desenvolvimento asp em Pelotas

Encontre desenvolvimento asp em Pelotas na Web4business - Desenvolvimento de Sistemas e Sites Personalizados.

Desenvolvimento

Acto ou efeito de desenvolver.
Crescimento.
Ampliação.
Minuciosidade.


Pelotas

Nota: Para o clube, veja Esporte Clube Pelotas. Para outros significados, veja Pelotas (desambiguação).Município de Pelotas
"Princesa do Sul""Capital Nacional do Doce[1]"
Centro de PelotasBandeiraBrasãoHino
Fundação18 de junho de 1758 (261 anos)
Emancipação7 de julho de 1812 (207 anos)
Gentílicopelotense
LemaPrincesa do Sul
Padroeiro(a)São Francisco de Paula
Prefeito(a)Paula Mascarenhas (PSDB)(2017 – 2020)
Localização
Localização de Pelotas no Rio Grande do SulPelotas Localização de Pelotas no Brasil
31° 46' 19" S 52° 20' 34" O31° 46' 19" S 52° 20' 34" O
Unidade federativaRio Grande do Sul
MesorregiãoSudeste Rio-grandense IBGE/2008[2]
MicrorregiãoPelotas IBGE/2008[2]
Municípios limítrofesMorro Redondo, Canguçu (O), Arroio do Padre (enclave), São Lourenço do Sul, Turuçu (N), Capão do Leão e Rio Grande (S).
Distância até a capital261 km
Características geográficas
Área1 608,768 km² (BR: 913º)[3]
População341 648 hab. estimativa IBGE/2018[4]
Densidade212,37 hab./km²
Altitude7 m
ClimaSubtropical Cfa
Fuso horárioUTC?3
Indicadores
IDH-M0,739 alto PNUD/2010[5]
Gini0,58 2003
PIBR$ 7 776 664 mil IBGE/2016[6]
PIB per capitaR$ 22 629,54 IBGE/2016[6]
Página oficial
Prefeiturahttp://www.pelotas.rs.gov.br
Câmarahttp://www.camarapel.rs.gov.brPelotas é um município da região sul do estado do Rio Grande do Sul, no Brasil. Considerado uma das capitais regionais do Brasil, sua população, conforme estimativas do IBGE de 2018, era de 341 648[4] habitantes, sendo a quarta cidade mais populosa do estado.
Está localizado às margens do Canal São Gonçalo que liga as Lagoas dos Patos e Mirim, as maiores do Brasil, no estado do Rio Grande do Sul, no extremo sul do Brasil, ocupando uma área de 1 609 km² e com cerca de 92% da população total residindo na zona urbana do município. Pelotas está localizada a 261 quilômetros de Porto Alegre, a capital do estado.
O município conta com cinco instituições de ensino superior, quatro grandes escolas técnicas, dois teatros, uma biblioteca pública, vinte e três museus, dois jornais de circulação diária, três emissoras de televisão, um aeroporto e um porto flúvio-lacustre localizado às margens do Canal São Gonçalo.
Tanto a zona urbana quanto a rural de Pelotas contam com monumentos, paisagens e belas vistas, que levaram a televisão brasileira a escolher o município já por três vezes como cenário para suas produções: Incidente em Antares, cuja locação foi feita na zona do porto; A Casa das Sete Mulheres, gravada numa charqueada na zona rural, e do filme O Tempo e o Vento, cujas filmagens ocorreram no fim de abril de 2012.
Na história econômica do município, destaca-se a produção do charque, que era enviado para todo o Brasil e que fez a riqueza de Pelotas em tempos passados. A cidade realiza anualmente a tradicional Feira Nacional do Doce (Fenadoce), festa de eventos ancorada pelos famosos doces de origem portuguesa que fazem a fama de Pelotas.Índice1 História
2 Geografia2.1 Divisões administrativas2.1.1 Regiões Administrativas
2.1.2 Distritos
2.2 Relevo
2.3 Clima2.3.1 Raras precipitações de neve
2.3.2 Temperaturas extremas
2.4 Fauna
2.5 Vegetação
2.6 Hidrografia
2.7 Zona rural
3 Economia3.1 Setor primário
3.2 Setor secundário
3.3 Setor terciário
3.4 Transportes3.4.1 Licitação do Transporte Urbano
4 Demografia4.1 Etnias
4.2 Índices de vida
4.3 Religiões
4.4 Educação
4.5 Saúde
5 Cultura5.1 Biblioteca
5.2 Teatros e museus
5.3 Eventos
5.4 Arquitetura e monumentos
5.5 Mitos arquitetônicos
5.6 Esportes
5.7 Mídia5.7.1 Televisão
5.7.2 Rádios
5.7.3 Jornais
6 Cidades-irmãs e ponto antípoda
7 Referências
8 Bibliografia
9 Ver também
10 Ligações externasHistória[editar | editar código-fonte]
Ver também: Lista de prefeitos de Pelotas
@media all and (max-width:720px){.mw-parser-output .tmulti>.thumbinner{width:100%!important;max-width:none!important}.mw-parser-output .tmulti .tsingle{float:none!important;max-width:none!important;width:100%!important;text-align:center}}Herrmann Rudolf Wendroth: Pelotas em 1851Vista de Pelotas, s.d. Arquivo NacionalAntigo engenho de arroz, localizado nas proximidades do Canal São Gonçalo
A história do município começa em junho de 1758, através da doação que o General Gomes Freire de Andrade, o Conde de Bobadela, fez ao Coronel Thomáz Luiz Osório, das terras que ficavam às margens da Lagoa dos Patos. Em 1763, fugindo da invasão espanhola, muitos habitantes da Vila do Rio Grande buscaram refúgio nas terras pertencentes a Thomáz Luiz Osório. Mais tarde, vieram também os retirantes da Colônia do Sacramento, entregue pelos portugueses aos espanhóis em 1777.[7]
Em 1780, instala-se em Pelotas o charqueador português José Pinto Martins. A prosperidade do estabelecimento estimulou a criação de outras charqueadas e o crescimento da região, dando origem à povoação que demarcaria o início do município de Pelotas.[7] Com o sucesso desta indústria, os charqueadores, dispondo de duas estações amenas, construíam palacetes para suas habitações e promoviam a cultura e a educação, no ambiente urbano, exemplificado pela inauguração do Teatro Sete de Abril, em 1831, quatro anos antes de Pelotas ser elevada à condição de cidade.[8]
A Freguesia de São Francisco de Paula, fundada em 7 de Julho de 1812 por iniciativa do padre Pedro Pereira de Mesquita, foi elevada à categoria de Vila em 7 de abril de 1832. Três anos depois, em 1835, a Vila é elevada à condição de cidade, com o nome de Pelotas.[7]
Nos primeiros anos do século XX, o progresso foi impulsionado pelo Banco Pelotense, fundado em 1906 por investidores locais. Sua liquidação, em 1931, foi nefasta para a economia local.[9][10]
O topônimo do município, "Pelotas", teve origem no nome das embarcações de varas de corticeira forradas de couro, usadas para a travessia dos rios na época das charqueadas.[7]
A Lei Complementar Estadual número 9184, de 1990, criou a Aglomeração Urbana de Pelotas, que em 2001 passou a se denominar Aglomeração Urbana de Pelotas e Rio Grande, e em 2002, Aglomeração Urbana do Sul. Esta caracteriza-se por proporcionar uma forte integração entre os municípios que a constituem e é o embrião de uma futura região metropolitana. Integram-na os municípios de Arroio do Padre, Capão do Leão, Pelotas, Rio Grande e São José do Norte, que totalizam uma população aproximada de 600.000 habitantes.[11]Geografia[editar | editar código-fonte]
Divisões administrativas[editar | editar código-fonte]
Vista da área urbana de Pelotas.
Conforme o plano diretor vigente no município, a área urbana de Pelotas está dividida atualmente em 7 regiões administrativas urbanas [12] e 9 rurais (distritos).Regiões Administrativas[editar | editar código-fonte]
Areal (Zona Leste)
Barragem (Zona Oeste)
Centro (Zona Central)
Fragata (Zona Oeste)
Laranjal (Zona Leste)
São Gonçalo (Zona Sul)
Três Vendas (Zona Norte)
Distritos[editar | editar código-fonte]
Vista do distrito da Cascata.
1° distrito- Sede ou Área Urbana
2° distrito- Colônia Z3
3° distrito- Cerrito Alegre
4° distrito- Triunfo
5° distrito- Cascata
6° distrito- Santa Silvana
7° distrito- Quilombo
8° distrito- Rincão da Cruz
9° distrito- Monte Bonito
Relevo[editar | editar código-fonte]
Centro de Pelotas - a zona urbana do município é predominantemente plana, com poucos e suaves aclives.
Por estar situada numa planície costeira, a área urbana do município situa-se em baixa altitude, com, em média, 7 metros acima do nível do mar. O interior do município está sobre um planalto com elevações médias, denominado Serras de Sudeste, com cerros de ondulações moderadas e cobertos com pastagem, conhecidos como coxilhas. A altitude na área rural de Pelotas chega a cerca de 429 metros,[13] próximo à fronteira com o município de Canguçu. Grande parte do município tem altitudes inferiores a 100 metros; na zona mais elevada, predominam as altitudes entre 100 e 300 metros; excepcionalmente, no extremo noroeste, as altitudes são superiores a 300 metros, chegando, no máximo, em certos pontos, a pouco mais de 400 metros.
O município de Pelotas, consequentemente, pode ser dividido em duas grandes paisagens geomorfológicas. Cerca de metade da área municipal (regiões oeste e noroeste do município) faz parte das Serras de Sudeste, com altitudes superiores a 200 metros e cerros de ondulações moderadas (coxilhas). A outra metade do município (regiões leste e sudeste - onde se localiza a área urbana municipal), inclui-se na planície costeira gaúcha, sendo uma paisagem plana e baixa, com altitudes que diminuem em direção ao Canal São Gonçalo e à Lagoa dos Patos.Clima[editar | editar código-fonte]
O clima de Pelotas é subtropical úmido, denotado por Köppen como Cfa. Os verões são tépidos ou ocasionalmente quentes, com precipitações regulares. Neste período, as temperaturas máximas absolutas do ano situam-se entre 34 °C e 36 °C, aproximadamente, enquanto os invernos são relativamente frescos, porém frios para uma cidade litorânea brasileira, com o domínio da Corrente das Malvinas. Geadas são relativamente frequentes, mas geralmente de fraca intensidade (com uma média de 24 por ano, entre 1975 e 2000) e ocorrência de nevoeiros, com temperaturas mínimas absolutas do ano entre -2 °C e 0 °C. Portanto, há uma grande amplitude térmica anual para uma cidade brasileira, ainda mais considerando sua localização costeira.[14][15][16][17][18]Maiores acumulados de precipitação em 24 horasregistrados em Pelotas por meses (INMET)[19]
MêsAcumuladoDataMêsAcumuladoData
Janeiro134,4 mm29/01/2009Julho80,6 mm09/07/1969
Fevereiro153,2 mm24/02/1983Agosto89,2 mm25/08/1998
Março151 mm17/03/1962Setembro105,4 mm27/09/1984
Abril138,6 mm17/04/1998Outubro89,4 mm09/10/1964
Maio216,8 mm07/05/2004Novembro115 mm05/11/2009
Junho109 mm29/06/2000Dezembro106,6 mm22/12/1997
Período: 1961 a 1970, 1979 a 1984, 1988 e a partir de 1991A temperatura média compensada anual da área urbana do município, de acordo com o Instituto Nacional de Meteorologia (no período entre 1981 e 2010), é de 18 °C, sendo janeiro o mês mais quente, com temperatura média de 23,5 °C, e julho o mês mais frio, com média de 12,2 °C.[20] A amplitude térmica diária (diferença entre as temperaturas mínima e máxima de um dia) geralmente é moderada, entre 8 e 9 graus, sendo que dias com amplitudes térmicas elevadas (de até 20 graus ou mais) não são raros de ocorrer, principalmente no outono. A umidade relativa do ar é bastante elevada (com média anual de cerca de 80%). Há um dito popular de que Pelotas seria a segunda cidade mais úmida do mundo, perdendo somente para Londres.
O índice pluviométrico anual é de 1.400 milímetros (mm),[20] com chuvas regularmente distribuídas durante todo o ano, sem a ocorrência de estação seca, embora possam acontecer veranicos. Segundo dados do Instituto Nacional de Meteorologia (INMET), referentes ao período de 1961 a 1970, 1979 a 1984, 1988 e a partir de 1991, o maior acumulado de precipitação em 24 horas atingiu 216,8 mm em 7 de maio de 2004. Outros grandes acumulados iguais ou superiores a 100 mm foram 153,2 mm em 24 de fevereiro de 1983, 151 mm em 17 de março de 1962, 138,6 mm em 17 de abril de 1998, 134,4 mm em 29 de janeiro de 2009, 122,1 mm em 2 de janeiro de 2018, 120,6 mm em 14 de fevereiro de 1997, 115 mm em 5 de novembro de 2009, 109 mm em 29 de junho de 2000, 106,6 mm em 22 de dezembro de 1997, 105,4 mm em 27 de setembro de 1984, 103,8 mm em 7 de fevereiro de 1998 e 102 mm em 11 de junho de 2003.[19] Com 491,4 mm, maio de 2004 foi o mês de maior precipitação.[21]
Dados climatológicos para Pelotas (INMET, 1981-2010)
MêsJanFevMarAbrMaiJunJulAgoSetOutNovDezAno
Temperatura máxima recorde (°C)39,838,238,435,431,230,831,034,435,635,236,036,6 39,8
Temperatura máxima média (°C)28,527,927,024,420,517,917,518,719,622,324,927,3 23,0
Temperatura média compensada (°C)23,523,021,818,815,112,712,213,515,017,820,022,2 18,0
Temperatura mínima média (°C)19,519,218,014,811,49,18,49,611,414,115,918,0 14,1
Temperatura mínima recorde (°C)10,710,47,83,21,6-3,0-2,4-0,40,24,05,48,2 -3,0
Precipitação (mm)109,8187,8107,6106,6129,1114,899,6126,5122,987,1102,3108,6 1 402,7
Dias com precipitação (? 1 mm)9109888888877 98
Umidade relativa compensada (%)78,480,681,582,985,285,683,683,682,880,577,176,5 81,5
Horas de sol247,3200,2215,0187,7170,7138,6159,4163,7163,6195,3226,8259,9 2 328,2
Fonte: Instituto Nacional de Meteorologia (INMET)[20][22][23]
Dados climatológicos para Pelotas (EMBRAPA, 1971-2000)[24]
MêsJanFevMarAbrMaiJunJulAgoSetOutNovDezAno
Temperatura máxima recorde (°C)39,036,537,435,131,629,431,833,035,634,439,239,6 39,6
Temperatura máxima média (°C)28,227,926,924,020,817,817,518,619,622,224,627,1 22,9
Temperatura média compensada (°C)23,223,021,718,515,112,412,313,414,917,519,622,0 17,8
Temperatura mínima média (°C)19,119,117,714,411,18,68,69,511,213,615,317,7 13,8
Temperatura mínima recorde (°C)10,09,85,02,71,2-3,0-2,7-1,00,22,66,07,9 -3,0
Precipitação (mm)119,1153,397,4100,3100,7105,7146,0117,4123,7100,799,5103,2 1 366,9
Dias com precipitação11,711,510,38,99,210,511,49,710,810,610,09,5 124,1
Umidade relativa compensada (%)77,477,980,582,383,684,084,983,281,879,576,075,5 80,7
Horas de sol251,2204,7213,0189,5177,7146,2149,9160,8199,6234,5265,9196,2 2 389,2
Fonte: CPACT-Embrapa (1971-2000), Estação Agroclimatológica de Pelotas (Capão do Leão) - RS 8 de setembro de 2010
Dados climatológicos para Pelotas (CPPMet-UFPel, 1971-2000)[25]
MêsJanFevMarAbrMaiJunJulAgoSetOutNovDezAno
Temperatura máxima média (°C)272626221917161819212426 21,8
Temperatura média compensada (°C)232221181413121314171921 17,5
Temperatura mínima média (°C)191817141098910131517 13,3
Precipitação (mm)118145120100951181321231351128695 1 379
Fonte: CPPMET-UFPel (1971-2000) 8 de setembro de 2010
Dados climatológicos para Pelotas (INMET, 1961-1990)[20][22][23]
MêsJanFevMarAbrMaiJunJulAgoSetOutNovDezAno
Temperatura máxima recorde (°C)38,837,235,734,029,830,428,431,033,032,335,238,6 38,8
Temperatura máxima média (°C)28,528,826,824,020,818,317,918,620,022,324,726,9 23,1
Temperatura média compensada (°C)23,123,421,318,214,812,612,813,115,217,419,621,7 17,8
Temperatura mínima média (°C)18,118,816,412,89,37,68,58,010,012,314,016,7 12,7
Temperatura mínima recorde (°C)9,411,43,32,8-0,6-2,8-2,8-2,6-2,11,24,05,2 -2,8
Fonte: Instituto Nacional de Meteorologia (normal climatológica e recordes de 1961-1990; dados de precipitação e umidade não disponíveis para o mesmo período) Raras precipitações de neve[editar | editar código-fonte]
Um dado climático interessante foi a ocorrência de uma precipitação de neve, no dia 8 de julho de 1994, em Pelotas, das 11h00 às 13h30. Até esta data, não havia nenhum registro oficial de queda de neve no município. O fenômeno foi de fraca intensidade na área urbana do município, não chegando a cobrir de branco a paisagem. Entretanto, a queda de neve teve maior intensidade no interior do município, em distritos como Cascata e Quilombo, chegando a cobrir a vegetação com uma camada branca.[26]
Em 4 de setembro de 2006, também foi registrada queda de neve no município de Pelotas. Houve precipitação de neve em flocos nos distritos mais elevados e na cidade vizinha de Canguçu e, na área urbana de Pelotas, na forma de neve granular, durante o período da tarde.[27]
Em 5 de setembro de 2008, a cidade também registrou neve granular, misturada à chuva congelada.[28]
Em 3 de agosto de 2010, novamente foram registrados períodos de neve granular na cidade, entre as 11h e as 18h.[29]
Precipitações de graupel foram registradas na cidade nos dias 12 de julho de 2012[30] e 25 de setembro de 2012.[31]
No dia 5 de julho de 2019, Pelotas registrou neve em flocos misturada com chuva fraca líquida, em pontos esparsos no centro da cidade (próximo ao meio-dia, com cerca de 40 minutos de duração).[32]Temperaturas extremas[editar | editar código-fonte]
Em 19 de julho de 1934 e 27 de julho de 1935, o município registrou uma temperatura mínima de -5 °C,[33] a mais baixa registrada em Pelotas. Esta mínima foi registrada na área urbana, sendo que no interior do município, devido à maior altitude, a temperatura deve ter sido mais baixa. Outras temperaturas extremas foram -3,4 ºC em 1 de agosto de 1955[34], -3 °C, em 9 de junho de 2012[22][35][36] e em 30 de junho de 1996,[22][37] -2,7 °C, em 19 de julho de 1975,[37] -2,4 °C, em 31 de julho de 2009,[38] -2 °C, em 30 de julho de 2007[39] e em 25 de julho de 2013[40] e -1,6 °C, em 12 de julho de 2007.[41]
A temperatura mais alta registrada em Pelotas ocorreu em 1 de janeiro de 1943, com 42 °C (temperatura registrada na estação do Inmet, no mesmo dia em que Porto Alegre, Rio Grande, Bagé e Jaguarão registraram seus recordes históricos entre 40,7 e 42,6ºC).[42] O aeroporto do município, não oficialmente, registrou em outros dias temperaturas na casa dos 40 °C, como em 27 de dezembro de 1999 e em 8 e 10 de janeiro de 2006.[43]Fauna[editar | editar código-fonte]
Devido a sua localização e suas características de vegetação e relevo, o município apresenta tanto fauna aquática como fauna de campo e de área serrana. Pelotas possui desde gaivotas e marrecos, aves típicas da zona lagunar de litoral, até a perdiz e a ema, que são próprias das zonas da Campanha gaúcha.
A zona mais rica em fauna, no município, é a zona dos banhados, com inúmeras espécies de peixes, anfíbios como a rã, répteis como o jacaré do papo amarelo e tartarugas, e mamíferos como capivaras, preás, lebres, lontras, gambás, doninhas, graxains (sorro), ratões-do-banhado e zorrilhos.
A zona serrana possui uma fauna mais pobre, principalmente por se tratar de uma zona de transição, e também em consequência do desmatamento. Jaguares, jaguatiricas e suçuaranas já não existem mais nessa área. Destacam-se, na área serrana e na área dos campos: mamíferos como veado-virá, veado-campeiro, lebre, tatu, raposa, gambá, capivara, graxaim, aves como chimango, perdiz, caturrita, quero-quero, jacu, ema, seriema, pomba do mato (pombão), cardeal-de-topete-vermelho, periquito, tico-tico, joão-de-barro, répteis como lagarto, cobra cruzeira, cobra verde e peixes como traíra, jundiá, lambari etc.[44]Vegetação[editar | editar código-fonte]
Vista desde o Hipódromo da Tablada ao entardecer - em primeiro plano, uma araucária.
Margem do Canal São Gonçalo.
A maior parte da área rural de Pelotas é composta por campos, com vegetação rasteira e herbácea (pampas). Outra formação importante, que ocorre na forma de pequenos bosques e de forma bastante esparsa no município, por ter sido reduzida pela ocupação humana, é a floresta estacional semidecidual.[45] A vegetação nativa, tanto no domínio dos campos quanto no das matas, apresenta ocorrência de árvores como corticeiras e araucárias, entre outras. A existência da araucaria angustifolia é maior no interior do município, onde a altitude mais elevada e a maior distância do mar favorecem a sua ocorrência, mas esta árvore também é bastante encontrada nas áreas mais baixas, incluindo as zonas urbana e litorânea.
Merece registro o crescimento da silvicultura, que tem promovido o florestamento das áreas de campos com árvores exóticas, como eucaliptos, pinhos e acácias, utilizadas na indústria madeireira, ao lado de espécies de tradicional uso paisagístico (salsos-chorões, ciprestes, cedros, álamos e plátanos).
Pelotas está a 55 km de distância do Oceano Atlântico, e possui uma praia lacustre chamada Laranjal (na laguna chamada Lagoa dos Patos). Nas proximidades desta praia, são encontrados banhados e algumas dunas de areia esparsas.[46]Hidrografia[editar | editar código-fonte]
Pelotas é um município que faz parte da bacia hidrográfica do rio Camaquã. Os arroios do Quilombo e das Caneleiras drenam o município de Pelotas, recebendo o nome de Arroio Pelotas quando suas águas se unem, indo desaguar no Canal São Gonçalo.[47]
A maior queda de água do município chama-se Cachoeira do Arco-Íris, com 12 metros de altura, e está localizada no distrito de Quilombo.[48] Praia do Laranjal - Balneário Valverde.
Também há a Praia do Laranjal, um bairro localizado à beira da Lagoa dos Patos. Além dos balneários Santo Antônio e Valverde, fundados pelo doutor Antônio Augusto de Assumpção Júnior e pelo coronel Arthur Augusto de Assumpção, o bairro conta também com o Balneário dos Prazeres (conhecido popularmente como Barro Duro) e a Colônia Z3, uma colônia de pescadores que explora principalmente a pesca artesanal do camarão.[49]Zona rural[editar | editar código-fonte]
A zona rural de Pelotas, chamada também de colônia, caracteriza-se pela produção de pêssego, arroz e pela pecuária; alastrando-se para a área de produção de fumo. A presença de imigrantes alemães também deve ser notada. A "colônia" de Pelotas vem se desenvolvendo amplamente na área do turismo, com diversas pousadas, cachoeiras e demais atrações turísticas encontradas na região.
Em tempos passados, a produção de charque foi economicamente importante, toda ela movida pelo trabalho escravo. As charqueadas ainda são atrações turísticas do município, como por exemplo a Charqueada Santa Rita e a Charqueada São João.Economia[editar | editar código-fonte]
Vista para a zona sul da cidade.
A vocação econômica de Pelotas é o agronegócio e o comércio. Neste último segmento, há grande representatividade de árabes oriundos principalmente do Líbano (conhecidos erroneamente como turcos) e mais alguns estrangeiros.Setor primário[editar | editar código-fonte]
A região de Pelotas é a maior produtora de pêssego para a indústria de conservas do país, além de produzir outros produtos como aspargo, pepino, figo e morango. O município também é grande produtor de arroz e rebanho bovino de corte. Pelotas também possui a maior produção de leite do estado.Setor secundário[editar | editar código-fonte]
Em Pelotas há a presença de indústrias ligadas ao setor de agronegócios, têxtil, curtimento de couro e panificação. Reflorestamento para produção de papel e celulose tem sido uma atividade econômica emergente em toda a região.Setor terciário[editar | editar código-fonte]
O município é grande centro comercial na região, atraindo compradores de toda a região para as suas galerias e lojas localizadas no calçadão e bairros.
Em Pelotas constituiu-se a CTMR - Companhia Telefônica Melhoramento e Resistência, cujo nome deriva da resistência de líderes pelotenses aos maus serviços que eram prestados pela antiga Companhia Telefônica Nacional, antiga operadora no Rio Grande do Sul. A CTMR passou a fazer parte, mais tarde, do sistema Telebrás, distinguindo-se pelos altos níveis de qualidade dos serviços prestados, e foi posteriormente absorvida pela Brasil Telecom.
Pelotas também possui o SANEP (Serviço Autônomo de Saneamento de Pelotas), uma autarquia responsável pela captação, tratamento e distribuição de água potável, coleta e destinação do lixo e coleta e tratamento de esgotos sanitários e pela drenagem urbana. Constitui uma situação única no estado, já que os demais municípios do Rio Grande do Sul recebem serviços de saneamento de uma única empresa estadual, denominada CORSAN.[50] O município conta com três estações de tratamento de água: a ETA Santa Bárbara, que alimenta a rede de distribuição com 40 milhões de litros por dia; a ETA Sinnott, que é abastecida pelos arroios Pelotas e Quilombo e lança 36 milhões de litros no sistema,diariamente; e a ETA do Arroio Moreira, que contribui com sete milhões de litros; data de 1874 e, com ela, teve início o abastecimento de água tratada em Pelotas, na época com 15 mil habitantes.[51]
Na cidade, a distribuição de energia elétrica é realizada pela empresa estadual CEEE (Companhia Estadual de Energia Elétrica).
Também há o Laranjal Parque Hotel, um empreendimento que comprova o empreendedorismo de uma parcela do empresariado pelotense. Situado próximo da Praia do Laranjal, no seu parque apresentou-se, em 28 de março de 1998, a soprano espanhola Montserrat Caballé.[52]Transportes[editar | editar código-fonte]
A cidade conta com o Aeroporto Internacional João Simões Lopes Neto, além de um porto flúvio-lacustre, localizado às margens do Canal São Gonçalo. Quanto à parte rodoviária, Pelotas está margeada pelas rodovias BR-116 e BR-392. Ambas rodovias são parte do pólo de pedágio da concessionária Ecosul.
O transporte público da cidade atende grande parte da população, com várias empresas que oferecem este serviço: Conquistadora, Santa Maria, Santa Rosa, Laranjal, Transpessoal, Santa Silvana e São Jorge, através do Consórcio do Transporte Coletivo de Pelotas (CTCP).
O transporte da região metropolitana (Aglomerado Urbano Sul) faz parte do sistema Metroplan, sendo operada por duas empresas: Bosembecker (prefixo 40.000) e Santa Silvana (prefixo 41.000). Abrange a cidade do Capão do Leão e suas localidades.
No transporte rural, o serviço liga a zona rural (conhecida como Colônia[53] pelos pelotenses) com o Centro da cidade. São operadas por empresas como São Jorge, Bosembecker, Macetur, Kopereck, Cometur e Viação Nossa Senhora Conquistadora.
Possui várias rotas intermunicipais que chegam e saem da Rodoviária de Pelotas, sendo considerável lembrar de Pelotas x Rio Grande e Pelotas x POA, operadas pela empresa local Embaixador, além de regiões próximas como Turuçu, Arroio do Padre, entre muitas outras.
O transporte ferroviário na Aglomeração (Capão do Leão - Pelotas - Rio Grande) vem sendo estudado pelo governo. O objetivo é o de ser implantado na então malha ferroviária existente que interliga os municípios, visando mais fluidez no transporte rodoviário e mais opções de transporte, além de poluir menos o ambiente.[54]Licitação do Transporte Urbano[editar | editar código-fonte]
Em fevereiro de 2016, após muitos anos de projetos e impasses, foi assinado o contrato de prestação do transporte coletivo entre a Prefeitura e o Consórcio vencedor da licitação. O consórcio, denominado "Consórcio do Transporte Coletivo de Pelotas", é formado por 6 empresas já atuantes no ramo na cidade: Viação Nossa Senhora Conquistadora (líder do consórcio), Laranjal Transportes, São Jorge de Transportes, Transportes Santa Maria, Auto Viação Santa Rosa e Transportes Santa Silvana. É a primeira vez que o transporte operará licitado no município. Como impacto, já em 2016 a cidade terá nas ruas cerca de 50% da frota renovada (a frota terá como idade máxima dos veículos 10 anos de uso), melhorias na segurança, como GPS e câmeras, integração tarifária e também aplicativos de interação online. A data oficial para início da operação é no mês de agosto de 2016.[55]Demografia[editar | editar código-fonte]Crescimento populacional
Censo
Pop.%±
187221 258189041 59195,6%190044 8817,9%192082 24983,3%1940104 55327,1%1950127 64122,1%1960176 57538,3%1970207 86917,7%1980259 99425,1%1991291 10012,0%2000323 15811,0%2010328 2751,6%Etnias[editar | editar código-fonte]
A principal imigração ocorrida na região foi a vinda de portugueses, oriundos principalmente do arquipélago de Açores, que influíram profundamente na cultura do município, principalmente na arquitetura e na culinária.
Outra imigração importante que ocorreu na região foi a de alemães (a maioria de pomeranos), embora estes tenham preferido fixar-se na zona rural do município, ao contrário dos portugueses, que o fizeram na zona urbana. Também são dignas de nota outras etnias que em Pelotas fixaram residência, como negros africanos (descendentes de escravos, oriundos principalmente de Angola), italianos, poloneses, franceses, judeus, árabes libaneses, etc. O número de descendentes de índios, apesar de desconhecido, é considerado muito pequeno.
Antes da vinda dos primeiros colonizadores portugueses, a porção meridional do Rio Grande do Sul, incluindo a área municipal de Pelotas, era ocupada por indígenas. De acordo com vestígios encontrados na região, os grupos eram minuanos, charruas e guaranis.[56]
Cor/RaçaHabitantes
Branca280 897
Negra34 172
Parda25 395
Amarela (asiático)498
Indígena998
Não sabem998Índices de vida[editar | editar código-fonte]
Índice de mortalidade infantil: 12,5 para 1.000 nascidos vivos, em 2007.
Expectativa média de vida: 72,6 anos (70,1 homens e 74,5 mulheres), em 2006.
Religiões[editar | editar código-fonte]
Quanto à religião, a maioria dos pelotenses (aproximadamente 50%) afirma ser católica romana, seguida pelas religiões protestantes (principalmente entre a população de origem alemã), como a Evangélica Luterana e a Anglicana. Inclui-se entre os cristãos um número crescente de Testemunhas de Jeová. Também são dignos de nota o espiritismo, rituais afro-brasileiros (como umbanda e candomblé) e os santos dos últimos dias (mais conhecidos como mórmons).Educação[editar | editar código-fonte]
Campus Pelotas do Instituto Federal Sul-rio-grandense
O município conta com cinco instituições de ensino superior (universidades): Universidade Federal de Pelotas (UFPel), Universidade Católica de Pelotas (UCPel), Instituto Federal Sul-rio-grandense (IFSUL),[57] Anhanguera Educacional e Faculdade de Tecnologia Senac-RS. Também possui três grandes escolas técnicas: Escola Técnica Estadual João XXIII, Escola Técnica Estadual Professora Sylvia Mello e o Conjunto Agrotécnico Visconte da Graça (CAVG), hoje chamado de Instituto Federal Sul-rio-grandense Campus Visconde da Graça, vinculado ao IFSul.[58] Em 2010, foi inaugurado um colégio militar de ensino médio no município, o Colégio Tiradentes.[59]
Também há muitas escolas de ensino fundamental e ensino médio no município, sendo estas escolas particulares (como o Colégio São José, o Colégio Gonzaga e o Colégio Alfredo Simon, entre outros) e públicas, sob administração estadual e municipal, como, por exemplo, o Colégio Pedro Osório. Entre as instituições de ensino sob administração municipal, está o Colégio Municipal Pelotense, a maior escola municipal da América do Sul e uma das maiores da América Latina.[60][61]
Índice de alfabetizaçãoPorcentagemAno
Pelotas95,7%2006
Saúde[editar | editar código-fonte]
UPA em Pelotas, RS.
Os hospitais mais tradicionais da cidade são a Santa Casa de Misericórdia (fundada em 1847)[62] e o Hospital Beneficência Portuguesa (fundado em 1857).[63] Também há o Hospital Miguel Piltcher, o Hospital Clinicamp, o Hospital Universitário São Francisco de Paula (HUSFP), ligado à Universidade Católica de Pelotas (UCPel), e o Hospital Escola, ligado à Universidade Federal de Pelotas (UFPel), sendo administrado pela Fundação de Apoio Universitário (FAU) (mais conhecido como "Hospital da FAU"). O município conta também com um hospital psiquiátrico, o Hospital Espírita de Pelotas.Cultura[editar | editar código-fonte]
Com a mistura étnica que caracteriza Pelotas, não é surpreendente que seja um rico centro cultural e político, sendo conhecida como a Atenas Rio-Grandense.
Berço e morada de inúmeras personalidades da cultura nacional, como do escritor regionalista João Simões Lopes Neto (1865 - 1916), autor de Cancioneiro Guasca (1910), Contos Gauchescos (1912) e Lendas do Sul (1913), de Hipólito José da Costa - patrono da imprensa no Brasil, e do pintor Leopoldo Gotuzzo, cujos trabalhos ultrapassaram as fronteiras de Pelotas conquistando prêmios e exposições até na Europa, e o já citado Antônio Caringi (1905 - 1981), escultor pelotense reconhecido internacionalmente, e do senador Joaquim Augusto de Assumpção, fundador do Banco Pelotense.
Atualmente, o Centro Cultural Adail Bento Costa funciona, também, como a sede da Secretaria Municipal de Cultura, contando com duas salas de exposições (Inah d'Ávila Costa e Antônio Caringi) além do Bistrô, utilizado para eventos em geral. O prédio faz parte do patrimônio tombado pelo IPHAN e fica localizado à Praça Coronel Pedro Osório, 02.Personalidades
Pelotenses biografados na Wikipédia
Biblioteca[editar | editar código-fonte]
Sede da Biblioteca Pública de Pelotas.
A Biblioteca Pública de Pelotas foi idealizada por Antônio Joaquim Dias, diretor do jornal Correio Mercantil. A primeira diretoria reuniu José Vieira da Cunha, Saturnino de Arruda, Carlos Pinto e José Roiz de Araújo. Foi inaugurada em 5 de março de 1876, em um terreno cedido pelo visconde da Graça, contando na época com 900 volumes. Foi depois construída sede própria, na atual Praça Coronel Pedro Osório. O segundo piso da Biblioteca Pública Pelotense foi construído na gestão do prefeito Joaquim Augusto de Assumpção Júnior.Teatros e museus[editar | editar código-fonte]
Pelotas conta com dois teatros: o Teatro Sete de Abril, que é um dos mais tradicionais e o mais antigo no Brasil, e cuja construção é de 1831, além do Teatro Guarani.
O município possui diversos museus: Museu de História Natural Carlos Ritter, Museu de Arte Leopoldo Gotuzzo, Museu da Baronesa, Museu Histórico Helena Assumpção de Assumpção, Museu do Charque, Museu do Doce, Museu do Futebol, Museu das Coisas Banais,[64] Museu de Arte Sacra João Paulo II, Memorial da Praia do Laranjal Arthur Augusto de Assumpção, entre outros.Eventos[editar | editar código-fonte]
O carnaval de rua de Pelotas é conhecido nacionalmente, pela espontaneidade dos blocos carnavalescos que saem às ruas e garantem a alegria do povo.[65]
A Feira Nacional do Doce, popularmente denominada Fenadoce, é um evento muito prestigiado em âmbito nacional, sendo realizada anualmente, durante o meio do ano (em 2008, foi realizada entre os dias 4 de junho e 22 de junho). A primeira edição da festa foi realizada no ano de 1986, e desde então consagrou-se na principal atração turística da Zona Sul do Rio Grande do Sul, com uma mistura de shows, gastronomia, lazer e turismo.[66]
O município de Pelotas recebe uma grande parcela de turistas durante a realização do evento, oriundos das mais diversas localidades do país, vindos com o intuito de conhecer a culinária pelotense, com os seus doces de origem portuguesa e africana, além de outros doces de origens alemã, italiana e árabe.[67]Arquitetura e monumentos[editar | editar código-fonte]
O município teve forte influência da estética portuguesa, com seus casarões com cerâmica portuguesa na fachada. Pelotas é muito rica em tesouros arquitetônicos e monumentos, muitos tombados pelo patrimônio histórico do município e do Estado. Caixa D'água de ferro.
Um exemplo de monumento do acervo do município é o Chafariz "As Três Meninas", vindo de Escócia em 1873, e localizado no centro do município. Até o ano de 2007 acreditava-se que ela era proveniente da França. Outro exemplo de monumento é o Obelisco de Pelotas,[68] situado no bairro Areal.
O maior monumento de Pelotas é a Caixa d'água de ferro, que localiza-se na Praça Piratinino de Almeida, única no gênero na América Latina. Ela foi construída em 1875, e ainda serve ao abastecimento diário de água no município. Ela apóia-se em 45 colunas, e todas as peças são de ferro. O seu mirante tem formas que lembram a arquitetura oriental. Todo o material usado na construção foi importado da França.
Destaca-se na arquitetura do município suas Igrejas, o Grande Hotel e o Mercado Público.
A construção do Mercado Público foi iniciada em 1847 e terminada em 1853, embora entre 1911 e 1914 tenha ocorrido uma reforma. Seu projeto foi feito no estilo neoclássico, tendo sido mudado para Art nouveau após 1970 quando o prédio foi destruído por um incêndio e reconstruído. Nele se destacam a torre do relógio e o farol de ferro, importados de Hamburgo, na Alemanha, fazendo uma alusão a Torre Eiffel. Igreja do Redentor, igreja anglicana do Rio Grande do Sul.
O Grande Hotel foi inaugurado em 1928. O edifício tem quatro andares, apresentando um estilo Art nouveau. Hoje o prédio está tombado e pertence à Universidade Federal de Pelotas e é sede do curso de Hotelaria.
A Catedral do Redentor, também conhecida como "Igreja Cabeluda", e que é a sede da Igreja Episcopal Brasileira da Comunhão Anglicana, ficou conhecida por sua característica cobertura vegetal. Ela abriu suas portas em 1892. Sua torre possui 27 metros de altura, e os vitrais vieram de Nova Iorque. Catedral São Francisco de Paula.
A catedral Metropolitana de São Francisco de Paula é considerado o mais importante templo religioso da metade sul do estado pelo seu tamanho, beleza e pelas obras de arte encontradas em seu interior. Também, dentro da Igreja Católica é considerado o templo religioso mais importante da metade sul do estado em razão de ser a sede da Arquidiocese de Pelotas. O início da construção foi em 1813. A Catedral abriga a imagem de São Francisco de Paula, de autor desconhecido, que foi trazida da colônia do Sacramento.
O pintor Aldo Locatelli (1915 - 1962) veio da Itália especialmente para fazer os afrescos no teto e paredes da catedral São Francisco de Paula, a convite de Dom Antônio Zattera, bispo de Pelotas na época. Embora ele tenha escolhido ficar no Rio Grande do Sul, e tenha feito diversos outros trabalhos importantes no Brasil, painéis e paredes, este é considerado seu maior trabalho, junto com a via-sacra da igreja de São Pelegrino em Caxias do Sul.
Também destaca-se o "museu da Baronesa", cuja construção se deu no século XIX, ocupando uma área de aproximadamente 7 hectares, possuindo, a construção, 22 peças e um pátio interno. Contornando todo o conjunto, foram cultivados vários jardins.[69] Grande Hotel, prédio histórico localizado na Praça Cel. Pedro Osório.
Em Pelotas ainda estão dez esculturas de Antônio Caringi, considerado o maior escultor gaúcho. Entre elas: Oferenda (1942), em bronze, localizado no Cemitério Ecumênico São Francisco de Paula; Monumento ao Colono (1958), em bronze e granito, na Praça 1 de Maio; Monumento ao Bispo Dom Joaquim Ferreira de Mello (1942), em bronze e granito, na Av. Dom Joaquim; Sentinela Farroupilha (1935), em bronze, Praça 20 de Setembro; As Três Idades do Trabalho, em granito, Praça Coronel Pedro Osório; Dr. Luiz Pereira Lima (1958), em bronze, Praça Piratinino de Almeida; Monumento ao Coronel Pedro Osório (1954), em bronze e granito, Praça Coronel Pedro Osório; Monumento à Mãe (1968), em bronze e granito, Praça Coronel Pedro Osório; Monumento ao Dr. José Brusque (1968), em bronze e granito, Praça Coronel Pedro Osório, além de uma escultura em gesso encontrada no Museu de Arte Leopoldo Gotuzzo.Mitos arquitetônicos[editar | editar código-fonte]
Muitos populares pelotenses acreditam na existência de túneis de fuga , também conhecidos como saídas francesas, nos subterrâneos do município. A maioria desses mitos surgiu com os porões altos, encontrados na maioria dos prédios mais antigos da cidade; às ligações entre casas de uma mesma família, raramente feitas por baixo da terra; com poços ou cacimbas, encontrados principalmente em construções anteriores à criação da Companhia Hydraulica Pelotense, no final do século XIX; e com os dutos coletores das redes de esgotos e de águas pluviais, que se estendem por boa parte do centro de Pelotas.[70]Esportes[editar | editar código-fonte]
Pelotas é um município que muito contribui para o esporte nacional, contando com inúmeros atletas em diversas modalidades esportivas. Particularmente, é um município pujante no futebol, a grande paixão nacional. Três clubes representam as cores do município em diversas competições nacionais e regionais:Esporte Clube Pelotas;
Grêmio Atlético Farroupilha.
Grêmio Esportivo Brasil;
Mídia[editar | editar código-fonte]
Televisão[editar | editar código-fonte]
Em Pelotas estão localizadas as sedes de três emissoras de televisão gaúchas: a RBS TV Pelotas (canal 4 VHF), que transmite a programação da Rede Globo, a TV Pampa Sul (canal 13 VHF), que transmite a programação da RedeTV!, e a TV Nativa (canal 18 UHF), que transmite a programação da Top TV. Todas elas têm programação local e cobrem grande parte da região sul do estado. A cidade também conta com um canal com programação 100% local: é a TV Cidade, que hoje documenta e transmite, além de sua grade de programação diária, os principais eventos que ocorrem em Pelotas. Os demais canais são repetidoras de outras emissoras de televisão.vde Canais de televisão aberta de PelotasSinal digital
4.1 (34) RBS TV (Globo)
5.1 (32) Band RS (Band)
13.1 (26) TV Pampa (RedeTV!)
14.1 (17) Rede Vida
16.1 (29) SBT RS (SBT)
18.1 (19) Top TV Pelotas (Top TV)
20.1 (35) RCI (TV Pai Eterno)
24.1 (43) Ideal TV (Rede Mundial)
30.1 (16) TV Canção Nova
Autorizados ouem implantação
21.1 TV Câmara
22 (22.1) RecordTV RS HD
30 (7.1) TVE RS HD
44 (44.1) TV Evangelizar HD
51 (41.1) TV Brasil HD
Predefinições deregiões adjacentes
Rio Grande
BagéTV por assinatura e banda larga
A Net oferece serviços de TV por assinatura e banda larga na cidade de Pelotas, incluindo telefonia. A Blue, antiga Viacabo, Pansat, já faz história pelo seu lançamento em 1991, com apenas 16 canais, foi uma das primeiras operadoras do país, colocou a cidade no mapa da vanguarda tecnológica, hoje assim como a Net oferece serviços de televisão,internet e Telefone. Em 11 de dezembro de 2015 o Conselho Administrativo de Defesa Econômica aprovou a compra da Blue pelo grupo controlador da Net.[71]
Desde 2009 a Oi (antiga Telemar e Brasil Telecom) disponibiliza para a Cidade de Pelotas o serviço de tv por assinatura a Oi TV; além de continuar com telefonia fixa, móvel, DDD, banda larga, internet. A operadora Vivo também dispõem na cidade de serviços de telefonia fixa, móvel, Internet fixa e móvel e televisão por assinatura.Rádios[editar | editar código-fonte]
vde Estações de rádio de PelotasPredefinições de regiões adjacentes: Rio GrandeFM89.5 MHz - Alegria ? 91.9 MHz - Rádio Dez ? 93.3 MHz - Rede Aleluia ? 94.5 MHz - Maisnova ? 95.3 MHz - Atlântida FM Zona Sul ? 98.5 MHz - Faixa Comunitária ? 99.9 MHz - União ? 102.1 MHz - Rádio Gaúcha Zona Sul ? 104.5 MHz - Rádio Comunitária ? 107.9 MHz - Federal FMAM620 kHz - Rádio Pelotense ? 1160 kHz - Rádio Universidade ? 1250 kHz - Rádio Tupanci ? 1320 kHz - Rádio Cultura ? 1550 kHz - Rádio Cidade RS
Jornais[editar | editar código-fonte]
Há dois jornais em circulação no município: o Diário Popular, de circulação diária, sendo o terceiro jornal mais antigo do Rio Grande do Sul, fundado em 1890; e o Diário da Manhã, também de circulação diária, em forma de tabloide e fundado em 1979.Cidades-irmãs e ponto antípoda[editar | editar código-fonte]
Pelotas possui quatro cidades-irmãs: Aracati, Ceará, Brasil (2005)[72]
Aveiro, Portugal (1996)[73]
Colônia do Sacramento, Uruguai (2005)[74]
Suzu, Japão (1963)[75]
O local antípoda de Pelotas está situado no Mar da China Oriental, cerca de 250 km a oeste do litoral de Satsumasendai, cidade situada no extremo sul do Japão.[76]Referências? «Pelotas ? capital do doce» Portal BOL (editado em 15/12/2015)? a b «Divisão Territorial do Brasil». Divisão Territorial do Brasil e Limites Territoriais. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). 1 de julho de 2008. Consultado em 11 de outubro de 2008 ? IBGE (10 de outubro de 2002). «Área territorial oficial». Resolução da Presidência do IBGE de n° 5 (R.PR-5/02). Consultado em 5 de dezembro de 2010 ? a b «Estimativa populacional 2018 IBGE». Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). 29 de agosto de 2018. Consultado em 9 de outubro de 2018 ? «Ranking decrescente do IDH-M dos municípios do Brasil». Atlas do Desenvolvimento Humano. Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD). 2010. Consultado em 31 de agosto de 2013 ? a b «Produto Interno Bruto dos Municípios 2016». Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Consultado em 27 de dezembro de 2018 ? a b c d «Primeira referência histórica de Pelotas». Consultado em 3 de maio de 2009. Arquivado do original em 25 de março de 2009 Prefeitura de Pelotas, vista em 3 de maio de 2009.? FONSECA, Maria Angela Peter da. Estratégias para a preservação do germanismo (Deutschtum) - gênese e trajetória de um collegio teutobrasileiro urbano em Pelotas (1898-1942), Pelotas, 2007, 158p.? «Banco Pelotense: 100 anos» Diário Popular, 5 de fevereiro de 2006.? «Banco Pelotense: 100 anos - Parte 2» Diário Popular, 6 de fevereiro de 2006.? «LEI COMPLEMENTAR Nº 11.876, DE 26 DE DEZEMBRO DE 2002» IPEF (Instituto de Pesquisas e Estudos Florestais) - legislação, 26 de dezembro de 2002.? «Lei nº 5502, de 11 de Setembro de 2008 de Pelotas» (PDF). 13 de Setembro de 2008. Consultado em 11 de Maio de 2018 Prefeitura de Pelotas? Rosa 1985, p. 60? «Clima Pelotas: Temperatura, Tempo e Dados climatológicos Pelotas - Climate-Data.org». pt.climate-data.org. Consultado em 6 de março de 2019 ? «Pelotas, Rio Grande do Sul Köppen Climate Classification (Weatherbase)». Weatherbase. Consultado em 6 de março de 2019 ? «Clima característico em Pelotas, Brasil durante o ano - Weather Spark». pt.weatherspark.com. Consultado em 6 de março de 2019 ? «Por que o mar gaúcho é gelado, fica "chocolate" e tem repuxo?». GaúchaZH. 19 de dezembro de 2014. Consultado em 6 de março de 2019 ? «IDENTIFICAÇÃO DE SINAIS DE MUDANÇAS NO REGIME DE GEADASNO RIO GRANDE DO SUL DURANTE O SÉCULO 20» (PDF). EMBRAPA. 2005 ? a b «BDMEP - série histórica - dados diários - precipitação (mm) - Pelotas». Instituto Nacional de Meteorologia. Consultado em 18 de maio de 2018 ? a b c d «NORMAIS CLIMATOLÓGICAS DO BRASIL». Instituto Nacional de Meteorologia. Consultado em 24 de março de 2018 ? «BDMEP - série histórica - dados mensais - precipitação total (mm) - Pelotas». Instituto Nacional de Meteorologia. Consultado em 18 de maio de 2018 ? a b c d «BDMEP - série histórica - dados diários - temperatura mínima (°C) - Pelotas». Instituto Nacional de Meteorologia. Consultado em 4 de abril de 2018 ? a b «BDMEP - série histórica - dados diários - temperatura máxima (°C) - Pelotas». Instituto Nacional de Meteorologia. Consultado em 4 de abril de 2018 ? «Normais Climatológicas Período: 1971/2000 (Mensal/Anual) Estação Agroclimatológica de Pelotas (Capão do Leão) - RS (Embrapa/ETB - Campus da UFPel)». CPACT-Embrapa. Consultado em 20 de julho de 2017 ? «Dados oficiais sobre temperaturas e pluviosidade do Centro de Pesquisas e Previsões Meteorológicas da Universidade Federal de Pelotas (CPPMet- UFPel) ? 1961/1990.». CPPMet-UFPel. Consultado em 8 de setembro de 2010 ? NEVE EM PELOTAS, Diário da Manhã, 09 de julho de 1994, capa.? «Nevada de 2006: Espetáculo do sul ao norte gaúcho». Metsul. 5 de setembro de 2006. Arquivado do original em 30 de junho de 2012 ? «Frente fria faz cair neve no Rio Grande do Sul» Folha de S.Paulo Online, 05 de setembro de 2008.? «Estado teve incidência de neve». Diário Popular. 4 de agosto de 2010. Cópia arquivada em 29 de julho de 2012 ? «Reforço de ar polar chega no fim de semana e prolongará o frio». Consultado em 13 de maio de 2019. Arquivado do original em 31 de março de 2016 Metsul.? «Onda de frio começa a perder força na quarta no RS». Diário do Grande ABC. 25 de setembro de 2012. Consultado em 25 de setembro de 2012. Arquivado do original em 31 de dezembro de 2012 ? «Sul do RS registra chuva com neve, diz meteorologista». G1. 5 de julho de 2019. Consultado em 5 de julho de 2019 ? Alberto, Carlos (25 de agosto de 2010). «Tempo e clima: 1931-1960: Pelotas registra temperatura de 42,0 graus no dia 01 de janeiro de 1943». Tempo e clima. Consultado em 2 de janeiro de 2019 ? Alberto, Carlos (25 de agosto de 2010). «Tempo e clima: 1931-1960: Pelotas registra temperatura de 42,0 graus no dia 01 de janeiro de 1943». Tempo e clima. Consultado em 2 de janeiro de 2019 ? «Frio intenso continua no RS e mínima chega a -4ºC em São Gabriel - Terra» visto em 09 de junho de 2012.? Reis, Osiris (9 de junho de 2012). «Termômetros em Pelotas registram recorde de -3 °C». Diário Popular. Consultado em 9 de junho de 2012. Cópia arquivada em 30 de outubro de 2012 ? a b «Temperatura cai a 0 °C, a mais baixa do ano». Diário Popular. 21 de julho de 2005. Consultado em 25 de julho de 2010. Cópia arquivada em 31 de dezembro de 2012 ? Reis, Osiris (31 de julho de 2009). «Pelotas registra a menor temperatura dos últimos 34 anos». Diário Popular. Cópia arquivada em 29 de julho de 2012 ? Diário Popular, 29 de julho de 2007, contracapa.? «Tempo histórico para Pelotas, Brasil» Weather Underground, 25 de julho de 2013.? Diário Popular, 13 de julho de 2007, contracapa.? Alberto, Carlos (25 de agosto de 2010). «Tempo e clima: 1931-1960: Pelotas registra temperatura de 42,0 graus no dia 01 de janeiro de 1943». Tempo e clima. Consultado em 2 de janeiro de 2019 ? (em inglês) Histórico para Pelotas, Brasil, Weather Underground, 10 de janeiro de 2006.? Rosa 1985, pp. 149-152? Projeto Biodiversidade RS? Rosa 1985, pp. 138-148? Rosa 1985, pp. 95-96? Rosa 1985, p. 98? Rosa 1985, p. 119-122? «Serviço Autônomo de Saneamento de Pelotas -SANEP». Consultado em 5 de maio de 2009. Arquivado do original em 1 de março de 2009 SANEP, acessada em 5 de maio de 2009.? «A ETA São Gonçalo no PAC Saneamento». Consultado em 31 de janeiro de 2010. Arquivado do original em 30 de outubro de 2012 Diário Popular, acessada em 1 de junho de 2008.? «Eventos» Laranjal Parque Hotel, acessada em 4 de maio de 2009.? «Pelotas Colonial». www.pelotascolonial.com.br. Consultado em 21 de março de 2016 ? «Ministério dos Transportes - Projeto Trens Regionais». www.transportes.gov.br. Consultado em 21 de março de 2016 ? «Assinado 1º contrato de concessão do transporte coletivo de Pelotas». Gaúcha. Consultado em 21 de março de 2016 ? «Rio Grande Virtual, Ilha dos Marinheiros». Consultado em 21 de agosto de 2016. Arquivado do original em 11 de outubro de 2007 27 de dezembro de 2007.? Carvalho, Micael (6 de outubro de 2018). «75 anos de história - IFSul comemora aniversário com atividades para a comunidade». UFPel. Em Pauta. Consultado em 17 de fevereiro de 2019 ? «Miriam homenageia o Campus Pelotas do IFSul e o Campus CAVG de Pelotas». JusBrasil. Assembleia Legislativa do Estado do Rio Grande do Sul. 2013. Consultado em 17 de fevereiro de 2019 ? «Colégio Tiradentes de Pelotas há sete anos forma cidadãos de bem». Governo do Estado do Rio Grande do Sul. 6 de setembro de 2017. Consultado em 21 de fevereiro de 2019 ? «Aulas no Colégio Pelotense estão suspensas». Pelotas 13 Horas. Consultado em 3 de novembro de 2018 ? «História». Colégio Pelotense. Consultado em 3 de novembro de 2018 ? «Cidade: Santa Casa foi fundada para atender os desvalidos». Diário Popular. 20 de junho de 2001 ? «Beneficência Portuguesa, 150 anos de serviços». Diário Popular. 17 de setembro de 2007 ? Rodrigues, Deco (26 de julho de 2011). «Museu das Coisas Banais completa um ano de atividades em Pelotas | e-cult | mídia ativa». ecult.com.br. Consultado em 14 de março de 2016 ? «Doce Folia - Carnaval de Pelotas 2009» Carnaval de Rua - Pelotas, vista em 05 de maio de 2009.? «A Fenadoce» Fenadoce, vista em 05 de maio de 2009.? «A cultura doceira» Fenadoce, vista em 05 de maio de 2009.? MATTOS, João Batista de. Os Monumentos Nacionais. Rio de Janeiro; Imprensa Militar, 1949.? «Museu da Baronesa» visto em 1 de agosto de 2009.? «O mistério subterrâneo de Pelotas» Revista de História da Biblioteca Nacional, 13 de junho de 2008.? «Claro compra a Blue,de tv a cabo e cade autoriza operação». Consultado em 30 de dezembro de 2016 ? «Cidade: Comissão de Aracati vem assinar acordo de geminação com Pelotas». Consultado em 25 de maio de 2008. Arquivado do original em 5 de fevereiro de 2009 Diário Popular, 28 de maio de 2005.? «Cidades Geminadas - Pelotas» Câmara Municipal de Aveiro.? «Cidades-irmãs de Pelotas terão espaço na Fenadoce». Consultado em 24 de dezembro de 2008. Arquivado do original em 23 de julho de 2011 Prefeitura Municipal de Pelotas, 4 de junho de 2007.? «Cidades-Irmãs Japonesas» Governo do estado do RS.? (em inglês) Antipodes Map. «Antipodes Map - Antipodal location for any map point.». Consultado em 23 de novembro de 2008. Arquivado do original em 6 de novembro de 2012
Bibliografia[editar | editar código-fonte]Rosa, Mário (1985). Geografia de Pelotas. Pelotas: Universidade Federal de Pelotas Ver também[editar | editar código-fonte]
O Commons possui imagens e outros ficheiros sobre PelotasDiocese de Pelotas
Estação de Pelotas
Feira do Livro de Pelotas
Praça Coronel Pedro Osório
Theatro Sete de Abril
Lista de municípios do Rio Grande do Sul
Lista de municípios do Rio Grande do Sul por população
Lista de municípios do Rio Grande do Sul por data de criação
Ligações externas[editar | editar código-fonte]
Website da Prefeitura (em português)
Website da Câmara Municipal (em português)
Projeto Pelotas Memória (em português)
UFPEL: Pelotas, patrimônio cultural do Rio Grande do Sul (em português)
Pelotas no WikiMapia (em português)
vde Hierarquia urbana do Brasil
Demografia do Brasil
Municípios do Brasil
vdeMetrópolesMetrópoles globais
São Paulo
Metrópoles nacionais
Brasília
Rio de Janeiro
Metrópoles regionais
Belém
Belo Horizonte
Curitiba
Fortaleza
Goiânia
Manaus
Porto Alegre
Recife
Salvador
vdeCapitais regionaisCapitais regionais A
Aracaju
Campinas
Campo Grande
Cuiabá
Florianópolis
João Pessoa
Maceió
Natal
São Luís
Teresina
Vitória
Capitais regionais B
Blumenau
Campina Grande
Cascavel
Caxias do Sul
Chapecó
Feira de Santana
Ilhéus/Itabuna
Joinville
Juiz de Fora
Londrina
Maringá
Ribeirão Preto
São José do Rio Preto
Uberlândia
Montes Claros
Palmas
Passo Fundo
Porto Velho
Santa Maria
Vitória da Conquista
Capitais regionais C
Araçatuba
Araguaína
Arapiraca
Araraquara
Barreiras
Bauru
Boa Vista
Cachoeiro de Itapemirim
Campos dos Goytacazes
Caruaru
Criciúma
Divinópolis
Dourados
Governador Valadares
Ijuí
Imperatriz
Ipatinga/Coronel Fabriciano/Timóteo
Juazeiro do Norte/Crato/Barbalha
Macapá
Marabá
Marília
Mossoró
Novo Hamburgo/São Leopoldo
Pelotas/Rio Grande
Petrolina/Juazeiro
Piracicaba
Ponta Grossa
Pouso Alegre
Presidente Prudente
Rio Branco
Santarém
Santos
São José dos Campos
Sobral
Sorocaba
Teófilo Otoni
Uberaba
Varginha
Volta Redonda/Barra Mansa
vdeCentros sub-regionaisCentros sub-regionais A
Alfenas
Anápolis
Apucarana
Bacabal
Bagé
Barbacena
Barra do Garças
Barretos
Bento Gonçalves
Botucatu
Cabo Frio
Caçador
Cáceres
Caicó
Cajazeiras
Campo Mourão
Castanhal
Catanduva
Caxias
Colatina
Crateús
Erechim
Floriano
Foz do Iguaçu
Franca
Francisco Beltrão
Garanhuns
Guanambi
Guarabira
Guarapuava
Iguatu
Irecê
Itajaí
Itaperuna
Itumbiara
Jacobina
Jaú
Jequié
Ji-Paraná
Joaçaba
Lages
Lajeado
Lavras
Limeira
Macaé
Manhuaçu
Muriaé
Nova Friburgo
Ourinhos
Paranaguá
Paranavaí
Parnaíba
Passos
Pato Branco
Patos
Patos de Minas
Pau dos Ferros
Paulo Afonso
Picos
Pinheiro
Poços de Caldas
Ponte Nova
Quixadá
Redenção
Rio Claro
Rio do Sul
Rio Verde
Rondonópolis
Santa Cruz do Sul
Santa Inês
Santa Rosa
Santo Ângelo
Santo Antônio de Jesus
São Carlos
São João da Boa Vista
São Mateus
Serra Talhada
Sinop
Sousa
Teixeira de Freitas
Toledo
Tubarão
Ubá
Umuarama
Uruguaiana
Centros sub-regionais B
Abaetetuba
Assu
Afogados da Ingazeira
Alagoinhas
Altamira
Andradina
Angra dos Reis
Araranguá
Araras
Araripina
Arcoverde
Ariquemes
Assis
Avaré
Balneário Camboriú
Balsas
Bom Jesus da Lapa
Bragança
Bragança Paulista
Breves
Brumado
Brusque
Cacoal
Cametá
Campo Maior
Capanema
Caratinga
Carazinho
Cataguases
Chapadinha
Cianorte
Concórdia
Conselheiro Lafaiete
Cruz Alta
Cruz das Almas
Cruzeiro do Sul
Currais Novos
Eunápolis
Frederico Westphalen
Guaratinguetá
Gurupi
Itabaiana
Itaberaba
Itaituba
Itajubá
Itapetininga
Itapeva
Itapipoca
Itaporanga
Ituiutaba
Ivaiporã
Janaúba
Linhares
Mafra
Palmares
Paragominas
Parintins
Pedreiras
Presidente Dutra
Registro
Resende
Ribeira do Pombal
Santana do Ipanema
Santo Antônio da Platina
São João del-Rei
São Lourenço
São Miguel do Oeste
São Raimundo Nonato
Senhor do Bonfim
Tefé
Teresópolis
Tucuruí
União da Vitória
Valença
Viçosa
Videira
Vilhena
Vitória de Santo Antão
Xanxerê
vdeCentros de zonaCentros de zona A
Acaraú
Açailândia
Adamantina
Além Paraíba
Almeirim
Almenara
Alta Floresta
Amparo
Aquidauana
Aracati
Aracruz
Araçuaí
Arapongas
Araxá
Assis Chateubriand
Barra do Corda
Barreiros
Bebedouro
Belo Jardim
Birigui
Bom Jesus
Caçapava do Sul
Cachoeira do Sul
Caetité
Caldas Novas
Camacan
Camaquã
Campo Belo
Campos Novos
Canindé
Canoinhas
Capelinha
Carangola
Carpina
Catalão
Catolé do Rocha
Caxambu
Ceres
Cerro Largo
Codó
Colinas do Tocantins
Conceição do Araguaia
Conceição do Coité
Cornélio Procópio
Corumbá
Corrente
Cruzeiro
Curitibanos
Cururupu
Curvelo
Diamantina
Diamantino
Dianópolis
Dois Vizinhos
Dracena
Encantado
Esperantina
Estância
Estrela
Fernandópolis
Formiga
Frutal
Governador Nunes Freire
Goiana
Goiás
Guanhães
Guaporé
Guaraí
Guaxupé
Ibaiti
Ibirubá
Icó
Imbituba
Ipiaú
Iporá
Irati
Itabaiana
Itabira
Itacoatiara
Itamaraju
Itapetinga
Ituverava
Jacarezinho
Jales
Jandaia do Sul
Januária
Jaru
Jataí
João Câmara
João Monlevade
Juína
Jundiaí
Lagarto
Lagoa Vermelha
Laranjeiras do Sul
Limoeiro
Limoeiro do Norte
Lins
Loanda
Macau
Macaúbas
Mamanguape
Marau
Maravilha
Marechal Cândido Rondon
Medianeira
Mineiros
Mirassol d'Oeste
Mogi Guaçu
Monteiro
Montenegro
Morrinhos
Mundo Novo
Naviraí
Nossa Senhora da Glória
Nova Andradina
Nova Prata
Nova Venécia
Oeiras
Olímpia
Osório
Ouricuri
Palmas
Palmeira das Missões
Palmeira dos Índios
Pará de Minas
Paraíso do Tocantins
Parauapebas
Patrocínio
Penápolis
Penedo
Pesqueira
Pinhalzinho
Pirapora
Pires do Rio
Piripiri
Pombal
Ponta Porã
Porangatu
Porto Nacional
Porto Seguro
Primavera do Leste
Propriá
Quirinópolis
Rolim de Moura
Russas
Salgueiro
Salinas
Santa Fé do Sul
Santa Inês
Santa Maria da Vitória
Santo Antônio de Pádua
Santiago
São Bento do Sul
São Borja
São Félix do Araguaia
São Gabriel
São Jerônimo
São José do Rio Pardo
São Luís de Montes Belos
São Luiz Gonzaga
São Miguel dos Campos
Sarandi
Seabra
Serrinha
Soledade
Sorriso
Surubim
Tabatinga
Taquara
Tatuí
Telêmaco Borba
Tijucas
Timbaúba
Timbó
Tocantinópolis
Torres
Três Corações
Três de Maio
Três Lagoas
Três Passos
Três Rios
Tupã
Unaí
União dos Palmares
Uruaçu
Vacaria
Venâncio Aires
Votuporanga
Xique-Xique
Centros de zona B
Abaeté
Abelardo Luz
Abre Campo
Afonso Cláudio
Água Boa
Água Branca
Águas Formosas
Aimorés
Alegrete
Alexandria
Alto Araguaia
Alto Longá
Alto Parnaíba
Amambai
Amarante
Amargosa
Andirá
Andradas
Anicuns
Anísio de Abreu
Aparecida
Apiaí
Apodi
Araguaçu
Araguari
Araguatins
Araioses
Araputanga
Arara
Araruama
Araruna
Arcos
Arinos
Arroio do Meio
Arvorezinha
Auriflama
Avelino Lopes
Baependi
Bambuí
Bariri
Barra
Barra Bonita
Barra de São Francisco
Barra do Bugres
Barras
Barracão
Bataguassu
Batalha
Bela Vista
Belém do São Francisco
Bicas
Boa Esperança
Boa Vista do Buricá
Bom Jardim de Minas
Bom Jesus do Itabapoana
Boquira
Braço do Norte
Brasileia
Brejo Santo
Buritis
Caculé
Camapuã
Cambuí
Camocim
Campina da Lagoa
Campo Novo do Parecis
Campos Altos
Campos Belos
Canguaretama
Canindé de São Francisco
Canto do Buriti
Capanema
Capão da Canoa
Capim Grosso
Capinzal
Capitão Poço
Capivari
Caracol
Carauari
Carmo do Paranaíba
Carutapera
Casca
Cassilândia
Castelo
Castelo do Piauí
Cerejeiras
Chapadão do Sul
Chopinzinho
Cícero Dantas
Coelho Neto
Colíder
Colinas
Coluna
Comodoro
Confresa
Congonhas
Constantina
Coronel Vivida
Coxim
Cristal do Sul
Crixás
Cruz
Cruzília
Curimatá
Delmiro Gouveia
Desterro
Dores do Indaiá
Entre Rios de Minas
Esperantinópolis
Espírito Santo do Pinhal
Espumoso
Euclides da Cunha
Eirunepé
Extrema
Fátima
Faxinal
Floresta
Fortaleza dos Nogueiras
Fronteiras
Gandu
Garça
Garibaldi
General Salgado
Getúlio Vargas
Gilbués
Goianésia
Goiatuba
Goioerê
Grajaú
Guaíra
Guajará-Mirim
Guaraciaba do Norte
Guararapes
Horizontina
Ibicaraí
Ibirama
Ibotirama
Ilha Solteira
Indaial
Inhumas
Ipanema
Ipu
Iracema
Itaberaí
Itacarambi
Itamonte
Itaocara
Itapaci
Itapajé
Itapiranga
Itápolis
Itapuranga
Itaqui
Itararé
Itaúna
Ituporanga
Iturama
Jaciara
Jacutinga
Jaguaquara
Jaguariaíva
Jaguaribe
Jaicós
Jardim
Joaíma
João Pinheiro
Juara
Jussara
Lábrea
Lago da Pedra
Lagoa da Prata
Lambari
Leme
Leopoldina
Livramento de Nossa Senhora
Lorena
Lucas do Rio Verde
Lucélia
Luzilândia
Machado
Malacacheta
Manga
Mantena
Maracaçumé
Matão
Matinhos
Miranda
Miracema do Tocantins
Mirinzal
Mococa
Monte Alegre
Monte Alto
Monte Aprazível
Monte Carmelo
Mostardas
Muçum
Nanuque
Natividade
Nazaré
Neópolis
Niquelândia
Nonoai
Nossa Senhora das Dores
Nova Londrina
Nova Mutum
Nova Petrópolis
Oliveira
Orlândia
Osvaldo Cruz
Olho d'Água das Flores
Ouro Fino
Ouro Preto do Oeste
Palmeira
Palmeira d'Oeste
Palmeirópolis
Pão de Açúcar
Paracatu
Paraguaçu Paulista
Paraisópolis
Paramirim
Paranacity
Paranaíba
Parelhas
Passa-e-Fica
Patu
Paulistana
Peçanha
Pedra Azul
Pedro II
Pedro Afonso
Peixoto de Azevedo
Piancó
Pinheiro Machado
Pio XII
Piraju
Piracuruca
Pitanga
Pitangui
Piumhi
Poções
Ponte Serrada
Pontes e Lacerda
Porteirinha
Porto Calvo
Porto União
Posse
Presidente Epitácio
Presidente Getúlio
Presidente Juscelino
Presidente Venceslau
Princesa Isabel
Prudentópolis
Quatis
Quedas do Iguaçu
Rancharia
Resplendor
Riachão do Jacuípe
Rio Bonito
Rio Negro
Rio Pomba
Rio Real
Rodeio Bonito
Roncador
Rubiataba
Salto do Jacuí
Salvador do Sul
Sananduva
Sanclerlândia
Santa Bárbara
Santa Cruz
Santa Cruz da Baixa Verde
Santa Cruz do Rio Pardo
Santa Filomena
Santa Helena
Santa Luzia
Santa Luzia do Paruá
Santa Maria do Suaçuí
Santa Vitória do Palmar
Santana
Santana do Livramento
Santo Antônio
Santo Antônio da Patrulha
Santo Augusto
Santos Dumont
São Bento (Maranhão)
São Bento (Paraíba)
São Benedito
São Domingos
São Francisco
São Gabriel da Palha
São Gotardo
São João Batista
São João do Ivaí
São João do Piauí
São João dos Patos
São João Nepomuceno
São Joaquim da Barra
São José do Cedro
São José do Egito
São João do Rio do Peixe
São João Evangelista
São José do Cedro
São Lourenço do Oeste
São Mateus do Sul
São Miguel
São Miguel do Araguaia
São Miguel do Tapuio
São Paulo do Potengi
São Sebastião
São Sebastião do Caí
São Valentim
São Vicente Férrer
Sapé
Seara
Sena Madureira
Senador Pompeu
Serafina Corrêa
Serra Dourada
Serro
Simões
Simplício Mendes
Sinimbu
Siqueira Campos
Sobradinho
Sombrio
Sumé
Tabira
Taguatinga
Taió
Taiobeiras
Tangará
Tapejara
Tapes
Taquaritinga
Tarauacá
Tauá
Tenente Portela
Terra Nova do Norte
Teutônia
Tietê
Tramandaí
Três Pontas
Tucumã
Tucunduva
Turmalina
Tutóia
Uiraúna
Umarizal
União
Uruçuí
Valença
Valença do Piauí
Valente
Várzea da Palma
Vazante
Venda Nova do Imigrante
Veranópolis
Viana
Vigia
Vila Rica
Virginópolis
Visconde do Rio Branco
Vitorino Freire
Xaxim
Xinguara
Wenceslau Braz
Zé Doca
Referências: Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Regiões de Influência das Cidades 2007 (10 de outubro de 2008), [1] Configuração da Rede Urbana do Brasil (junho de 2001)
vde Rio Grande do Sul Portal ? Geografia, Política, Cultura, EsportesCapitalPorto AlegreDivisão regional vigente (desde 2017)Regiões geográficas intermediárias e imediatasDivisão regional extinta (vigente até 2017)Mesorregiões e microrregiõesRegiões Metropolitanas e RIDEsPorto Alegre ? Serra GaúchaAglomerações UrbanasSul ? Litoral NorteMais de 300.000 habitantesPorto Alegre ? Caxias do Sul ? Pelotas ? CanoasMais de 200.000 habitantesSanta Maria ? Gravataí ? Viamão ? Novo Hamburgo ? São Leopoldo ? Rio Grande ? AlvoradaMais de 100.000 habitantesPasso Fundo ? Uruguaiana ? Sapucaia do Sul ? Santa Cruz do Sul ? Bagé ? Cachoeirinha ? Bento Gonçalves ? ErechimSul, Brasil
vdeAglomeração urbana do SulArroio do Padre * Capão do Leão * Pelotas * Rio Grande * São José do Norte Rio Grande do Sul, Brasil
Portal do Brasil Portal do Rio Grande do Sul
Controle de autoridade
: Q109188
WorldCat
VIAF: 124357657
EBID: ID
GEC: 0049839
GND: 4560952-4
LCCN: n82087203
OSM: 361756
MusicBrainz: ID
GeoNames: 3454244