criar site 1 centavo em Sítio Novo

Encontre criar site 1 centavo em Sítio Novo na Web4business - Desenvolvimento de Sistemas e Sites Personalizados.

Criar

Dar existência a.
Originar.
Inventar.
Gerar; produzir: _criou muitos filhos_.
Instituir, fundar: _criar asilos_.
Amamentar.
Educar.
Promover a procriação de: _criar gado_.
Cultivar.
Adquirir.


Criar

Encher-se de pus (uma ferida), resultante de picada: _tenho um dedo a criar_.


Criar

Ter dinheiro.


Criar

Afagar, acarinhar.


Centavo

Centésima parte: centésimo.


Centavo

Moeda portuguesa, que é a centésima parte de um escudo e correspondente a 10 reis do anterior sistema monetário.


Sítio Novo

Esta página cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo (desde junho de 2017). Ajude a inserir referências. Conteúdo não verificável poderá ser removido.?Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico) Este artigo ou secção contém fontes no fim do texto, mas que não são citadas no corpo do artigo, o que compromete a confiabilidade das informações (desde setembro de 2014). Ajude a melhorar este artigo inserindo fontes. Esta página ou seção precisa ser wikificada (desde setembro de 2014).Por favor ajude a formatar esta página de acordo com as diretrizes estabelecidas.Sítios Novos é um distrito do município de Caucaia, Ceará, criado e anexado ao então município de Soure pelo Ato Estadual de 14-03-1904. Anos depois, é criado o distrito de Catuana com parte de suas terras, porém sob a mesma lei, Lei Estadual n.º 1.153, de 22-11-1951, é extinto o distrito de Cauípe, sendo seu território anexado ao distrito de Sítios Novos. Pela Lei Estadual n.º 6.750, de 05-11-1963, o distrito de Sítios Novos é desmembrado do município de Caucaia e elevado à categoria de município. Depois de algumas mudanças administrativas de Caucaia, estabeleceu- se a divisão territorial datada de 1991, sendo o município de Caucaia constituído de 8 distritos: Caucaia(Sede), Bom Princípio, Catuana, Guararu, Jurema, Mirambé, Sítios Novos e Tucunduba. Assim permanecendo em divisão territorial datada de 2005.[1]
Índice1 Organização administrativa1.1 Bairros do distrito
1.2 Assentamentos
2 Características Ambientais2.1 Recursos Hídricos dos Sítios Novos
3 Personalidades
4 Notas
5 ReferênciasOrganização administrativa[editar | editar código-fonte]
Bairros do distrito[editar | editar código-fonte]
Atualmente, o distrito de Sítios Novos abriga os seguintes bairros: Sítios Novos (Centro) Lagoa da Serra, Capine, Lavras, Capim Grosso, Salgadinho, Queimadas, Buíque.
Sítios Novos também abriga vários assentamentos,como Lagoa da Serra (Três lagoas), Santa Bárbara (Capine), Leni Paz, Buíque e Agrovila. Todas nas proximidades do Açude Sítios Novos.Assentamentos[editar | editar código-fonte]
Assentamento Santa BárbaraO assentamento Santa Barbara abriga cerca de 130 famílias, numa média atual de 513 pessoas.
Assentamento Leni Paz Assentamento Lagoa da SerraCaracterísticas Ambientais[editar | editar código-fonte]
A bacia hidrográfica do Açude Sitíos Novos ,dentro do perímetro metropolitano de Fortaleza.Recursos Hídricos dos Sítios Novos[editar | editar código-fonte]
A bacia hidrográfica do açude Sitíos Novos,com 446 km2 de área drenada,está localizada nas proximidades da
região litorânea oeste do estado, estando inserida nos municípios de Caucaia,Pentecoste,Maranguapee Pamácia.A região
apresenta altos índices pluviométricos, cerca de 950 mm/ano, concentrados de janeiro a
maio. A temperatura varia de 26 a 30ºc e a evaporação média é de 959,5 mm (CEARÁ,
1997).A bacia apresenta, portanto, características predominantes da zona litorânea, com
cobertura vegetal típica de mangue e caatinga arbustiva densa. Os seus solos podem ser
classificados como planossolos e planossolos solódicos.
Com relação ao uso e ocupação do solo, ao longo da bacia hidrográfica são
cultivados feijão, milho e mandioca, inclusive utilizando-se das várzeas. abrangendo uma população total de 380.803 pessoas, conforme o Censo Demográfico de 2000 - Desenhos 1 e 2.
O referido açude barra o rio São Gonçalo e é composto por uma barragem de terra
zoneada, localizada nas coordenadas geográficas 504.706 E e 9.583.427 N. Possui área de
espelho d?água de 2.010 hectares e capacidade de armazenamento de 126 milhões de
metros cúbicos (CEARÁ, 2007).USOS E FONTES DE POLUIÇÃO NA BACIA HIDROGRÁFICA
Nas proximidades do açude Sítios Novos, o rio São Gonçalo tem sua mata ciliar
composta, predominantemente, de caatinga arbustiva avançando até suas margens.
Constatou-se, no entanto, grandes manchas e áreas antropizadas a montante do
reservatório. A faixa de proteção do açude apresenta-se, de modo geral, preservada, sendo que as áreas degradadas mais significativas observadas se encontram no trecho final do reservatório e, imediatamente a jusante, a mata ciliar do rio foi substituída, por alguns quilômetros, por áreas de cultivos agrícolas.
A montante do açude Sítios Novos se encontram os açudes Itapebussu e Amanari,
que regularizam 0,1 e 0,2 m3/s, respectivamente, representando apenas um pequeno
incremento na vazão do Sistema Sítios Novos (CEARÁ, 2001)
Na bacia hidrográfica do açude foram identificados os seguintes usos:Presença de fossas rudimentares ao longo dos trechos próximos de montante, indicando contribuição para os riachos que fluem para o açude;
No entorno, na área do Assentamento Lagoa da Serra, áreas desmatadas para plantações de culturas de subsistência;
Quatro barramentos ao longo do rio São Gonçalo, sendo o primeiro no distrito de Itapebussu.
Personalidades[editar | editar código-fonte]
Neco MartinsNascido em Sítios Novos ( Caucaia), em 1865, filho de fazendeiro, casou com uma professora, dona Filomena Brígido, e se mudou para São Gonçalo do Amarante, do qual é uma espécie de fundador, juntamente com seu compadre José Procópio Alcântara.
A região era ocupada desde o século XVIII, quando foi construída a igreja do Siupé e o clã dos Praibas passou a dominar a área. Neco, ajudou a construir a matriz do povoado, em 1898, do qual ainda hoje resta uma parede original, depois de tantas reformas, e seu sobrado, misto de casa e armazém.
Rico e poderoso
Neco fez fortuna com o algodão, quando aumentaram as exportações e o produto ganhou importância no mercado europeu, nas últimas décadas do século XIX.. Comprava o algodão da região que era beneficiado na usina de seu amigo Alcântara. Seu armazém era uma referência e como era dono das terras autorizava que outros se fixassem nela, desde que leais a ele. Era um coronel à moda antiga, um homem alto, que falava aos sopapos, de paz, desde que não mexessem com ele, e padrinho de muita gente.
Liderança política, Neco teria se envolvido na morte do coronel Correia, de Caucaia, morto numa emboscada junto às pontes que separavam a então Soure da capital, de onde ele vinha a cavalo, com um neto que fugiu para pedir socorro.
A história, nunca esclarecida, envolvia a queda da oligarquia Acioli ( 1911), de quem Correia era partidário. O certo é que ele vagou um tempo, clandestino, apagando marcas, se arranchando nas casas dos seus compadres, até se apresentar em Caucaia, e obter autorização para voltar para São Gonçalo.
A formação
De poucas letras, Neco se inscreveu na história da cantoria de forma atípica, como alguém das elites ( econômica e política) que dominou um código que a partir de um certo instante passou a ser das camadas subalternas.
Seu canto deve trazer influências das canções de ninar de suas amas de leite, da fazenda em Sítios Novos, onde nasceu na véspera da festa de Santa Luzia, dia de colocar seis pedras de sal no peitoril da janela para saber se vai chover no dia seguinte.
Vale ressaltar que o Ceará viveu um longo período de mais de quarenta anos sem secas no século XIX, o que fortalecia os negócios com agricultura e pastoreio.
Neco também deve ter ouvido o torém, dança ritual dos Tremembé, donos de parte do litoral oeste do Ceará, ter brincado de Moura Torta, Dona Sancha, e outras heranças ibéricas, e na biblioteca de dona Filomena é provável que estivessem livros de Carlos Magno, os românticos brasileiros e, quem sabe, um Juvenal Galeno, que lançou suas Lendas e Canções Populares no mesmo ano do nascimento do menino Manoel.
Esse sincretismo foi o caldo cultural que gerou Neco, amplificou sua voz e fez dele um intérprete da cantoria em seus tempos primordiais, o que hoje se chama pé de parede.
Herança
Dona Filomena conseguiu que Neco deixasse de cantar, mas, tarde demais, ele já tinha deixado sua marca, e por isso ainda hoje ele é lembrado. A decisão foi tão drástica que ninguém da família sabe onde foi parar sua viola.
Um de seus filhos, Eretides, herdou o dom do pai. Participava de cantorias, compôs poemas que falavam de bois e patrocinou um festival de violeiros em sua fazenda, objeto de matéria da revista O Cruzeiro, dos Diários Associados.
Eleito deputado estadual, em 1947, Eretides utilizava a cantoria em suas campanhas políticas. Foi candidato a prefeito de Fortaleza, em 1950, derrotado pelo radialista Paulo Cabral de Araújo, não conseguiu se eleger nas eleições de 1954 e 1958.
Uma de suas preocupações foi restabelecer o nome do município, que havia sido trocado para Anacetaba, quando da redivisão territorial promovida no período getulista.
Com a morte de dona Filomena, ele ficou macambúzio, envelhecia e não era mais o coronel de antes. Todos os dias ia dava uma volta pela cidade e diziam que ia ao cemitério rever a amada e companheira de tantos anos e tantos embates.
Morreu, prosaicamente, de uma infecção intestinal, em 1940, mesmo ano em que São Gonçalo passava a ser definitivamente município ( antes a sede se revezava com Paracuru), morte pouco heróica para um homem que ficou famoso pelo toque da viola, mas também pela valentia e pelo arrojo de fazer de São Gonçalo a sua cidade em louvor ao santo violeiro.[2]NotasReferências? http://cidades.ibge.gov.br/xtras/perfil.php?lang=&codmun=230370&search=ceara%7Ccaucaia? http://diariodonordeste.verdesmares.com.br/cadernos/caderno-3/neco-martins-o-violeiro-de-sao-goncalo-1.277918