desenvolvimento e-commerce em Marília


Encontre desenvolvimento e-commerce em Marília na Web4business - Desenvolvimento de Sistemas e Sites Personalizados.

Desenvolvimento

Acto ou efeito de desenvolver.
Crescimento.
Ampliação.
Minuciosidade.

Nota: Para outros significados, veja Marília (desambiguação).Município de Marília
"Cidade Moça" "Capital Nacional do Alimento" "Cidade Amiga da Criança" "Capital da Alta Paulista"
Panorama Urbano de MaríliaBandeiraBrasãoHino
Aniversário4 de abril
Fundação1923
Emancipação4 de abril de 1929 (90 anos)
Gentílicomariliense
LemaSímbolo de amor e liberdade
Padroeiro(a)São Bento
Prefeito(a)Daniel Alonso (PSDB)(2017 – 2020)
Localização
Localização de Marília em São PauloMarília Localização de Marília no Brasil
22° 12' 50" S 49° 56' 45" O22° 12' 50" S 49° 56' 45" O
Unidade federativaSão Paulo
MesorregiãoMarília IBGE/2008[1]
MicrorregiãoMarília IBGE/2008[1]
Municípios limítrofes Norte: Getulina e Guaimbê, Júlio Mesquita; Leste: Álvaro de Carvalho, Vera Cruz e Ocauçu; Sul: Campos Novos Paulista; Oeste: Pompéia, Oriente e Echaporã
Distância até a capital438 [2] km
Características geográficas
Área1 170,054 km² [3]
DistritosAmadeu Amaral, Dirceu, Lácio, Padre Nóbrega, Avencas e Rosália.
População237 130 hab. (SP: 35º) ? IBGE/2018[4]
Densidade202,67 hab./km²
Altitude679 m
Climasubtropical Cfa
Fuso horárioUTC?3
Indicadores
IDH-M0,798 alto PNUD/2010[5]
PIBR$ 6 876 769 000,00 bi IBGE/2015[6]
PIB per capitaR$ 19 886,81 IBGE/2011[6]
Página oficial
Prefeiturawww.marilia.sp.gov.brMarília é um município brasileiro do estado de São Paulo. Situa-se na região Centro-Oeste Paulista. Fica distante da capital do estado 443 quilômetros por rodovia; 529 quilômetros por ferrovia e 376 quilômetros em linha reta. Localiza-se à latitude de -22° 12' 50" S e longitude -49º 56' 45" W, estando a uma altitude de 679 metros. Possui uma área de 1.170,054 quilômetros quadrados, dos quais 23.040 estão em zona urbana. O município é formado pela sede e pelos distritos de Amadeu Amaral, Avencas, Dirceu, Lácio, Padre Nóbrega e Rosália[7][8].
Em 2016 a Firjan classificou a cidade como a 23ª melhor do país para se viver[9]; em 2017 Marília figurou em estudo do Ipea entre as 15 cidades mais pacíficas do Brasil, em um índice que considera municípios com população superior aos 100 mil habitantes[10]; figurando também no mesmo ano em estudo produzido pela Urban Systems como a 50ª dentre as cem cidades mais conectadas e inteligentes do Brasil. [11]
O município desponta como pólo educacional paulista, contando com quatro instituições públicas de nível técnico e superior (Unesp, Famema, Univesp e Fatec) e instituições privadas como Unimar, Faef, Univem e Anhanguera.
Por conta de seu parque fabril no setor de alimentos, é comum que alguns bairros do município recebam o aroma de doces, biscoitos e chocolates por diversas vezes do dia e da noite, já que empresas como a Marilan, funcionam ininterruptamente. Diversas empresas de projeção nacional e internacional foram fundadas em Marília, como o Banco Bradesco, a Tam Linhas Aéreas, a Sasazaki, a Marilan e a Dori.
Marília possui uma expressiva comunidade nipônica, colocando-se junto à Londrina, como as maiores colônias japonesas do interior do país. A Shindo Renmei, atuante em território brasileiro durante a Segunda Guerra Mundial, foi fundada por ex-militares japoneses em Marília no ano de 1942, sua atuação marcou a história colônia japonesa no Brasil[12]. A colônia japonesa realiza anualmente uma das maiores atrações do município, o "Japan Fest", ocasião em que é eleita a Miss Nikkey da região de Marília, que é encaminhada para o concurso estadual e posteriormente nacional.
A importância do município no âmbito da colonização japonesa no Brasil, levou-o a receber duas visitas de representantes da Casa Imperial do Japão, sendo uma em 1958 (príncipe Mikasa) e uma em 2018 (princesa Mako), por ocasião dos 50 e dos 110 anos da imigração japonesa no Brasil, respectivamente; ambos fizeram o plantio simbólico de um Ipê no Paço Municipal.
O artigo 18 da lei 4468 de 1998 institui a Tabebuia Araliacea (Ipê Amarelo), como árvore símbolo de Marília, coincidindo a data da comemoração com o Dia da Árvore (21 de Setembro). Desde 1980 Marília e a japonesa Higashihiroshima são cidades-irmãs.
Dados do Conselho Regional de Corretores Imobiliários apontam que, Marília é o segundo município do interior do estado de São Paulo em número de condomínios fechados, com um total de 27 registros, ficando abaixo somente de São José do Rio Preto. [13]
Dentre as tipicidades gastronômicas de Marília destacam-se o pastel de ovo e a parmegiana de pastel, das lanchonetes Hirata e Taroco, respectivamente; os cafés América e Dona Santina; bem como a maionese caseira de alho servida em quase todas as lanchonetes da cidade.
No dia 5 de fevereiro de 2019, em votação na Alesp, Marília foi oficialmente reconhecida como município de interesse turístico, inaugurando uma nova fase em sua trajetória de desenvolvimento.[14] Um dos grandes potenciais de Marília é o seu patrimônio paleontológico, com importantes achados de fósseis de dinossauros datados de cerca de 70 milhões de anos, que atraem grande número de turistas e visitantes ao Museu de Paleontologia da cidade. Contudo, o município enfrenta dificuldades em desenvolver de modo sustentável tal atrativo. Índice1 História1.1 Pré-história
1.2 A primeira ocupação humana: os caingangues
1.3 O massacre e a espoliação das terras caingangues
1.4 1913: marco da ocupação latifundiária das terras caingangues
1.5 1923-1929: Fundação dos patrimônios e a origem de Marília
1.6 A ocupação minifundiária da Alta Paulista e Marília como capital regional
1.7 A diversificação da produção e a industrialização1.7.1 Força Expedicionária Brasileira
1.8 Industrialização e urbanização na segunda metade do século XX
1.9 Polo educacional e "Capital Nacional do Alimento"
2 Geografia2.1 Meio Ambiente
2.2 Clima
2.3 Hidrografia
3 Demografia3.1 Migrações internas3.1.1 Afro-brasileiros
3.2 Comunidades imigrantes3.2.1 Portuguesa
3.2.2 Espanhola
3.2.3 Sírio-libanesa
3.2.4 Judaica
3.2.5 Italiana
3.2.6 Japonesa
3.2.7 Chinesa e taiwanesa
3.2.8 Alemã
3.3 Composição étnica
3.4 Religião
4 Política e administração4.1 Poder executivo
4.2 Poder legislativo
4.3 Relações internacionais4.3.1 Cidades-irmãs
4.4 Bandeira municipal
5 Infraestrutura5.1 Comunicações5.1.1 Telefonia
5.2 Educação5.2.1 Ensino superior
5.3 Saúde5.3.1 Secretaria da Saúde
5.4 Transportes5.4.1 Ferroviário
5.4.2 Aéreo
5.4.3 Rodoviário5.4.3.1 Transporte Privado
5.4.3.2 Transporte público5.4.3.2.1 Urbano
5.4.3.2.2 Interurbano
5.5 Habitação5.5.1 Bairros
5.5.2 Condomínios fechados horizontais
6 Economia6.1 Empresas fundadas em Marília6.1.1 Sasazaki
6.1.2 Bradesco
6.1.3 Marilan
6.1.4 TAM
6.1.5 Intercoffe/Café América
6.1.6 Dori Alimentos
6.1.7 Grupo Kawakami
6.1.8 Bel Chocolates
6.1.9 Menin Engenharia
6.1.10 Tauste Supermercados
6.1.11 Master Chicken
6.2 Comércio6.2.1 Centros Comerciais6.2.1.1 Marília Shopping
6.2.1.2 Esmeralda Shopping
6.2.1.3 Galeria Atenas
6.2.1.4 Mercado 9 de Julho
6.2.1.5 CEAGESP - Entreposto de Marília
6.3 Marília e Região Convention & Visitors Bureau
7 Esporte7.1 Futebol
7.2 Olimpíadas
8 Cultura8.1 Patrimônio arquitetônico8.1.1 Bens tombados como patrimônio
8.2 Eventos8.2.1 Bon Odori
8.2.2 Virada Cultural
8.2.3 Japan Fest
8.2.4 Marília Afro-Fest
8.2.5 Parada da Diversidade de Marília
9 Ver também
10 Referências
11 Ligações externasHistória[editar | editar código-fonte]
Sítio paleontológico descoberto em Marília pelo pesquisador William Nava em 2009.
Reprodução digital do Mariliasuchus amarili (Crocodilo de Marília).
Pré-história[editar | editar código-fonte]
Há cerca de 70 milhões de anos, a região onde hoje fica Marília e o oeste paulista foi habitada por dinossauros e outros animais pré-históricos. Esses animais tiveram seus restos ósseos petrificados em sedimentos arenosos de primitivos rios e lagos. Com as transformações geológicas ocorridas ao longo do tempo, esses ambientes primitivos se modificaram, e os sedimentos se transformaram em rochas, conhecidas principalmente como arenitos, e os ossos se tornaram fósseis. Essas rochas são as mesmas que hoje constituem as serras e escarpas que rodeiam a cidade, como os paredões de arenito do vale do Barbosa na Via Expressa, a Serra de Avencas, o vale do Pombo, a Serra de Dirceu (adiante do aeroporto) e muitas outras. Um crocodilo primitivo da era dos dinossauros, descoberto em rochas próximas ao Rio do Peixe, sul de Marília recebeu, inclusive, o nome da cidade, sendo batizado em 1997 como Mariliasuchus amarali. Seus restos fossilizados têm permitido uma melhor compreensão acerca dos ecossistemas do passado. A cidade ganhou projeção recentemente com a descoberta e escavação de um esqueleto semiarticulado de um grande dinossauro herbívoro (titanossauro) que viveu na região entre 65 e 70 milhões de anos atrás e que ficou conhecido como "Dino Titã de Marília".[15] Por apresentar cerca de 70% dos ossos preservados, como boa parte da coluna vertebral, é considerado, até o momento, o mais completo titanossauro já encontrado no Brasil, fazendo de Marília um importante centro para estudos paleontológicos de projeção nacional.
Parte desses fósseis é hoje objeto de estudo em parceria com instituições científicas, e se encontra exposta no Museu de Paleontologia da cidade, (atualmente em reformas) que hoje é também referência nacional na área de paleontologia.A primeira ocupação humana: os caingangues[editar | editar código-fonte]
Quando da chegada do "homem branco", o estado de São Paulo era habitado por inúmeras tribos de índios. Quando a ocupação do território avançou a oeste, uma das etnias que aqui estavam eram os caingangues. Suas aldeias podiam ser encontradas numa vasta área que se situava entre as elevações da Cuesta de Botucatu e a margem esquerda do Tietê, ou na outra margem, até a região atual de Dois Córregos.
Essas aldeias caingangues agrupavam-se por identidade da língua que falavam, estando o povo caingangue dividido em: Kaingán, Weyana e Aweikoma; os três grupos referiam-se a si mesmos como caingangue, ou seja, "Gente do Mato". Além dos termos Caingangue e Kaingang, a etnia também pode ser conhecida como Kanhgág, Guayanás, Guaianás, Coroados, Bugres, Botocudos, Camés e Xoclengues, a depender da região.
Embora os Aweikoma pertençam a mesma família lingüística, possuem diferenças culturais palpáveis, o que os fez, por muito tempo, serem registrados, como grupo não-caingangue. Estes são também conhecido como Xocrés, Xoclengues e Botocudos, este último, pelo hábito que tinham de inserir pedaços de madeira no lábio inferior da boca, até que, adulto, cada indivíduo ostentasse um adorno circular enorme, o botoque.
Os kaigán e os weyanas não furavam o lábio, no entanto, havia um procedimento comum a toda essa nação indígena: a singular forma de cortar os cabelos, que lhes rendeu o apelido de coroados, por parte dos brancos.
Os grupos diferenciavam-se quanto à forma de produzir seu sustento. Os caingangues eram agricultores sedentários, mudavam menos e faziam roças ao lado das aldeias. Os aweikomas, ao contrário, eram nômades e reuniam-se em pequenos grupos de caçadores e coletores.
Tanto os nômades, quanto os sedentários resistiam à ocupação como podiam, muitos inseriam-se nas novas sociedades que multiplicavam-se, outros embrenhavam-se nas matas circunvizinhas e outros iam para muito longe. Os aweikomas, por exemplo, trasladaram-se em grande número para terras hoje pertencentes ao estado de Santa Catarina.
Os Kaingán e os Weyana que evitavam o contato, foram dispersando-se a oeste, de Bauru até a região dos vales do rio do Peixe e e do rio Feio (Aguapeí), região onde insere-se atualmente o município de Marília. Contudo, adentrando o século XX, ávidos por terras, os brancos avançavam e os povoados se multiplicavam nas frentes de expansão, de modo que, os caingangues internaram-se ainda mais para o oeste, descendo abaixo as quedas d?água, das corredeiras e grandes cachoeiras desses dois rios.O massacre e a espoliação das terras caingangues[editar | editar código-fonte]
Família caingangue aculturada fotografada por membros da Comissão Geográfica e Geológica do Estado de São Paulo em expedição exploratória no Rio do Peixe, em 1906No ano de 1905, Jorge Tibiriçá (1855-1928), então presidente do Estado de São Paulo, por meio da Secretaria da Agricultura, determinou que a então Comissão Geográfica e Geológica do Estado de São Paulo fizesse o reconhecimento dos vales dos rios Peixe e Feio, uma vez que, os trilhos das Companhias de Estradas de Ferro Sorocabana ao Sul e Noroeste ao Norte da região, avançavam rapidamente rumo ao sertão paulista. [16]
A referida expedição encontrou cinco tribos caingangues habitando o território, sendo elas: a do Cacique Vauhin, que habitava os campos de Avanhandava e Fazenda Patos; a do Cacique Ary Krim-Krim, que também habitava a região do Ribeirão dos Patos; a do Cacique Bri, que habitava parte da região do Córrego do Veado e do Rio Iacri; a do Cacique Rerig (Rerin), que vivia na cabeceira do Córrego do Veado; e a do Cacique Iakri (Iacri), que vivia na região do Córrego Jurema e afluentes do Rio Feio (Aguapeí). [17]
O Estado brasileiro apoiava a ocupação do território pelo "homem branco", ignorando a população indígena pré-existente, oferecendo subsídios para a ocupação, construindo estradas e fazendo vista grossa às chacinas cometidas contra os indígenas pelos chamados "bugreiros". Marechal Cândido Rondon em 1930.
No referido território caingangue, a construção da estrada de ferro Noroeste do Brasil, iniciada em 1905, foi extremamente sangrenta e fatal para os indígenas, de modo que, os sobreviventes não mais teriam a oportunidade de viver do modo como viveram seus ancestrais.
Após insistente pressão de um grupo liderado por intelectuais, políticos e militares, o governo federal, sob presidência de Hermes da Fonseca, criou em 1910 o Serviço de Proteção ao Índio (SPI), que tinha a missão de evitar mais chacinas confinando e controlando os índios como patrimônio federal; deste modo os indígenas foram induzidos a deixar sua organização social associativa e adotar o modelo de núcleo familiar.[18] Paralela à política de aldeamento, o SPI também buscou afastar a Igreja Católica da catequese e transformar o índio num trabalhador nacional.Sob o comando de marechal Cândido Rondon, o posto do SPI foi instalado na região da Noroeste, nas cercanias dos atuais municípios de Promissão e Avanhandava, onde encontravam-se acuados pequenos grupos de índios caingangues remanescentes do extermínio promovido pelo e com o aval do Estado. Índia VanuíreUm grupo Caingangue mantinha-se irresoluto nas matas da região; não aceitavam o contato e impediam tanto quanto podiam a colonização, o que levou Rondon a identificar que, na Fazenda Campos Novos do Paranapanema, na zona da Sorocabana, próximo da divisa com o estado do Paraná, havia um grupo de caingangues em processo de assimilação, trabalhando em regime de escravidão; tais indígenas poderiam intermediar o contato com o grupo de Iacri.
É assim que, em 19 de março de 1912, através do intermédio da índia Vanuire, Rondon consegue a rendição do grupo, após meses de esforços da velha índia, que por estar cansada de ver os conflitos sangrentos, sempre desfavoráveis ao seu povo, preferia aceitar os termos propostos pelos brancos e viver em paz confinada com os seus. Vanuíre faleceu em 1918 na então Fazenda Icatu (atual município de Braúna), de posse do Governo Federal.[19] Do contingente estimado de 4 mil índios no estado de São Paulo no início dos contatos, restaram cerca 700 na década de 1910. Cincinato César da Silva Braga
1913: marco da ocupação latifundiária das terras caingangues[editar | editar código-fonte]
Em 1913 o governo de São Paulo, sob figura de Rodrigues Alves, iniciou obras de abertura de uma estrada de rodagem de 147 km ligando as linhas ferroviárias da Noroeste, na altura de Presidente Pena (atual Cafelândia), com a Sorocabana, na altura de Platina. Tal estrada passava pelas regiões de planalto já espoliadas dos caingangues, sendo o marco inicial da entrega das terras à colonização por parte do Estado.
Aberta a estrada, o deputado abolicionista Cincinato César da Silva Braga (1864-1895), originário de Piracicaba, adquiriu terras que margeavam o espigão divisor das Bacias Peixe e Tibiriçá, e abriu uma fazenda nomeada Cincinatina, em sua homenagem, determinando que nelas fossem plantados 10.000 pés de café. A fazenda era administrada pelo português Antônio Pereira da Silva, que havia chegado à região com seu filho José Pereira da Silva (Pereirinha), no ano de 1919 advindos do Rio de Janeiro, onde vivia Cincinato Braga. Rodolfo Nogueira da Rocha Miranda
Além da morte, a assimilação via miscigenação foi a maior responsável pela retirada dos indígenas da linha de frente do combate ao avanço da ocupação das terras do Oeste Paulista, de modo que, em 1921, o Estado brasileiro criou dois aldeamentos em fazendas da União, nos atuais municípios de Tupã e Braúna (na época áreas do município de Penápolis), onde os indígenas foram confinados indistintamente. Para suas tradições nômades, essas reservas eram uma afronta. [20]
Após o de Cincinato Braga, outros latifúndios foram abertos na região, como a fazenda Guataporanga, que pertencia aos irmãos Lélio e Marcelo Piza e a fazenda do Rio do Peixe, pertencente à Companhia Pecuária e Agrícola de Campos Novos, que foi presidida pelo senador Rodolfo Nogueira da Rocha Miranda (1862-1941), proveniente de Bananal e que, também adquiriu terras na região. [21]1923-1929: Fundação dos patrimônios e a origem de Marília[editar | editar código-fonte]
Sabendo das pretensões da Companhia Paulista da expansão dos trilhos dos trens de Piratininga às barrancas do rio Paraná, passando pela região onde viviam, os Pereiras, funcionários de Cincinato Braga, adquiriram terras da Companhia Pecuária e Agrícola de Campos Novos na região, dando início a plantações de café e fundando em 1923 um patrimônio batizado de Alto Cafezal em parte loteada das terrasO patrimônio de Alto Cafezal, pertencente ao município de Campos Novos do Paranapanema, (atual Campos Novos Paulista), na Sorocabana, foi a origem primeira do futuro município de Marília. No ano seguinte, a Fazenda Cincinatina, com extensão de 21 km pelo espigão Peixe - Feio, foi vendida ao então deputado estadual Bento de Abreu Sampaio Vidal (1872-1948), originário de São Carlos e Araraquara. Bento de Abreu além de político, era ligado à aristocracia terratenente; sua esposa Maria Isabel, com quem teve treze filhos, pertencia ao clã Arruda Botelho, família do Conde do Pinhal, com quem Sampaio Vidal firmaria acordos políticos por toda a vida. Bento de Abreu Sampaio VidalAntes da Cincinatina, Bento de Abreu havia comprado terras onde hoje se encontram os municípios vizinhos de Álvaro de Carvalho e Garça, tornando-se um dos maiores latifundiários da região. Dividindo as terras em diversas fazendas, o político destinou-as aos seus filhos, como vinha fazendo em diversas regiões do estado onde adquiriu terras. No território atualmente compreendido por Marília, Bento de Abreu destinou a fazenda Santa Antonieta à filha Maria Antonieta. Às filhas, Helena e Olga coube a fazenda Cascata. À Bento Filho coube a fazenda São Paulo, localizada no distrito de Padre Nóbrega, e a Palmital ficou com o próprio Bento de Abreu. [16]
Casa na rua de entrada da Fazenda Bomfim
Em 1926, José Vasques Carrión fundou um patrimônio em parte loteada de suas terras, denominando-o de Vila Prado. No mesmo ano, Bento de Abreu , fundou um terceiro patrimônio próximo aos anteriores. Em 1927 os coronéis Galdino Alfredo de Almeida e José Brás (José da Silva Nogueira) adquiriram terras de Carrión (fazenda Bomfim), e rebatizaram o patrimônio com o nome de Vila Barbosa, sendo esta, também distrito de Campos Novos, na Sorocabana.
A Companhia Paulista de Estradas de Ferro vinha desde 1924 avançando seus trilhos de Piratininga até chegar a Lácio (terras do deputado Sampaio Vidal),[22] sendo que a próxima estação passaria próximo dos patrimônios já existentes, o que causaria disputas entre os fundadores, principalmente entre Antônio Pereira da Silva, já que era o fundador do primeiro patrimônio e Sampaio Vidal.Bento de Abreu ignorou o Alto Cafezal e tudo fez para impulsionar o desenvolvimento de seu próprio patrimônio, estabelecido justamente ao lado do povoado já existente. Investiu em infraestrutura e em recursos humanos, recrutando profissionais liberais em diversas áreas, que para lá se dirigiram. Para demarcar as terras do novo patrimônio contratou o engenheiro Dr. Durval de Menezes e compôs aliança politica com o grupo de Rodolfo Miranda[16] Selo postal de 1967 em homenagem à obra Marília de Dirceu, de Tomás Antônio GonzagaO poder político venceu e a estação foi construída nas terras do deputado, que deveria escolher um nome para a estação com a letra "M", já que, de acordo com o esquema dessa companhia, as estradas que iam sendo inauguradas no ramal, haveriam de ser nomeadas por ordem alfabética. Foram propostos vários nomes, como "Marathona", "Mogúncia" e "Macau", mas Bento de Abreu não ficou satisfeito com nenhuma das sugestões. Em uma de sua viagens de navio à Europa, leu o livro de Tomás Antônio Gonzaga, "Marília de Dirceu", de onde teve a ideia de sugerir o nome de "Marília".
Antes mesmo da inauguração da estação, a força política de Sampaio Vidal fez surgir na região o distrito de Marília a partir da Lei Estadual 2.161 de 22 de dezembro de 1926, tendo incorporado os patrimônios existentes e sendo subordinado ao município de Cafelândia. Pela Lei Estadual 2.320, de 24 de dezembro de 1928 o distrito foi elevado à categoria de município e em 30 de dezembro do mesmo ano a estação de Marília foi inaugurada. A instalação oficial do município deu-se 4 de abril de 1929, data em que é comemorado seu aniversário. População esperando o primeiro trem da Cia. Paulista em Marília no ano de 1928.
O portão principal da estação ferroviária ficou de costas para o antigo patrimônio do Alto Cafezal, de frente para o largo, ao lado da praça da igreja de São Bento, cuja porta principal também está localizada na face norte, ou seja, de costas para o Alto Cafezal. A disposição em que se encontrava a estação ferroviária e as disputas entre os patrimônios deu à cidade uma feição diferente da maioria das cidades do interior do Estado. Marília não possui uma praça central com igreja, jardim e coreto; o que há são duas igrejas com suas respectivas praças, uma em cada vertente da atual Avenida Sampaio Vidal, aberta exatamente na divisa dos dois antigos patrimônios.
Bento de Abreu pode não ter sido o primeiro a chegar àquelas terras, mas o núcleo urbano não poderia ter tido melhor "padrinho" pois, sem seu impulso, aquele nascente município certamente não teria se desenvolvido de forma tão rápida. Sob sua tutela, em curto espaço de tempo, Marília apresentou vertiginoso crescimento. Instalado no mesmo ano do crash da bolsa de Nova Iorque, o município de Marília parece ter conseguido viabilizar-se sem maiores entraves políticos ou econômicos.
A rapidez com que Bento de Abreu procurou instalar o cartório, sem nem mesmo possuir prédio próprio, no improvisado Hotel Brasil, localizado no antigo Patrimônio de Alto Cafezal, demonstra a urgência para viabilizar o empreendimento urbano. Se a agricultura não possibilitava mais os ganhos obtidos até então, passava a ser de vital importância assegurar o rendimento através da valorização das terras.
Tão ou mais difícil que a abertura de uma fazenda em pleno sertão, era construir uma cidade, o que impunha aos pioneiros uma série infindável de obstáculos a serem vencidos. Ao adentrar e derrubar a densa vegetação do sertão a população defrontava-se com incontáveis moléstias decorrentes do desmatamento indiscriminado. O Dr. Carlos de Moraes Barros, neto do ex-presidente Prudente de Moraes, é exemplo de como o nome de Bento de Abreu era conhecido e respeitado, pois através de sua influência, deixou Itaquerê, onde trabalhava, e aceitou o convite para dirigir a futura Santa Casa de Misericórdia de Marília, cuja construção estava nos planos de Bento de Abreu.[16]A ocupação minifundiária da Alta Paulista e Marília como capital regional[editar | editar código-fonte]
Como mencionado, a região de passagem dos trilhos da Companhia Paulista à oeste de Bauru, que ficou conhecida como Alta Paulista, teve suas estações ferroviárias (que na maioria dos casos deram nome à cidades) por ordem alfabética; sendo assim, as nomenclaturas dadas de A à Y foram: Alba, Brasília (distritos do município de Piratininga), Cabrália Paulista, Duartina, Esmeralda (estação dentro da fazenda pertencente ao coronel Lima, localizada em Duartina), Fernão Dias (atual município de Fernão), Gália, Hispéria (estação dentro da Fazenda Igurê, localizada em Garça), Incas (Italina e depois, Garça), Jafa (distrito de Garça), Kentuckia (atual Vera Cruz), Lácio (distrito de Marília), Marília, Oriente, Pompeia, Quintana, Rinópolis, Santana (Herculândia), Tupã, Universo, Yacri (Iacri).
A ocupação inicial da Alta Paulista deu-se a partir de latifúndios pertencentes a políticos de renome ligados à oligarquia cafeeira de regiões mais antigas, como o senador Rodolfo de Miranda, oriundo do Vale do Paraíba, o deputado Cincinato Braga, de Piracicaba e o também deputado Sampaio Vidal, de São Carlos e Araraquara. Contudo, esta nova região nascia sob novas configurações sociais, já no pós-abolição e sob a égide do trabalho livre e assalariado.
A criação de uma grande massa de assalariados rurais, fez da terra um bem comercializável e não mais patrimônio hereditário, de modo que, num país ainda essencialmente agrícola, como era o Brasil de então, a terra passou a ser elemento central no processo de ascensão econômico-social dos indivíduos (ainda muito pautada na família).
O cenário internacional, não era favorável para apostas exclusivas em grandes extensões de café, haja vista a grande depressão causada após a quebra da bolsa de Nova Iorque. Deste modo, o momento era o da diversificação da produção e da busca por novas fontes de renda, o que levou os grandes proprietários da Alta Paulista a lotearem seus latifúndios e comercializarem suas terras, fomentando o surgimento de núcleos habitacionais como fator de atração para compradores advindos de outras regiões.
Assim, a partir da oferta da possibilidade do assalariado do latifúndio das antigas zonas cafeeiras tornar-se proprietário rural independente, a Alta Paulista tornou-se polo de atração migratória, tendo Marília adquirido tamanha importância, que passou a ser denominada como "Capital da Alta Paulista".
Neste contexto, a região então escassamente habitada, é povoada através da migração de brasileiros e estrangeiros, fazendo da Alta Paulista uma região de convivência multicultural.A diversificação da produção e a industrialização[editar | editar código-fonte]
Cartaz convocando jovens paulistas para a revolução de 1932.
No início do século XX, a economia de Marília era baseada no cultivo de café, que, com o tempo, foi sendo substituído pelo algodão. Neste aspecto destaca-se o imigrante japonês, haja vista terem sido os primeiros a plantarem o algodão na região (já entre 1928 e 1929).
Pode-se dizer que houve uma relação simbiótica entre o desenvolvimento inicial de Marília e a carreira política de Bento de Abreu na década de 1930. Talvez se possa creditar ao episódio do desenvolvimento acelerado do município parte da sobrevivência política de Bento de Abreu após a Revolução de 1930. Pode-se dizer que sua atuação decisiva doando terrenos para diversos prédios públicos e privados, além de lotear parte de suas terras ajudou a impulsionar o desenvolvimento do município naquele período. [16]
Após a Revolução Constitucionalista de 1932, houve um movimento encabeçado pelos jovens voluntários retornados, no sentido de unir a população de Marília, que ainda se via dividida político e geograficamente entre os antigos patrimônios de Antônio Pereira da Silva e de Sampaio Vidal. Deste modo, o então prefeito João Neves Camargo, através do Ato Municipal nº 223 , estabeleceu a junção nominativa da rua que ligava ambos os patrimônios, considerando injustificada a distinção entre ruas do patrimônio do Alto Cafezal e ruas do patrimônio de Marília quando estas são por vezes prolongamentos umas das outras. Deste modo, o Artigo 1º do ato resolve: Ligar os patrimônios de Alto Cafezal e Marília, denominando Rua 9 de Julho a atual via pública formada pelas ruas Tamandaré, Ceará e Minas-Gerais[23].
Graças ao algodão, em 1934 e 1935 foram instaladas as duas primeiras indústrias no município (duas fábricas de óleo). Ao longo da década de 1930 Marília rapidamente tornou-se uma ?capital regional?, por conta de fatores como o grande entroncamento rodoferroviário, com estradas de rodagem que cortavam perpendicularmente as linhas férreas da Companhia Paulista e Noroeste, que faria o município desenvolver uma enorme capacidade produtiva nos setores de serviços e comércio. Cada vez mais aumentavam as estradas que ligavam a cidade de Marília às fazendas produtoras, aos vilarejos e cidades vizinhas. Surgiam também as ?jardineiras? intermunicipais, como importante meio de transporte que supria a demanda onde a ferrovia não abrangia.[24]
O fator ?rodoviário? trouxe um aspecto especial para o desenvolvimento de Marília. Um fluxo grande de pessoas que percorrendo toda a região da alta paulista trouxe novas perspectivas de negócios e investimentos ao município. Tal afluxo e circulação de pessoas, fez premente a necessidade da construção de um prédio destinado ao embarque e desembarque ordenado das jardineiras que chegavam e partiam da cidade; é deste modo que, em 1938 é inaugurada em Marília a "primeira rodoviária do Brasil", com influências do Art Déco, em projeto assinado por José Ferreira Dias. [23]
Outra marca importante desse período de crescimento agroindustrial no município de Marília, foi a realização da 1ª Exposição Agrícola, Industrial e Comercial de Marília, em 1938. Evidencia-se um certo investimento estadual e preocupação com o evento através da construção de edifícios e stands, bem como, através da inauguração do aeroporto estadual Frank Miloye Milenkovich no município visando receber investidores, empresários e autoridades políticas. [23]
Na década de 1940, o município firmou-se como polo de desenvolvimento do Oeste Paulista, apresentando um grande crescimento urbano e populacional. É neste período que as Indústrias Reunidas Matarazzo instalaram sua planta fabril no município. Com a expansão da industrialização no interior paulista, houve um aumento da malha ferroviária e rodoviária, com isso Marília ligou-se a várias regiões do estado de São Paulo e ao norte do Paraná. Em Marília, a ?frota de veículos em 1940 era superada apenas pela da capital, Santos e Campinas, com um deslocamento diário de 1500 passageiros na estação rodoviária, em linhas que atendiam 88 localidades?[25].
Em 1940, havia oito casas bancárias na cidade de Marília: Banco Comercial do Estado de São Paulo, Banco do Comércio e Indústria de São Paulo, Banco do Estado de São Paulo, Banco de São Paulo, Banco Noroeste, Casa Bancária Bratac, Casa Bancária Tozan e Casa Bancária Almeida. Esta última em 1943 iria se transformar no Bradesco. A maioria viria financiar o pequeno produtor que não encontrava oportunidades de investimento pelos grandes bancos brasileiros.[23]Força Expedicionária Brasileira[editar | editar código-fonte]
27 marilienses se juntaram à Força Expedicionária Brasileira durante a Segunda Guerra Mundial (1939-1945). Partiram em 2 de julho de 1944, regressando todos em 16 de julho de 1945. Os marilienses mostraram bravura, mas um deles se destacou: o cabo Marcílio Luís Pinto, que recebeu a medalha Silver Star por ato de bravura, concedida pelo Exército Americano através do general Mark Clark. Os demais foram agraciados com medalha da Cruz de Combate de Segunda Classe.
Na Praça Saturnino de Brito existe um monumento em homenagem aos pracinhas, representado por um soldado do exército brasileiro. A placa contém os seguintes dizeres: "Aos pracinhas Ttes. Eduardo Cerqueira Cesar e João João Mendes Pinto, Sargentos Ananias de Oliveira e Félix Mansur. Cabos Marcílio Luiz Pinto, José Padilha Bravos, Pedro Garcia Fernandes e Hugo Casagrande. Soldados Moacir Augusto de Oliveira, José Esteves Diniz, Emílio Palma, Ângelo Tristão de Fada, Otaviano dos Santos, Felisberto Trajeiro Baiol, Laurindo Francisco da Silva, José ferreira Sobrinho, José Pinto, José Biudes, Flávio Vilaça Guimarães, Pedro Belizário Pereira, Pedro Mateus e José Manuel de Jesus [...] moços que representaram Marília nas fileiras da gloriosa F.E.B. ajudando a vitória da Democracia, na luta contra o Nazifascismo, o povo de Marília agradecido". [26]Industrialização e urbanização na segunda metade do século XX[editar | editar código-fonte]
O primeiro edifício construído em Marília foi o Edifício Ouro Verde, em 1951. Ele foi totalmente comercializado em um único dia, seria o advento de um novo ciclo de desenvolvimento urbano que seria experimentado pelo município. Marília teve sua economia transformada no pós-guerra e rearranjada de forma a se adequar as novas possibilidades que surgiram com a industrialização, iniciada no Governo de Getúlio Vargas, tendo seu ápice no Governo de Juscelino Kubitschek [27]. Com o fim da Segunda Guerra, a região passa por mais uma diversificação da produção, com a introdução do cultivo do amendoim. Deste modo, no perímetro urbano de Marília passam a surgir beneficiadoras de amendoim que produziam óleos-base para a indústria alimentícia, o que impulsionaria toda uma cadeia de produção que não mais deixaria de se desenvolver. A indústria beneficiadora de amendoim, diferentemente do setor têxtil ou algodoeiro com base exportadora, atendia a um mercado regional e nacional em formação. Sua produtividade era consideravelmente alta e substituiu a exploração agrícola do algodão de maneira acentuada.[27] Marília (década de 1960). A partir da segunda metade do século XX, a população brasileira, majoritariamente camponesa, tenderia a urbanizar-se. Marília, que em período anterior havia firmado-se como pólo de apoio às atividades agrícolas da Alta Paulista, passou pela nova fase de urbanização observada em todo o país, recebendo indústrias variadas, com especial vocação para os setores metalúrgicos e alimentícios. Paulo Fernando Cirino Mourão, em sua dissertação de mestrado defendida na Unesp de Presidente Prudente, em 1994, destaca o papel dos imigrantes italianos, japoneses e seus descendentes na industrialização mariliense.[25]
A urbanização levou muitas a buscarem uma reestruturação a fim de garantirem a inserção familiar no ambiente urbano, sendo assim, garantir o estudo dos filhos, passou a ser um meio para tal. Marília contava com uma boa rede de educação primária e secundária, contudo, aos jovens cujas famílias decidiam investir em uma formação de nível superior, a saída era a busca pelos grandes centros. A formação superior dos estudantes marilienses no estado do Paraná, era comum na época; muitos médicos e engenheiros formaram-se na Universidade Federal do Paraná nos anos 1950.[23]
As possibilidades cada vez mais escassas de ascensão social e econômicas no campo, associadas à criação de postos industriais nas cidades, levou a um rápido crescimento das mesmas. A década de 1970 apresentou a saturação dos postos de trabalho urbanos em Marília, quando as primeiras favelas começaram a surgir a partir da necessidade de habitação das pessoas no espaço urbano em face às dificuldades de inserção formal no mesmo.
O grande déficit habitacional urbano era um problema que já vinha sendo observado em outras regiões do estado de São Paulo, o que levou o governo à criar programas de construção de moradias populares. Em Marília foram construídas 4 mil casas (Nova Marília) na gestão do prefeito Theobaldo de Oliveira Lyrio, além da construção do CECAP (Caixa Estadual de Casas para o Povo) Maria Izabel, projetado pelo renomado arquiteto Vilanova Artigas. [28] Polo educacional e "Capital Nacional do Alimento"[editar | editar código-fonte]
Com a posterior instalação de diversos cursos universitários, Marília pôde atrair vários jovens à região, o que ajudou no desenvolvimento e diversificação do setor de comércio, serviços e entretenimento, bem como na expansão das atividades imobiliárias. Hoje, Marília conta com aproximadamente 50 indústrias na área alimentícia sendo conhecida como "Capital Nacional do Alimento".Geografia[editar | editar código-fonte]
Ver artigo principal: Geografia de Marília
O município de Marília e algumas cidades ao redor situam-se no hoje denominado Planalto de Marília (antiga serra dos Agudos) que compreende 3 espigões ou serras alongadas no sentido leste-oeste - também conhecidos como Itambés (despenhadeiro em língua Tupi) - a conhecer: Primeiro planalto: onde situam-se as cidades de Garça, Vera Cruz, Marília, Pompéia e Quintana, onde os itambés expõem paredões e escarpas de rocha arenítica (conhecidas na geologia como "Formação Marília"),alguns com quase 100 metros de profundidade, contendo belas cachoeiras, dando à paisagem uma beleza única, como a Serra de Avencas, onde se pode observar as camadas rochosas formadas há milhões de anos. Este primeiro planalto ainda segue rumo oeste, terminando em suaves colinas um pouco adiante da cidade de Tupã;
Segundo planalto: compreende os municípios de Alvinlândia, Lupércio, Ocauçu e Echaporã, onde também apresenta paredões escarpados - principalmente entre Lupércio e Echaporã, com inúmeras cachoeiras e farta vegetação, que muitas vezes esconde os paredões - e tem seu relevo suavizado nas proximidade do município de Lutécia. Na estrada municipal Marília a Ocauçu, após o vale do Rio do Peixe, proximidades do distrito de Nova Columbia existe interessante formação rochosa em forma de torre, resultado da erosão de milhões de anos
Terceiro planalto: com relevo menos escarpado, abrange as cidades de Álvaro de Carvalho e Julio Mesquita, indo até proximidades de Guaimbê, onde se torna relativamente plano.
O desenvolvimento que acompanhou a linha férrea e seu desenho linear, se impôs, oriundo da geografia, limitada pelos magníficos Itambés, caracterizados pelos imensos paredões de mais de cem metros de altura que cortam o planalto repentinamente, obrigando o crescimento urbano, a se configurar conforme sua disposição física-geográfica.[29] Panorama de zona rural à sudeste de Marília
Meio Ambiente[editar | editar código-fonte]
Marília tem um Horto Florestal de 554 hectares; um Bosque Municipal de 17,36 hectares; uma área reservada ao reflorestamento de 2 000 hectares e uma área de 7 400 hectares de vegetação natural.Clima[editar | editar código-fonte]
O clima do município é subtropical, apresentando uma temperatura mínima absoluta de -3,6 °C e uma temperatura máxima absoluta de 39,4 °C. Com as seguintes características:
Dados climatológicos para Marília
MêsJanFevMarAbrMaiJunJulAgoSetOutNovDezAno
Temperatura máxima média (°C)28,628,527,826,323,622,623,225,126,127,028,028,4 26,3
Temperatura mínima média (°C)17,217,416,113,910,69,18,910,712,715,016,017,0 13,7
Precipitação (mm)220210130625758382659137120180 1 291
Fonte: [1] Climate Data Hidrografia[editar | editar código-fonte]
Rio do Peixe
Rio Aguapeí
Demografia[editar | editar código-fonte]
A população do município de Marília, de acordo com o último censo realizado pelo IBGE - Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística, divulgado em 1 de dezembro de 2010, apresenta os seguintes dados:
Censo de 2010 (IBGE).
População total(%)
População total216 745 hab.100%
Pop. urbana207.727 hab.95,84%
Pop. rural8.974 hab.4,16%
Mulheres112.019 hab.51,68%
Homens104.726 hab.48,32%
População dos distritos de Marília
Padre Nóbrega4 004 hab.
Rosália2 200 hab.
Lácio959 hab.
Avencas635 hab.
Amadeu Amaral147 hab.
Dirceu122 hab.Fonte: (IPEADATA).
Indicadores Sociais em Perspectiva
Índices (2010)MaríliaBrasil
IDH-M - Humano0,7920,727
IDH-R - Renda:0,7680,739
IDH-L - Longevidade:0,8540,816
IDH-E - Educação0,7760,637Fonte: (IPEADATA).
Dados da Fundação Seade de 2016 apontaram que Marília possui o segundo maior índice de suicídios do estado de São Paulo, com uma taxa de 8,6 casos por 100 mil habitantes. Atualmente está sendo discutida a instalação de uma unidade do Centro de Valorização da Vida na cidade, haja vista que, em 2019 o quadro é ainda considerado grave, com a evolução do número de casos. [30]
Segundo estimativas do ano de 2017, um em cada quatorze moradores de Marília recebem o auxílio do Bolsa Família. O benefício, com valor médio de R$ 161,51, é distribuído à 6.048 famílias, uma média de 17.236 pessoas. Têm direito famílias com renda por pessoa de até R$ 85,00 mensais; ou famílias com R$ 170,00 mensais, desde que tenham crianças ou adolescentes de 0 a 17 anos. Das 17.536 famílias de Marília cadastradas no CadÚnico, 5.013 possuem renda per capita familiar de até R$ 85; 2.440 possuem renda entre R$ 85,01 e R$ 170,00; 5.124 entre R$ 170,01 e meio salário mínimo; e 4.959 acima de meio salário mínimo. [31]Migrações internas[editar | editar código-fonte]
Os migrantes internos sempre tiveram importante papel no povoamento e desenvolvimento de Marília. Dentre os pioneiros do período fundacional encontravam-se sobretudo paulistas de regiões mais antigas, fluminenses, mineiros e nordestinos, notadamente baianos da região de Caetité.
Com o declínio da lavoura cafeeira, já nos anos 1930, Marília recebeu mais levas de nordestinos, sobretudo baianos e pernambucanos que vinham para o trabalho na cultura do algodão, uma vez que, o nordeste até então era o maior produtor nacional da fibra. Além dos trabalhadores rurais, Marília também recebeu muitos profissionais liberais formados em São Paulo, Rio de Janeiro e grandes centros. Dentre esses migrantes pode-se citar a figura do médico baiano Aristóteles Ananias Maurício Garcia, que além de exercer a medicina, foi político, chegou a ser prefeito de Marília e foi proprietário da primeira casa em estilo modernista da cidade, com projeto assinado pelo renomado Gregori Warchavchik. [23]
Além dos migrantes nordestinos, chegaram muitos mineiros, que também trabalhavam nos canaviais da Fazenda Paredão e da Fazenda Flor Roxa. Na zona urbana, os migrantes que possuíam baixo nível de escolarização usualmente trabalhavam como saqueiros nas máquinas de benefício de arroz, café e algodão.[32] Posteriormente passaram a trabalhar e empreender no ramo de bares, mercearias e restaurantes.
De acordo com o último censo realizado pelo IBGE, divulgado em 1 de dezembro de 2010, dentre os migrantes residentes em Marília, os nordestinos ocupam o segundo lugar, ficando atrás apenas dos migrantes do Sudeste, região onde Marília está inserida. [33] Muitos migrantes nordestinos de levas recentes ocupam postos de trabalho na construção civil, resultantes do boom imobiliário dos últimos dez anos. Afro-brasileiros[editar | editar código-fonte]
A presença afro-brasileira consta em Marília desde sua fundação, nos anos 1920. Os afro-brasileiros, provieram de regiões de ocupação mais antiga, tanto do estado de São Paulo, como de outros estados do país. A ocupação tardia da região da Alta Paulista representava no imaginário social a possibilidade de formação de uma nova sociedade, livre dos antigos ranços e vícios das zonas de ocupação antiga, como o sistema escravocrata, por exemplo, que apesar da abolição, em 1888, continuou a afetar a vida dos afro-brasileiros.
O lema estampado na bandeira municipal de Marília "Símbolo de Amor e Liberdade", sintetiza o espírito de colonização desta nova região. Atualmente, segundo recenseamento promovido pelo IBGE em 2010, mais de 35 mil pessoas identificaram-se como pretos ou pardos em Marília.[34] Atualmente o município conta com diversas organizações e coletivos afro-brasileiros, destacando-se: Afro Fest Marília, Negras Ginga, Trançadeira Marília, Rainhas Negras, Afroo Mania e Capoeira Brasil.[35]
A religiosidade também mostra-se como forte legado cultural afro-brasileiro em Marília. Atualmente o município conta com mais de cem terreiros de umbanda e candomblé registrados, destacando-se o Terreiro de Candomblé Abassá Nkassuté Lemba Nzambi Keamazi, localizado no distrito de Padre Nóbrega (objeto de estudos acadêmicos por destacar-se entre os terreiros pioneiros no resgate dos conhecimentos bantu)[36] e o Templo de Umbanda das Águas de Yemanjá, no perímetro urbano de Marília.[37]Comunidades imigrantes[editar | editar código-fonte]
Portuguesa[editar | editar código-fonte]
Desde a fundação, os portugueses marcaram presença na cidade de Marília.[38] Organizando-se comunitariamente, os portugueses de Marília criaram a Casa de Portugal, presente em diversas regiões brasileiras onde há representatividade portuguesa. A Casa de Portugal visa estreitar os laços históricos, culturais, econômicos e comerciais entre o Brasil e Portugal.
Em 2009 o então Prefeito municipal, de origem portuguesa, Abelardo Camarinha, inaugurou a "Praça Casa de Portugal" no centro da cidade; na praça foi erigido um monumento com a Cruz da Ordem de Cristo em cuja pilastra encontra-se uma placa com o poema Mar Português, de Fernando Pessoa, além de uma homenagem à Comunidade Portuguesa radicada em Marília. Tradicionalmente, no dia 6 de junho, a Casa de Portugal de Marília realiza o jantar em comemoração ao Dia de Portugal, de Camões e das Comunidades Portuguesas.[39]Espanhola[editar | editar código-fonte]
Igreja de Nossa Senhora da Glória (Opus Dei).
A presença espanhola também foi pioneira na região, segundo Rosalina Tanuri o primeiro espanhol a adquirir terras do senador Rodolfo Miranda em Marília foi António Hernández, no ano de 1921. Contudo, por volta dos anos 1930 é que começou a formar-se de fato uma comunidade espanhola em Marília.[40]Com o crescimento da colônia espanhola na região, em 25 de junho de 1932 foi fundada a Sociedad Española de Marília, que funcionava como centro de ajuda mútua e fraternidade entre seus membros.
Em 1934, procedente de Cabrália Paulista, chegou a Marília os irmãos Hilário e Manoel Lopes Saes. Espanhóis de Pueblonuevo del Terrible, chegaram ao Brasil em 1911 com os pais, fixando residência em Agudos. Em Marília, os irmãos firmaram sociedade com os cunhados e fundaram a indústria de carroças e carrocerias "Hispano-brasileira". A oficina passou então a produzir a carroceria de ônibus ?Saes?, equipando as empresas de transporte de passageiros da Alta Paulista, Sorocabana e Norte do Paraná, Mato Grosso e rincões pioneiros.
A organização católica Opus Dei, fundada em 1928 na Espanha, chega ao Brasil através de Marília no ano de 1957, o que se deu devido aos contatos de Dom Hugo Bressane de Araújo (então bispo da diocese de Marília), com São Josemaría Escrivá de Balaguer, bispo espanhol fundador da Opus Dei (canonizado por João Paulo II em 2012).
O fato de ter recebido o primeiro centro da Opus Dei no Brasil, estabeleceu uma ponte entre a Espanha e Marília, que passou a receber diversos membros da obra, dentre eles o Padre Jaime Espinosa Anta, médico e doutor em direito canônico, o também médico recém-formado José Luís Alonso Nieto e o jovem advogado Félix Ruiz Alonso. Abriu-se também em Marília no mesmo ano de 1957 o primeiro Centro feminino da Opus Dei, recebendo dentre tantas colaboradoras espanholas as professoras Maria Clara Constantino e Gabriela Malvar Fonseca e a nutricionista Rosário Alonso. [41]
Os Padres do Opus Dei utilizavam a então capela de Nossa Senhora da Glória para as missas, retiros e reflexões. Em gratidão a primeira cidade do Brasil que os acolheu, Dom Hugo recebeu de Roma o painel de Nossa Senhora da Glória, pintura artística de 1958 presente no atual Santuário de Nossa Senhora da Glória, no centro da cidade. [42]Sírio-libanesa[editar | editar código-fonte]
Os sírio-libaneses que chegaram ao Brasil no século XIX e início do século XX estabeleceram-se inicialmente nos grandes centros do país, contudo, a prática do mascateio, muito difundida entre os pioneiros, levou-os a desbravar o interior do Brasil em busca de novas clientelas. Deste modo, passaram a estabelecer-se nas urbes interioranas em desenvolvimento e a criar suas colônias, para onde passaram a rumar diretamente posteriores compatriotas "os chamados primos".
Os mascates já percorriam as fazendas da região de Marília antes mesmo de sua fundação, sendo que, passaram a estabelecer-se na cidade com maior expressão após a chegada dos trilhos do trem, revolucionando as práticas comerciais, como faziam por onde chegavam. Dentre os primeiros sírio-libaneses a que se tem notícia terem chegado a Marília, está o libanês Saad Baclini Chueiri, que chegado em 1928, fez sociedade com o também libanês Amélio Elias Sabag. Saad Chueiri foi um grande empreendedor, construiu em 1934 o posto de gasolina "Sete de Setembro" e, como proprietário de terreno na Avenida Sampaio Vidal, fez composição com a Construtora Irmãos Ferraz para a construção do Edifício Ouro Verde, o primeiro da cidade. [43]
Em Marília os libaneses mantém o Clube Monte Líbano, que funciona nas imediações do Bosque Municipal desde 1985.[44] Dentre os descendentes de sírio-libaneses ilustres nascidos em Marília pode-se destacar o político e escritor Antônio Rezk, nascido em 1933 e o cinegrafista e diretor de fotografia Dib Lutfi, nascido em 1936. Dentre os imigrantes sírio-libaneses que radicaram-se em Marília, destaca-se o filantropo libanês Carim Daher El Haber, fundador do restaurante infantil.
Assim como em muitas outras regiões do Brasil, os sírio-libaneses erradicados em Marília também obtiveram destaque na política, dentre alguns nomes, pode-se citar Jamil Dualibi, eleito por quatro vezes deputado estadual entre os anos de 1959 e 1975, tendo sido homenageado com um Núcleo Habitacional que leva seu nome em Marília. Joseph Zuza Somaan Abdul Massih também ocupou o cargo por dois mandatos, de 1998 a 2006. Em 2016 o nome de Abdul Massih tornou-se nacionalmente conhecido por escândalos ligado a sonegação de impostos envolvendo valores milionários.[45] Judaica[editar | editar código-fonte]
A comunidade judaica que se formou em Marília é basicamente advinda do Leste Europeu, sendo portando composta essencialmente de judeus Asquenazes. Os gérmens do antissemitismo sempre estiveram presentes na Europa, vide a perseguição promovida aos Judeus Sefarditas pela Inquisição já no século XV. No final dos anos 1920, quando Marília tornou-se município, o nazismo já encontrava-se em ebulição na Europa; o primeiro volume de "Mein Kempf", de Adolf Hitler, foi escrito em 1925. Antes disso, a ebulição política no Leste Europeu em virtude da Revolução Russa e dos pogroms da Rússia tsarista, que vitimava comunidades minoritárias, como os judeus, impulsionavam a emigração em massa de judeus, sobretudo para a América.[46]
O referido contexto de perseguições levou a vinda de levas migratórias judaicas do Leste Europeu para o Brasil desde o início do século XX. Os judeus, assim como os Sírio-Libaneses, dedicavam-se sobretudo ao comércio e igualmente ao mascateio, dividindo tal nicho econômico na nascente Marília. Os Knobel chegaram a Marília nos anos 1930 devido ao forte antissemitismo que assolava a Polônia, que seria definitivamente ocupada pelas tropas alemãs em 1940. Atualmente existe em Marília, entre as avenidas 9 de Julho e Sampaio Vidal um edifício chamado Benjamin Knobel; Benjamin (Bencjon) era um dos jovens judeus polacos que chegou à cidade com seu irmão Abraan em 1936.
Os Knobel participavam das cerimônias religiosas na sinagoga do Rabino Singal, que atraía os judeus de toda a região. Além dos Knobel, famílias como os Fridman, os Kopelman, os Oksman, os Speiter, os Zatyrco, os Zaterca, os Beznos, os Tigel, os Klepacz e os Singal, faziam parte da comunidade judaica estabelecida em Marília. A primeira geração, marcada pelas perseguições europeias, encontraram em Marília o "Símbolo de Amor e Liberdade", de seu lema; trabalhando arduamente e esmerando-se na educação das gerações posteriores. Dentre os marilienses frutos dessa história, pode-se citar o Dr. Elias Knobel, professor e vice-presidente do Hospital Israelita Albert Einstein, em São Paulo. Filho do senhor Abraham e sobrinho de Benjamin Knobel, Elias nasceu em Marília em 1943, sete anos após a chegada de seu pai em Marília.[47]Italiana[editar | editar código-fonte]
Os italianos também fazem parte história de Marília, o que pode-se perceber de imediato a partir dos nomes de diversos logradouros e bairros da cidade, que homenageiam imigrantes italianos e seus descendentes; como exemplo podem ser citados os bairros Bassan, Banzato, Cavalieri, Lorenzetti, Osvaldo Fanceli, Saliola, Somenzari, Thomaz Mascaro e Jardins Casadei, Cavallari e Fontanelli.
Conforme a lei nº 4017, de 1994, Marília comemora anualmente a instituição da República da Itália. O hasteamento da bandeira italiana faz parte da comemoração e é anualmente realizado, pela manhã, no Paço Municipal. Trata-se de uma homenagem aos imigrantes italianos e ítalo-descendentes que contribuíram com a história de Marília e do Brasil [48].
O italiano Salvatore Scarpetti e seu filho Jaime, oriundos de Limeira, foram um dos pioneiros dessa nacionalidade a chegar à região da atual Marília por volta do ano de 1924. Ambos instalaram uma serraria, nicho econômico que teve grande impulso, haja vista o rápido desenvolvimento pelo qual a região passou e a necessidade da derrubada das matas para a formação dos primeiros cafezais. [49] Igreja de Santo Antônio.
Outro italiano que chegou à Marília em 1927 foi Sperendio Cabrini. Nascido em 1884, Sperendio chegou ao Brasil com seus pais com um ano de idade. Em Marília tornou-se pioneiro, abrindo lavoura no Bairro Tiveron, em Padre Nóbrega. Posteriormente fundou com o sócio, José de Grande, o primeiro Laticínio da Cidade. [50]
Em 1928 chega à Marília Santo Bassan, outro italiano que abriu terras nas adjacências da cidade. Nascido em 1877, residiu em Itapuí, tendo em 1923 adquirido do Major Elisiário de Camargo Barbosa as terras, quando se abria o Patrimônio de Alto Cafezal. Bassan doou a Antonio Pereira da Silva a imagem de Santo Antônio para a capela erguida por este, bem como depois a imagem do Espírito Santo para a capela da Vila São Miguel, quando esta vila foi aberta[51].
Outro italiano também chegado à Marília em 1928 foi o calabrês Salvatore Basta. Nascido em 1890, Basta chegou ao Brasil aos oito anos de idade, tendo antes residido em São José do Rio Preto e Cravinhos. Fundou em Marília uma fábrica de bebidas e destilaria, que nas mãos dos filhos passou a produzir cerveja. Dado o sucesso regional, a cervejaria dos Basta foi vendida posteriormente à Companhia Antárctica Paulista. [52]
Também em 1928 chegam Carmelo Calaresi e a esposa Caterina Politano. Calaresi nasceu em 1883 na Sicília, chegando ao Brasil aos dois anos de idade para viver em Taquaritinga com os pais. Em Marília Carmello estabeleceu uma alfaiataria na rua São Luís, sendo membro ativo da Loja Maçônica local. Em 1929 foi a vez de Guinetti Grassi, nascido na Itália em 1888. Grassi chegou ao Brasil com os pais aos cinco anos de idade, residindo em São Simão, Jardinópolis, Viradouro, São José do Rio Preto e Potirendaba. Casado com Emília Bandiera, deixou 14 filhos, 25 netos, 24 bisnetos e 4 tetranetos. Em Marília ajudou a abrir o picadão que deu origem à rua Coronel Galdino de Almeida, onde construiu o prédio da casa comercial e sua residência, onde permaneceu até o seu falecimento, em 1988[53].
A comunidade italiana realiza anualmente festas com comidas e danças típicas, trata-se da "Festa de Santo Antônio" e da "Festa Italiana", realizadas nas adjacências da Paróquia de Santo Antônio. A região tornou-se referência cultural italiana em Marília, abrigando cantinas e restaurantes italianos. Além do cristianismo católico, a comunidade italiana também é representada pela igreja evangélica Congregação Cristã no Brasil, fundada no Paraná na primeira década do século XX por Luigi Francescon, italiano radicado nos Estados Unidos, que veio ao Brasil para trazer sua fé à grande colônia italiana estabelecida no país de então. Inicialmente difundida entre a comunidade italiana, é por ocasião da Segunda Guerra Mundial que os cultos passaram a ser ministrados em português e a igreja começou a atrair maciçamente fiéis de outras origens étnicas. O estatuto do ano de 1936 da igreja dá conta que até então já havia duas casas de oração em Marília: na Rua Piratininga, encarregada à Francisco Paschoal e no então distrito de Pompeia, encarregada à Orlando Pierini[54]. Atualmente a Congregação Cristã no Brasil possui vinte casas de oração em Marília. [55]
Parte importante da industrialização paulista e mariliense se deve à imigração italiana, o que evidencia-se a partir do volume de indústrias criadas por italianos e ítalo-descendentes.[56] Para além da já citada cervejaria da família Basta, pode-se citar as indústrias do ramo alimentício que dariam vocação ao município de Marília, como a Ailiram, a Marilan, a Bel, a Dori e a Macarrões Irmãos Raineri. Entre as décadas de 1930 e 1940 Marília recebeu uma planta fabril das Indústrias Reunidas Francisco Matarazzo, uma das maiores representações do empreendedorismo ítalo-brasileiro da América Latina. Localizada no bairro Somenzari, a planta dedicava-se ao beneficiamento de arroz e algodão, chegando a empregar 400 operários. Em 1975 o complexo foi desativado e em 1992 o Conselho de Defesa do Patrimônio Histórico Arqueológico, Artístico e Turístico (CONDEPHAAT), tombou partes do mesmo como patrimônio histórico-material de interesse do Estado de São Paulo.[57] Marília também possui uma Agência Consular Honorária da Itália.[58]Japonesa[editar | editar código-fonte]
Marília possui entre 1500 e 2000 famílias nikkeys[59][60], colocando-a junto a Londrina, como uma das maiores concentrações de nipodescendentes do interior do Brasil. Segundo Rosalina Tanuri, referindo-se à colônia japonesa de Marília: "Eles revolucionaram o conceito de trabalhar a terra [...].Tanto na cidade, quanto nos sítios e fazendas, o japonês estava em grande número. Os que viviam na cidade preferiam o ramo de bares, armazéns, tinturarias e farmácias".[60]
Os primeiros japoneses chegaram à região de Marília em 1926, antes mesmo da emancipação político-administrativa do município, que só ocorreria em 1929. Já em 1930 fundaram a primeira associação japonesa, a Associação Cultural Nipo Brasileira de Marília. Em 1945, outra associação foi fundada, a Sociedade Esportiva e Cultural Okinawa de Marília (AECOM).[61] Em 1991, a partir da união de ambas associações com o Esporte Clube Mariliense, surgiu o Nikkey Clube de Marília, cujo objetivo é divulgar e preservar a cultura japonesa junto a comunidade, e promover o intercâmbio cultural entre o Brasil e o Japão. Templo Honpa Hongwanji de Marília. A Shindo Renmei, atuante em território brasileiro durante a Segunda Guerra Mundial, foi fundada por ex-militares japoneses em Marília no ano de 1942. A seita foi uma organização terrorista de cunho nacionalista que pregava a vitória do Japão na Guerra. Seus membros eram chamados de Kachigumi, enquanto que, os japoneses que acreditavam na fatídica derrota do Japão, eram chamados de Makegumi, ou ?corações sujos?. Os Makegumi, passaram a ser alvo dos Kachigumi, que os tomavam por desleais ao imperador e à pátria japonesa. O episódio foi base para a produção do livro e filme "Corações Sujos", de Fernando de Morais e "Yami no Ichinichi - O crime que abalou a colônia japonesa no Brasil", de Mario Jun Okuhara. [12]
A comunidade nipo-brasileira de Marília legou à cidade um importante patrimônio cultural, disseminado, por exemplo, através da culinária, da religião, dos esportes e das artes marciais. O município possui comunidades religiosas orientais de diversas crenças e linhagens, dentre elas, a Soka Gakkai, Perfect Liberty, Seicho-no-ie, Igreja Tenrikyo, Igreja Messiânica (Johrei), Assembléia de Deus Nipo-Brasileira, Igreja Metodista Livre Concílio Nikkei[62] e os templos budistas Mahayanas Shinshu Honganji e Honpa Honganji. [63] Existem diversas academias de treinamento de artes marciais japonesas, como Judô, Kendô, Aikidô e Karatê, sendo algumas destas, células-mãe de academias que se expandiram para outras regiões do país. Marília possui equipes de Beisebol, Softbol e Gateball, sendo os times de Marília muito bem posicionados em tais modalidades em nível nacional. A culinária nipônica pode ser degustada nos mais de quinze restaurantes espalhados pela cidade, além disso, é possível encontrar diversas mercearias especializadas em produtos japoneses. Ligado Nikkey Clube encontra-se o grupo de Taikô Hibiki Wadaiko, que apresenta constantemente sua arte nos eventos da cidade e da região. Templo da Igreja Tenrikyo de Marília.
Hideraru Okagawa, foi um dos primeiros políticos de ascendência japonesa em Marília; exerceu o cargo de vereador durante 23 anos. Depois dele apareceu a maior expressão política da colônia, na década de 70 e 80, Diogo Nomura, que se tornou vereador por um mandato, deputado estadual por dois mandatos e deputado federal por outros dois. No legislativo mariliense houve outras expressões, como Luiz Okuda, Massatoshi Hoshida, Shiguetoshi Nakagawa e Teruaki Kushikawa. [64]
Os nipo descendentes estão altamente integrados à sociedade mariliense, destacando-se como profissionais liberais e empreendedores em diversos segmentos, com destaque para os ramos de farmácia e cosméticos, bazar e papelaria, estúdio fotográfico, relojoaria, floricultura, mecânica e peças de autos, motos e bicicletas, pastelarias, quitandas, supermercados e restaurantes. Nas feiras livres os japoneses e nipo descendentes ligados à produção agrícola e pastelaria são representativos. A maior expressão do empreendedorismo nipônico mariliense da atualidade é a Sasazaki, indústria de portas e esquadrias de metal.
Em virtude da notável presença nipônica em Marília, o município recebeu duas visitas da Casa Imperial do Japão, uma do então príncipe Mikasa, em 1958, por ocasião dos 50 anos da imigração japonesa no Brasil e a mais recente, em 2018, da princesa Mako, por ocasião dos festejos dos 110 anos da imigração japonesa no Brasil. Ambos foram recepcionados pelo poder público municipal e pela colônia nipônica, fazendo o plantio simbólico de um ipê em frente ao Paço Municipal da cidade. Chinesa e taiwanesa[editar | editar código-fonte]
Os laços iniciais entre a China e o Brasil foram fomentados por Portugal, uma vez que, assim como o Brasil, a região chinesa de Macau, também era colônia portuguesa. A primeira leva de imigrantes chineses a chegar ao Brasil remonta os anos de 1860, quando Portugal organizou a vinda de imigrantes da colônia de Macau. A imigração chinesa para o Brasil foi estrategicamente pensada por Portugal visando a construção de ferrovias no Rio de Janeiro, a introdução e desenvolvimento da cultura do chá em São Paulo e para o trabalho na mineração em Minas Gerais. Este tipo de migração fomentada trouxe ao Brasil aproximadamente 5 mil imigrantes.
A partir dos anos 1950 um novo e mais vigoroso fluxo migratório teve início, desta vez de forma espontânea, motivado principalmente por guerras e escassez de alimentos. A implantação do comunismo na China continental levou uma expressiva quantidade de chineses a emigrarem para Taiwan. De Taiwan partiram muitos para outros países, dentre eles o Brasil. Após um período de estagnação, a imigração chinesa para o Brasil retomou impulso no fim dos anos 1990, quando uma nova leva de imigrantes passaram a chegar ao país para dedicar-se a atividades comerciais. Tal fluxo migratório, dentre outros fatores, tem a ver com a abertura da economia brasileira nos anos 1990 e a intensificação das relações comerciais entre China e Brasil.[65]
Atualmente é possível notar a presença chinesa por todo o Brasil. Se a leva migratória anterior concentrou-se sobretudo nas capitais e grandes cidades, este novo fluxo ganhou maior capilaridade, o que tem a ver também com a interiorização da urbanização no Brasil. Deste modo, tanto nas grandes cidades, como em cidades de médio porte, como é o caso de Marília, a imigração chinesa não passa desapercebida. Estes novos imigrantes, chegam ao Brasil para a realização do sonho de possuir seu próprio negócio. Tradicionalmente os chineses dedicavam-se ao ramo alimentício (em geral pastelarias, devido ao baixo investimento inicial e o rápido retorno financeiro), contudo, atualmente diversificaram o rol de atuação, dedicando-se maciçamente à venda de artigos importados de seu país natal, sejam eles utilidades domésticas, utensílios de beleza, relógios e eletrônicos.
Em Marília, os imigrantes da nova leva imigratória localizam-se essencialmente na região central da cidade, onde vivem e trabalham em atividades comerciais que vão de lojas de importados a restaurantes e pastelarias (que atualmente não vendem apenas pastéis, mas também refeições e salgados em geral, inclusive a tradicionalmente brasileira coxinha). Especializados em culinária chinesa são sete restaurantes, os locais San Jhou, Disk Lin, Casa do Yakissoba, Mr. Chang, Muralha e Dragão Dourado e o franqueado China In Box. A culinária taiwanesa é representada em sua versão vegetariana pelo restaurante Tshu Shin. Estima-se que a cidade abrigue uma comunidade de mais de 900 membros.[66]
Atualmente o campus de Marília da Unesp é um dos polos do Instituto Confúcio, fruto de um convênio entre a universidade e o governo da República Popular da China, em parceria coma Universidade de Hubei. O Instituto visa o ensino da língua chinesa, a divulgação da cultura e da história da China e o fortalecimento do intercâmbio cultural e acadêmico entre o Brasil e a China. Todos os profissionais são chineses, selecionados e aprovados pela matriz do Instituto Confúcio na China para vir ao Brasil.[67]
Em 2018 foi sancionada a Lei 13.686, que institui a data de 15 de agosto como Dia Nacional da Imigração Chinesa no Brasil. A data escolhida rememora a chegada dos primeiros imigrantes chineses ao país, que segundo registros oficiais deu-se em 15 de agosto de 1900 em São Paulo. Segundo dados da Polícia Federal, os chineses representam aproximadamente 5% do número de imigrantes registrados no país. A comunidade chinesa no Brasil só é menor as estabelecidas na Bolívia, nos Estados Unidos e na Argentina. [68]Alemã[editar | editar código-fonte]
Em menor quantidade que os demais, mas não menos importantes, os alemães também chegaram a Marília e fizeram parte de sua história, contribuindo para seu desenvolvimento. Dentre estes, um nome que figura dentre o rol de heróis marilienses é o de Nelson Spielmann, mariliense descendente de alemães morto em combate na Revolução Constitucionalista de 1932.
Em 1959 teve início as pregações da Igreja da Confissão Luterana, em Marília, a partir de missionários estadunidenses de origem alemã. Os trabalhos de pregação inicial se deram entre as famílias residentes no município, expandindo posteriormente para toda a comunidade. Composição étnica[editar | editar código-fonte]
Em 2010, segundo dados do censo IBGE daquele ano, a população mariliense era composta por 140 695 brancos (64,91%); 59 929 pardos (27,65%); 10 071 pretos (4,65%); 5 808 amarelos (2,68%); e 240 indígenas (0,11%).[69]Religião[editar | editar código-fonte]
Devido à grande variedade cultural e étnica de Marília, são diversas as manifestações religiosas presentes na cidade. Embora tenha se desenvolvido sobre uma matriz social eminentemente católica romana, tanto devido à colonização quanto à imigração ? e ainda hoje a maioria dos marilienses se declarem católicos romanos ? é possível encontrar atualmente no município diversas denominações protestantes, assim como a prática do budismo, do espiritismo, da umbanda, do candomblé, do catolicismo ortodoxo, dentre outras.
De acordo com dados do censo de 2010 realizado pelo IBGE, a população mariliense está composta por: 135 373 católicos (62,46%); 54 985 evangélicos (25,37%); 11 428 pessoas sem religião (5,27%); 7 176 espíritas (3,31%); 2 296 Testemunhas de Jeová (1,06%); 1 092 budistas (0,50%) e os demais divididos entre outras religiões.[70] Catedral Basílica de São Bento.Catolicismo
Apostólico Romano Capela Nossa Senhora de Lourdes.
Marília é sede da diocese da região da Alta Paulista, pesiástica de Botucatu e ao Conselho Episcopal Regional Sul I da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil. No dia 8 de maio de 2013, o então padre Luiz Antônio Cipolini foi nomeado bispo diocesano de Marília pelo Papa Francisco, recebendo automaticamente o título de Monsenhor. A diocese de Marília é responsável por uma população de mais de 600.000 fiéis, compreende 60 paróquias, divididas entre 37 municípios, sendo a sede, a Basílica Menor de São Bento, em Marília e possuindo São Pedro como santo padroeiro. Brasão da Diocese de Marília.A diocese subdivide-se entre três regiões pastorais, sendo elas:
Região Pastoral IMarília (sede), Álvaro de Carvalho, Avencas (Distrito de Marília), Garça, Oriente, Paulópolis (Distrito de Pompeia), Pompeia, Quintana, Vera Cruz.
Região Pastoral IITupã (sede), Adamantina, Arco-Íris, Bastos, Herculândia, Iacri, Inúbia Paulista, Lucélia, Mariápolis,Osvaldo Cruz, Parapuã, Pracinha, Queiroz, Rinópolis, Sagres, Salmourão.
Região Pastoral IIIDracena (sede), Flora Rica, Flórida Paulista, Irapuru, Junqueirópolis, Monte Castelo, Nova Guataporanga, Ouro Verde, Pacaembu, Panorama, Paulicéia, Santa Mercedes, São João do Pau d'Alho, Tupi Paulista.[71]
Ortodoxo
Igreja Católica Apostólica Ortodoxa do Brasil
Igreja Sirian Ortodoxa de Antioquia
Santuário Nossa Senhora Desatadora dos Nós
Protestantismo
Diversas são as ramificações cristãs surgidas pós-reforma protestante. Dentre estas, as seguintes estão presentes em Marília:
Protestantismo históricoIgreja Luterana, Igreja Presbiteriana do Brasil, Igreja Presbiteriana Independente, Igreja Batista, Igreja Batista da Paz, Igreja Metodista, Igreja Metodista Concílio Nikkei.
Restauracionismo/Primitivismo CristãoIgreja Adventista do Sétimo Dia, Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias, Salão do Reino das Testemunhas de Jeová
PentecostalismoIgreja Presbiteriana Renovada, Congregação Cristã no Brasil, Congregação Cristã Ministério de Jandira, Assembléia de Deus Ministério de Belém, Assembléia de Deus de Ministério de Marília, Assembléia de Deus Ministério Madureira, Assembléia de Deus Nipo-Brasileira, Assembléia de Deus Ministério de Perus, Igreja Adventista da Promessa
DeuteropentecostalismoIgreja Batista Independente Pentecostal de Marília, Igreja do Evangelho Quadrangular, O Brasil para Cristo, Igreja Pentecostal Deus é Amor, Casa da Benção, Igreja Apostólica, Igreja Cristã Maranata, Igreja Pentecostal Glória de Deus, Igreja Só o Senhor é Deus.
NeopentecostalismoIgreja Universal do Reino de Deus, Igreja Internacional da Graça de Deus, Renascer em Cristo, Igreja Mundial do Poder de Deus, Igreja Evangélica das Nações, Avivamento da Fé, Igreja Evangélica Nova Canaã, Bola de Neve Church, Igreja Evangélica Nova História, Oxygen Church, Igreja do Novo Nascimento, Comunidade Cristã Ágape, Igreja Evangélica, Luz do Mundo, Igreja Evangélica Jovens Alcançados por Cristo, Igreja Evangélica Avivamento Bíblico, Igreja Continental da Glória de Deus, Ministério Profético Casa de Israel.
EcumenismoReligião de Deus, Igreja Messiânica (Johrei).
Espiritismo
Desde a fundação de Marília, o espiritismo vem desempenhando importante papel junto à comunidade, sendo que importantes instituições operantes no município foram fundadas e administradas por beneméritos espíritas e suas comunidades, como o Hospital Espírita, o Restaurante Infantil, o Lar de meninas Amélie Boudet, o Colégio Bezerra de Menezes e o Centro Universitário Eurípides de Marília (Univem).
Alguns dos centros do município são: Núcleo Espírita Amor e Paz (Neap), Centro Espírita Luz, Fé e Caridade, Associação Espírita Fonte de Luz, Centro Espírita Luz e Verdade, Sociedade Espírita Vicente de Paula, Centro Espírita Semeadores de Luz, Comunhão Espírita de Marília, Centro Espírita Caminho Luz e Verdade, Centro Espírita Jesus de Nazaré, Centro Espírita e Comunidade Assistencial, Centro Espírita Mensageiros da Luz Pedro de Alcântara.Política e administração[editar | editar código-fonte]
Ver também: Lista de prefeitos de MaríliaPoder executivo[editar | editar código-fonte]
O poder executivo do município de Marília é representado pelo prefeito e seu gabinete de secretários, seguindo o modelo proposto pela Constituição Federal.
Atualmente, o prefeito municipal é Daniel Alonso - PSDB, que foi eleito prefeito para a gestão 2017/2020, ao lado do vice-prefeito Tato - PMDB, com 30,00 por cento dos votos válidos.Poder legislativo[editar | editar código-fonte]
O poder legislativo é representado pela Câmara Municipal, composta por 13 vereadores. Cabe à Câmara elaborar e votar leis fundamentais à administração e ao executivo, especialmente o orçamento municipal (conhecido como Lei Orçamentária Anual). Devido ao poder de veto do prefeito, em períodos de conflito entre o executivo e o legislativo, o processo de votação deste tipo de lei costuma gerar bastante polêmica.Relações internacionais[editar | editar código-fonte]
Cidades-irmãs[editar | editar código-fonte]
O irmanamento de cidades é a promoção da cooperação entre municípios, que pode acontecer em diversas áreas como cultura, educação, saúde, transportes, meio ambiente e desenvolvimento econômico. Se dois municípios possuem características semelhantes como, número de habitantes, tamanho e setor econômico preponderante, é possível que possam trocar conhecimentos sobre a resolução de problemas comuns; diversos protocolos podem ser firmados visando investimentos em projetos, intercâmbio de estudantes, especialistas e empresários, dentre outras possibilidades [72] Japão - Higashihiroshima
Estados Unidos Estados Unidos - Buffalo
Em novembro de 1980 Marília e Higashihiroshima tornaram-se cidades-irmãs. Em homenagem à parceria, Marília tem uma praça com o nome da cidade-irmã japonesa. Outros três monumentos que homenageiam a relação da cidade com o Japão podem ser encontrados no jardim do paço municipal, tendo sido um deles inaugurado pelo Príncipe Mikasa em 1958, no cinquentenário da imigração japonesa para o Brasil.[72]
Em abril de 2003 o decreto municipal de Nº 8610 considerou irmãs as cidades de Marília e Buffalo, localizada no Estado de Nova York, nos Estados Unidos. A iniciativa partiu de Buffalo, que no âmbito do Sister Cities International, manifestou interesse em estabelecer parcerias com Marília, sendo atendida pela gestão de Abelardo Camarinha. [73]Bandeira municipal[editar | editar código-fonte]
Em 22 de março de 2005, o prefeito Mário Bulgarelli sancionou a lei 6 230,[74] que instituiu que a bandeira municipal teria de ser terciada em vertical com partes idênticas: duas laterais em azul (não mais em vermelho), com a tira central na cor branca, onde seria aplicado o brasão de armas do município no seu exato meio.
A antiga bandeira era de 1978. A bandeira vermelha (cor original) simbolizava o café, sempre presente na história do município; já a cor azul tem origem incerta (especuladores dizem ter mudado a cor de vermelho para azul para parecer com a bandeira do Marília Atlético Clube. Outros dizem que o azul é a cor do logotipo da administração do ex-prefeito Abelardo Camarinha. [carece de fontes?]
Em 2010, por imposição da justiça, a bandeira da cidade retornou à sua aparência original. Saiu o azul das faixas laterais para o retorno do vermelho.[75]Infraestrutura[editar | editar código-fonte]
Marília (década de 1960).
Comunicações[editar | editar código-fonte]
Telefonia[editar | editar código-fonte]
A cidade foi atendida pela Companhia Telefônica Brasileira (CTB) até 1973[76], quando passou a ser atendida pela Telecomunicações de São Paulo (TELESP), que construiu a central telefônica utilizada até os dias atuais. Em 1998 esta empresa foi privatizada e vendida para a espanhola Telefônica[77], sendo que em 2012 a empresa adotou a marca Vivo[78] para suas operações de telefonia fixa.Educação[editar | editar código-fonte]
Tarde de outono no campus da Unesp de Marília.
O município conta com uma privilegiada estrutura de ensino, possuindo sistemas de educação desde o ensino básico até o superior e pós-graduação.
A Rede Municipal de Educação conta hoje com 50 unidades, sendo 5 berçários, 26 Emeis (Escolas Municipal de Educação Infantil) e Ceis-Creche; 3 Emefeis (Escolas Municipais de Ensino Fundamental e Educação Infantil) 16 Emefs (Escolas Municipais de Ensino Fundamental), atendendo a um público de aproximadamente 21 mil alunos. Além disso, o município dispõe do CAP (Centro de Apoio Psicopedagógico), para atender estudantes com dificuldades de aprendizagem. O sistema escolar instalado conta ainda com 46 escolas estaduais e 16 escolas privadas.
Japonês, mandarim, francês, alemão, italiano, espanhol e inglês são alguns dos cursos oferecidos, gratuitamente, a estudantes de Marília através do Centro de Ensino de Línguas (CEL) da Secretaria da Educação do Estado de São Paulo. O (CEL) localiza-se na Escola Estadual Monsenhor Bicudo, atende 460 alunos de escolas da rede pública, nos turnos matutino, vespertino e noturno. As matrículas podem ser feitas por estudantes a partir do sétimo ano do ensino fundamental e da educação de jovens e adultos, com exceção dos cursos de inglês e mandarim, que são disponíveis somente para o ensino médio. Além de aprender o idioma, os estudantes têm a oportunidade, durante as aulas, de conhecer também os costumes de outros países.[79]
Além da rede pública de ensino, o município dispõe do ensino básico, fundamental, médio, técnico e Educação de Jovens e Adultos (EJA) oferecido pela Fundação Bradesco, bem como pelo "Sistema S", que aglomera aprendizado e administração no setor comercial e industrial, através do Senac (Serviço Nacional de Aprendizagem Comercial), do Senai (Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial), do Sebrae (Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas) e do Sesi (Serviço Social da Indústria).
Dentre os centros de educação profissionalizantes públicos instalados no município estão o Ceprom (Centro Profissionalizante de Marília), a Fatec Estudante Rafael Almeida Camarinha (Faculdade de Tecnologia) e a Etec Antonio Devisate (Escola Técnica Estadual - Centro Paula Souza).
Marília é um centro regional de ensino superior, contando com mais de 40 cursos instalados no município. Ensino superior[editar | editar código-fonte]
Instituições públicasInstituições privadas
FAMEMA - Faculdade de Medicina de Marília (Estadual)UNIMAR - Universidade de Marília
UNESP Marília (Estadual)UNIVEM - Centro Universitário Eurípedes de Marília
FATEC - Faculdade de Tecnologia (Estadual)FAJOPA - Faculdade João Paulo II
FAIP - Faculdade de Ensino Superior do Interior Paulista
FAEF - Faculdade de Agronomia e Engenharia Florestal
FGV - Fundação Getúlio Vargas
Grupo Educacional UNIESP
Faculdade Católica Paulista
Ibmec e Damásio - Faculdade, Pós-Graduação e MBA
Senac - Serviço Nacional de Aprendizagem ComercialSaúde[editar | editar código-fonte]
Secretaria da Saúde[editar | editar código-fonte]
O município possui cinco hospitais, outro em fase de abertura e 1 maternidade. A cidade é servida por inúmeras clínicas, empresas de diagnósticos e lojas de produtos hospitalares.
A Rede Municipal de Saúde, conta com 29 USFs (Unidades de Saúde da Família), 12 UBSs (Unidades Básicas de Saúde), 1 policlínica e 2 PAs (pronto-atendimento), conta ainda com serviços diferenciados como o Caps (Centro de Atenção Psicossocial), tratamento de obesidade infantil pelo Caoim (Centro de Atendimento à Obesidade Infantil de Marília), 1 Clínica de Fisioterapia, que funciona na antiga estação ferroviária, 1 CEO (Centro de Especialidades Odontológicas), 1 Clínica de Fonoaudiologia, além do atendimento do Programa Municipal de Ações Antitabágicas, que colabora na recuperação de pessoas viciadas em tabaco.Transportes[editar | editar código-fonte]
Marília enfrenta algumas dificuldades relacionadas à infraestrutura logística de acesso à cidade; a malha ferroviária encontra-se desativada tanto para passageiros como para cargas, existe uma demanda regional reprimida no setor aéreo, pois o aeroporto de Marília não oferece estrutura para o recebimento de grandes aeronaves, operando com uma única empresa (Azul) e para um único destino (Campinas), não há uma ligação rodoviária rápida oferecida por empresas rodoviárias a grandes centros e especialmente à capital do estado, de modo que, os 438Km que separam Marília de São Paulo, não podem ser vencidos em menos de 6 horas de viagem pela empresa que detém o monopólio do trecho. Ferroviário[editar | editar código-fonte]
Marília é servida pela Companhia Paulista, localizando-se no ramal denominado Alta Paulista, do qual foi reconhecida como a capital. Atualmente tanto o transporte de cargas, como de passageiros encontra-se desativado, estando grande parte do patrimônio ferroviário em estado de sucateamento. Aéreo[editar | editar código-fonte]
O Aeroporto de Marília (Aeroporto Estadual Frank Miloye Milenkovich) localiza-se a 3 km do centro da cidade. Inaugurado em 1938, o aeroporto fez grande história na aviação brasileira. Principalmente por se tratar do berço da companhia aérea TAM Linhas Aéreas. O atual aeroporto possui uma pista asfaltada, com comprimento de 1.700 m e 35 m de largura, comportando pequenas aeronaves.
A única empresa que atua regularmente é a Azul Linhas Aéreas Brasileiras, que anunciou as atividades na cidade em 1 de julho de 2011. A empresa opera voos diretos para o aeroporto de Viracopos de segunda a sábado às 5:35am, de domingo à sexta às 15:10pm e aos sábados às 15:15pm. A duração da viagem é de aproximadamente 1 hora. Rodoviário[editar | editar código-fonte]
O município é servido por duas rodovias estaduais: a Comandante João Ribeiro de Barros (SP-294) e a Dona Leonor Mendes de Barros (SP-333); e por uma federal: a Transbrasiliana (BR-153).Rodovia do Contorno
BR-153 - Rodovia Transbrasiliana
SP-294 - Rodovia Comandante João Ribeiro de Barros
SP-333 - Rodovia Rachid Rayes
A frota de automóveis no município de Marília é de aproximadamente 86.718 mil veículos (Denatran-Maio/2015);[80] uma média aproximada de um carro para cada 3 moradores.Transporte Privado[editar | editar código-fonte]
Transporte público[editar | editar código-fonte]
Urbano[editar | editar código-fonte]
Transporte Público: Marília conta com transporte urbano servido pelas Empresas Grande Marília e Viação Sorriso de Marília, que operam por linhas regulares levando os usuários aos quatro cantos da cidade.Interurbano[editar | editar código-fonte]
Terminal Rodoviário de Marília
O Terminal Rodoviário Interestadual de Marília "Comendador José Brambilla" está localizado às margens da Rodovia SP-294, na Avenida Carlos Artêncio, 1001 e foi inaugurado em 2003, com projeto diferenciado e moderno, com áreas temáticas, mirante, guarda volumes, lojas e posto de informação turística e conta com empresas com linhas regulares para todas as regiões do país e também que atendem as linhas interurbanas entre os municípios vizinhos. Primeira rodoviária de Marília - 1947.
As principais empresas rodoviárias que servem o município de Marília são: Guerino Seiscento, Expresso de Prata, Princesa do Norte, Real Expresso, Viação Motta, Viação Kaissara, Viação Nacional Expresso e Viação Rotas do Triângulo.
A primeira Estação Rodoviária de Marília foi inaugurada em 1938, quando a cidade tinha apenas nove anos de emancipação, sendo a primeira rodoviária do Brasil. Na época, a cidade concentrava grande parte do transporte rodoviário do Estado. Hoje, Marília é polo econômico de grandes indústrias alimentícias e também polo estudantil e recebe muitas pessoas vindas de todo país e que passam em sua maioria pela rodoviária.
O terminal rodoviário de Marília dispõe ainda de vários serviços onde você pode obter informações de horários e destinos, dispõe do serviço de táxi (24 horas), de achados e perdidos e caixas eletrônicos.Habitação[editar | editar código-fonte]
Bairros[editar | editar código-fonte]Distrito Sede[81]
AltaneiraJardim das RosasJardim Vista AlegreBairro Santa Lourdes
Alto CafezalJardim David L. P. AlvesJardim VitóriaBairro Santa Olívia
Bairro Ana CarlaJardim DirceuJóquei ClubeBairro Stª Tereza
Bairro Antonio Carlos N. SilvaJardim Dom Frei D. TomasellaBairro LorenzettiBairro Stª Olívia
BanzatoJardim Domingos de LéoLoteamento Profª Marina M. FerreiraBairro São João
BarbosaJardim dos LíriosLoteamento Faz. S. SebastiãoBairro São José
Bairro BarrosJardim Edisom da S. LimaLoteamento Res. Vale do CanaãBairro S. Judas Tadeu
BassanJardim EldoradoBairro Luiz H. ZaninottoBairro S. Miguel
BetelJardim EsmeraldaBairro Maria PaulaBairro S. Paulo
Boa VistaJardim EsplanadaBairro MarianaBairro Sen. Salgado Filho
BosqueJardim EstorilBairro MaríliaSítios de Recreio Céu Azul
CanaãJardim EuropaBairro MiranteSítios de Recreio Cinquentenário
Bairro CascataJardim FlamingoMontolarSítios de Recreio da Estância Uberlândia
Bairro CavalieriJardim Flora RicaN. H. Alcides MatiuzziSítios de Recreio Morada do Sol
Bairro Cavalieri IIJardim FlorençaN. H. Castello BrancoSítios de Recreio Nascimento
CentroJardim FontanelliN. H. CecapSítios de Recreio Panambi
Bairro César de AlmeidaJardim GuarujáN. H. Chico MendesSítios de Recreio Portal do Vale
Chácara dos LaranjaisJardim IpanemaN. H. Costa e SilvaSítios de Recreio Recanto dos Nobres
Chácara ElianaJardim ItamaratiN. H. Dr. Aniz BadraSítios de Recreio Stª Carolina
Chácara São CarlosJardim JequitibáN. H. Dr. Fernando M. P. RochaSítios de Recreio Stª Gertrudes
Conj. Hab. Leonel de M. BrizolaJardim LavíniaN. H. Eliana Dias MotaSítios de Recreio Vale do Sol
Conj. Hab. Lindomar G. de CarvalhoJardim LucianaH. H. Helena BernardesSomenzari
Conj. Hab. Mons. João B. ToffoliJardim MarajáN. H. Jd. Bela VistaBairro Souza
Conj. Hab. Paulo Lúcio NogueiraJardim MarajóN. H. José T. MartinezBairro T. B. de Argolo Ferrão
Conj. Hab. Vila dos Comerciários IJardim MarambaiaN. H. J. KubitshekThomaz Mascaro
Conj. Hab. Vila dos Comerciários IIJardim Maria IzabelN. H. Maria A. MatosBairro Ver. Eduardo Andrade Reis
Conj. Residencial Alcir RaineriJardim Maria MarthaN. H. Nova MaríliaVila Coimbra
Conj. Res. Luiz Egydio de Cerqueira CésarJardim MaríliaN. H. Pres. Jânio da S. QuadrosVila MAria
Conj. Res. Sarg. José Carlos Alves FerreiraJardim Monte CasteloBairro Osvaldo FanceliVila Operária Alimentação I
Distrito Industrial IJardim MorumbiBairro PalmeiraVila Operária Alimentação II
Distrito Industrial Santo BarionJardim NacionalBairro PalmitalBairro Vila Real
Bairro Edson Jorge JúniorJardim NazarethPq. Cecap AeroportoBairro Vila Romana
FragataJardim OharaPq. das AcáciasBairro Vila Flora
Bairro Francisco de Abreu FernandesJardim ParaísoPq. das AzaléiasBairro Realengo
HigienópolisJardim ParatiPq. das EsmeraldasResidencial de Recreio Maria Isabel
Hípica PaulistaJardim PérolaPq. das Esmeraldas IIResidencial Portal da Serra
Jardim AcapulcoJardim PlanaltoPq. das IndústriasResidencial Vale Verde
Jardim Adolpho BimJardim PolyanaPq. das NaçõesJardim Verona
Jardim AeroportoJardim Porta do SolPq. das PrimaverasBairro Quarto Centenário
Jardim Altos da CidadeJardim PresidentePq. das VivendasBairro Profª Liliana de S. Gonzaga
Jardim Altos do PalmitalJardim ProgressoPq. das Vivendas IIJardim Universitário
Jardim AlvoradaJardim RivieraPq. dos IpêsJardim Tropical
Jardim AméricaJardim Sancho F. da CostaPq. Nova AlmeidaJardim Teotônio Vilela
Jardim Aparecida NasserJardim Santa AntonietaPq. Res. JulietaJardim Tangará
Jardim AquáriusJardim Santa ClaraPq. Res. Novo HorizonteBairro Rubens de Abreu Izique
Jardim AraxáJardim Sta. GertrudesPq. Res. St. GertrudesBairro Rodolfo da S. Costa
Jardim BancáriosJardim Sta. PaulaPq. São JorgeJardim Damasco I
Jardim BandeirantesJardim S. DomingosPq. Serra DouradaJardim Damasco II
Jardim BetâniaJardim S. FranciscoBairro PaulistaJardim Damasco III
Jardim CalifórniaJardim S. GabrielBairro PólonJardim Colorado
Jardim CasadeiJardim S. GeraldoBairro Primeiro de MaioJardim Continental
Jardim CavalariJardim S. Vicente de PauloBairro Prof. Antônio da S. PenteadoJardim Cristo Rei
Jardim ColibriJardim SasazakiBairro Prof. José Augusto da S. RibeiroSaliola
Jardim VirgíniaCondomínios fechados horizontais[editar | editar código-fonte]
No Brasil, os primeiros condomínios surgiram na cidade de São Paulo, primeiramente com edifícios verticais, no início da década de 1970. Os condomínios horizontais começaram a ser implantados ao final desta mesma década a oeste da região metropolitana de São Paulo. A partir de então, os empreendimentos destinados à elite, localizados distantes do centro principal da cidade, tornaram-se tendência.
As incorporadores passaram a lançar empreendimentos semelhantes as new tows e edge-cities norte-americanas (áreas suburbanas que combinam empreendimentos residenciais com centro comerciais e espaços para escritórios).
Tais empreendimentos começam a surgir em Marília a partir de 1993, dando-se de maneira rápida e intensa, chegando ao ano de 2003, por exemplo, com um número de dezoito empreendimentos residenciais fechados.[82] Dados de 2018 do Conselho Regional de Corretores Imobiliários apontam para um total de 27 condomínios, o que coloca Marília em segundo lugar no estado de São Paulo em número de condomínios fechados horizontais de diversos padrões [83].
O primeiro condomínio residencial horizontal de Marília foi lançado em 1993 com o nome de Esmeralda Residence, na região do distrito de Lácio. Em 1996 e 1997 foram lançados o Residencial Village do Bosque e o Residencial Garden Park na região do aeroporto. Entre 1999 e 2000 foram inaugurados os condomínios Residencial Villagio das Esmeraldas, Residencial Solar das Esmeraldas e o Residencial Pedra Verde, nas adjacências da Avenida das Esmeraldas. A partir de 2000, pela primeira vez o foco de atração saiu da zona leste da cidade com o lançamento do Condomínio Residencial Campo Limpo, próximo ao atual Marília Shopping, na zona norte da cidade e com o Condomínio Residencial Portal do Parati, na zona sul. Datam de 2000 também o Condomínio Residencial Jardim do Bosque e o Condomínio Residencial Jardim Colibri, ambos na região do aeroporto. Em 2001 foi lançado o Residencial Valle do Canaã, na zona rural de Marília, a sudoeste da cidade, sendo o maior condomínio de Marília até então, com uma área de 996.676,24 m². Também de 2001 data o lançamento do Condomínio Campo Belo, a noroeste de Marília, em área rural próxima ao distrito de Padre Nóbrega. Em 2002 foi lançado o Residencial Villa Flora, na zona norte, nas adjacências do Marília Shopping. Em 2003 foi lançado o Residencial Portal da Serra, o segundo maior de Marília, com 392.428,03 m² em área de transição entre o meio urbano e o rural, a nordeste da cidade. De 2003 também data o lançamento do Residencial Portal dos Nobres, na região do distrito de Lácio. [82]
Percebe-se grandes transformações urbanísticas na região leste da cidade em decorrência da instalação de tantos condomínios residenciais de alto poder aquisitivo, como a instalação, na região da Avenida das Esmeraldas, de grandes hipermercados, restaurantes, shopping center e lojas de grifes famosas, bem como a atuação do poder público municipal no tocante ao tratamento paisagístico, construção de pista de caminhada e da inauguração da Avenida Cascata, ligando a região do aeroporto (com forte concentração de condomínios residenciais) à região da Avenida das Esmeraldas.Economia[editar | editar código-fonte]
Principais produtos de exportação de Marília (2016).
Marília foi nas primeiras décadas do século XX uma região de fronteira e expansão de agricultura, tendo despontado na produção e beneficiamento de café e algodão. Posteriormente a produção agrícola foi diversificada com a introdução da sericicultura e dos cultivos de melancia e amendoim, cujas produções ainda garantem lugar de destaque no estado de São Paulo. Marília também possui o terceiro maior rebanho bovino do Estado de São Paulo com 116,5 mil cabeças, ficando atrás apenas dos municípios de Rancharia e Mirante do Paranapanema.[84]
Indústria, comércio e prestação de serviços são destaques no município, com empresas que distribuem seus produtos para o mercado nacional e internacional. O setor alimentício figura em destaque na pauta de exportações do município, ocupando mais de 70% dos produtos exportados[85], o que também faz a cidade ser conhecida como "Capital Nacional do Alimento".
O parque industrial mariliense conta com cerca de 1 100 empresas distribuídas nos setores alimentício, metalúrgico, construção, têxtil, gráfico e plástico, entre outras. Além das plantas fabris de empresas multinacionais, como Nestlé e Coca Cola, Marília possui a especificidade de ter sido o berço de diversas empresas que posteriormente ganharam destaque em âmbito nacional e internacional, como Dori, Marilan e Sasazaki. Empresas fundadas em Marília[editar | editar código-fonte]
Sasazaki[editar | editar código-fonte]
A história da Sasazaki no Brasil começou a ser edificada em 1933, quando a família Sasazaki desembarcou em Santos (SP), vinda do Japão ? juntamente com centenas de outros imigrantes ? e instalou-se numa fazenda em Guaimbê ? interior de São Paulo. Após dez anos de trabalho na agricultura e para sustentar a família após a morte do pai, em 1943 Yosaku Sasazaki, os irmãos Kosaku e Yusaburo migraram de Guaimbê para Marília, dedicando-se à fabricação artesanal de lamparinas com folha de flandres recicladas, seria este o embrião da Sasazaki.
Com os primeiros ganhos, passaram a produzir equipamentos agrícolas manuais, como plantadoras de algodão. Em 1958 Yusaburo e Kosaku, com os irmãos Yutaka, Hachiro e Tochimiti e o amigo Kyomassa Shibuya formaram a Indústria e Comércio Sasazaki, empresa que nasceu com 50 funcionários. Em 1964, a Sasazaki deixa para trás a fase manual, lançando o DTM, Descascador Motorizado de Tríplice aplicação, que beneficiava café, mamona e amendoim. Por imposição dos fenômenos climáticos e a sazonalidade da agricultura, no ano de 1975 a Sasazaki foi obrigada a mudar o ramo de atuação, que deixou o desenvolvimento de soluções para o campo para se dedicar à fabricação de esquadrias metálicas. O primeiro produto criado foi uma janela veneziana, depois, vieram janelas de correr, portas e complementos.
Em 1996 a fábrica foi transferida para o Distrito Industrial, com uma área construída de 60 mil m². No ano seguinte foi criada a Divisão de Esquadrias de Alumínio. A empresa adquiriu uma área anexa à principal, e aumentou o seu parque industrial para mais de 70 mil m² de área construída. Em 2009, a Sasazaki passou a ser a primeira empresa brasileira do segmento a utilizar nanotecnologia em seu processo de fabricação. Em 2011 uma filial da empresa foi inaugurada em Jaboatão dos Guararapes (PE), o que permitiu reafirmar a eficiência logística da Sasazaki e a expansão dos negócios para a região Nordeste. O complexo industrial, localizado em Marília, foi ampliado, passando de 75 mil m² para 78 mil m², com o aumento da área construída da fábrica de alumínio. Uma nova linha de produção de esquadrias de alumínio foi instalada, com capacidade de produção de mil peças por dia.[86] Atualmente a empresa possui cerca de 900 funcionários diretos e é uma das maiores indústrias brasileiras no segmento.[87]Bradesco[editar | editar código-fonte]
Foi em Marília que o ribeirão-pretano Amador Aguiar fundou o Banco Brasileiro de Descontos S.A., em 10 de março de 1943. O Bradesco funcionava com a matriz em Marília e mais seis agências, nas cidades paulistas de Garça, Getulina, Pompeia, Rancharia, Tupã e Vera Cruz. O contato direto com o Cliente foi o sucesso do negócio, pois enquanto os bancos tradicionais se distanciavam dos colonos, o Bradesco via crescer as contas daquela gente numerosa e simples.
Quando abriu as portas, de tão pequeno que era, não sem ironia, foi chamado de ?Banco de Dez Contos?. O Bradesco não aderiu à onda crescente de xenofobia provocada pela II Guerra Mundial; em suas agências, as possibilidades de um italiano, um alemão ou um japonês serem atendidos eram as melhores possíveis. Naqueles tempos pioneiros, em Pompeia, no ponto final da Companhia Paulista de Estradas de Ferro, fervilhava o comércio do algodão. Como o Banco não discriminava os naturais de países aliados do Eixo na Guerra, era comum japoneses abrirem contas.
O Brasil era um imenso arquipélago com ilhas geoeconômicas incomunicáveis entre si. Além de incipiente, a produção industrial enfrentava graves dificuldades de transporte. O Banco incursionou por esse filão heterodoxo; do remédio ao trigo, das peças de reposição ao combustível, era possível encomendá-los em suas agências. Ao funcionar como uma espécie de empório, somado ao seu crescente número de clientes agricultores, o banco atraiu comerciantes e prefeituras. O Bradesco conquistou novos clientes e transformou-se em um banco de massas. Em 1946 a matriz foi transferida para a capital do estado e em 1948, o Bradesco adquiriu o Banco Mobilizador de Crédito, do Rio de Janeiro, então Capital Federal. De banco regional o Bradesco passou a banco nacional, anexando dezenas de outros bancos e instituições financeiras durante toda a sua trajetória. Marilan[editar | editar código-fonte]
Fundada em 1956 pelo casal de origem italiana Maximiliano e Iracema Garla, ganhou seu primeiro prédio no ano seguinte, onde eram produzidos biscoitos Maria, Água e Sal, Coco e Maisena em forno à lenha. O nome da empresa foi escolhido pela própria comunidade mariliense através de concurso realizado por uma rádio local.[88] A produção inicial, essencialmente artesanal, cresceu em qualidade e quantidade, de modo que no fim dos anos 1960 já eram produzidos 600 kg de biscoitos por hora. Nos anos 70 a família Garla adquiriu um novo terreno em Marília e construiu seu parque industrial, com 67 mil m² e empregando 250 funcionários. Nos anos 90 a Marilan já produzia 84 mil toneladas de biscoitos por ano e contava com 1300 colaboradores diretos.
Em 1995, o senhor Maximiliano recebeu o prêmio de empresário do ano e em 1997, recebeu o título de "Cidadão Mariliense", concedido pela Câmara Municipal de Marília.[88] Atualmente a Marilan é a segunda maior fabricante de biscoitos do Brasil, gera mais de 3 mil empregos diretos e indiretos, sua planta fabril funciona 24 horas por dia, 7 dias por semana. A empresa possui um catálogo de mais de 100 itens e uma capacidade produtiva de até 200 mil toneladas por ano; seus produtos são exportados para mais de 50 países em todos os continentes.[89]TAM[editar | editar código-fonte]
A TAM Linhas Aéreas S.A., maior empresa aérea do país, foi fundada em Marília. Ela surgiu como TAM (Táxi Aéreo de Marília) em 1961, a partir da união de dez jovens pilotos de monomotores. Na época, eles faziam o transporte de cargas e de passageiros entre o Paraná e os estados de São Paulo e Mato Grosso.Intercoffe/Café América[editar | editar código-fonte]
A Intercoffe foi fundada em Marília em 1962, iniciando suas atividades como produtora, comissária e exportadora de café. Com o crescimento das exportações de café crú para países da Europa, América do Norte e Ásia, a Intercoffe chegou aos anos 1970 como uma das maiores indústrias do segmento no país.
Em 1975 a empresa lançou-se no segmento de café torrado e em grãos com a marca "Café América". Em 1993 a Intercoffe começou a importar máquinas para café espresso, distribuindo-as para todo o Brasil junto do seu principal produto, o Café América.
Atualmente a Intercoffe é proprietária das marcas Bevan (capuccinos instantâneos) e América (cafés em pó, solúveis granulados, em grãos, em cápsulas e chocolate em pó). [90] Os marilienses costumam degustar gratuitamente o Café América, já que a Intercoffe mantém máquinas de café em diversos estabelecimentos da cidade, como restaurantes e supermercados. .Dori Alimentos[editar | editar código-fonte]
A Dori iniciou suas atividades em 8 de maio de 1967 na cidade de Marília, devendo o nome ao apelido da fundadora, Doraci dos Santos Spila. A produção inicial era de pipoca e amendoim com o nome "Guri", fabricados artesanalmente na casa de dona Doraci. Em 1970, o esposo de dona Doraci, Augusto Spila, deixou o emprego como técnico de rádio e juntou-se à empresa, que seis anos depois ganharia sede própria. Em 1986 a Dori ganhou uma filial que dedicava-se à seleção e ao preparo da matéria prima para a produção da empresa matriz, a partir de então, a filial contratou um engenheiro agrônomo que prestava assessoria aos produtores de amendoim região, orientando-os sobre plantação, manejo e qualidade, resgatando a tradição da produção local de amendoim, que na década de 40 era uma das maiores do país. Esse serviço firmou uma relação de parceria entre os produtores locais e a empresa. Um laboratório de análise de amendoim foi criado e hoje garante a excelência e a qualidade do produto, sendo a única indústria de confeitos do País a oferecer este serviço.
A família Barion, de origem italiana, assim como os Spila, assumiu a Dori em 1995 e em 2003 um centro de distribuição foi criado em Marília. Hoje, a Dori Alimentos está presente no mercado de balas, caramelos, gomas de mascar, pastilhas, confeitos, pirulitos e amendoins. A empresa figura entre as gigantes do setor de doces e snacks, liderando o mercado brasileiro, atrás apenas das multinacionais. A Dori possui atualmente 2.300 funcionários e gera entre 900 e 1000 empregos indiretos. A capacidade produtiva é de 9 mil toneladas de produtos/mês. As três unidades fabris hoje existentes - duas em Marília, interior de São Paulo, e outra em Rolândia, no Paraná - abastecem praticamente todo o país. Além disso, a empresa mantém centros de distribuição que garantem a capilaridade do negócio, são três em Pernambuco e sete distribuídos entre Bahia, Alagoas, Rio Grande do Norte, Paraíba, Ceará, Piauí e Maranhão. A Dori exporta atualmente para mais de 60 países, sendo que, do total faturado pela Dori em 2011, R$ 46 milhões foram provenientes de exportações.[91]Grupo Kawakami[editar | editar código-fonte]
A origem do Grupo Kawakami remonta ao ano de 1973, com a abertura da Cerealista Brasil por parte do senhor Iwao Kawakami, que chegou ao Brasil no ano de 1928 com os pais, o senhor Sakumatsu e a senhora Tama. Trabalhando inicialmente na lavoura cafeeira no município de Duartina, os Kawakami em poucos anos arrendaram terras no município de Marília, onde plantaram batata, amendoim, algodão e milho. Ficando órfãos ainda crianças, Iwao e mais dois irmãos trabalham duro para sobreviver e pagar as dívidas contraídas com os arrendamentos.
Em 1956 o senhor Iwao casou-se com a também imigrante japonesa, Shizuko, que havia chegado ao Brasil aos sete anos de idade. Nos anos 1970, já com os cinco filhos, o casal mudou-se para a zona urbana de Marília, com o objetivo de oferecer melhores condições de estudo para as crianças. É mantendo os laços com o campo que o casal começa a comercializar cereais no varejo e no atacado em um depósito construído em frente à residência da família.
Em 1975 o casal expande as atividades e abrem o Varejão Príncipe Mikasa. Poucos meses depois foi fundada a empresa Cerealista Kawakami Ltda, na avenida República, em Marília. Em 1983 a família, já contando com a ajuda dos filhos, instala uma filial no bairro Nova Marília, com 400m²; a cerealista passou a ganhar ares de supermercado. Em 1996 foi inaugurada uma nova loja na cidade de Tupã. Em novembro de 2000 a filial do Nova Marília foi completamente modernizada, passando a contar com amplo estacionamento e 5000m² de área construída; o Supermercado Kawakami como os moradores da região conhecem ganhou forma.
Em 2002, já com o novo layout da empresa, foi inaugurada uma nova unidade em Tupã com espaço diferenciado, climatizado e decorado, contando com 5000m² de área construída. Nos mesmos moldes da segunda filial de Tupã, em setembro de 2009 foi inaugurada mais uma loja em Marília, o Kawakami Norte, contando igualmente com 5000m² de área construída. Em 2013 a cidade de Bastos ganhou uma unidade do Supermercado Kawakami, um centro de compras moderno, climatizado e com mais de 6000m².
Em 2015 a rede inaugurou mais uma loja, desta vez em Paraguaçu Paulista; a unidade localizada em uma das principais avenidas da cidade, conta com uma área de 8.200m². Em dezembro de 2017 foi a cidade de Lins que recebeu mais uma unidade do Kawakami; um espaço bonito, moderno e climatizado, com 5.300m² de construção e amplo estacionamento coberto. Atualmente o grupo encontra-se reformulando um espaço no Penápolis Garden Shopping, no município de Penápolis, esta será a oitava loja do grupo.
O Grupo Kawakami chega ao século XXI com uma trajetória de muito trabalho, sucesso, modernização e expansão, contando com mais de 1500 colaboradores. [92]Bel Chocolates[editar | editar código-fonte]
A Bel foi fundada em 4 de julho de 1976 pelo também descendente de italianos Paulo Sérgio Zaparolli Dedemo. O nome da empresa foi uma homenagem à sua esposa "Isabel". Os primeiros produtos, amendoim salgado, pé-de-moleque e pipoca, eram fabricados artesanalmente e com receitas caseiras. Em 1984 a Bel se transferiu para as instalações atuais, no Jardim Santa Antonieta, em Marília, com uma área de 11.000m². Atualmente, com várias linhas de produção e equipamentos de tecnologia avançada, atende a todo o mercado nacional e exporta para diversos países de todo o mundo.Menin Engenharia[editar | editar código-fonte]
A Menin Engenharia foi fundada pelo engenheiro Gustavo Lorenzetti Menin no ano de 1986. A empresa, fundada em Marília, teve seu campo de atuação expandido em nível estadual, chegando nos últimos anos ao norte do Paraná. Referência na área de construção de conjuntos residenciais, a Menin Engenharia contabiliza mais de 25.000 unidades entregues, além da construção de shoppings e edifícios de alto padrão.
Destacam-se entre suas obras, os Shoppings Aquarius e Esmeralda, os edifícios de alto padrão, Royal Garden e Golden Tower, construídos em Marília, diversos loteamentos e unidades habitacionais construídas através dos programas da Caixa Econômica Federal e do CDHU em várias cidades do estado de São Paulo, inclusive na capital e no Paraná.[93]Tauste Supermercados[editar | editar código-fonte]
Inaugurado em outubro de 1991, iniciou suas atividades em uma pequena loja de bairro. O nome escolhido remonta à cidade de origem familiar dos fundadores, Tauste, na província de Zaragoza, na Espanha. No ano de 2000, mudou-se para um novo prédio, que se tornou a matriz da empresa e nele estão localizados os setores administrativos. Em março de 2004, o Tauste abriu sua segunda loja em Marília, expandindo seus negócios e consolidando sua presença na cidade. Em 2008, o Tauste inaugurou sua terceira loja, na cidade de Bauru, sendo a primeira em outro município. Em 2014 foi inaugurada a quarta loja, desta vez em Sorocaba, que em 2016 recebeu mais uma loja. Atualmente a rede possui cinco lojas, totalizando mais de 2.000 colaboradores, demonstrando o grande crescimento do Tauste ao longo dos seus anos de atividades.[94]Master Chicken[editar | editar código-fonte]
A Master Chicken é fruto de uma nova geração de empreendedores em sintonia com tendências internacionais no ramo de franchising em fast-food. Até pouco tempo, os restaurantes desta modalidade abertos no Brasil eram todos de capital estrangeiro, contudo uma nova geração de empreendedores estão fazendo sucesso com empreendimentos nacionais.
Fundada em 2014, a Master Chicken é resultado do desejo do casal Erika do Val e Rafael Paes de trazer para Marília o frango no balde e a costela ao molho barbecue, pratos consagrados da culinária norte-americana que, embora começassem a se popularizar nos grandes centros do país, não chegavam ao interior.
O sucesso foi tão grande em Marília, que o empreendimento recebeu votos de congratulações da câmara municipal em função da inovação e qualidade. Em 2016 o casal iniciou o processo de expansão através de franquias; o objetivo eram três unidades até o final do ano, contudo, a aceitação foi tamanha, que no final de 2016 a Master Chicken já contava com 15 franquias em cinco estados brasileiros; em 2017 já eram 34. A empresa que segue em acelerada expansão pelo Brasil já planeja a internacionalização da marca. [95]Comércio[editar | editar código-fonte]
No setor comercial, Marília dispõe de um mix de lojas dos mais variados segmentos. O município possui dois shoppings centers, galeria, além de um centro comercial com calçadão híbrido, atraindo consumidores de toda a região, num raio de até 100 quilômetros. O setor agropecuário também tem participação no município; café, amendoim, melancia, borracha, coco, laranja, manga, maracujá, cana-de-açúcar, mandioca, milho, são culturas produzidas na zona rural. Suinocultura, bovinocultura (corte e leite) e avicultura (corte e produção de ovos) também tem seu espaço na economia mariliense.Centros Comerciais[editar | editar código-fonte]
Marília Shopping[editar | editar código-fonte]
Inaugurado em dezembro de 2000, o Marília Shopping - Jardim Aquarius transformou-se no maior centro comercial de Marília e Região, abrangendo um raio de 120 km e uma população de mais de 1 200 000 pessoas. Com acesso fácil pela Rodovia do Contorno que corta a cidade e liga os municípios da região, conta com moderna infraestrutura instalada em uma área de 60 mil m².
Oferece estacionamento rotativo com 5 600 vagas por dia, praça de alimentação diversificada, ampla área de entretenimento com boliche e diversões eletrônicas para crianças, cinco salas de cinema, livraria, brinquedoteca, fraldário, praça de eventos e mais de 170 lojas das mais conceituadas grifes. O empreendimento também conta com uma brigada de incêndio e seguranças 24 horas por dia permanentes no Shopping, garantindo assim que seus visitantes possam desfrutar de momentos de muita descontração com total tranquilidade e conforto.Esmeralda Shopping[editar | editar código-fonte]
Localizado na Avenida das Esmeraldas, o corredor comercial mais valorizado e concorrido de Marília, o Esmeralda Shopping se consolidou como o mais moderno, seguro e confortável centro de compras de Marília e região, possuindo 3 pisos com cinema, escadas rolantes, praça de alimentação, num ambiente climatizado para maior conforto e comodidade. Oferece um diversificado mix de lojas e serviços com amplo estacionamento, monitorado por profissionais especialmente treinados.Galeria Atenas[editar | editar código-fonte]
A Galeria Atenas foi inaugurada no dia 27 de Novembro de 1991, sua construção surgiu da remodelação do antigo prédio da loja Mesbla, constituindo o 1º conglomerado de lojas em Marília, causando mudança de conceito comercial varejista na região. Desde a sua inauguração, a Galeria Atenas tornou-se um ponto de referência no comércio de Marília e Região, sendo ele um dos mais antigos da cidade, localização privilegiada e de fácil acesso. Suas lojas detêm franquias e grifes das mais renomadas no cenário nacional. Hoje, a galeria conta com uma ampla estrutura, contando com mais de 50 lojas, com um mix variado, estacionamento contando com mais de 100 vagas para clientes e esquema de segurança que dá uma maior confiabilidade para os frequentadores.Mercado 9 de Julho[editar | editar código-fonte]
Datado de 1928, o Mercadão Municipal, como era conhecido até os anos 2000, quando passou por uma reforma, foi o embrião dos Centros Comerciais de Marília. Em uma época em que não havia supermercados e as vendas não abriam aos domingos, o Mercadão era a salvação das donas de casa. Inicialmente o Mercadão reunia em peso diversos empresários de origem japonesa, que valiam-se do espaço para comercializar flores e hortifrutigranjeiros.
Reformulado e readequado às necessidades atuais, o Mercado ganhou um restaurante/churrascaria, um café/bar, floriculturas/cestarias, oficina de costura, loja de produtos orientais, laticínios, sorveteria, doceria, artigos esotéricos, galeria de artes e pet-shops. A coxinha de massa de batata e o tradicional pastel de ovo do Hélio e do Hirata, encontrados no Mercado são bem recomendados aos visitantes da cidade.[96]CEAGESP - Entreposto de Marília[editar | editar código-fonte]
Localizado na rua Reverendo Crisanto César, 209, às margens da Rodovia do Contorno, no Jardim Santa Antonieta, o entreposto do CEAGESP em Marília serve a região desde os anos 1980.Volume anual: 14,4 mil t ? participação de 0,3% do total da rede CEAGESP
Volume médio de comercialização: 1,2 mil t/mês
Principais produtos comercializados: laranja, banana, batata, tomate e repolho
Área total do terreno: 76,5 mil m²
Área construída: 2.635 m²[97]
Marília e Região Convention & Visitors Bureau[editar | editar código-fonte]
O MRC&VB, é uma entidade apolítica, sem fins lucrativos, formada e mantida pela iniciativa privada e segue uma franquia de modelo mundial de órgãos de marketing e turismo. Sua grande missão é promover o desenvolvimento e comercialização de Marília e região como destino, sendo o foco primordial, a captação de eventos itinerantes.
Após um período de mais de 5 anos de amadurecimento do empresariado mariiliense, 46 empresas se reuniram em junho de 2011 para formar o Marília e Região Convention & Visitors Bureau. Segundo o vice-presidente jurídico da Confederação Brasileira de Convention & Visitors Bureau, Márcio Santiago o MRC&VB nasceu forte, como nunca nenhum outro havia nascido, e tem tudo para se tornar um entidade referência que orgulhará muito a rede CVB.
Hoje o Marília e Região Convention & Visitors Bureau, reúne 75 empresas de vários segmentos ligados direta ou indiretamente à atividade turística, que buscam um aumento no fluxo de visitantes a fim de gerar benefícios para toda a cadeia produtiva e população em geral. [98]Esporte[editar | editar código-fonte]
Futebol[editar | editar código-fonte]
Escudo da Associação Atlético São Bento.
Escudo da Associação Atlética Vila Nova.
O futebol de Marília está intimamente ligado à história de duas equipes que durante boa parte das décadas de 1950 e 1960 disputaram a atenção dos torcedores e o privilégio de representar a cidade nos campeonatos da Federação Paulista de Futebol. Escudo do MAC (Marília Atlético Clube).
A primeira e mais antiga delas era o São Bento, que esteve presente no primeiro Campeonato Paulista da Segunda Divisão (equivalente à atual Série A2) em 1947 ? ano da criação da lei do acesso.
A outra é o atual MAC (Marília Atlético Clube), que nasceu como Esporte Clube Comercial, em 1942. Com o nome de Comercial, o time disputou apenas competições amadoras, atraindo poucos torcedores. O nome não era muito simpático à população, que o achava elitista. Então em julho de 1947, em uma assembleia, o nome de Comercial foi mudado para Marília Atlético Clube (MAC), hoje time que representa a cidade em torneios estadual e federal de futebol. Escudo do Atlético Marília. A partir de 2015, o que havia começado com um projeto esportivo para jovens e crianças, torna-se a Associação Atlética Vila Nova. Neste ano, o Vila Nova de Marília passa a competir em competições municipais, regionais, estaduais e no âmbito nacional. Em sua primeira participação da Copa Nacional, a instituição sagrou-se campeã de duas das três categorias da competição, sendo que na outra foi vice-campeã. Diante disso, ocorreu a filiação junto à Liga de Futebol Paulista, em janeiro de 2016. O ano de 2018 marca o inicio da participação da A. A. Vila Nova na cidade de Marília, no bairro Vila Nova, no Estádio do Bairro, o famoso ?Mineirão? Nelson Cabrini, com uma vitória de 3 a 0 sobre Corinthians de Presidente Prudente na Categoria Sub-16.
Em 2016, mais uma agremiação esportiva profissionalizou-se na cidade com o nome de Atlético Marília. No mesmo ano a equipe disputou sua primeira competição na Liga de Futebol Nacional, a Taça Paulista sub 18. Seu primeiro jogo oficial foi contra o Jaguariúna Futebol Clube. Suas cores eram verde e amarelo, porém para a disputa da Taça Paulista a equipe mudou seu escudo e suas cores para o atual azul e branco.Olimpíadas[editar | editar código-fonte]
Os atletas Tetsuo Okamoto e Thiago Braz, medalhistas olímpicos, são naturais da cidade.Cultura[editar | editar código-fonte]
Museu de Paleontologia de Marília.
Marília possui uma Secretaria Municipal de Cultura que além de capitanear e promover atividades culturais no município. Além das inúmeras atividades itinerantes, o município conta com equipamentos culturais fixos, sendo eles:Museu de Paleontologia de Marília;
Auditório ?Octávio Lignelli?;
Sala de Projeção Municipal;
Centro Cultural/Clube de Cinema de Marília;
Biblioteca Municipal "João Mesquita Valença";
Galeria Municipal de Artes;
Espaço Cultural e de Lazer ?Ezequiel Bambini?;
Museu Histórico e Pedagógico ?Embaixador Hélio Antônio Scarabôttollo?;
Teatro Municipal "Waldir Silveira Mello".
Patrimônio arquitetônico[editar | editar código-fonte]
Exemplares de casas de madeira em Marília nos bairros de Alto Cafezal, Boa Vista e Saliola.
A intensa derrubada das matas para a formação das lavouras de café foi característica do Oeste Paulista e Norte do Paraná. Devido a consequente abundância de madeira nestas zonas pioneiras, esta tornou-se a matéria-prima principal para os mais diversos usos, refletindo-se na arquitetura da região. Por ser uma região de ocupação recente, ainda é possível encontrar diversos imóveis de madeira em Marília, sendo essa uma característica própria das frentes de expansão, uma vez que, a arquitetura das regiões de ocupação mais antiga do estado, eram sobretudo de taipa-de-pilão, técnica pouco difundida em Marília.
As primeiras cidades dessa frente de expansão eram praticamente todas construídas de madeira, sendo substituída aos poucos pela alvenaria. Contudo, já no final dos anos 20, entre as casas de madeira, surgem projetos em alvenaria com desenhos mais elaborados, algumas vezes em linguagem eclética, explorando elementos do Art Nouveau e estilo Cottage. Tais residências costumavam possuir bases construtivas em alvenaria, criando porões que isolavam os assoalhos de madeira do solo, além de utilizarem as varandas como halls e espaços de transição da rua para o interior.[23]
No começo dos anos 1930, o engenheiro Trvante Lindsted, destaca-se entre os autores de projetos aprovados no arquivo da prefeitura de Marília. Entre 1930 a 1934, o referido engenheiro atuou com frequência no município e foi autor de importantes projetos, entre eles, casarões e residências da elite cafeeira, assim como em parte dos edifícios comerciais. Trvante foi o pioneiro na inserção de elementos do Art Déco em Marília.
Os projetos e edificações Art Déco foram a tônica de parte das novas construções no Brasil durante os anos de 1930 e 1940. Essa linguagem foi utilizada com frequência visando ?modernidade?, com a finalidade de representar algo ?futurista? ou ?além de seu tempo?. Foi uma linguagem, na maioria das vezes, vista em estabelecimentos comerciais como cinemas, hotéis, postos de gasolina e também em residências que arriscavam um ?estilo? além do tradicional ou conservador. Destacam-se em Marília os antigos Cine São Luiz (Rua Nove de julho) e Guiomar Novaes (Avenida Sampaio Vidal), a primeira rodoviária (demolida), o Hotel Líder (Rua Nove de julho) e o edifício dos Correios (Avenida Sampaio Vidal).
A arquitetura na cidade acompanhou seu crescimento urbano, através da forte produção agrícola e posterior implementação industrial, manifestando-se através de diversas tipologias. Entre todas elas podemos apontar com destaque, expoentes da arquitetura modernista, ainda pouco estudada no interior paulista, que se difundiram no município. Os primeiros ares do modernismo se dão em Marília em 1935, através de uma residência/escritório projetada pelo renomado Gregori Warchavchik para o médico baiano Aristóteles Ananias Maurício Garcia, na Avenida Sampaio Vidal. Tal residência foi demolida nos anos 1970 pela Caixa Econômica Federal, que construiu uma agência no local. Sobrado em Estilo Missões: Avenida Rio Branco x Rua São Luiz, projeto de Miguel de Souza e Silva.
Após a edificação de Warchavchik, as obras em estilo modernista passaram por um longo hiato em Marília, sendo retomadas somente nos anos 1950. Nesse ínterim aparecem obras com linguagens distintas, com uma composição estética influenciada pela exigência da clientela. Em 1937, por exemplo, Marília ganha uma residência em estilo missões, assinada pelo engenheiro Eugênio Scalise, construída na Rua 24 de dezembro. O Estilo Missões, Mexicano, Californiano ou Hispano-americano, possui raízes hispânicas; ao ser trazida ao Brasil, foi inserida num contexto onde outra linguagem de caráter nostálgico e nacionalista já era recorrente - o neocolonial luso-brasileiro. Além do projeto de Scalise, o arquiteto Miguel Sampaio de Souza e Silva foi autor de diversos projetos residenciais em Estilo Missões na cidade, com destaque para o sobrado da esquina da Rua São Luiz com a Avenida Rio Branco e o sobrado de número 361, da Avenida Rio Branco.
No ano de 1950 o hiato modernista chega ao fim em Marília a partir da construção de algumas residências e vários dos principais edifícios com linguagem modernista da cidade, como o Paço Municipal, o SENAC, o Marília Tênis Clube e as Escolas do Plano PAGE. A partir de então, ocorre um processo gradual de atuação de importantes nomes do movimento moderno paulista em Marília, como: Miguel Badra, Ícaro de Castro Melo e Oswaldo Correa Gonçalves. [23]
O arquiteto Miguel de Souza e Silva, assina em 1950 o projeto de um importante exemplar da linguagem modernista em Marília: linhas retas, telhado borboleta e uma planta pouco comum entre as moradias neocoloniais ou Art déco que eram construídas naquele período. A residência encomendada pelo fazendeiro Sr. Odorico Alves Nogueira, foi construída na esquina da rua Lima e Costa e Avenida Rio Branco, via onde seriam erguidas as principais residências da cidade, substituindo o uso da já antiga Avenida Sampaio Vidal, consolidada como eixo comercial e bancário.[23]
Em 1951 foi construído o primeiro edifício da cidade: o Ouro Verde; totalmente comercializado em um único dia. Seu projeto foi assinado pelo engenheiro Guilherme Ferraz, sendo seu nome uma homenagem direta à cultura cafeeira, tão importante no desenvolvimento inicial do município. O edifício conta com seis pavimentos acima do térreo, possuindo uma linguagem racionalista simples.
Em 1952 foi a inauguração do segundo edifício: o Marília; empreendimento idealizado pelo empresário e construtor Miguel Granito Netto, com projeto assinado pelos engenheiros José Moura e Giordio Carlos Ferraz. Localizado na principal artéria comercial da cidade, na esquina da Avenida Sampaio Vidal com a Rua Nove de Julho. Seu estilo misturava características de Art Déco, com elementos ecléticos. Foi projetado com nove pavimentos, tornando-se o edifício mais alto da cidade até então, além de possuir elevadores, uma grande inovação tecnológica.
O terceiro edifício, foi o da Galeria Santa Luzia, do ano de 1953, também idealizado por Miguel Granito Neto e implantado na Avenida Sampaio Vidal, ao lado do Ouro Verde. O edifício tinha a mesma configuração dos anteriores: térreo com uso comercial e apartamentos residenciais nos oito pavimentos superiores. Característica inédita foi a laje-jardim no último pavimento, que até hoje, funciona como uma área de lazer para os condôminos.
De 1953 também é datada uma residência no número 1 da Rua Presidente Vargas, no Bairro Boa Vista. Destaca-se o telhado estilo borboleta e a volumetria limpa. Outros elementos de linguagem modernista são a cobertura da garagem na fachada, as esquadrias de janelas estruturadas do piso à laje, os ?tubos de Brasilit? na platibanda superior, os brises cerâmicos, e os ?tubos de três?, formando o pilar da laje de concreto. O Engenheiro responsável foi Archimedes De Grande.
A primeira edificação modernista de expressão e grande porte, foi o Paço Municipal, datado de 1954. Como sede do governo do município, a edificação atrai atenções pela sua relevância cívica e política na paisagem da cidade. Sua construção dotada de sete pavimentos evidencia o significado de modernidade para a cidade em desenvolvimento, exercendo a mais expressiva influência local. A obra foi levada adiante pelo então prefeito, Adorcino de Oliveira Lyrio, com o apoio do, à época, deputado federal mariliense, Dr. Aniz Badra, que conseguiria recursos para a edificação. Aniz, que era advogado do estado e do mesmo partido do governador Ademar de Barros, teve a aprovação dos recursos estaduais facilitada, encomendando o projeto arquitetônico ao seu irmão, o engenheiro-arquiteto Miguel Badra Jr., formado pela Escola Politécnica de São Paulo, da mesma geração de Vilanova Artigas.
Em 1954 e 1955, o Arquiteto Oswaldo Correia Gonçalves, desenvolveu dois projetos na cidade de Marília. O primeiro, um edifício de três pavimentos na Rua Nove de Julho e o segundo, o edifício sede do SENAC. Oswaldo Correia Gonçalves, engenheiro-arquiteto formado pela USP em 1941, denominava-se influenciado pela Escola Carioca e os trabalhos de Afonso Reidy, irmão Roberto, Sergio Bernardes e o próprio Niemeyer. Oswaldo também atuou como professor na FAU-USP junto com Ícaro de Castro Melo, no então criado curso de arquitetura, separado da engenharia.
O seu primeiro projeto no município foi encomendado pelo Instituto dos Aposentados e Pensionistas. A tipologia dos andares era composta de oito apartamentos, sendo dois voltados para a Rua Nove de Julho, com dois quartos. Outros dois maiores, com três quartos, para o fundo do lote e o restante dos apartamentos, compostos também de dois quartos, no centro, com aberturas para os fossos de iluminação e ventilação. O pavimento térreo é ocupado pelo estacionamento e pelo hall e área social de acesso a caixa de escadas. O volume é simples e segue basicamente o princípio modernista de elevar o bloco principal de apartamentos sob pilotis.
O projeto do SENAC foi aprovado um ano após o edifício da Rua Nove de Julho. Foi projetado por Oswaldo Corrêa Gonçalves, em parceria com os arquitetos Rubens Carneiro Vianna e Ricardo Sievers. Oswaldo Corrêa Gonçalves era ligado a Federação das Indústrias, tendo ganho a oportunidade de atuar na concepção de diversas escolas do sistema ?S?, com um total de sete projetos na capital e no interior de São Paulo. Localizada na esquina, entre a Rua Paraíba e a Avenida Nelson Spielmann, é implantada em frente à Basílica de São Bento. O destaque alcançado na paisagem urbana, através desse edifício modernista, é forte e sua implantação na junção de duas vias, trouxe atenção àquele prédio de linhas retas, laje plana, caixilharia original, pátios e jardins, marcado pela sua horizontalidade em uma área dominada por construções tradicionais com telhados de cerâmica e paredes de alvenaria. A escola foi dividida em dois blocos principais: O SESC e o SENAC, sendo o ponto de ligação desses dois blocos uma marquise coberta, sustentada por pilotis com vista para um grande e aberto pátio recreativo.
Outro edifício que merece destaque pelas suas características modernistas, pela ampla divulgação e influência como marco da linguagem na cidade, foi o edifício sede do Marília Tênis Clube, de 1954, com autoria de projeto do arquiteto Ícaro de Castro Melo. O terreno de sua construção tem uma área de 11.421,60 metros quadrados e o total de construção previsto no projeto foi de 5.082,80 metros quadrados. A composição arquitetônica do edifício sede era simples, formado por um grande volume horizontal elevado sob pilotis no pavimento térreo, aproveitando a inclinação do terreno. Nesse pavimento, existem salas da diretoria, saguão de recepção, dois espaços comerciais e um restaurante de nível 1 metro inferior. O acesso ao térreo, em um nível diferente da rua, se dá por uma pequena rampa de entrada, coberta por uma esbelta marquise em argamassa armada, sustentada em um pilar em ?V?, que também serve de acesso para veículos.[23]
Entre o final da década de 1950 e início da década de 1960, há na cidade de Marília a implantação de uma série de escolas públicas, como resultado do Plano de Ação do Governo do Estado ? PAGE, que relacionava uma série de ações, em diversas áreas (administrativas, normativas e regulamentadoras) visando o progresso e a expansão de edifícios de interesse social; como fóruns, escolas, unidades de saúde, entre outros. Em relação às escolas, o plano previa suprir um déficit de vagas nas salas de aula e também atender a crescente urbanização.
Ao longo do período de atuação do PAGE, houve a criação de inúmeras edificações escolares pelo estado de São Paulo (aproximadamente 500 unidades). Somente em Marília pode-se citar a implantação de quatro unidades: Grupo Escolar Vila Jardim Marília (1960), projetado por Hernani Russo; Grupo Escolar Vila São Miguel (1961) projetada por Jorge Wilheim; Instituto de Educação Monsenhor Bicudo (1961) projetado por Salvador Cândia e Grupo Escolar Fragata (1962) projetado por Jon Maitrejean. Tais escolas datadas do período de transição da década de 1950 para 1960, marcam o enraizamento do movimento moderno em Marília, de modo que, o Instituto de Educação Monsenhor Bicudo, de Marília, foi uma das maiores construções do programa PAGE.[99]
O Instituto conta com museu, biblioteca, salas de desenho, laboratórios, quatorze salas de aula, quadra de esportes coberta, vestiários, anfiteatro, espaços de convivência abertos e pátio coberto. Uma característica particular é a circulação de ar cruzada das salas, possibilitada pela diferenciação da altura dos peitoris das janelas em paredes opostas. A linguagem é francamente modernista; com esquadrias metálicas sequenciais e lineares, blocos definidos e jogos de volumes limpos, que diante do vasto terreno, dão margem a um sentido de grande horizontalidade. Salvador Candia, ao invés de esconder o telhado, com a solução normal, modernista de platibanda horizontalmente alinhada, rebaixou-a, acentuando a inclinação da telha.[23] Bens tombados como patrimônio[editar | editar código-fonte]
Em Marília existem três bens tombados pelo Condephaat (Conselho de Defesa do Patrimônio Histórico, Arqueológico, Artístico e Turístico), órgão encarregado de promover a preservação de bens culturais no estado de São Paulo por meio do tombamento. São eles: Indústria Matarazzo; tombada em 1992 e restaurada em meados de 2010;
A cidade de Marília deve em parte o seu desenvolvimento à instalação do complexo das Indústrias Reunidas Francisco Matarazzo (IRFM), iniciada em 1937 e concluída em 1945. Destinava-se ao beneficiamento de algodão e arroz. Chegando a empregar cerca de 400 funcionários, chegou a possuir um acesso particular por via férrea, para a carga e descarga dos seus produtos. Em 1975, a IRFM foi completamente desativada e as edificações, parcialmente demolidas. O tombamento, em razão do estado de conservação do conjunto, incidiu apenas sobre as partes mais representativas e que permaneceram íntegras, como a chaminé, sala de caldeiras e o portal da indústria.Escola SENAC; tombada em 2005:
Inaugurado em 1958, o edifício projetado pelo arquiteto Oswaldo Correia Gonçalves é um exemplar da arquitetura moderna paulista, baseada nos princípios do funcionalismo e racionalismo de Le Corbusier. Ocupando uma área de 646 m² distribuídos em dois pavimentos, destacam-se na edificação a cobertura de laje plana, os pátios e jardins, os revestimentos de pastilhas e ladrilhos hidráulicos característicos da nova maneira de projetar.Sobrado da família Schelini; tombado em 2008:
O imóvel da Rua D. Pedro foi edificado em alvenaria no ano de 1928 no que se tornou o centro comercial da cidade. A casa marca a divisão entre a primeira ocupação de Marília, (1923-1929) e a urbanização a partir de 1930. Este é o único exemplar de casa em alvenaria do "período do Alto Cafezal" ainda existente. O projeto era monumental para a época: vasto terreno, dois pavimentos e detalhes decorativos expressos na fachada. De tudo isso resultou um exemplar imponente, significativo para o Estado, pois evidencia em seu ecletismo tardio um momento importante da marcha para o oeste, revelando os valores e visões de mundo de uma sociedade em formação.Eventos[editar | editar código-fonte]
Bon Odori[editar | editar código-fonte]
Desde 1996 a comunidade nikkey de Marília organiza o Bon Odori no Kai-Kan de Marília. O Bon Odori é uma festividade tradicionalmente japonesa originada no budismo. A festa originalmente rende graças à boa colheita e celebra as almas dos antepassados através da dança ao som do taikô, das flautas de bambu (fue) e do canto estilo minyo. A dança é composta de movimentos simples e delicados, com gestos que remetem ao plantio, a colheita a gratidão.Virada Cultural[editar | editar código-fonte]
Inspirada no festival francês Noite Branca, que acontece todos os anos em Paris desde o ano de 2002, a Virada Cultural convida a população a ocupar os espaços públicos das cidades, incentivando o convívio social através da cultura e possibilitando o acesso a diversas formas de arte às diversas classes sociais. A primeira edição do evento se deu na cidade de São Paulo em 2005, na gestão Serra-Kassab.
Desde 2010 a Virada Cultural foi ampliada para todo o estado, dando origem à Virada Cultural Paulista, que passou a ser realizada nas cidades-sede regionais do litoral e do interior. Marília teve deste modo, sua primeira edição no ano de 2010, sendo desde então composta de 24 horas de atividades nos equipamentos culturais pré-existentes, como Teatro Municipal e salas de exibição. O palco externo é sempre montado nas cercanias da Avenida das Indústrias, próximo ao fim da Avenida Sampaio Vidal.
2010Em sua primeira edição em Marília, no ano de 2010, a Virada ocorreu entre os dias 22 e 23 de maio com 24h de atividades. Entre as principais atrações estiveram presentes: Paralamas do Sucesso, Quinteto em Branco e Preto, Cachorro Grande, Madame Mim, Seis com Casca e a exibição dos melhores vídeos do Festival do Minuto 2009.[100]
2011Em 2011 a Virada ocorreu entre os dias 14 e 15 de maio com atrações que incluíram espetáculos de música, dança, teatro, circo, cinema, além de feira de artesanatos. Dentre as principais atrações estiveram presentes no palco externo: DJ Tutti, Terra Celta, Banda Simetria, Zabomba, Funk Como Le Gusta, DJ Sayer, Luca Bernar Quarteto, Apanhador Só, e Charlie Brown Jr. [101]
2012Em 2012 a Virada ocorreu em Marília nos dias 19 e 20 de maio. As principais atrações musicais do palco externo ficaram por conta de: DJ Konrad, Brasov, Banda Nahua, Leela, Lobão, Poderoso Chefão, Karina Buhr e Fernanda Abreu, além das intervenções circenses da Família Burg e da performance de Duo Morales. [102]
2013Na edição de 2013, a Virada ocorreu entre os dias 25 e 26 de maio e dentre as principais atrações estiveram presentes no palco externo: Mhel Marrer, com Stand Up e Dj Felipe Luz, Cartola Branca, Nuno Mindelis, Bonsucesso Samba Club, Emicida, Nuke Treze, Filipe Catto, Anelis Assumpção e Brendan Benson garantindo as apresentações musicais. Brendan Benson foi a primeira atração internacional que Marília recebeu na Virada Cultural [103]
2014A edição de 2014 ocorreu entre os dias 24 e 25 de maio e contou com shows da banda de rock Raimundos, da banda Vanguart, da cantora Daúde e das bandas Sandália de Prata e Moxine. Além da programação da Secretaria de Estado da Cultura, a Secretaria Municipal da Cultura também promoveu oficinas, contação de histórias e exibição de filmes. Também foram convidadas à se apresentar a Orquestra Mariliense de Viola Caipira, o grupo Samba de Bamba, o grupo de capoeira Marília-Brasil e a banda Poderoso Chefão. [104]
2015A edição de 2015 foi realizada entre os dias 23 e 24 de maio e contou com a participação das bandas Vovódika, Kamau, Instinto Animal, Ultraje a Rigor, Bárbara Eugênia, O Terno e Guilherme Arantes. No palco interno houve apresentação do grupo Men, com performances de parkour e break dance, bem como do comediante Daniel Murilo. [105]
2016Em 2016 a Virada foi realizada entre os dias 21 e 22 de maio. No palco externo, na Avenida das Indústrias apresentaram-se: Madra, Silva, O Terno, Biquini Cavadão, Rashid, Mariana Aydar e a Velha Guarda da Mangueira. A trilha sonora entre os shows ficou por conta do Dj Rodrigo Bento. A Secretaria de Cultura do Município também promoveu diversas atrações, como contação de histórias, exibição de filmes, oficinas de arte, roda de capoeira, entre outros. [106]
2017Na edição de 2017, a Virada ocorreu entre os dias 27 e 28 de maio. A programação aconteceu em dois locais, no Teatro Municipal Waldir Silveira Mello e no palco externo montado na Avenida das Indústrias. Houve também programação paralela na Sala de Projeção Municipal / Clube de Cinema de Marília com exibição de filmes gratuitos. Dentre as principais atrações estiveram presentes: Banda Perfil, Banda Capitão Fumaça, Negritude Jr., Hugo e Tiago, Orquestra Terra Brasil, Far Alaska e Rael. [107]
2018Pela primeira vez, em 2018, a Virada Paulista foi realizada em Marília fora do mês de maio, tendo sido realocada para os das 17 e 18 de novembro. Emicida e Hermeto Pascoal são algumas das atrações musicais que fazem parte da programação do palco externo, que conta ainda com outros artistas e bandas, como Zuruca, Maglore e Gabriel Sater, além das bandas marilienses Mother Foca?s, Funkeria Disco Club e Gum Pop, valorizando a produção cultural local. Neste ano, o Governo do Estado cancelou o palco interno da Virada Cultural, de modo que, a Secretaria de Cultura de Marília realizou uma programação no Teatro Municipal voltada ao público infantil, a Viradinha Cultural, com apresentações circenses, musicais e de ballet. [108]
Japan Fest[editar | editar código-fonte]
Desde 2002, a comunidade nipônica de Marília realiza sempre no mês de abril o Japan Fest; festival com diversas atrações destinadas ao público em geral, dentre elas a apresentação de grupos tradicionais japoneses, exposição de artesanato, além disso ficam a disposição do público diversos estandes onde se pode degustar a culinária nipônica ou até inscrever-se em uma das agência de empregos no Japão.
Junto ao Japan Fest, ocorre o Miss Nikkey um dos pontos mais esperados e prestigiados do evento, onde elege-se a representante regional da beleza nipo-brasileira. Após as associações regionais elegerem suas representantes, as mesmas concorrem na categoria estadual e posteriormente nacional. O concurso, tradicional entre as comunidades nipo-brasileiras, aceita inscrições de moças com idades entre 15 e 30 anos e que tenham alguma ascendência japonesa. Marília Afro-Fest[editar | editar código-fonte]
Desde 2014, anualmente é realizado o Marília Afro Fest, que segundo a organização, visa "valorizar a diversidade étnica e sociocultural, ressaltar a importância da participação do negro na construção do Brasil e incentivar os afrodescendentes a conhecer mais sua cultura através de expressões culturais, criando oportunidades sociais".[109] O evento que conta com atrações musicais, oficinas culturais e gastronomia, realiza todos os anos o concurso de Miss e Mister Beleza Negra do Afro Fest, Miss e Mister Beleza Negra das Escolas Estaduais, bem como a eleição da Miss Beleza Negra Plus Size, visando garantir a representatividade e quebra de padrões estereotipados.[110]
Além do Afro Fest, nos últimos anos vem sendo realizadas uma série de eventos ligados à valorização do legado cultural africano com temáticas diversas que, via de regra, manifestam a necessidade do Estado brasileiro atentar-se para uma série de injustiças históricas que acometeram e acometem tal parcela da população. A celebração do Dia da Mulher Negra Latino Americana Caribenha no dia 25 de julho, bem como a Semana de Africanidade em abril, são exemplos de tais ações.[111][112]Parada da Diversidade de Marília[editar | editar código-fonte]
2017No dia 1º de outubro de 2017, ocorreu a primeira Parada da Diversidade de Marília, a popular "Parada Gay", realizada em diversas cidades do Brasil e do mundo. Com o tema "Amar não é crime!", o evento posicionou-se contra uma liminar da justiça brasiliense que permitiria que psicólogos fossem autorizados a fazer terapias de "reversão sexual". Apesar de reações adversas de alguns setores da sociedade, que planejavam organizar um evento "pela família" no mesmo horário[113], a Parada de Marília reuniu cerca de 3 mil pessoas. Estiveram presentes artistas, grupos de escolas, idosos, famílias, negros, professores, ativistas do movimento LGBT da região, militantes de diversos partidos, sindicatos e representantes de entidades. A organização pretende organizar anualmente a Parada da Diversidade em Marília, tomando o evento como espaço de visibilidade das bandeiras de luta da comunidade LGBTI. [114]
2018A segunda edição da Parada da Diversidade de Marília ocorreu no dia 30 de setembro de 2018 e foi organizada pelas entidades: "Associação Amor, Liberdade e Diversidade de Marília (AALD)", "ONG Collors Coletivo da Diversidade", "Coletivo Trans Não Binário" e "Coletivo Arco Íris". Segundo a organização, a Parada da Diversidade não conta com auxílio financeiro da prefeitura municipal, sendo apoiada com serviços pelo Departamento de Trânsito, pela Secretaria da Saúde e de Cultura. À nível estadual, o apoio veio da Polícia Militar, da Faculdade de Medicina de Marília (Famema) e do Museu da Diversidade Sexual. O tema deliberado e escolhido em assembleia para 2018 foi: "Contra a LGBTIQ+ fobia. uni-vos, nossa luta, nosso voto", em sintonia com o momento político vivido pelo país. O ?uni-vos?, do slogan, foi pensado no intuito de reforçar a unidade do movimento LGBTQI+, o ?nosso voto? com alusão ao ano eleitoral e a questão da representatividade e ?Nossa luta? para o chamamento de todas as pessoas para compreender que a causa LGBTQI+ é de todos.[115]
Ver também[editar | editar código-fonte]
Paulistas de Marília
Programa Acessa São Paulo
Museu de Paleontologia de Marília
Lista de municípios do Brasil acima de cem mil habitantes
Lista de prefeitos de Marília
Estádio Bento de Abreu Sampaio Vidal
Universidade Estadual Paulista (Marília)
Faculdade de Medicina de Marília
Alta Paulista
Diocese de Marília
Catedral Basílica de São Bento
Referências? a b «Divisão Territorial do Brasil». Divisão Territorial do Brasil e Limites Territoriais. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). 1 de julho de 2008. Consultado em 11 de outubro de 2008 ? http://br.distanciacidades.com/calcular?=Mar%C3%ADlia&to=S%C3%A3o+Paulo? IBGE (10 de outubro de 2002). «Área territorial oficial». Resolução da Presidência do IBGE de n° 5 (R.PR-5/02). Consultado em 5 de dezembro de 2010 ? «CENSO 2018 - SÃO PAULO» (PDF). Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). 1º de Julho de 2018. Consultado em 1º de Novembro de 2018 ? «Ranking decrescente do IDH-M dos municípios do Brasil» (PDF). Atlas do Desenvolvimento Humano. Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD). 2010. Consultado em 3 de agosto de 2013 ? a b «Produto Interno Bruto dos Municípios 2011». Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Consultado em 1 de abril de 2014 ? «Municípios e Distritos do Estado de São Paulo» (PDF). IGC - Instituto Geográfico e Cartográfico ? «Divisão Territorial do Brasil». IBGE - Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística ? http://www.mdig.com.br/index.php?itemid=36589? Marília, Giro. «Atlas da Violência põe Marília entre as 15 cidades mais pacíficas do país - Notícias sobre giro marília - Giro Marília Notícias». Giro Marília. Consultado em 9 de junho de 2017 ? Marília, Giro. «Marília sobe no ranking e fica entre 50 cidades mais inteligentes - Notícias sobre giro marília - Giro Marília Notícias». Giro Marília. Consultado em 3 de junho de 2018 ? a b SHISHITO; SOUZA, Anderson Akio; José Gilberto (2016). «Construção e contiguidade territorial em terras distantes ? os Dekassegui». Geosul. Consultado em 15 de março de 2019 ? Marília, SP, é a segunda cidade do estado no registro de condomínios fechados - G1 Bauru/ Marília - Bom Dia Cidade - Catálogo de Vídeos, consultado em 2 de julho de 2018 ? «Marília é oficialmente reconhecida como MIT pela Assembleia Legislativa ? Portal Prefeitura de Marília». Consultado em 16 de fevereiro de 2019 ? Correio Mariliense. Disponível em http://www.correiomariliense.com.br/materia.php?materia=34386 Arquivado em 23 de setembro de 2015, no Wayback Machine.. Acesso em 17 de maio de 2013.? a b c d e ZIOLI, Miguel (2006). Política com café no oeste do estado de São Paulo: Bento de Abreu Sampaio Vidal (1872-1948). Assis: Dissertação de mestrado apresentada à Faculdade de
Ciências e Letras de Assis ? UNESP line feed character character in |editora= at position 51 (ajuda); Verifique data em: |acessodata= (ajuda); |acessodata= requer |url= (ajuda)? «Iacri | MEMORIAL DOS MUNICIPIOS». www.memorialdosmunicipios.com.br. Consultado em 1 de agosto de 2018 ? Losnak, Sérgio Ricardo (31 de julho de 2010). «Re-significação da identidade cultural dos Terêna de Ekeruá: uma abordagem da produção cultural subalterna». Revista Extraprensa. 2 (1): 1?17. ISSN 2236-3467. doi:10.11606/extraprensa2008.74364 ? «Iacri | MEMORIAL DOS MUNICIPIOS». www.memorialdosmunicipios.com.br. Consultado em 1 de agosto de 2018 ? «O massacre dos índios caingangues no oeste paulista | Márcio ABC» ?. www.marcioabc.com.br. Consultado em 24 de julho de 2018 ? SOUZA, Luana (2016). «História e educação: a Pedagogia nova e os primórdios da educação em Marília». Consultado em 24 Jul 2018 ? «Marília -- Estações Ferroviárias do Estado de São Paulo». www.estacoesferroviarias.com.br. Consultado em 29 de abril de 2017 ? a b c d e f g h i j k RAMOS, Alfredo Zaia Nogueira (2017). Os primórdios da arquitetura modernista em Marília-SP. Bauru: Dissertação de mestrado em Arquitetura e Urbanismo. Universidade Estadual Paulista (UNESP), Faculdade de Arquitetura, Artes e Comunicação, Bauru ? MONBEIG, Pierre (1941). «Algumas observações sobre Marília, cidade pioneira.». Revista do arquivo municipal |acessodata= requer |url= (ajuda)? a b MOURÃO, Paulo Fernando Cirino. A industrialização do Oeste Paulista: o caso de Marília. Presidente Prudente, 1994. Dissertação (Mestrado) - Faculdade de Ciências e Tecnologia: Unesp.? LARA, Paulo Corrêa de (1998). Marcos e Monumentos. Marília: Prefeitura Municipal de Marília |acessodata= requer |url= (ajuda)? a b BALESTRIEIRO, Geraldo Elvio (1984). Capital da Alta Paulista: Uma história do município de Marília. Campinas: Dissertação de mestrado - UNICAMP ? GHIRARDELLO; RAMOS, Nilson; Alfredo (2015). Crescimento Urbano e o Modernismo em Marília. Belo Horizonte: 4º Seminário Ibero-Americano de Arquitetura e Documentação |acessodata= requer |url= (ajuda)? LARA, Paulo Correa de (1991). Marília, sua terra, sua gente. [S.l.]: Iguatemy Comunicaçoes ? Marília, Giro. «Encontro vai discutir instalação do CVV e suicídios em Marília - Notícias sobre giro marília - Giro Marília Notícias». Giro Marília. Consultado em 4 de abril de 2019 ? «Bolsa Família beneficia um a cada 14 marilienses ? Marília Notícia». Marília Notícia. 19 de janeiro de 2018. Consultado em 11 de dezembro de 2018 ? Erro de citação: Código inválido; não foi fornecido texto para as refs de nome :022
? «censo 2010 | resultados». www.censo2010.ibge.gov.br. Consultado em 2 de julho de 2017 ? «IBGE | Cidades | São Paulo | Marília | Censo Demográfico 2010: Resultados da Amostra - Características da População». cidades.ibge.gov.br. Consultado em 3 de agosto de 2017 ? «EVENTO CULTURAL CELEBRA O DIA DA MULHER NEGRA LATINA AMERICANA CARIBENHA». Consultado em 4 de agosto de 2017 ? BOTÃO, Renato Ubirajara dos Santos (2007). Para além da Nagogracía: A (Re) Africanização do Candomblé Nação Angola-Congo em São Paulo. Marília: Dissertação de Mestrado-Programa de Pós-Graduação em Ciências Sociais da Faculdade de Filosofia e Ciências da Unesp de Marília. ? uipasta. «Templo das Águas de Yemanja». templodasaguas.com.br (em inglês). Consultado em 4 de agosto de 2017 ? «Marcos e Monumentos». DESENVOLVE MARÍLIA. 22 de agosto de 2014 ? «Cultura lusitana é destaque em evento da Casa de Portugal ? Marília Notícia». Marília Notícia. 6 de junho de 2014 ? Tanuri, Rosalina (2001). Marília no tempo e na saudade. Marília: [s.n.] |acessodata= requer |url= (ajuda)? «História» ? Gloria, Santuário Nossa Senhora da. «Marília - N. Sra. da Glória (Santuário)». www.diocesedemarilia.org.br. Consultado em 14 de janeiro de 2018 ? «Ruas de Marília». www.univem.edu.br. Consultado em 1 de novembro de 2018 ? «Clube Monte Líbano | Gramar». gramadosmarilia.com.br. Consultado em 15 de abril de 2017 ? «Justiça decreta prisão de ex-deputado por omissão de bens». Fausto Macedo ? Sergio Rosenboim (18 de setembro de 2014). «História do Antissemitismo» Verifique valor |url= (ajuda) [ligação inativa]? Coração, Cadiologia Knobel Saúde do. «A saga da comunidade judaica em Marília « Cardiologia Knobel». www.knobel.com.br. Consultado em 19 de abril de 2017. Arquivado do original em 19 de abril de 2017 ? «CULTURA ITALIANA» (em inglês). Consultado em 15 de março de 2019 ? TEIXEIRA, Wilza A. Matos ([1990] 2 de abril de 2016). «Pequena história de uma grande cidade». Diário de Marília Verifique data em: |data= (ajuda)? «Ruas de Marília». www.univem.edu.br. Consultado em 1 de novembro de 2018 ? «Ruas de Marília». www.univem.edu.br. Consultado em 12 de julho de 2017 ? «Ruas de Marília». www.univem.edu.br. Consultado em 1 de novembro de 2018 ? «Ruas de Marília». www.univem.edu.br. Consultado em 15 de março de 2019 ? FERREIRA, Valdeci (27 de junho de 2009). «Estatuto CCB de 1936». Comum CCB. Consultado em 18 de dezembro de 2018 ? FOERSTER, Norbert (2006). PODER E POLÍTICA NA CONGREGAÇÃO CRISTà NO BRASIL: UM PENTECOSTALISMO NA CONTRAMÃO. Porto Alegre: Ciencias Sociales y Religión/Ciências Sociais e Religião Verifique data em: |acessodata= (ajuda); |acessodata= requer |url= (ajuda)? SOUSA, Adriano Amaro (2007). O PROCESSO DE INDUSTRIALIZAÇÃO EM SÃO PAULO E O SEU DESDOBRAMENTO NO OESTE PAULISTA: O CASO DAS INDÚSTRIAS DE MARÍLIA/SP E DE PRESIDENTE PRUDENTE/SP. [S.l.]: ETIC - ENCONTRO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA |acessodata= requer |url= (ajuda)? «Marília ? Indústrias Reunidas Francisco Matarazzo | infopatrimônio». www.infopatrimonio.org. Consultado em 2 de abril de 2017. Arquivado do original em 3 de abril de 2017 ? LBeraldo. «Endereços das representações diplomáticas italianas no Brasil». www.imigrantesitalianos.com.br. Consultado em 15 de abril de 2017 ? Impacto, Antonio Sergio Souza, Agência. «Japoneses completam 98 anos no Brasil e 80 anos em Marília - Revista Cafeicultura». Revista Cafeicultura. Consultado em 8 de novembro de 2018 ? a b Tanuri, Rosalina (2001). Marília no tempo e na saudade. Marília: [s.n.] |acessodata= requer |url= (ajuda)? KAJIMOTO, N.; CAVALCANTE, L. D. E.; PAZIN, M. C. C. (2016). InformaçÃo, memória e identidade: estudo sobre as associações japonesas em marília ? sÃo paulo. [S.l.]: Encontro Nacional de Pesquisa em Ciência da Informação !CS1 manut: Nomes múltiplos: lista de autores (link)? «Igreja Metodista Livre Concílio Nikkei». Igreja Metodista Livre Concílio Nikkei. Consultado em 17 de novembro de 2017 ? «Turismo Religioso». DESENVOLVE MARÍLIA. 22 de agosto de 2014 ? Impacto, Antonio Sergio Souza, Agência. «Japoneses completam 98 anos no Brasil e 80 anos em Marília - Revista Cafeicultura». Revista Cafeicultura. Consultado em 22 de abril de 2017 ? Villela,, Eduardo V. M. (2004). «As relações comerciais entre Brasil e China e as possibilidades de crescimento e diversificação das exportações de produtos brasileiros ao mercado consumidor chinês.». Grupo de Estudos da Ásia- Pacífico/PUC-SP |acessodata= requer |url= (ajuda)? «Marília abriga quase mil imigrantes chineses - Paulista - R7 Balanço Geral». noticias.r7.com. Consultado em 18 de abril de 2017 ? Webkeepers. «www.institutoconfucio.com.br». www.institutoconfucio.com.br. Consultado em 18 de abril de 2017 ? «Lei institui Dia Nacional da Imigração Chinesa». Senado Federal. Consultado em 26 de março de 2019 ? Sidra (Sistema IBGE de Recuperação de Dados Automática) (2010). «Tabela 3175 - População residente, por cor ou raça, segundo a situação do domicílio, o sexo e a idade». Consultado em 13 de outubro de 2017 ? Sidra (Sistema IBGE de Recuperação de Dados Automática) (2010). «População residente por cor ou raça e religião». Consultado em 13 de outubro de 2017 ? Pascom. «Informações Gerais». diocesedemarilia.net.br. Consultado em 6 de maio de 2018 ? a b Lauria, Bianca (14 de outubro de 2015). «Você sabe o que são cidades-irmãs?». Marília Global. Consultado em 30 de março de 2017 ? «CÂMARA MUNICIPAL DE MARÍLIA». www.camar.sp.gov.br. Consultado em 9 de junho de 2017. Arquivado do original em 1 de agosto de 2017 ? «Lei nº 6230» (PDF) [ligação inativa]? «Bandeira de Marília deve voltar à cor original» ? «Relação do patrimônio da CTB incorporado pela Telesp» (PDF). Diário Oficial do Estado de São Paulo ? «Nossa História». Telefônica / VIVO ? GASPARIN, Gabriela (12 de abril de 2012). «Telefônica conclui troca da marca por Vivo». G1 ? «Japonês e mandarim estão entre as opções para alunos paulistas» ? Denatran? «Marília (SP) - Índice de bairros e demais núcleos populacionais - mbi.com.br». www.mbi.com.br (em inglês). Consultado em 7 de junho de 2017 ? a b ZANDONADI, Júlio César (2009). «A produção de loteamentos fechados e condomínios
horizontais: diferenciação, legalidade e (i)legalidade
no espaço urbano da cidade de Marília». Revista Faz Ciência line feed character character in |titulo= at position 49 (ajuda); |acessodata= requer |url= (ajuda)? Marília, SP, é a segunda cidade do estado no registro de condomínios fechados - G1 Bauru/ Marília - Bom Dia Cidade - Catálogo de Vídeos, consultado em 2 de julho de 2018 ? «Marília tem 3º maior rebanho de gado de São Paulo ? Marília Notícia». Marília Notícia. 6 de outubro de 2017 ? «DataViva: Tree Map | Comércio Internacional (SECEX) - 2015». www.dataviva.info. Consultado em 31 de agosto de 2018 ? «Seja bem vindo ao novo portal da Sasazaki. Saiba mais sobre a maior fabricante de Portas e Janelas do Brasil.». Portal Sasazaki - Portas e janelas. Consultado em 16 de abril de 2017 ? Manhã, Jornal da. «Sasazaki realiza paradas seletivas e férias coletivas para evitar demissões | Jornal da Manhã». Sasazaki realiza paradas seletivas e férias coletivas para evitar demissões | Jornal da Manhã. Consultado em 16 de abril de 2017 ? a b «Fundador da Marilan morre em Marília». jcnet.com.br ? «A marilan - Marilan». Marilan ? Imagem, Agência Criativa. «Intercoffee - Café América, Bevan, Máquina de Café, Cappuccino, Vending». www.intercoffee.com.br. Consultado em 22 de janeiro de 2018 ? Consulting, Commit. «Dori Alimentos S.A.». www.dori.com.br. Consultado em 16 de abril de 2017. Arquivado do original em 17 de abril de 2017 ? «Sobre Nós». www.kawakami.com.br. Consultado em 5 de fevereiro de 2018 ? «Gustavo Menin recebe título de cidadão mariliense ? Marília Notícia». Marília Notícia. 7 de abril de 2017 ? http://www.triata.com.br. «Supermercados Tauste - Faz toda a diferença!». www.tauste.com.br. Consultado em 16 de abril de 2017. Arquivado do original em 28 de abril de 2017 ? «Rede de frango no balde cresce além do esperado, apostando num sabor incrível para seu produto - Lucky». Lucky. 7 de março de 2017 ? http://www.mercadao9dejulho.com.br, Mercado 9 de Julho -. «Mercadão 9 de Julho :: Desde 1928». www.mercadao9dejulho.com.br. Consultado em 15 de abril de 2017 ? Tecnologia,http://www.cdztecnologia.com.br, CDZ. «- CEAGESP -». www.ceagesp.gov.br. Consultado em 5 de junho de 2017 ? www.estudiosantafe.com.br, Estúdio Santa Fé,. «MRC&VB». www.visitemarilia.com.br. Consultado em 9 de junho de 2017 ? ALVES, André A. A. (2008). Arquitetura escolar em São Paulo 1959-1962: o page, o ipesp e os arquitetos modernos paulistas. São Paulo: Tese de doutorado; FAU/USP ? «Virada Cultural Paulista em Marília». Catraca Livre. 19 de maio de 2010 ? «Virada Cultural Paulista 2011» (em inglês). Consultado em 18 de novembro de 2018 ? «Virada Cultural Paulista 2012: Marília - ObaOba». Oba Oba (em inglês). Consultado em 18 de novembro de 2018 ? «Virada Cultural ? Portal Prefeitura de Marília». www.marilia.sp.gov.br. Consultado em 18 de novembro de 2018 ? «Virada Cultural Paulista movimenta Marília no final de semana ? Portal Prefeitura de Marília». www.marilia.sp.gov.br. Consultado em 18 de novembro de 2018 ? «Virada Cultural Paulista traz Guilherme Arantes e O Terno para Marília». Música em Bauru e Marília. 23 de maio de 2015 ? «Virada Cultural Paulista 2016 acontece em Marília nos dias 21 e 22 de Maio ? Portal Prefeitura de Marília». www.marilia.sp.gov.br. Consultado em 18 de novembro de 2018 ? «Marília recebe Virada Cultural dias 27 e 28 de maio ? Portal Prefeitura de Marília». www.marilia.sp.gov.br. Consultado em 18 de novembro de 2018 ? «Virada Cultural Paulista acontece neste final de semana em Marília ? Portal Prefeitura de Marília». www.marilia.sp.gov.br. Consultado em 18 de novembro de 2018 ? Manhã, Jornal da. «3º Marilia Afrofest | Jornal da Manhã». 3º Marilia Afrofest | Jornal da Manhã. Consultado em 4 de agosto de 2017 ? Marília, Giro. «Afrofest elege Miss, Miss Plus Size e Mister e ganha redes sociais - Notícias sobre jeito de ser; moda & beleza - Giro Marília Notícias». Giro Marília. Consultado em 4 de agosto de 2017 ? «Evento no Teatro Municipal celebra o Dia da Mulher Negra Latino Americana Caribenha ? Portal Prefeitura de Marília». www.marilia.sp.gov.br. Consultado em 4 de agosto de 2017 ? «Semana de Africanidade acontece no dias 28 e 29 ? Portal Prefeitura de Marília». www.marilia.sp.gov.br. Consultado em 4 de agosto de 2017 ? Revolucionária, Faísca Marília - Juventude Anticapitalista e. «Pastores se organizam para inibir LGBTs na primeira parada da diversidade em Marília». Esquerda Diario ? «Mutirão de assinaturas pela anulação do golpe na parada LGBT em Marília - Acervo do Diário Causa Operária». Acervo do Diário Causa Operária. 2 de outubro de 2017 ? «DIVERSIDADE: 2ª Parada Gay em Marília será realizada no próximo domingo | Jornal do Povo - Marília | Jornalismo». Jornal do Povo - Marília | Jornalismo. Consultado em 1 de outubro de 2018
Ligações externas[editar | editar código-fonte]
O Commons possui imagens e outros ficheiros sobre MaríliaO Wikinotícias tem uma ou mais notícias relacionadas com este artigo: Jornal e duas emissoras de rádio sofrem atentado no BrasilPágina da prefeitura
Página da câmara
Marília no WikiMapia
Marília e Região Convention & Visitors Bureau
vde Hierarquia urbana do Brasil
Demografia do Brasil
Municípios do Brasil
vdeMetrópolesMetrópoles globais
São Paulo
Metrópoles nacionais
Brasília
Rio de Janeiro
Metrópoles regionais
Belém
Belo Horizonte
Curitiba
Fortaleza
Goiânia
Manaus
Porto Alegre
Recife
Salvador
vdeCapitais regionaisCapitais regionais A
Aracaju
Campinas
Campo Grande
Cuiabá
Florianópolis
João Pessoa
Maceió
Natal
São Luís
Teresina
Vitória
Capitais regionais B
Blumenau
Campina Grande
Cascavel
Caxias do Sul
Chapecó
Feira de Santana
Ilhéus/Itabuna
Joinville
Juiz de Fora
Londrina
Maringá
Ribeirão Preto
São José do Rio Preto
Uberlândia
Montes Claros
Palmas
Passo Fundo
Porto Velho
Santa Maria
Vitória da Conquista
Capitais regionais C
Araçatuba
Araguaína
Arapiraca
Araraquara
Barreiras
Bauru
Boa Vista
Cachoeiro de Itapemirim
Campos dos Goytacazes
Caruaru
Criciúma
Divinópolis
Dourados
Governador Valadares
Ijuí
Imperatriz
Ipatinga/Coronel Fabriciano/Timóteo
Juazeiro do Norte/Crato/Barbalha
Macapá
Marabá
Marília
Mossoró
Novo Hamburgo/São Leopoldo
Pelotas/Rio Grande
Petrolina/Juazeiro
Piracicaba
Ponta Grossa
Pouso Alegre
Presidente Prudente
Rio Branco
Santarém
Santos
São José dos Campos
Sobral
Sorocaba
Teófilo Otoni
Uberaba
Varginha
Volta Redonda/Barra Mansa
vdeCentros sub-regionaisCentros sub-regionais A
Alfenas
Anápolis
Apucarana
Bacabal
Bagé
Barbacena
Barra do Garças
Barretos
Bento Gonçalves
Botucatu
Cabo Frio
Caçador
Cáceres
Caicó
Cajazeiras
Campo Mourão
Castanhal
Catanduva
Caxias
Colatina
Crateús
Erechim
Floriano
Foz do Iguaçu
Franca
Francisco Beltrão
Garanhuns
Guanambi
Guarabira
Guarapuava
Iguatu
Irecê
Itajaí
Itaperuna
Itumbiara
Jacobina
Jaú
Jequié
Ji-Paraná
Joaçaba
Lages
Lajeado
Lavras
Limeira
Macaé
Manhuaçu
Muriaé
Nova Friburgo
Ourinhos
Paranaguá
Paranavaí
Parnaíba
Passos
Pato Branco
Patos
Patos de Minas
Pau dos Ferros
Paulo Afonso
Picos
Pinheiro
Poços de Caldas
Ponte Nova
Quixadá
Redenção
Rio Claro
Rio do Sul
Rio Verde
Rondonópolis
Santa Cruz do Sul
Santa Inês
Santa Rosa
Santo Ângelo
Santo Antônio de Jesus
São Carlos
São João da Boa Vista
São Mateus
Serra Talhada
Sinop
Sousa
Teixeira de Freitas
Toledo
Tubarão
Ubá
Umuarama
Uruguaiana
Centros sub-regionais B
Abaetetuba
Assu
Afogados da Ingazeira
Alagoinhas
Altamira
Andradina
Angra dos Reis
Araranguá
Araras
Araripina
Arcoverde
Ariquemes
Assis
Avaré
Balneário Camboriú
Balsas
Bom Jesus da Lapa
Bragança
Bragança Paulista
Breves
Brumado
Brusque
Cacoal
Cametá
Campo Maior
Capanema
Caratinga
Carazinho
Cataguases
Chapadinha
Cianorte
Concórdia
Conselheiro Lafaiete
Cruz Alta
Cruz das Almas
Cruzeiro do Sul
Currais Novos
Eunápolis
Frederico Westphalen
Guaratinguetá
Gurupi
Itabaiana
Itaberaba
Itaituba
Itajubá
Itapetininga
Itapeva
Itapipoca
Itaporanga
Ituiutaba
Ivaiporã
Janaúba
Linhares
Mafra
Palmares
Paragominas
Parintins
Pedreiras
Presidente Dutra
Registro
Resende
Ribeira do Pombal
Santana do Ipanema
Santo Antônio da Platina
São João del-Rei
São Lourenço
São Miguel do Oeste
São Raimundo Nonato
Senhor do Bonfim
Tefé
Teresópolis
Tucuruí
União da Vitória
Valença
Viçosa
Videira
Vilhena
Vitória de Santo Antão
Xanxerê
vdeCentros de zonaCentros de zona A
Acaraú
Açailândia
Adamantina
Além Paraíba
Almeirim
Almenara
Alta Floresta
Amparo
Aquidauana
Aracati
Aracruz
Araçuaí
Arapongas
Araxá
Assis Chateubriand
Barra do Corda
Barreiros
Bebedouro
Belo Jardim
Birigui
Bom Jesus
Caçapava do Sul
Cachoeira do Sul
Caetité
Caldas Novas
Camacan
Camaquã
Campo Belo
Campos Novos
Canindé
Canoinhas
Capelinha
Carangola
Carpina
Catalão
Catolé do Rocha
Caxambu
Ceres
Cerro Largo
Codó
Colinas do Tocantins
Conceição do Araguaia
Conceição do Coité
Cornélio Procópio
Corumbá
Corrente
Cruzeiro
Curitibanos
Cururupu
Curvelo
Diamantina
Diamantino
Dianópolis
Dois Vizinhos
Dracena
Encantado
Esperantina
Estância
Estrela
Fernandópolis
Formiga
Frutal
Governador Nunes Freire
Goiana
Goiás
Guanhães
Guaporé
Guaraí
Guaxupé
Ibaiti
Ibirubá
Icó
Imbituba
Ipiaú
Iporá
Irati
Itabaiana
Itabira
Itacoatiara
Itamaraju
Itapetinga
Ituverava
Jacarezinho
Jales
Jandaia do Sul
Januária
Jaru
Jataí
João Câmara
João Monlevade
Juína
Jundiaí
Lagarto
Lagoa Vermelha
Laranjeiras do Sul
Limoeiro
Limoeiro do Norte
Lins
Loanda
Macau
Macaúbas
Mamanguape
Marau
Maravilha
Marechal Cândido Rondon
Medianeira
Mineiros
Mirassol d'Oeste
Mogi Guaçu
Monteiro
Montenegro
Morrinhos
Mundo Novo
Naviraí
Nossa Senhora da Glória
Nova Andradina
Nova Prata
Nova Venécia
Oeiras
Olímpia
Osório
Ouricuri
Palmas
Palmeira das Missões
Palmeira dos Índios
Pará de Minas
Paraíso do Tocantins
Parauapebas
Patrocínio
Penápolis
Penedo
Pesqueira
Pinhalzinho
Pirapora
Pires do Rio
Piripiri
Pombal
Ponta Porã
Porangatu
Porto Nacional
Porto Seguro
Primavera do Leste
Propriá
Quirinópolis
Rolim de Moura
Russas
Salgueiro
Salinas
Santa Fé do Sul
Santa Inês
Santa Maria da Vitória
Santo Antônio de Pádua
Santiago
São Bento do Sul
São Borja
São Félix do Araguaia
São Gabriel
São Jerônimo
São José do Rio Pardo
São Luís de Montes Belos
São Luiz Gonzaga
São Miguel dos Campos
Sarandi
Seabra
Serrinha
Soledade
Sorriso
Surubim
Tabatinga
Taquara
Tatuí
Telêmaco Borba
Tijucas
Timbaúba
Timbó
Tocantinópolis
Torres
Três Corações
Três de Maio
Três Lagoas
Três Passos
Três Rios
Tupã
Unaí
União dos Palmares
Uruaçu
Vacaria
Venâncio Aires
Votuporanga
Xique-Xique
Centros de zona B
Abaeté
Abelardo Luz
Abre Campo
Afonso Cláudio
Água Boa
Água Branca
Águas Formosas
Aimorés
Alegrete
Alexandria
Alto Araguaia
Alto Longá
Alto Parnaíba
Amambai
Amarante
Amargosa
Andirá
Andradas
Anicuns
Anísio de Abreu
Aparecida
Apiaí
Apodi
Araguaçu
Araguari
Araguatins
Araioses
Araputanga
Arara
Araruama
Araruna
Arcos
Arinos
Arroio do Meio
Arvorezinha
Auriflama
Avelino Lopes
Baependi
Bambuí
Bariri
Barra
Barra Bonita
Barra de São Francisco
Barra do Bugres
Barras
Barracão
Bataguassu
Batalha
Bela Vista
Belém do São Francisco
Bicas
Boa Esperança
Boa Vista do Buricá
Bom Jardim de Minas
Bom Jesus do Itabapoana
Boquira
Braço do Norte
Brasileia
Brejo Santo
Buritis
Caculé
Camapuã
Cambuí
Camocim
Campina da Lagoa
Campo Novo do Parecis
Campos Altos
Campos Belos
Canguaretama
Canindé de São Francisco
Canto do Buriti
Capanema
Capão da Canoa
Capim Grosso
Capinzal
Capitão Poço
Capivari
Caracol
Carauari
Carmo do Paranaíba
Carutapera
Casca
Cassilândia
Castelo
Castelo do Piauí
Cerejeiras
Chapadão do Sul
Chopinzinho
Cícero Dantas
Coelho Neto
Colíder
Colinas
Coluna
Comodoro
Confresa
Congonhas
Constantina
Coronel Vivida
Coxim
Cristal do Sul
Crixás
Cruz
Cruzília
Curimatá
Delmiro Gouveia
Desterro
Dores do Indaiá
Entre Rios de Minas
Esperantinópolis
Espírito Santo do Pinhal
Espumoso
Euclides da Cunha
Eirunepé
Extrema
Fátima
Faxinal
Floresta
Fortaleza dos Nogueiras
Fronteiras
Gandu
Garça
Garibaldi
General Salgado
Getúlio Vargas
Gilbués
Goianésia
Goiatuba
Goioerê
Grajaú
Guaíra
Guajará-Mirim
Guaraciaba do Norte
Guararapes
Horizontina
Ibicaraí
Ibirama
Ibotirama
Ilha Solteira
Indaial
Inhumas
Ipanema
Ipu
Iracema
Itaberaí
Itacarambi
Itamonte
Itaocara
Itapaci
Itapajé
Itapiranga
Itápolis
Itapuranga
Itaqui
Itararé
Itaúna
Ituporanga
Iturama
Jaciara
Jacutinga
Jaguaquara
Jaguariaíva
Jaguaribe
Jaicós
Jardim
Joaíma
João Pinheiro
Juara
Jussara
Lábrea
Lago da Pedra
Lagoa da Prata
Lambari
Leme
Leopoldina
Livramento de Nossa Senhora
Lorena
Lucas do Rio Verde
Lucélia
Luzilândia
Machado
Malacacheta
Manga
Mantena
Maracaçumé
Matão
Matinhos
Miranda
Miracema do Tocantins
Mirinzal
Mococa
Monte Alegre
Monte Alto
Monte Aprazível
Monte Carmelo
Mostardas
Muçum
Nanuque
Natividade
Nazaré
Neópolis
Niquelândia
Nonoai
Nossa Senhora das Dores
Nova Londrina
Nova Mutum
Nova Petrópolis
Oliveira
Orlândia
Osvaldo Cruz
Olho d'Água das Flores
Ouro Fino
Ouro Preto do Oeste
Palmeira
Palmeira d'Oeste
Palmeirópolis
Pão de Açúcar
Paracatu
Paraguaçu Paulista
Paraisópolis
Paramirim
Paranacity
Paranaíba
Parelhas
Passa-e-Fica
Patu
Paulistana
Peçanha
Pedra Azul
Pedro II
Pedro Afonso
Peixoto de Azevedo
Piancó
Pinheiro Machado
Pio XII
Piraju
Piracuruca
Pitanga
Pitangui
Piumhi
Poções
Ponte Serrada
Pontes e Lacerda
Porteirinha
Porto Calvo
Porto União
Posse
Presidente Epitácio
Presidente Getúlio
Presidente Juscelino
Presidente Venceslau
Princesa Isabel
Prudentópolis
Quatis
Quedas do Iguaçu
Rancharia
Resplendor
Riachão do Jacuípe
Rio Bonito
Rio Negro
Rio Pomba
Rio Real
Rodeio Bonito
Roncador
Rubiataba
Salto do Jacuí
Salvador do Sul
Sananduva
Sanclerlândia
Santa Bárbara
Santa Cruz
Santa Cruz da Baixa Verde
Santa Cruz do Rio Pardo
Santa Filomena
Santa Helena
Santa Luzia
Santa Luzia do Paruá
Santa Maria do Suaçuí
Santa Vitória do Palmar
Santana
Santana do Livramento
Santo Antônio
Santo Antônio da Patrulha
Santo Augusto
Santos Dumont
São Bento (Maranhão)
São Bento (Paraíba)
São Benedito
São Domingos
São Francisco
São Gabriel da Palha
São Gotardo
São João Batista
São João do Ivaí
São João do Piauí
São João dos Patos
São João Nepomuceno
São Joaquim da Barra
São José do Cedro
São José do Egito
São João do Rio do Peixe
São João Evangelista
São José do Cedro
São Lourenço do Oeste
São Mateus do Sul
São Miguel
São Miguel do Araguaia
São Miguel do Tapuio
São Paulo do Potengi
São Sebastião
São Sebastião do Caí
São Valentim
São Vicente Férrer
Sapé
Seara
Sena Madureira
Senador Pompeu
Serafina Corrêa
Serra Dourada
Serro
Simões
Simplício Mendes
Sinimbu
Siqueira Campos
Sobradinho
Sombrio
Sumé
Tabira
Taguatinga
Taió
Taiobeiras
Tangará
Tapejara
Tapes
Taquaritinga
Tarauacá
Tauá
Tenente Portela
Terra Nova do Norte
Teutônia
Tietê
Tramandaí
Três Pontas
Tucumã
Tucunduva
Turmalina
Tutóia
Uiraúna
Umarizal
União
Uruçuí
Valença
Valença do Piauí
Valente
Várzea da Palma
Vazante
Venda Nova do Imigrante
Veranópolis
Viana
Vigia
Vila Rica
Virginópolis
Visconde do Rio Branco
Vitorino Freire
Xaxim
Xinguara
Wenceslau Braz
Zé Doca
Referências: Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Regiões de Influência das Cidades 2007 (10 de outubro de 2008), [2] Configuração da Rede Urbana do Brasil (junho de 2001)
vde São Paulo Portal ? Geografia, Política, Cultura, EsportesCapitalSão PauloRegiões MetropolitanasComplexo Metropolitano Expandido ? Baixada Santista ? Campinas ? Ribeirão Preto ? São Paulo ? Sorocaba ? Vale do ParaíbaRegiões AdministrativasAraçatuba ? Barretos ? Bauru ? Campinas ? Central ? Franca ? Itapeva ? Marília ? Presidente Prudente ? Registro ? Ribeirão Preto ? Santos ? São Paulo ? São José do Rio Preto ? São José dos Campos ? SorocabaRegiões de GovernoAdamantina ? Andradina ? Araçatuba ? Araraquara ? Assis ? Avaré ? Barretos ? Bauru ? Botucatu ? Bragança Paulista ? Campinas ? Caraguatatuba ? Catanduva ? Cruzeiro ? Dracena ? Fernandópolis ? Franca ? Guaratinguetá ? Itapetininga ? Itapeva ? Jales ? Jaú ? Jundiaí ? Limeira ? Lins ? Marília ? Ourinhos ? Piracicaba ? Presidente Prudente ? Registro ? Ribeirão Preto ? Rio Claro ? Santos ? São Carlos ? São João da Boa Vista ? São Joaquim da Barra ? São José do Rio Preto ? São José dos Campos ? Sorocaba ? Taubaté ? Tupã ? VotuporangaRegiões geográficas intermediáriasAraçatuba ? Araraquara ? Bauru ? Campinas ? Marília ? Presidente Prudente ? Ribeirão Preto ? São José dos Campos ? São José do Rio Preto ? São Paulo ? SorocabaRegiões geográficas imediatasAdamantina-Lucélia ? Amparo ? Andradina ? Araçatuba ? Araraquara ? Araras ? Assis ? Avaré ? Barretos ? Bauru ? Birigui-Penápolis ? Botucatu ? Bragança Paulista ? Campinas ? Caraguatatuba-Ubatuba-São Sebastião ? Catanduva ? Cruzeiro ? Dracena ? Fernandópolis ? Franca ? Guaratinguetá ? Itapetininga ? Itapeva ? Ituverava ? Jales ? Jaú ? Jundiaí ? Limeira ? Lins ? Marília ? Mogi Guaçu ? Ourinhos ? Piracicaba ? Piraju ? Presidente Epitácio-Presidente Venceslau ? Presidente Prudente ? Registro ? Ribeirão Preto ? Rio Claro ? Santa Fé do Sul ? São José do Rio Pardo-Mococa ? Santos ? São Carlos ? São João da Boa Vista ? São Joaquim da Barra-Orlândia ? São José dos Campos ? São José do Rio Preto ? São Paulo ? Sorocaba ? Tatuí ? Taubaté-Pindamonhangaba ? Tupã ? VotuporangaMais de 1 000 000 habitantesSão Paulo ? Guarulhos ? CampinasMais de 500 000 habitantesSão Bernardo do Campo ? Santo André ? Osasco ? São José dos Campos ? Ribeirão Preto ? SorocabaMais de 200 000 habitantesMauá ? São José do Rio Preto ? Santos ? Mogi das Cruzes ? Diadema ? Jundiaí ? Carapicuíba ? Piracicaba ? Bauru ? São Vicente ? Itaquaquecetuba ? Franca ? Guarujá ? Taubaté ? Praia Grande ? Limeira ? Suzano ? Taboão da Serra ? Sumaré ? Barueri ? Embu das Artes ? São Carlos ? Indaiatuba ? Cotia ? Marília ? Americana ? Araraquara ? Jacareí ? Itapevi ? Presidente Prudente ? Hortolândia ? Rio ClaroMais de 100 000 habitantesAraçatuba ? Santa Bárbara d'Oeste ? Ferraz de Vasconcelos ? Francisco Morato ? Itapecerica da Serra ? Itu ? Bragança Paulista ? Pindamonhangaba ? São Caetano do Sul ? Itapetininga ? Mogi Guaçu ? Franco da Rocha ? Jaú ? Botucatu ? Atibaia ? Araras ? Santana de Parnaíba ? Cubatão ? Valinhos ? Sertãozinho ? Ribeirão Pires ? Jandira ? Catanduva ? Barretos ? Guaratinguetá ? Birigui ? Votorantim ? Tatuí ? Várzea Paulista ? Salto ? Caraguatatuba ? Itatiba ? Poá ? Ourinhos ? Assis ? Leme ? PaulíniaSudeste, Brasil
vde Dados Estatísticos de São PauloPopulação
2018
2010
2007
2000
1996
1991
1985
1980
1978
1970
1966
1960
1958
1950
1946
1940
1937
1934
1929
1925
1920
1916
1910
1900
1890
1886
1872
Área e divisão territorial
Após 2016
2013?2015
1997?2012
1993?1996
1980?1992
1965?1979
1960?1964
1954?1959
1949?1953
1945?1948
1939?1944
1937?1938
1930?1933
1929
1920?1921
1911
1901
Processos de emancipação
Após 1996
1987?1995
1971?1985
1963
1958
1953
1948
Outros critérios
Altitude
PIB
IDH-M
Índice FIRJAN
Códigos de área (DDD)
Relacionados
Lista de municípios de São Paulo
Lista de distritos de São Paulovde Telecomunicações em São PauloEmpresaspaulistas
CETERP
COTESP
CTB
CTBC-Borda do Campo
TELESP
Telesp Celular
Código de área(DDD) 11
Alumínio
Araçariguama
Arujá
Atibaia
Barueri
Biritiba Mirim
Bom Jesus dos Perdões
Bragança Paulista
Cabreúva
Caieiras
Cajamar
Campo Limpo Paulista
Carapicuíba
Cotia
Diadema
Embu das Artes
Embu-Guaçu
Ferraz de Vasconcelos
Francisco Morato
Franco da Rocha
Guararema
Guarulhos
Igaratá
Itapecerica da Serra
Itapevi
Itaquaquecetuba
Itatiba
Itu
Itupeva
Jandira
Jarinu
Joanópolis
Jundiaí
Juquitiba
Mairinque
Mairiporã
Mauá
Mogi das Cruzes
Morungaba
Nazaré Paulista
Osasco
Pedra Bela
Pinhalzinho
Piracaia
Pirapora do Bom Jesus
Poá
Ribeirão Pires
Rio Grande da Serra
Salesópolis
Salto
Santa Isabel
Santana de Parnaíba
Santo André
São Bernardo do Campo
São Caetano do Sul
São Paulo
São Roque
Suzano
Taboão da Serra
Tuiuti
Vargem
Vargem Grande Paulista
Várzea Paulista
Código de área(DDD) 12
Aparecida
Arapeí
Areias
Bananal
Caçapava
Cachoeira Paulista
Campos do Jordão
Canas
Caraguatatuba
Cruzeiro
Cunha
Guaratinguetá
Ilhabela
Jacareí
Jambeiro
Lagoinha
Lavrinhas
Lorena
Monteiro Lobato
Natividade da Serra
Paraibuna
Pindamonhangaba
Piquete
Potim
Queluz
Redenção da Serra
Roseira
Santa Branca
Santo Antônio do Pinhal
São Bento do Sapucaí
São José do Barreiro
São José dos Campos
São Luís do Paraitinga
São Sebastião
Silveiras
Taubaté
Tremembé
Ubatuba
Código de área(DDD) 13
Bertioga
Cajati
Cananeia
Cubatão
Eldorado
Guarujá
Iguape
Ilha Comprida
Itanhaém
Itariri
Jacupiranga
Juquiá
Miracatu
Mongaguá
Pariquera-Açu
Pedro de Toledo
Peruíbe
Praia Grande
Registro
Santos
São Vicente
Sete Barras
Vicente de Carvalho
Código de área(DDD) 14
Águas de Santa Bárbara
Agudos
Álvaro de Carvalho
Alvinlândia
Anhembi
Arandu
Arco-Íris
Arealva
Areiópolis
Avaí
Avaré
Balbinos
Bariri
Barra Bonita
Bastos
Bauru
Bernardino de Campos
Bocaina
Bofete
Boraceia
Borebi
Botucatu
Brotas
Cabrália Paulista
Cafelândia
Campos Novos Paulista
Canitar
Cerqueira César
Chavantes
Conchas
Coronel Macedo
Dois Córregos
Duartina
Espírito Santo do Turvo
Fartura
Fernão
Gália
Garça
Getulina
Guaiçara
Guaimbê
Guarantã
Herculândia
Iacanga
Iacri
Iaras
Ibirarema
Igaraçu do Tietê
Ipaussu
Itaí
Itapuí
Itatinga
Jaú
Julio Mesquita
Lençóis Paulista
Lins
Lucianópolis
Lupércio
Macatuba
Manduri
Marília
Mineiros do Tietê
Ocauçu
Óleo
Oriente
Oscar Bressane
Ourinhos
Paranapanema
Pardinho
Paulistânia
Pederneiras
Piraju
Pirajuí
Piratininga
Pompeia
Pongaí
Pratânia
Presidente Alves
Promissão
Queiroz
Quintana
Reginópolis
Ribeirão do Sul
Sabino
Salto Grande
Santa Cruz do Rio Pardo
São Manuel
São Pedro do Turvo
Sarutaiá
Taguaí
Taquarituba
Tejupá
Timburi
Torrinha
Tupã
Ubirajara
Uru
Vera Cruz
Código de área(DDD) 15
Alambari
Angatuba
Apiaí
Araçoiaba da Serra
Barão de Antonina
Barra do Chapéu
Barra do Turvo
Boituva
Bom Sucesso de Itararé
Buri
Campina do Monte Alegre
Capão Bonito
Capela do Alto
Cerquilho
Cesário Lange
Guapiara
Guareí
Ibiúna
Iperó
Iporanga
Itaberá
Itaoca
Itapetininga
Itapeva
Itapirapuã Paulista
Itaporanga
Itararé
Jumirim
Laranjal Paulista
Nova Campina
Piedade
Pilar do Sul
Porangaba
Porto Feliz
Quadra
Ribeira
Ribeirão Branco
Ribeirão Grande
Riversul
Salto de Pirapora
São Miguel Arcanjo
Sarapuí
Sorocaba
Tapiraí
Taquarivaí
Tatuí
Tietê
Torre de Pedra
Votorantim
Código de área(DDD) 16
Altinópolis
Américo Brasiliense
Aramina
Araraquara
Barrinha
Batatais
Boa Esperança do Sul
Borborema
Brodowski
Buritizal
Cajuru
Cândido Rodrigues
Cássia dos Coqueiros
Cravinhos
Cristais Paulista
Dobrada
Dourado
Dumont
Fernando Prestes
Franca
Guará
Guariba
Guatapará
Ibaté
Ibitinga
Igarapava
Ipuã
Itápolis
Itirapuã
Ituverava
Jaboticabal
Jardinópolis
Jeriquara
Luiz Antônio
Matão
Miguelópolis
Monte Alto
Morro Agudo
Motuca
Nova Europa
Nuporanga
Orlândia
Patrocínio Paulista
Pedregulho
Pitangueiras
Pontal
Pradópolis
Ribeirão Bonito
Ribeirão Corrente
Ribeirão Preto
Rifaina
Rincão
Sales Oliveira
Santa Cruz da Esperança
Santa Ernestina
Santa Lúcia
Santa Rosa do Viterbo
Santo Antônio da Alegria
São Carlos
São Joaquim da Barra
São José da Bela Vista
São Simão
Serra Azul
Serrana
Sertãozinho
Tabatinga
Taiaçu
Taiuva
Taquaral
Taquaritinga
Trabiju
Vista Alegre do Alto
Código de área(DDD) 17
Adolfo
Altair
Álvares Florence
Américo de Campos
Aparecida d'Oeste
Ariranha
Aspásia
Auriflama
Bady Bassitt
Bálsamo
Barretos
Bebedouro
Cajobi
Cardoso
Catanduva
Catiguá
Cedral
Colina
Colômbia
Cosmorama
Dirce Reis
Dolcinópolis
Elisiário
Embaúba
Estrela d'Oeste
Fernandópolis
Floreal
Gastão Vidigal
General Salgado
Guaíra
Guapiaçu
Guaraci
Guarani d'Oeste
Guzolândia
Ibirá
Icém
Indiaporã
Ipiguá
Irapuã
Itajobi
Jaborandi
Jaci
Jales
José Bonifácio
Macaubal
Macedônia
Magda
Marapoama
Marinópolis
Mendonça
Meridiano
Mesópolis
Mira Estrela
Mirassol
Mirassolândia
Monções
Monte Aprazível
Monte Azul Paulista
Neves Paulista
Nhandeara
Nipoã
Nova Aliança
Nova Canaã Paulista
Nova Castilho
Nova Granada
Nova Luzitânia
Novais
Novo Horizonte
Olímpia
Onda Verde
Orindiúva
Ouroeste
Palestina
Palmares Paulista
Palmeira d'Oeste
Paulo de Faria
Pedranópolis
Pindorama
Pirangi
Poloni
Pontalinda
Pontes Gestal
Populina
Potirendaba
Riolândia
Rubineia
Sales
Santa Adélia
Santa Albertina
Santa Clara d'Oeste
Santa Fé do Sul
Santa Rita d'Oeste
Santa Salete
Santana da Ponte Pensa
São Francisco
São João das Duas Pontes
São João de Iracema
São José do Rio Preto
Sebastianópolis do Sul
Severinia
Tabapuã
Tanabi
Terra Roxa
Três Fronteiras
Turmalina
Ubarana
Uchoa
União Paulista
Urânia
Urupês
Valentim Gentil
Viradouro
Vitória Brasil
Votuporanga
Código de área(DDD) 18
Adamantina
Alfredo Marcondes
Alto Alegre
Álvares Machado
Andradina
Anhumas
Araçatuba
Assis
Avanhandava
Barbosa
Bento de Abreu
Bilac
Birigui
Borá
Braúna
Brejo Alegre
Buritama
Caiabu
Caiuá
Cândido Mota
Castilho
Clementina
Coroados
Cruzália
Dracena
Echaporã
Emilianópolis
Estrela do Norte
Euclides da Cunha Paulista
Flora Rica
Flórida Paulista
Florínea
Gabriel Monteiro
Glicério
Guaraçaí
Guararapes
Iepê
Ilha Solteira
Indiana
Inúbia Paulista
Irapuru
Itapura
João Ramalho
Junqueirópolis
Lavínia
Lourdes
Lucélia
Luziânia
Lutécia
Marabá Paulista
Maracaí
Mariápolis
Martinópolis
Mirandópolis
Mirante do Paranapanema
Monte Castelo
Murutinga do Sul
Nantes
Narandiba
Nova Guataporanga
Nova Independência
Osvaldo Cruz
Ouro Verde
Pacaembu
Palmital
Panorama
Paraguaçu Paulista
Parapuã
Pauliceia
Pedrinhas Paulista
Penápolis
Pereira Barreto
Piacatu
Piquerobi
Pirapozinho
Planalto
Platina
Pracinha
Presidente Bernardes
Presidente Epitácio
Presidente Prudente
Presidente Venceslau
Quatá
Rancharia
Regente Feijó
Ribeirão dos Índios
Rinópolis
Rosana
Rubiácea
Sagres
Salmourão
Sandovalina
Santa Mercedes
Santo Anastácio
Santo Antônio do Aracanguá
Santo Expedito
Santópolis do Aguapeí
São João do Pau-d'Alho
Sud Mennucci
Suzanápolis
Taciba
Tarabai
Tarumã
Teodoro Sampaio
Tupi Paulista
Turiúba
Valparaíso
Zacarias
Código de área(DDD) 19
Aguaí
Águas da Prata
Águas de Lindoia
Águas de São Pedro
Americana
Amparo
Analândia
Araras
Artur Nogueira
Caconde
Campinas
Capivari
Casa Branca
Charqueada
Conchal
Cordeirópolis
Corumbataí
Cosmópolis
Descalvado
Divinolândia
Elias Fausto
Engenheiro Coelho
Espírito Santo do Pinhal
Estiva Gerbi
Holambra
Hortolândia
Indaiatuba
Ipeúna
Iracemápolis
Itapira
Itirapina
Itobi
Jaguariúna
Leme
Limeira
Lindoia
Louveira
Mococa
Mogi Guaçu
Mogi Mirim
Mombuca
Monte Alegre do Sul
Monte Mor
Nova Odessa
Paulínia
Pedreira
Piracicaba
Pirassununga
Porto Ferreira
Rafard
Rio Claro
Rio das Pedras
Saltinho
Santa Bárbara d'Oeste
Santa Cruz da Conceição
Santa Cruz das Palmeiras
Santa Gertrudes
Santa Maria da Serra
Santa Rita do Passa Quatro
Santo Antônio de Posse
Santo Antônio do Jardim
São João da Boa Vista
São José do Rio Pardo
São Pedro
São Sebastião da Grama
Serra Negra
Socorro
Sumaré
Tambaú
Tapiratiba
Valinhos
Vargem Grande do Sul
Vinhedo
Relacionados
Códigos de área (DDD) de todos os municípios paulistas Portal do Brasil Portal de São Paulo

POSTAGENS RELACIONADOS


DESENVOLVIMENTO E-COMMERCE EM MARLIÉRIA


desenvolvimento e-commerce em Marliéria

Encontre desenvolvimento e-commerce em Marliéria na Web4business - Desenvolvimento de Sistemas e Sites Personalizados.

LER ARTIGO

DESENVOLVIMENTO E-COMMERCE EM MARMELEIRO


desenvolvimento e-commerce em Marmeleiro

Encontre desenvolvimento e-commerce em Marmeleiro na Web4business - Desenvolvimento de Sistemas e Sites Personalizados.

LER ARTIGO

DESENVOLVIMENTO E-COMMERCE EM MARMELÓPOLIS


desenvolvimento e-commerce em Marmelópolis

Encontre desenvolvimento e-commerce em Marmelópolis na Web4business - Desenvolvimento de Sistemas e Sites Personalizados.

LER ARTIGO

DESENVOLVIMENTO E-COMMERCE EM MARQUES DE SOUZA


desenvolvimento e-commerce em Marques de Souza

Encontre desenvolvimento e-commerce em Marques de Souza na Web4business - Desenvolvimento de Sistemas e Sites Personalizados.

LER ARTIGO