cidades rondonienses.
Porto Velho conta ainda com o Terminal Rodoviário de Porto Velho para atender quem chega na cidade ou sai dela de ônibus.Porto[editar | editar código-fonte]
Área portuária de Porto Velho.
Porto do Cai n'Água.
O Porto Graneleiro - Sociedade de Portos e Hidrovias de Rondônia (SOPH) - faz parte do corredor de exportação de grãos, principalmente a soja, que vem do sul do Estado e do Mato Grosso (Sapezal e cidades vizinhas). A soja in natura embarcada em Porto Velho segue a Itacoatiara, de balsa, e de lá em navios para a América do Norte, Europa e Ásia. Além de grãos e outras mercadorias, como a madeira, o porto também escoa os produtos a da cadeia de carne e laticínios.
No Porto do Cai n'Água, há embarcações que fazem o trajeto até Humaitá, Manicoré e Manaus, municípios do Amazonas, como também das localidades do Baixo Madeira, como São Carlos, Calama e outras pequenas localidades.Ferrovia[editar | editar código-fonte]
Nos finais de semana eram realizadas viagens de trem à antiga Primeira Estação, na Cachoeira de Santo Antônio. Atualmente, a linha está desativada.Cultura e sociedade[editar | editar código-fonte]
Ver artigo principal: Cultura de Porto Velho
Porto Velho é a síntese da diversidade cultural do Estado de Rondônia e demonstra seu pluralismo através de seu calendário de festas, onde se destacam os festejos de Carnaval com a tradicional Banda do Vai Quem Quer, fundado no ano de 1981 por Manoel Mendoça, o Manelão, e que reúne mais de 100 mil pessoas nas ruas da capital de Rondônia durante os festejos de Carnaval.[43]
Evidenciando a força da cultura nordestina na capital, o Arraial Flor do Maracujá, realizado a mais de 30 anos na cidade de Porto Velho durante as festas juninas é o segundo maior arraial do Brasil, onde reúnem artistas de fora e local, mesclando desta forma as regiões.[44]
Há ainda a realização da Expovel, (Exposição Agropecuária de Porto Velho) e o Festival da Costela Assada, realizado pelas Lojas Maçônicas de Rondônia todos os anos.[45][46]
Na literatura, é relevante a obra do poeta Augusto Branco, cujos livros são publicados no Brasil e na Europa, e cujos textos têm grande popularidade na internet em nível mundial; Já no teatro destacam-se obras como a peça Bizarrus, dirigida por Marcelo Felice, e encenada por presidiários e ex-presidiários do Estado, que constroem o enredo da peça a partir de suas próprias experiências pessoais, num trabalho que é referência nacional em reabilitação social,[47] e a encenação anual de ?O Homem de Nazaré?, pelo grupo teatral Êxodo, durante o feriado de Corpus Christi, na Jerusalém da Amazônia ? o maior teatro a céu aberto da região norte do Brasil.[48]
Abaixo, segue a relação dos principais atrativos culturais de Porto Velho: Casa da Cultura Ivan Marrocos em Porto Velho.
Centros culturais: Casa de Cultura Ivan Marrocos, para exposições diversas.
Teatro: Teatro Estadual Palácio das Artes Rondônia, Teatro Municipal Banzeiros, Teatro do SESC e Teatro do SEST-SENAT.
Salas de Cinema: oito salas de cinema, sendo o Cine Rio, Cine Veneza e Cine Araújo (5 salas Multiplex no Porto Velho Shopping).
Museus: Museu da Estrada de Ferro Madeira-Mamoré.
Leitura: Biblioteca municipal, bibliotecas em várias instituições de ensino, tanto superior quanto médio, livrarias como Exclusiva, Nobel e Dimensão e sebos como Carlos Gomes e Revistaria Central.
Calendário de eventos anuais: Expovel é a festa agropecuária de Porto Velho, que se inicia com uma grande cavalgada; a peça "O homem de Nazaré", encenada na cidade cenográfica Jerusalém da Amazônia; o festival de música independente chamado Festival Casarão; Micaretas (carnavais fora de época), sendo a principal o Bloco Maria Fumaça; o Arraial Flor do Maracujá, o maior da cidade e a Zombie Walk (Caminhada Zumbi); O Festival Rock in Leste, é o maior festival de bandas independentes do estado de Rondônia, que acontece duas vezes por ano sempre na zona lesta da cidade de Porto Velho, levando uma grande massa de público, idealizado pelo Coletivo Woodrock que é uma organização de produtores e bandas em prol da cultura local.
Culturas populares e folclóricas são oriundas de todas as partes do Brasil e de outros países, trazidas com os imigrantes.
Nas manifestações musicais existem os blocos de carnaval, grupos de rock, MPB, forró, pagode, sertanejo e bailões, axé, músicas gaúchas (CTG), quadrilhas, reggae, Bumba-meu-boi/Boi Bumbá, dentre vários outros grupos diversos.Bibliotecas[editar | editar código-fonte]
Biblioteca Municipal Francisco Meireles criada pela lei municipal nº 85, de 30 de dezembro de 1973.[49]
Comunicação[editar | editar código-fonte]
Ver artigo principal: Lista de meios de comunicação de Porto Velho
Lazer[editar | editar código-fonte]
Além de se refugiarem nas várias chácaras, sítios e fazendas próximas à cidade, é comum os moradores da cidade buscarem os balneários nos finais de semana, o que inclui os balneários locais (o do Rio Bonito, do Souza, do 21 e outros) e alguns localizados nos municípios vizinhos, como o do Rio Preto, em Candeias do Jamari. Os igarapés mais conhecidos são Periquitos e Areia Branca. Estas verdadeiras praias de água doce são uma das principais fontes de lazer da família porto-velhense. Alguns desses "banhos" possuem uma grande infraestrutura para receber centenas de banhistas nos finais de semana, como restaurantes, pousadas, quadras e campos de futebol.[carece de fontes?]Esportes[editar | editar código-fonte]
A Capital tem Três representantes na primeira divisão do Campeonato Rondoniense de Futebol: Sport Club Genus de Porto Velho, Porto velho Esporte Clube e Rondoniense Social Clube.Ver também[editar | editar código-fonte]
Rondonianos de Porto Velho
Ferrovia Madeira-Mamoré
Referências? Empresa Brasileira de Correios e Telégrafos. «Busca Faixa CEP». Consultado em 1 de fevereiro de 2019 ? a b c Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) (2017). «Base de dados por municípios das Regiões Geográficas Imediatas e Intermediárias do Brasil». Consultado em 1 de dezembro de 2017 ? Atlas Geográfico do Brasil. «Capitais dos estados». Consultado em 1 de janeiro de 2011. Cópia arquivada em 1 de dezembro de 2017 ? Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) (15 de janeiro de 2013). «Áreas dos Municípios». Consultado em 1 de dezembro de 2017. Cópia arquivada em 1 de dezembro de 2017 ? Embrapa Monitoramento por Satélite. «Urbanização das cidades brasileiras». Consultado em 30 de julho de 2008 ? Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) (9 de setembro de 2013). «Porto Velho - Unidades territoriais do nível Distrito». Consultado em 1 de dezembro de 2017 ? Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) (29 de agosto de 2018). «Estimativas da população residente no Brasil e unidades da federação com data de referência em 1º de julho de 2018». Consultado em 29 de agosto de 2018 ? Atlas do Desenvolvimento Humano (29 de julho de 2013). «Ranking decrescente do IDH-M dos municípios do Brasil» (PDF). Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD). Consultado em 2 de agosto de 2013. Cópia arquivada (PDF) em 8 de julho de 2014 ? Cidade Sat (2000). «Índice GINI». Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Consultado em 6 de agosto de 2011. Arquivado do original em 30 de abril de 2012 ? a b Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) (2014). «Produto Interno Bruto dos Municípios - 2014». Consultado em 1 de dezembro de 2017. Cópia arquivada em 1 de dezembro de 2017 ? a b Prefeitura Municipal de Porto Velho. «A Origem do nome». Consultado em 6 de julho de 2012 ? Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. «Contas Regionais 2009». Consultado em 6 de julho de 2012 ? «Produto Interno Bruto dos Municípios». Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Consultado em 2 de janeiro de 2016 ? «cidades.ibge.gov.br/brasil/ro/porto-velho/historico». cidades.ibge.gov.br. Consultado em 20 de maio de 2018 ? «Plano Diretor - 2008» (PDF). 2008 ? Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) (2017). «Divisão Regional do Brasil». Consultado em 1 de dezembro de 2017. Cópia arquivada em 1 de dezembro de 2017 ? Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) (2016). «Divisão Territorial Brasileira 2016». Consultado em 1 de dezembro de 2017 ? a b Prefeitura Municipal de Porto Velho. «Aspectos Geográficos». Consultado em 6 de julho de 2012 ? a b c d «NORMAIS CLIMATOLÓGICAS DO BRASIL». Instituto Nacional de Meteorologia. Consultado em 24 de junho de 2018 ? «Temporal alaga Porto Velho e causa estragos. Caiu granizo na Zona Sul». Rondônia Notícias. 15 de outubro de 2014. Consultado em 19 de junho de 2015 ? PINHEIRO, Marcelo (12 de setembro de 2014). «Chuva, raios e trovoadas em Porto Velho (RO)». Climatempo. Consultado em 19 de junho de 2015 ? «Chuva forte avança entre Ariquemes e Porto Velho, RO». De Olho No Tempo. 30 de maio de 2015. Consultado em 19 de junho de 2015 ? a b «BDMEP - série histórica - dados diários - precipitação (mm) - Porto Velho». Instituto Nacional de Meteorologia. Consultado em 20 de junho de 2015 ? «Porto Velho registra temperatura mais baixa do ano». Rondônia Agora. 12 de maio de 2010. Consultado em 19 de junho de 2015 ? MATARÉSIO, Larissa (24 de julho de 2013). «Frio em Porto Velho pega população de surpresa, nesta quarta-feira». G1. Consultado em 19 de junho de 2015 ? PINHEIRO, Marcelo (20 de agosto de 2014). «Altas temperaturas e ar seco no Centro-Norte». Climatempo. Consultado em 19 de junho de 2015 ? a b «BDMEP - série histórica - dados diários - temperatura mínima (°C) - Porto Velho». Instituto Nacional de Meteorologia. Consultado em 20 de junho de 2015 ? a b «BDMEP - série histórica - dados diários - temperatura máxima (°C) - Porto Velho». Instituto Nacional de Meteorologia. Consultado em 20 de junho de 2015 https://www.timeanddate.com/weather/brazil/porto-velho/climate, http://www.weatherbase.com/weather/weather.php3?s=42828&cityname=Porto-Velho-Rondonia-Brazil? «BDMEP - série histórica - dados mensais - precipitação total (mm) - Porto Velho». Instituto Nacional de Meteorologia. Consultado em 20 de junho de 2015 ? Rondônia ao Vivo. «Sistema FIERO articula geminação das cidades irmãs Jinan e Porto Velho». Consultado em 12 de abril de 2011 ? «Lista das Cidades-Irmãs - Câmara Brasil China». Consultado em 24 de agosto de 2015 ? Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. «PIB dos Municípios». Consultado em 6 de julho de 2012 ? «Atividades econômicas em Porto Velho (2012)». Plataforma DataViva. Consultado em 13 de janeiro de 2014 ? «cidades.ibge.gov.br/brasil/ro/porto-velho/panorama». cidades.ibge.gov.br. Consultado em 20 de maio de 2018 ? Rede Globo. «Memória Globo: Mad Maria». Consultado em 6 de julho de 2012 ? Governo de Rondônia. «Turismo e Pontos Turísticos». Consultado em 6 de julho de 2012 ? Prefeitura de Porto Velho. «Parque da Cidade». Consultado em 5 de dezembro de 2014 ? Ancar Ivanhoe. «Porto Velho Shopping». Consultado em 6 de julho de 2012 ? a b IBGE (2011). «Tabela 6.3 - Domicílios particulares permanentes, atendidos por alguns serviços, segundo as Unidades da Federação - 2009/2011» (PDF). Consultado em 19 de julho de 2013 ? «cidades.ibge.gov.br/brasil/ro/porto-velho/panorama». cidades.ibge.gov.br. Consultado em 20 de maio de 2018 ? Revista Época. «Ranking das cidades mais violentas». Consultado em 6 de julho de 2012 ? «Frota do município de Porto Velho (2012)». Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). 2012. Consultado em 6 de setembro de 2013 ? Rondônia ao Vivo. «Banda do Vai Quem Quer reúne a imprensa pelo 31º ano». Consultado em 6 de julho de 2012 ? Rondônia ao Vivo. «Agenda Cultural destaca abertura do Arraial Flor do Maracujá». Consultado em 6 de julho de 2012 ? Rondônia ao Vivo. «Cavalgada da Expovel 2011 leva maior comitiva do país às ruas». Rondônia Ao Vivo. Consultado em 17 de dezembro de 2011 ? Gente de Opinião. «Festival da Costela Assada deve levar 15 mil ao parque de exposição neste domingo». Gente de Opinião. Consultado em 17 de dezembro de 2011 ? Congresso das Nações Unidas sobre Prevenção ao Crime e Justiça Criminal. «Projeto teatral "Bizarrus", de Rondônia, é modelo em processo de reabilitação de presos». Consultado em 6 de julho de 2012. Arquivado do original em 15 de agosto de 2014 ? Tudo Rondônia. «Jerusalém da Amazônia: "O Homem de Nazaré"». Consultado em 6 de julho de 2012 ? [ww.youblisher.com/p/1309999-Revista-Karipuna-Kult/ Revista Karipuna Kult (Revista da Academia Rondoniense de Letra, edição 1]
Ligações externas[editar | editar código-fonte]
O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Porto VelhoPágina da prefeitura
Câmara Municipal
Porto Velho no IBGE Cidades
Porto Velhovde50 cidades mais populosas do Brasil São Paulo
Rio de Janeiro
Brasília
Salvador
Fortaleza
Belo Horizonte
Manaus
Curitiba
Recife
Goiânia

Belém
Porto Alegre
Guarulhos
Campinas
São Luís
São Gonçalo
Maceió
Duque de Caxias
Campo Grande
NatalTeresina
São Bernardo do Campo
Nova Iguaçu
João Pessoa
Santo André
São José dos Campos
Jaboatão dos Guararapes
Osasco
Ribeirão Preto
UberlândiaSorocaba
Contagem
Aracaju
Feira de Santana
Cuiabá
Joinville
Aparecida de Goiânia
Juiz de Fora
Londrina
AnanindeuaPorto Velho
Niterói
Belford Roxo
Serra
Caxias do Sul
Campos dos Goytacazes
Macapá
Florianópolis
Vila Velha
São João de Meritivde Capitais do BrasilCapital Federal (DF) NorteBelém (PA) · Boa Vista (RR) · Macapá (AP) · Manaus (AM) · Palmas (TO) · Porto Velho (RO) · Rio Branco (AC)NordesteAracaju (SE) · Fortaleza (CE) · João Pessoa (PB) · Maceió (AL) · Natal (RN) · Recife (PE) · Salvador (BA) · São Luís (MA) · Teresina (PI)Centro-OesteCampo Grande (MS) · Cuiabá (MT) · Goiânia (GO)SudesteBelo Horizonte (MG) · Rio de Janeiro (RJ) · São Paulo (SP) · Vitória (ES)SulCuritiba (PR) · Florianópolis (SC) · Porto Alegre (RS)vde Hierarquia urbana do Brasil
Demografia do Brasil
Municípios do Brasil
vdeMetrópolesMetrópoles globais
São Paulo
Metrópoles nacionais
Brasília
Rio de Janeiro
Metrópoles regionais
Belém
Belo Horizonte
Curitiba
Fortaleza
Goiânia
Manaus
Porto Alegre
Recife
Salvador
vdeCapitais regionaisCapitais regionais A
Aracaju
Campinas
Campo Grande
Cuiabá
Florianópolis
João Pessoa
Maceió
Natal
São Luís
Teresina
Vitória
Capitais regionais B
Blumenau
Campina Grande
Cascavel
Caxias do Sul
Chapecó
Feira de Santana
Ilhéus/Itabuna
Joinville
Juiz de Fora
Londrina
Maringá
Ribeirão Preto
São José do Rio Preto
Uberlândia
Montes Claros
Palmas
Passo Fundo
Porto Velho
Santa Maria
Vitória da Conquista
Capitais regionais C
Araçatuba
Araguaína
Arapiraca
Araraquara
Barreiras
Bauru
Boa Vista
Cachoeiro de Itapemirim
Campos dos Goytacazes
Caruaru
Criciúma
Divinópolis
Dourados
Governador Valadares
Ijuí
Imperatriz
Ipatinga/Coronel Fabriciano/Timóteo
Juazeiro do Norte/Crato/Barbalha
Macapá
Marabá
Marília
Mossoró
Novo Hamburgo/São Leopoldo
Pelotas/Rio Grande
Petrolina/Juazeiro
Piracicaba
Ponta Grossa
Pouso Alegre
Presidente Prudente
Rio Branco
Santarém
Santos
São José dos Campos
Sobral
Sorocaba
Teófilo Otoni
Uberaba
Varginha
Volta Redonda/Barra Mansa
vdeCentros sub-regionaisCentros sub-regionais A
Alfenas
Anápolis
Apucarana
Bacabal
Bagé
Barbacena
Barra do Garças
Barretos
Bento Gonçalves
Botucatu
Cabo Frio
Caçador
Cáceres
Caicó
Cajazeiras
Campo Mourão
Castanhal
Catanduva
Caxias
Colatina
Crateús
Erechim
Floriano
Foz do Iguaçu
Franca
Francisco Beltrão
Garanhuns
Guanambi
Guarabira
Guarapuava
Iguatu
Irecê
Itajaí
Itaperuna
Itumbiara
Jacobina
Jaú
Jequié
Ji-Paraná
Joaçaba
Lages
Lajeado
Lavras
Limeira
Macaé
Manhuaçu
Muriaé
Nova Friburgo
Ourinhos
Paranaguá
Paranavaí
Parnaíba
Passos
Pato Branco
Patos
Patos de Minas
Pau dos Ferros
Paulo Afonso
Picos
Pinheiro
Poços de Caldas
Ponte Nova
Quixadá
Redenção
Rio Claro
Rio do Sul
Rio Verde
Rondonópolis
Santa Cruz do Sul
Santa Inês
Santa Rosa
Santo Ângelo
Santo Antônio de Jesus
São Carlos
São João da Boa Vista
São Mateus
Serra Talhada
Sinop
Sousa
Teixeira de Freitas
Toledo
Tubarão
Ubá
Umuarama
Uruguaiana
Centros sub-regionais B
Abaetetuba
Assu
Afogados da Ingazeira
Alagoinhas
Altamira
Andradina
Angra dos Reis
Araranguá
Araras
Araripina
Arcoverde
Ariquemes
Assis
Avaré
Balneário Camboriú
Balsas
Bom Jesus da Lapa
Bragança
Bragança Paulista
Breves
Brumado
Brusque
Cacoal
Cametá
Campo Maior
Capanema
Caratinga
Carazinho
Cataguases
Chapadinha
Cianorte
Concórdia
Conselheiro Lafaiete
Cruz Alta
Cruz das Almas
Cruzeiro do Sul
Currais Novos
Eunápolis
Frederico Westphalen
Guaratinguetá
Gurupi
Itabaiana
Itaberaba
Itaituba
Itajubá
Itapetininga
Itapeva
Itapipoca
Itaporanga
Ituiutaba
Ivaiporã
Janaúba
Linhares
Mafra
Palmares
Paragominas
Parintins
Pedreiras
Presidente Dutra
Registro
Resende
Ribeira do Pombal
Santana do Ipanema
Santo Antônio da Platina
São João del-Rei
São Lourenço
São Miguel do Oeste
São Raimundo Nonato
Senhor do Bonfim
Tefé
Teresópolis
Tucuruí
União da Vitória
Valença
Viçosa
Videira
Vilhena
Vitória de Santo Antão
Xanxerê
vdeCentros de zonaCentros de zona A
Acaraú
Açailândia
Adamantina
Além Paraíba
Almeirim
Almenara
Alta Floresta
Amparo
Aquidauana
Aracati
Aracruz
Araçuaí
Arapongas
Araxá
Assis Chateubriand
Barra do Corda
Barreiros
Bebedouro
Belo Jardim
Birigui
Bom Jesus
Caçapava do Sul
Cachoeira do Sul
Caetité
Caldas Novas
Camacan
Camaquã
Campo Belo
Campos Novos
Canindé
Canoinhas
Capelinha
Carangola
Carpina
Catalão
Catolé do Rocha
Caxambu
Ceres
Cerro Largo
Codó
Colinas do Tocantins
Conceição do Araguaia
Conceição do Coité
Cornélio Procópio
Corumbá
Corrente
Cruzeiro
Curitibanos
Cururupu
Curvelo
Diamantina
Diamantino
Dianópolis
Dois Vizinhos
Dracena
Encantado
Esperantina
Estância
Estrela
Fernandópolis
Formiga
Frutal
Governador Nunes Freire
Goiana
Goiás
Guanhães
Guaporé
Guaraí
Guaxupé
Ibaiti
Ibirubá
Icó
Imbituba
Ipiaú
Iporá
Irati
Itabaiana
Itabira
Itacoatiara
Itamaraju
Itapetinga
Ituverava
Jacarezinho
Jales
Jandaia do Sul
Januária
Jaru
Jataí
João Câmara
João Monlevade
Juína
Jundiaí
Lagarto
Lagoa Vermelha
Laranjeiras do Sul
Limoeiro
Limoeiro do Norte
Lins
Loanda
Macau
Macaúbas
Mamanguape
Marau
Maravilha
Marechal Cândido Rondon
Medianeira
Mineiros
Mirassol d'Oeste
Mogi Guaçu
Monteiro
Montenegro
Morrinhos
Mundo Novo
Naviraí
Nossa Senhora da Glória
Nova Andradina
Nova Prata
Nova Venécia
Oeiras
Olímpia
Osório
Ouricuri
Palmas
Palmeira das Missões
Palmeira dos Índios
Pará de Minas
Paraíso do Tocantins
Parauapebas
Patrocínio
Penápolis
Penedo
Pesqueira
Pinhalzinho
Pirapora
Pires do Rio
Piripiri
Pombal
Ponta Porã
Porangatu
Porto Nacional
Porto Seguro
Primavera do Leste
Propriá
Quirinópolis
Rolim de Moura
Russas
Salgueiro
Salinas
Santa Fé do Sul
Santa Inês
Santa Maria da Vitória
Santo Antônio de Pádua
Santiago
São Bento do Sul
São Borja
São Félix do Araguaia
São Gabriel
São Jerônimo
São José do Rio Pardo
São Luís de Montes Belos
São Luiz Gonzaga
São Miguel dos Campos
Sarandi
Seabra
Serrinha
Soledade
Sorriso
Surubim
Tabatinga
Taquara
Tatuí
Telêmaco Borba
Tijucas
Timbaúba
Timbó
Tocantinópolis
Torres
Três Corações
Três de Maio
Três Lagoas
Três Passos
Três Rios
Tupã
Unaí
União dos Palmares
Uruaçu
Vacaria
Venâncio Aires
Votuporanga
Xique-Xique
Centros de zona B
Abaeté
Abelardo Luz
Abre Campo
Afonso Cláudio
Água Boa
Água Branca
Águas Formosas
Aimorés
Alegrete
Alexandria
Alto Araguaia
Alto Longá
Alto Parnaíba
Amambai
Amarante
Amargosa
Andirá
Andradas
Anicuns
Anísio de Abreu
Aparecida
Apiaí
Apodi
Araguaçu
Araguari
Araguatins
Araioses
Araputanga
Arara
Araruama
Araruna
Arcos
Arinos
Arroio do Meio
Arvorezinha
Auriflama
Avelino Lopes
Baependi
Bambuí
Bariri
Barra
Barra Bonita
Barra de São Francisco
Barra do Bugres
Barras
Barracão
Bataguassu
Batalha
Bela Vista
Belém do São Francisco
Bicas
Boa Esperança
Boa Vista do Buricá
Bom Jardim de Minas
Bom Jesus do Itabapoana
Boquira
Braço do Norte
Brasileia
Brejo Santo
Buritis
Caculé
Camapuã
Cambuí
Camocim
Campina da Lagoa
Campo Novo do Parecis
Campos Altos
Campos Belos
Canguaretama
Canindé de São Francisco
Canto do Buriti
Capanema
Capão da Canoa
Capim Grosso
Capinzal
Capitão Poço
Capivari
Caracol
Carauari
Carmo do Paranaíba
Carutapera
Casca
Cassilândia
Castelo
Castelo do Piauí
Cerejeiras
Chapadão do Sul
Chopinzinho
Cícero Dantas
Coelho Neto
Colíder
Colinas
Coluna
Comodoro
Confresa
Congonhas
Constantina
Coronel Vivida
Coxim
Cristal do Sul
Crixás
Cruz
Cruzília
Curimatá
Delmiro Gouveia
Desterro
Dores do Indaiá
Entre Rios de Minas
Esperantinópolis
Espírito Santo do Pinhal
Espumoso
Euclides da Cunha
Eirunepé
Extrema
Fátima
Faxinal
Floresta
Fortaleza dos Nogueiras
Fronteiras
Gandu
Garça
Garibaldi
General Salgado
Getúlio Vargas
Gilbués
Goianésia
Goiatuba
Goioerê
Grajaú
Guaíra
Guajará-Mirim
Guaraciaba do Norte
Guararapes
Horizontina
Ibicaraí
Ibirama
Ibotirama
Ilha Solteira
Indaial
Inhumas
Ipanema
Ipu
Iracema
Itaberaí
Itacarambi
Itamonte
Itaocara
Itapaci
Itapajé
Itapiranga
Itápolis
Itapuranga
Itaqui
Itararé
Itaúna
Ituporanga
Iturama
Jaciara
Jacutinga
Jaguaquara
Jaguariaíva
Jaguaribe
Jaicós
Jardim
Joaíma
João Pinheiro
Juara
Jussara
Lábrea
Lago da Pedra
Lagoa da Prata
Lambari
Leme
Leopoldina
Livramento de Nossa Senhora
Lorena
Lucas do Rio Verde
Lucélia
Luzilândia
Machado
Malacacheta
Manga
Mantena
Maracaçumé
Matão
Matinhos
Miranda
Miracema do Tocantins
Mirinzal
Mococa
Monte Alegre
Monte Alto
Monte Aprazível
Monte Carmelo
Mostardas
Muçum
Nanuque
Natividade
Nazaré
Neópolis
Niquelândia
Nonoai
Nossa Senhora das Dores
Nova Londrina
Nova Mutum
Nova Petrópolis
Oliveira
Orlândia
Osvaldo Cruz
Olho d'Água das Flores
Ouro Fino
Ouro Preto do Oeste
Palmeira
Palmeira d'Oeste
Palmeirópolis
Pão de Açúcar
Paracatu
Paraguaçu Paulista
Paraisópolis
Paramirim
Paranacity
Paranaíba
Parelhas
Passa-e-Fica
Patu
Paulistana
Peçanha
Pedra Azul
Pedro II
Pedro Afonso
Peixoto de Azevedo
Piancó
Pinheiro Machado
Pio XII
Piraju
Piracuruca
Pitanga
Pitangui
Piumhi
Poções
Ponte Serrada
Pontes e Lacerda
Porteirinha
Porto Calvo
Porto União
Posse
Presidente Epitácio
Presidente Getúlio
Presidente Juscelino
Presidente Venceslau
Princesa Isabel
Prudentópolis
Quatis
Quedas do Iguaçu
Rancharia
Resplendor
Riachão do Jacuípe
Rio Bonito
Rio Negro
Rio Pomba
Rio Real
Rodeio Bonito
Roncador
Rubiataba
Salto do Jacuí
Salvador do Sul
Sananduva
Sanclerlândia
Santa Bárbara
Santa Cruz
Santa Cruz da Baixa Verde
Santa Cruz do Rio Pardo
Santa Filomena
Santa Helena
Santa Luzia
Santa Luzia do Paruá
Santa Maria do Suaçuí
Santa Vitória do Palmar
Santana
Santana do Livramento
Santo Antônio
Santo Antônio da Patrulha
Santo Augusto
Santos Dumont
São Bento (Maranhão)
São Bento (Paraíba)
São Benedito
São Domingos
São Francisco
São Gabriel da Palha
São Gotardo
São João Batista
São João do Ivaí
São João do Piauí
São João dos Patos
São João Nepomuceno
São Joaquim da Barra
São José do Cedro
São José do Egito
São João do Rio do Peixe
São João Evangelista
São José do Cedro
São Lourenço do Oeste
São Mateus do Sul
São Miguel
São Miguel do Araguaia
São Miguel do Tapuio
São Paulo do Potengi
São Sebastião
São Sebastião do Caí
São Valentim
São Vicente Férrer
Sapé
Seara
Sena Madureira
Senador Pompeu
Serafina Corrêa
Serra Dourada
Serro
Simões
Simplício Mendes
Sinimbu
Siqueira Campos
Sobradinho
Sombrio
Sumé
Tabira
Taguatinga
Taió
Taiobeiras
Tangará
Tapejara
Tapes
Taquaritinga
Tarauacá
Tauá
Tenente Portela
Terra Nova do Norte
Teutônia
Tietê
Tramandaí
Três Pontas
Tucumã
Tucunduva
Turmalina
Tutóia
Uiraúna
Umarizal
União
Uruçuí
Valença
Valença do Piauí
Valente
Várzea da Palma
Vazante
Venda Nova do Imigrante
Veranópolis
Viana
Vigia
Vila Rica
Virginópolis
Visconde do Rio Branco
Vitorino Freire
Xaxim
Xinguara
Wenceslau Braz
Zé Doca
Referências: Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Regiões de Influência das Cidades 2007 (10 de outubro de 2008), [1] Configuração da Rede Urbana do Brasil (junho de 2001)vde Fronteiras do BrasilComissões demarcadoras de fronteira1 PCDL ? 2 PCDLPaíses limítrofesArgentina ? Bolívia ? Colômbia ? Guiana Francesa (França) ? Guiana ? Paraguai ? Peru ? Suriname ? Uruguai ? VenezuelaMacrorregiões fronteiriçasCentro-Oeste ? Norte ? SulEstados fronteiriçosAcre ? Amapá ? Amazonas ? Mato Grosso ? Mato Grosso do Sul ? Pará ? Paraná ? Rio Grande do Sul ? Rondônia ? Roraima ? Santa CatarinaMunicípios fronteiriçosSocioeconômicoÁrea ? Área urbana ? População ? Densidade demográfica ? PIB ? PIB per capita ? renda per capita ? IDH ? GiniBifronteiriços ou tríplices fronteirasAtalaia do Norte ? Assis Brasil ? Barra do Quaraí ? Corumbá ? Foz do Iguaçu ? Laranjal do Jari ? Oriximiná ? São Gabriel da Cachoeira ? Uiramutã ? Uruguaiana

Fronteira simplesAceguá ? Acrelândia ? Alecrim ? Almeirim ? Alta Floresta d'Oeste ? Alto Alegre ? Alto Alegre dos Parecis ? Amajari ? Antônio João ? Aral Moreira ? Bagé ? Bandeirante ? Barcelos ? Barracão ? Bela Vista ? Belmonte ? Benjamin Constant ? Bom Jesus do Sul ? Bonfim ? Brasileia ? Cabixi ? Cáceres ? Capanema ? Capixaba ? Caracaraí ? Caracol ? Caroebe ? Chuí ? Comodoro ? Coronel Sapucaia ? Costa Marques ? Crissiumal ? Cruzeiro do Sul ? Derrubadas ? Dionísio Cerqueira ? Dom Pedrito ? Doutor Maurício Cardoso ? Entre Rios do Oeste ? Epitaciolândia ? Esperança do Sul ? Feijó ? Garruchos ? Guaíra ? Guajará ? Guajará-Mirim ? Guaraciaba ? Herval ? Iracema ? Itaipulândia ? Itapiranga ? Itaqui ? Jaguarão ? Japorã ? Japurá ? Jordão ? Mâncio Lima ? Manoel Urbano ? Marechal Cândido Rondon ? Marechal Thaumaturgo ? Mercedes ? Mundo Novo ? Normandia ? Novo Machado ? Nova Mamoré ? Óbidos ? Oiapoque ? Pacaraima ? Paraíso ? Paranhos ? Pato Bragado ? Pedras Altas ? Pérola d'Oeste ? Pimenteiras do Oeste ? Pirapó ? Plácido de Castro ? Planalto ? Poconé ? Ponta Porã ? Porto Esperidião ? Porto Lucena ? Porto Mauá ? Porto Murtinho ? Porto Velho ? Porto Vera Cruz ? Porto Walter ? Porto Xavier ? Pranchita ? Princesa ? Quaraí ? Rodrigues Alves ? Roque Gonzales ? Santa Helena (PR) ? Santa Helena (SC) ? Santa Isabel do Rio Negro ? Santa Rosa do Purus ? Santa Vitória do Palmar ? Santa Terezinha de Itaipu ? Santana do Livramento ? Santo Antônio do Içá ? Santo Antônio do Sudoeste ? São Borja ? São Francisco do Guaporé ? São José do Cedro ? São Miguel do Iguaçu ? São Nicolau ? Sena Madureira ? Serranópolis do Iguaçu ? Sete Quedas ? Tabatinga ? Tiradentes do Sul ? Tunápolis ? Vila Bela da Santíssima Trindade
Brasilvde Rondônia Portal ? Geografia, Política, Cultura, EsportesCapitalPorto VelhoDivisão regional vigente (desde 2017)Regiões geográficas intermediárias e imediatasDivisão regional extinta (vigente até 2017)Mesorregiões e microrregiõesRegiões Metropolitanas e RIDEsPorto VelhoMais de 100.000 habitantesPorto Velho ? Ji-Paraná ? AriquemesMais de 50.000 habitantesCacoal ? Vilhena ? Jaru ? Rolim de MouraMais de 25.000 habitantesGuajará-Mirim ? Ouro Preto do Oeste ? Pimenta Bueno ? Buritis ? Machadinho d'Oeste ? Espigão d'OesteNorte, Brasil vdeRegião Metropolitana de Porto VelhoCandeias do Jamari ? Porto VelhoRondônia, Brasil
Portal do Brasil Portal de Rondônia