empresas de sistema em Independência

Encontre empresas de sistema em Independência na Web4business - Desenvolvimento de Sistemas e Sites Personalizados.

Sistema

Conjunto de partes, coordenadas entre si.
Conjunto de partes similares.
Forma de governo ou constituição política ou social de um Estado: _sistema republicano_.
Combinação de partes, por forma que concorram para certo resultado.
Plano.
Modo de coordenar as noções particulares de uma arte, ciência, etc.
Modo, hábito, uso: _o meu sistema de vida_.
Método.
Conjunto de leis ou de princípios, que regulam certa ordem de fenómenos: _o nosso sistema planetário_.
Conjunto de intervalos musicais elementares, compreendidos entre os dois limites sonoros extremos, apreciáveis ao ouvido.


Independência

Este artigo ou secção não cita fontes confiáveis e independentes (desde janeiro de 2013). Ajude a inserir referências.O conteúdo não verificável pode ser removido.?Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico) Nota: Para outros significados, veja Independência (desambiguação).
Política
Poderes
Executivo
Judiciário
Legislativo
ModeradorFormas de governo
Anarquia
Despotismo
Estratocracia
Monarquia
RepúblicaRegimes e sistemas
Parlamentarismo
Presidencialismo
Democracia
Democracia direta
Democracia semidireta
Democracia representativa
Ditadura
Absolutismo
Autoritarismo
Regência
TotalitarismoTipos de poder
Aristocracia
Autocracia
Burocracia
Demagogia
Cleptocracia
Clerocracia
Corporativismo
Corporocracia
Meritocracia
Minarquia
Oclocracia
Oligarquia
Plutocracia
Politeia
Sociocracia
Sofocracia
Tecnocracia
Teocracia
Timocracia
Caudilhismo
Coronelismo
Nepotismo
Fisiologismo
Junta MilitarClasses de estado
Colónia
Confederação
Federação
Império
Principado
Protetorado
Reino
RepúblicaConceitos
Ativismo
Sufrágio
Congresso
Corrupção
Doutrina
Estado
Governo
Hegemonia
Ideologia
Legislatura
Liberdade
Nação
Partido
Pátria
Parlamento
Regionalismo
SoberaniaProcessos
Eleições
Golpe de Estado
Revolução
Independência
Plebiscito
Referendo
Protesto
Repressão
Purga
Lobby
Intervenção
ImpeachmentDivisões administrativas
Concelho
Condado
Departamento
Estado
Distrito
Município
Província
FreguesiaCargos
Burgomestre
Capitão-regente
Chanceler
Deputado
Ditador
Governador
Grão-duque
Imperador
Intendente
Ministro
Prefeito
Presidente
Primeiro-ministro
Príncipe
Rei
Secretário
Senador
Sultão
VereadorDisciplinas
Ciência política
Diplomacia
Filosofia política
Geopolítica
História política
Metapolítica
Política internacional
Ciência políticaEspectro político
Esquerda
Centro
DireitaIdeologias
Anarquismo
Comunismo
Fascismo
Nazismo
Neonazismo
Sionismo
Nacionalismo
Liberalismo
Libertarismo
Populismo
Esquerdismo
Social-democracia
Socialismo
Trabalhismo
Estadismo
Ultranacionalismo
Democracia cristãAtitudes
Abstenção
Amnistia
Bipartidarismo
Chauvinismo
Clandestinidade
Clientelismo
Coletivismo
Colonialismo
Conservadorismo
Desobediência civil
Dissidência
Elitismo
Imperialismo
Neoimperialismo
Intervencionismo
Isolacionismo
Nacionalismo
Oposicionismo
Pacifismo
Pluripartidarismo
Radicalismo
Resistência
Multiculturalismo
Sectarismo
Separatismo
Secularismo
Subversão
Terrorismo
Tradicionalismo
UnipartidarismoPortal ? Categoriavde
Independência é a desassociação de um ser em relação a outro, do qual dependia ou era por ele dominado. É o estado de quem ou do que tem liberdade ou autonomia.Antónimo de dependência (neste verbete, ver a Teoria da Dependência).
Em Política, o conceito de independência de um país ou território é a conquista e manutenção da sua soberania política e econômica, que pode ser absoluta ou relativa.
A independência absoluta diz respeito aos estados que possuem integral governo de seus atos, no plano interno, regido ou não pelo Estado de Direito. Diz-se relativa a Independência quando o ente goza de determinadas competências que lhe são exclusivas, e que devem ser respeitadas pelo ente hierarquicamente superior (por exemplo: o estado ou província, em relação aos municípios), ou em casos excepcionais, os Estados sob intervenção internacional (exemplo: o Haiti sob intervenção da ONU).
Interdependência - Também há de se falar, na acepção política, da "independência" dos Três Poderes (Executivo, Legislativo e Judiciário). Como neste caso a autonomia administrativa dos entes importa num relacionamento institucional harmônico, fala-se em "Interdependência".Índice1 Independência de Portugal
2 Independência do Brasil
3 Movimentos contemporâneos por independência
4 Continentes
5 Ver tambémIndependência de Portugal[editar | editar código-fonte]
Ver artigo principal: Independência de Portugal
Parte de uma série sobre a
História de Portugal

Portugal na pré-HistóriaHistória Antiga
Povos ibéricos pré-romanos
Romanização (Lusitânia e Galécia)
Reinos germânicos (Suevo e Visigótico)
Domínio árabeDomínio Cristão
Reconquista
Condado PortucalenseFormação do Reino de Portugal (1139-1385)
Independência de Portugal
Dinastia de Borgonha
Crise de 1383-1385Consolidação e Expansão (1385-1580)
Dinastia de Avis
Descobrimentos
Império Português
Crise sucessória de 1580União Ibérica (1580-1640)
União Ibérica
Dinastia Filipina
Restauração da IndependênciaRestauração, Invasões e Liberalismo (1640-1820)
Dinastia de Bragança
Invasões Napoleónicas
Revolução Liberal de 1820Monarquia Constitucional (1820-1910)
Monarquia Constitucional Portuguesa
Guerras Liberais
Regeneração
Regicídio de 1908Instauração da República
Revolução de 5 de Outubro de 1910
I RepúblicaDitadura (1926-1974)
Revolução de 28 de Maio de 1926
Ditadura militar e nacional
Estado Novo
Guerra do UltramarDemocracia (1974-)
Revolução dos Cravos
Processo Revolucionário em Curso
III República
Temáticas
Arquitectura | Arte | Economia | Militar HistoriografiaPortal Portugal
vde Primeira bandeira de Portugal, a de D. Afonso Henriques.
Se rápida foi a conquista romana da Península ibérica, a reconquista pelos visigodos foi francamente mais lenta. Este processo gradual originou o nascimento de pequenos reinos que iam sendo alargados à medida que a Reconquista era bem sucedida. Primeiro, o Reino das Astúrias, que viria a dividir-se entre os filhos de Afonso III das Astúrias quando morreu. Assim nasciam os reinos de Leão e Castela e, mais tarde, de Navarra e Aragão e da Galiza, sendo que este compreendia já as terras de Portucale, que correspondia mais ou menos os territórios que hoje fazem parte de Portugal, até à cidade de Coimbra.
Afonso VI de Leão e Castela, (autodenominado Imperador de toda a Espanha), entregou por mérito a um cruzado o governo do Reino da Galiza ao Conde Raimundo, juntamente com a sua filha Urraca para que estes formassem uma aliança. A partir daí, as chamadas terras de Portucale passam a ser um Condado (Condado Portucalense) dependente do Reino da Galiza, que por sua vez prestava vassalagem a Afonso VI de Leão e Castela, Imperador de toda a Hispânia Cristã.
Alguns anos mais tarde, em 1096, descontente com as políticas bélicas de Raimundo, Afonso VI entrega o governo do Condado Portucalense ao primo de Raimundo, Rei do Reino da Galiza, o Conde D. Henrique de Borgonha, juntamente com a sua outra filha, D. Teresa, passando assim a ser Conde de Portucale. Na prática, o Condado Portucalense deixava de ser dependente do Reino de Galiza, para prestar vassalagem directamente ao Reino de Leão, o que provocou um grande descontentamento entre a nobreza galega.
Deste condado, nasceria o reino de Portugal. D. Henrique governou no sentido de conseguir uma completa autonomia para o seu condado e deixou uma terra portucalense muito mais livre do que aquela que recebera. Aquando a morte de D. Henrique (1112), sucede-lhe a viúva deste, D. Teresa, no governo do condado durante a menoridade do seu filho Afonso Henriques. Inicialmente, o pensamento de D. Teresa foi idêntico ao do seu marido: fortalecer a vida portucalense, conseguir a independência para o condado. D. Teresa começou (1121) a intitular-se «Rainha», mas os muitos conflitos diplomáticos e a influência que concedeu a alguns nobres galegos (principalmente a Fernão Peres) na gerência dos negócios públicos prejudicou o seu esforço de tal maneira a que D. Teresa foi obrigada a abdicar das suas pretensões, e mudar de política. Por esta altura, D. Teresa planeava uma união com a poderosa família galega dos Trava, unindo assim novamente o Condado Portucalense ao Reino de Galiza, inviabilizando toda e qualquer aspiração portuguesa à independência.
Aos catorze anos de idade (1125), o jovem Afonso Henriques, com o apoio da nobreza portuguesa, arma-se a si próprio cavaleiro ? segundo o costume dos reis ? tornando-se assim guerreiro independente. A posição de favoritismo em relação aos nobres galegos e a indiferença para com os fidalgos e eclesiásticos portucalenses por parte de sua mãe, D. Teresa, originou a revolta destes, sob chefia do seu filho, D. Afonso Henriques.
A luta entre D. Afonso Henriques e sua mãe desenrola-se, até que a 24 de Junho de 1128 se trava a Batalha de São Mamede (Guimarães) e D. Teresa é expulsa da terra que dirigira durante 15 anos. Uma vez vencida, D. Afonso Henriques toma conta do condado, declarando-o reino independente, dado que ele era neto de Afonso VI, Imperador de toda a Hispânia, passando a assinar todos os documentos oficiais não como Conde, mas sim como Rei.
Continuou, no entanto, a lutar contra as forças de Afonso VII de Leão e Castela (inconformado com a perda das terras portuguesas, pois à semelhança de sei pai, Afonso VI, ele também se intitulava como Imperador), enquanto paralelamente travava lutas contra os muçulmanos. Em 1139, depois de uma estrondosa vitória na batalha de Ourique contra um forte contingente mouro, D. Afonso Henriques afirma-se como Rei de Portugal, e com o apoio dos chefes portugueses, é aclamado como Rei soberano.
Nascia, pois, em 1139, o Reino de Portugal e sua primeira dinastia, com o Rei Afonso I de Portugal (D. Afonso Henriques). Só a 5 de Outubro de 1143 é reconhecida independência de Portugal pelo rei Afonso VII de Castela, no Tratado de Zamora, assinando-se a paz definitiva. Desde então, D. Afonso Henriques (Afonso I) procurou consolidar a independência por si declarada. Fez importantes doações à Igreja e fundou diversos Conventos. Dirigiu-se ao Papa Inocêncio II e declarou Portugal tributário da Santa Sé, tendo reclamado para a nova monarquia a protecção pontifícia. Em 1179 o Papa Alexandre III, através da Bula Manifestis Probatum, reconhece a existência de Portugal como país independente e vassalo da Igreja Católica Apostólica Romana.
Na continuação das conquistas procurou também terreno ao sul, povoado, até então, por mouros e, após ver malograda a primeira tentativa de conquistar Lisboa em 1142, feito que só conseguiu realizar em 24 de Outubro do mesmo ano, após conquistar Santarém no dia 15 de Março com o auxílio de uma poderosa esquadra com 160 navios, e um contingente de 12 a 13 mil cruzados que se dirigiam para a Terra Santa.Independência do Brasil[editar | editar código-fonte]
Ver artigo principal: Independência do Brasil
A conquista da independência do Brasil é, na verdade, um processo bem amplo, que começa realmente com o enfraquecimento do sistema colonial (vide: Inconfidência Mineira e Conjuração Baiana), cresceu com a chegada da Corte portuguesa ao Brasil (1808) e só termina em 1824, com a adoção da primeira Constituição brasileira, após muitas batalhas em que morreram brasileiros e portugueses, na Bahia, Piauí e Pará.Movimentos contemporâneos por independência[editar | editar código-fonte]
Vários movimentos políticos e sociais reivindicam a autonomia de territórios ou nações, atualmente sob domínio de outros. Alguns optam pela via pacífica e diplomática para fazer valer suas exigências. Outros, no entanto, apelam para luta armada e até terrorismo.
Nesta situação encontram-se nações como a Irlanda do Norte em relação ao Reino Unido; o País Basco, em relação à Espanha e França; o Tibete, face à República Popular da China; algumas repúblicas oriundas da União Soviética; a Armênia diante da Turquia, Iraque e Rússia, dentre outros.
Maior conflito europeu depois da Segunda Guerra Mundial, a Independência das ex-repúblicas da Iugoslávia (Eslovênia, Croácia, Macedônia (atual Macedônia do Norte), Montenegro, Sérvia e Bósnia e Herzegovina) revelou o potencial explosivo ainda latente em várias partes do globo.Continentes[editar | editar código-fonte]
Tabela com o número de países independentes por continente.ContinenteImagem#Primeiro país independentePaís mais
velho
Último país independentePaís
mais
novoAmérica35Estados Unidos da América
(1776)
São Cristóvão e Nevis
(1983) Europa50São Marinho
(301)
Catalunha
(2017) África54Etiópia
(1137)
Sudão do Sul
(2013)Ásia45China
(2070 a.C)
Ver também[editar | editar código-fonte]
Lista de reivindicações de soberania
Independentismo
Portal da política